SENADO 2018: Atrás nas pesquisas, Weverton Rocha dá chilique e impede divulgação de números para o Senado 32

Pelo andar da carruagem, nem virando cachorro doido pelo Maranhão afora com Zequinha Sarney (PV) vai ajudar o nosso querido “Maragato” chegar à Câmara Alta do Congresso Nacional

“A Difusora esconder os números. P… no c… do Maragato. Não deixaram nem bater a foto da pesquisa. Ficou puto”.

As palavras acima é de um agente político ligado ao grupo de Flávio Dino comentando sobre como teria sido a reação do candidato a senador Weverton Rocha (PDT) frente aos números da pesquisa Datailha/Difusora, divulgada ontem, quarta-feira, 15.

Pelo WhatsApp, a fonte do Blog do Robert Lobato disse que sequer Weverton aceitou discutir a publicação dos número onde aparece na rabeira do levantamento e pior: a sua companheira de chapa Eliziane Gama aparece bem à frente do candidato pedetista.

Pelo andar da carruagem, nem virando cachorro doido pelo Maranhão afora com Zequinha Sarney (PV) vai ajudar o nosso querido “Maragato” chegar à Câmara Alta do Congresso Nacional.

Uma pena, né?

INTIMIDAÇÃO? Weverton Rocha compra dores de Willer Tomaz e processa blog 18

Não se preocupe, meu nobre deputado, pois na nossa audiência de conciliação não farei como o jornalista Jorge Vieira, hoje seu “leal aliado” na imprensa, que certa vez me disse que iria declarar na tua cara, durante um encontro com Vossa Excelência na Justiça do Maranhão, que o senhor é “ladrão”

Essa é boa…

Willer Tomaz, o “advogado ostentação”, como ele é conhecido na capital federal Brasília (veja aqui), foi derrotado em primeira e segunda instâncias nas ações que movia contra o Blog do Robert Lobato no âmbito do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) e ainda terá que arcar com os custos dos honorários do advogado deste editor, conforme print abaixo.

Não satisfeito com as derrotas judiciais, ao que tudo indica Willer Tomaz apelou para o deputado federal Weverton Rocha (PDT) que aceitou comprar as dores do seu compadre – Willer é padrinho do filho de Weverton (veja aqui).

Pois não é que o nosso querido “Maragato” acaba de acionar o pobre do blogueiro também no TJ-DF?

Não se preocupe, meu nobre deputado, pois na nossa audiência de conciliação não farei como o jornalista Jorge Vieira, hoje seu “leal aliado” na imprensa, que certa vez me disse que iria declarar na tua cara, durante um encontro com Vossa Excelência na Justiça do Maranhão, que o senhor é “ladrão”, assim como fez num post de novembro de 2011 intitulado CORRUPÇÃO: WEVERTON ROCHA COMANDAVA EXTORSÃO A ONGS NO MINISTÉRIO DO TRABALHO (veja aqui).

Contudo, não espere de mim rendição como fizeram teus ex-algozes da imprensa, que renderem-se como forma de acordo judicial para não te escrachar na blogosfera.

Não irei te chamar de “ladrão” na frente do juiz, mas de enrolado você não me escapa.

A gente se vê no TJ-DF, meu querido “Maragato”.

SENADO 2018: Márcio Jardim declara apoio a Weverton Rocha, “mas sem emprego na Prefeitura” 16

O argumento de Márcio que votará no candidato pedetista porque a segunda candidata do governo, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS) é “golpista”, não passa de balela, até porque o que não faltará no palanque comunista de Flávio Dino é “golpista”. Aliás, é “golpista” que engancha.

Márcio Jardim é do bem, boa gente.

Mas, infelizmente, se perdeu!

Jovem militante petista, lulista, conheci Márcio nas escadaria de uma sede do PCdoB no início da década de 90. Mas, infelizmente, repito, se perdeu!

Não se sabe por qual motivo Márcio Jardim, de hora para outra, recuou nas críticas políticas ao governo Flávio Dino. Ex-pré-candidato ao Senado Federal, o petista foi duro em vários momentos com a posição do Palácio dos Leões em não aceitar que o PT fizesse parte da chapa majoritária ao lado do PCdoB.

Flávio Dino, como todos sabem, se impõe pelo medo e parece viver com mandatos de prisão debaixo do braço para intimidar que ousa desafiá-lo politicamente. A “KGB” local vive de dossiês e de bisbilhotar a vida alheia como forma de intimidação.

Ao declarar apoio ao candidato a senador Weverton Rocha, o bravo Márcio Jardim não apenas macula a sua biografia, como jogou na lata do lixo muitas das suas palavras enquanto dirigente e ex-pré-candidato petista nas muitas vezes que disse ter sido excluído dos planos dos Leões.

Ora, se ele próprio não serviu como candidato a senador por que agora é obrigado a declarