MAIS IMPOSTOS: Em artigo, Fábio Câmara faz duras críticas a Eduardo Braide

O ex-vereador afirma ainda que Eduardo Braide, ao pedir vistas do projeto governista para ter tempo hábil de conhecer melhor a matéria, decidiu “não decidir”.

O ex-vereador e ex-candidato a prefeito de São Luis, Fábio Câmara (PSL) divulgou, pelas redes sociais, um artigo onde faz duras críticas ao voto de abstenção do deputado estadual Eduardo Braide (PMN) em relação ao projeto do governo Flávio Dino (PCdoB), aprovado na última quarta-feira, 5, que voltou a aumentar alíquotas de impostos no estado.

Na avaliação de Fábio Câmara, o parlamentar abriu mão do “direito e do dever de votar”. O ex-vereador afirma ainda que Eduardo Braide, ao pedir vistas do projeto governista para ter tempo hábil de conhecer melhor a matéria, decidiu “não decidir”.

O Blog do Robert Lobato reproduz, a seguir, a íntegra do artigo de Fábio Câmara. Confira.

“À Mulher de César Não Basta Ser Honesta. Ela Tem Que Parecer Honesta!” (Júlio César)

Quando um parlamentar PEDE VISTAS de um projeto, ele o faz tendo em mente se embasar melhor sobre a matéria para, em seguida, POSICIONAR-SE. Abster-se de votar corresponde ao cúmulo da negação do direito e do dever. Não faz sentido nenhum, e eu falo com a propriedade de ter sido líder da oposição na câmara de vereadores, publicitar ao povo que o executivo está usando a sua caneta como chibata e, na hora de eu intervir contrariamente ao castigo, tudo o que eu decido fazer é calar-me e fechar meus olhos diante dos açoites.

Braide pediu vistas porque não tinha tido tempo hábil para ver o projeto. Só que, depois de o ter visto e conhecido, sobre o mesmo, decide NÃO DECIDIR. Mas, essa não é a primeira e, certamente, não será a última incoerência do Braide. Braide candidato a prefeito de São Luís foi aguerrido no primeiro turno e apagado e submisso no segundo turno.

O Braide que concorreu valentemente à prefeitura partindo de 3% nas pesquisas e com um partido sem dinheiro e sem tempo de televisão, VIROU um Braide que se negou a concorrer ao governo do Estado, ainda que figurando nas pesquisa com percentuais próximos a 15%, com partidos se oferecendo para acolhê-lo e com um ex governador disposto a acompanhar seus passos.

E, agora, um deputado de segunda é o Braide que mostra a cara convocando o povo para votar NÃO ao aumento de impostos e que se transforma num deputado de quarta, abstendo-se, escondendo a voz para dizer um SIM ao mesmo povo por ele convocado.

Poder ABSTER-SE É LEGAL. Porém, é MORAL? Com a palavra para o julgamento e determinação do veredicto, tal qual Júlio César, O POVO DO MARANHÃO.

Deixe uma resposta