ELEIÇÕES 2018: Nem Maranhãozinho aceita Weverton Rocha senador 10

Ao ser questionado sobre quem vai apoiar e votar na disputa do Senado, Maranhãozinho descartou qualquer apoio ao pedetista Weverton Rocha

“Eu sou um homem de palavra, quando digo algo, faço cumprir. O PDT, Weverton e Edivaldo nunca cumpriram com as palavras deles em nada. Uma coisa é certa, não voto em Weverton Rocha”.

As palavras acima é do presidente estadual do PR e uma das principais lideranças políticas no Maranhão, deputado Josimar de Maranhãozinho.

Segundo o blog do colega Diego Emir, ao ser questionado sobre quem vai apoiar e votar na disputa do Senado, Maranhãozinho descartou qualquer apoio ao pedetista Weverton Rocha (PDT).

Essa reação de Maranhãozinho é mais uma prova de que o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) está tonto quando o assunto é a disputa pelo Senado.

Enquanto isso, Waldir Maranhão só observa…

ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino planta vento em relação a José Reinaldo. E quem planta vento… 6

Observadores da cena política avaliam que a tática do governador é levar com a barriga a pré-candidatura de José Reinaldo ao Senado e em cima da hora, caso não seja o escolhido, o ex-governador encontrar dificuldades de voltar a concorrer a reeleição de deputado federal

O governador Flávio Dino (PCdoB) parece não perceber que pode estar caminhando para o precipício eleitoral em 2018.

O Blog do Robert Lobato poderia muito bem ficar de camarote apenas olhando a débacle política do comunista e não escrever este post que pode acabar ajudando-o a desfazer a lambança que está em curso em relação à disputa pelo Senado Federal dentro do grupo governista. Mas a esta página cabe, entre outras coisas, analisar conjunturas e cenários políticos, logo não importa se as análises ajudam ou atrapalham quem quer que seja. O que importa é debate democrático. Então vamos lá.

Como bem sabe o Maranhão inteiro, Flávio Dino já escolheu o seu primeiro candidato a senador.

O agraciado com tamanha honraria foi o deputado federal Weverton Rocha, que com o PDT no bolso e uma faca em punho, obrigou o governador a anunciar de forma bastante antecipada o apoio à candidatura do pedetista, ainda que tenha gente que garante que Flávio não acredita que o “Maragato” chegue muito longe com o seu projeto de senador.

Pois bem. Desde que Flávio Dino se viu eleito resolveu afastar antigos amigos e aliados de campanha, e conduzir sozinho a política do governo. Aí só perdeu. Perdeu Roberto Rocha, perdeu Madeira e o PSDB, perdeu Eduardo Braide, perdeu Wellington do Curso, perdeu Hilton Gonçalo e muitos outros.

Agora, o comunista corre o sério e mortal risco de perder aquele que jamais poderia se dar o luxo de perdê-lo: o ex-governador e atual deputado federal José Reinaldo Tavares (ainda no PSB).

É que Flávio Dino reuniu, nesta semana, a imprensa amiga do Palácio do Leões e afirmou que o somente no mês de maio de 2018 irá anunciar o segundo nome de senador na sua chapa.

Alguns observadores da cena política, porém, avaliam que a tática do governador é levar com a barriga a pré-candidatura de José Reinaldo ao Senado e em cima da hora, caso não seja o escolhido, o ex-governador encontrar dificuldades de voltar a concorrer a reeleição de deputado federal. A mesma leitura serve para a também para a deputada Eliziane Gama (PPS).

“Flávio Dino acha que José Reinaldo e Eliziane Gama estarão tão fracos politicamente lá por volta de abril e maio do ano que vem que só lhes restarão a opção de apoiá-lo. Será mesmo? Eles, na verdade, estarão com ódio do governador e virarão terríveis inimigos. Aqui vai um conselho ao governador, que não pediu : Se prometeu a Waldir Maranhão apoiá-lo para senador, por que não o confirma? Daria uma bela chapa: Flávio, Weverton e Maranhão. Por que não?”, provocou uma liderança governista do interior com forte credibilidade na classe política.

Enfim, está claro que o governador Flávio Dino está plantando vento quando o assunto é a eleição de senador no seu grupo político, principalmente em relação a José Reinaldo.

E quem planta vento, como bem ensina a sabedoria popular, colhe tempestade.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: José Reinaldo, um pequeno passo para um candidato, mas um salto gigantesco para o Senado 4

José Reinaldo fez um movimento muito bem calculado nesta fase da sua pré-campanha ao Senado Federal ao convidar a família Macedo para integrar o seu projeto. Fecha o ano com chave de ouro.

O ex-governador José Reinaldo Tavares (ainda no PSB) calcula cada movimento que deve dar na política. Até porque, como engenheiro de formação, entende de cálculos diferenciais e integrais, e os têm aplicado no território da política.

Na segunda-feira, 11, por exemplo, o agora deputado federal fez um movimento que pode ter consolidado de uma vez por todas o seu projeto para o Senado Federal.

Durante almoço realizado, em Teresina (PI), um território neutro, portanto, José Reinaldo reuniu-se com a família Macedo.

No cardápio, além de um bode no vinho de coco, o convite para o que o clã Macedo indique o primeiro suplente de senador na sua chapa, provavelmente o patriarca Dedé Macedo. Ou seja, Zé Reinaldo matou vários coelhos com uma cajadada só.

Em primeiro lugar, o pré-candidato a senador chama para perto de si um dos principais fiadores políticos e financeiros da campanha de 2014 do então candidato a governador Flávio Dino (PCdoB). Uma saia justa do “caramba” no comunista.

Em segundo lugar, Dedé Macedo é pai do deputado estadual Fábio Macedo, do PDT, mesmo partido do também pré-candidato a senador Weverton Rocha, presidente estadual do legenda trabalhista e que já recebeu o apoio declarado do governador Flávio Dino.

Por fim, Zé Reinaldo contou com o apoio de ninguém menos do que o ex-prefeito de Timon e ex-deputado estadual, o pedetista histórico Chico Leitoa, nessa empreitada política de chamar a família Macedo para compor no projeto de senador do agora deputado federal – comenta-se que Chico está de olho na segunda suplência, mas ele nega.

Detalhe importante: o almoço da segunda-feira, 11, em Teresina, foi à revelia do Palácio dos Leões e do PDT de Weverton Rocha.

O fato é que José Reinaldo fez um movimento muito bem calculado nesta fase da sua pré-campanha ao Senado Federal. Fechou o ano com chave de ouro.

Parodiando a frase do astronauta americano Neil Armstrong ao pisar na lua, Zé Reinaldo de “um pequeno passo para um candidato, mas um salto gigantesco para o Senado”.

É aguardar e conferir.

PS: Chico Leitoa, assim como José Reinaldo Tavares, é engenheiro, logo entende de cálculos também.  🙂

NÃO PÔDE COM O POTE: Weverton Rocha devolverá Sistema Difusora à família Lobão 24

O “Maragato” já vinha dando sinais de que havia perdido fôlego financeiro para comprar o sistema. Ou seja, quem não pode com o pote não segura na rodilha…

Acabou-se o que era doce…

O Blog do Robert Lobato foi informado no início da tarde desta quarta-feira, 22, de que o deputado federal Weverton Rocha (PDT) vai entregar, em janeiro de 2018, o Sistema Difusora de Comunicação aos donos de direito, no caso, a família Lobão.

Arrendadas pelo parlamentar pedetista desde o início de 2016 com promessa de compra para este ano de 2017, a TV Difusora e Rádio Difusora FM se tornou um compromisso pesado para Weverton conseguir honrar, tanto que ele já vinha dando sinais de que havia perdido fôlego financeiro para comprar o sistema. Ou seja, quem não pode com o pote não segura na rodilha…

PF de olho

A coisa começou a apertar mais ainda após da prisão do advogado Willer Tomaz, amigo de Weverton e operador dos famigerados irmãos Jowesley e Wesley Batista, da JBS/J&F. Willer foi preso na Operação Patmos, da Polícia Federal, e ainda encontra-se recolhido no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal.

A aquisição do sistema Difusora faz, ou fazia, parte de um audacioso, e até certo ponto corajoso, projeto político de Weverton Rocha com os comunistas do PCdoB que consiste em dar total apoio ao “Maragato” para o Senado Federal em troca do apoio do PDT à reeleição de Flávio Dino em 2018, e em 2022 a chapa seria investida com o Weverton governador-12 e Flavio senador-650.

Só que esqueceram de combinar com a Polícia Federal, que está de olho nas movimentações milionárias de muita gente no Maranhão que até ontem não tinha no “fiofó” o que periquito roesse.

OPERAÇÃO PEGADORES: Os desdobramentos políticos da ação da PF no governo Flávio Dino 12

De imediato fere de morte a candidatura de Weverton Rocha ao Senado Federal. Rosângela era a ponta de lança do projeto “Tapetes Azuis” do deputado em Imperatriz e agora pode se tornar uma lança e atingir bem no coração do presidente do PDT. Já imaginaram uma “delação premiada” da mulher?

Evidente que há desdobramentos políticos da Operação Pegadores, deflagada pela Polícia Federal no âmbito do governo Flávio Dino (PCdoB), na manhã de hoje, 16.

Em primeiro lugar, a prisão da ex-deputada federal e ex-secretaria de Saúde do governo Flávio Dino, Rosângela Curado (PDT), a primeira a ocupar a pasta nessa gestão comunista, é um fato fundamental nesse caso.

Rosângela foi exonerada pelo secretário Márcio Jerry (Comunicação e Articulação Política) de forma humilhante em reunião ocorrida no Palácio dos Leões pouco mais de seis meses à frente do cargo.

Na época, a exoneração da pedetista teve tanta repercussão política negativa que o presidente estadual do PDT, deputado federal Weverton Rocha, licenciou-se do mandato para dar lugar à companheira.

Ato contínuo, o “Maragato” foi pra cima dos comunistas e empurrou goela abaixo a candidatura de Rosângela Curado à prefeitura de Imperatriz, causando uma crise tanto dentro dentro do PCdoB local, que queria a candidatura do deputado estadual Marco Aurélio, quanto no PSDB do ex-prefeito Sebastião Madeira que não aceitou a imposição do governador e acabou rompendo com o Palácio dos Leões. “Ora, governador, se ela não serviu para ser tua secretária de Saúde como pode servir para ser minha prefeita de Imperatriz?”, questionou Madeira na ocasião.

O projeto “Rosângela prefeita-12” foi um completo fiasco e a candidata do PDT acabou em terceiro lugar na disputa. Mais do que uma derrota da pedetista foi, sobretudo, uma derrota fragorosa para o governador Flávio Dino que hoje pena para ter reconquistar popularidade em Imperatriz e em toda a Região Tocantina.

Eleições 2018

A prisão de Rosângela Curado, portanto, pode ser considerada nitroglicerina pura com efeito devastador incalculável.

De imediato fere de morte a candidatura de Weverton Rocha ao Senado Federal. Rosângela era a ponta de lança do projeto “Tapetes Azuis” do deputado em Imperatriz e agora pode se tornar uma lança e atingir bem no coração da candidatura a senador do presidente do PDT. Já imaginaram uma “delação premiada” da mulher?

Outro consequência direta é sobre a própria campanha de reeleição de Flávio Dino ao governo do estado. E não adianta o comunista com a sua trupe tentarem tirar o corpo fora dessa crise porque as relação Rosângela Curado/Flávio Dino/Weverton Rocha/PDT/PCdoB/Governo são umbilicais.

Por fim, essa Operação Pegadores pode ainda afugentar os “neoaliados” do governo comunista porque é aquela história: quem vai querer se abrigar em casa que está caindo, não é mesmo?

Sem falar que tudo isso pode ser apenas a ponta de um grande e tenebroso iceberg…

É aguardar e conferir.

PS: O Blog do Robert Lobato deixa claro que jamais se animará com a prisão de Rosângela Curado. Pelo, contrário, só temos que lamentar por tal desfecho e desejamos que a ex-secretária consiga provar a sua inocência.

 

ELEIÇÕES 2018: Entenda o que está por trás do suposto interesse de Edivaldo pela vice de Flávio Dino 8

A manobra teria a ver com o desempenho do deputado federal Weverton Rocha (PDT) nas pesquisas internas para senador.

O Blog do Robert Lobato descobriu o que está por trás do repentino “interesse” de Edivaldo Holanda Junior (PDT) pelo posto de vice-governador de Flávio Dino (PCdoB) em 2018. A informação veio à tona ontem, por meio de um graduado blogueiros de paletó.

Segundo o escriba, que integra a assessoria do prefeito, aliados de Edivaldo Júnior já estariam “empolgados” com a tal possibilidade, que abriria a possibilidade do PCdoB assumir de vez a Prefeitura de São Luís com a ascensão do vice Júlio Pinheiro.

“Mas Bob, o PDT então teria duas vagas na chapa majoritária dinista ou o deputado federal Weverton Rocha estaria fora da disputa de senador?”, pode perguntar aquele leitor esperto.

Pois bem. Esta é a senha para desvendar o que estaria por trás dessa articulação subterrânea, meu atento leitor.

Segundo um audacioso “leão do palácio”, daqueles que não arredam o pé na defesa de Flávio Dino, a manobra teria a ver com o desempenho do deputado federal Weverton Rocha (PDT) nas pesquisas internas para senador.

Quem explica o próprio “leão do palácio” (com edição):

“Bob, sentindo uma dificuldade em eleger-se para o Senado Federal, já que ele teve acesso à pesquisas nada animadoras, Weverton Rocha começou a construir o plano B, de forma a demarcar espaço e afastar possíveis interessados no lugar de Carlos Brandão, já considerado fora da disputa pela vice. Se não viabilizar-se para a disputa por uma das vagas do Senado Federal, o “Maragato” quer ser vice-governador e, para isso, já mandou o prefeito guardar seu lugar, pois vai que o projeto “Weverton – senador 2018″ não dê certo, né?”, disse via WatsApp.

Em tempo: Em entrevista ontem ao famigerado programa sorvete, agora transmitido pela Mais FM, Edivaldo não negou a articulação. Enrolou, enrolou, deu “zignal”, mas manteve suspense sobre sua indicação para vice de Flávio Dino.

Para bom entendedor…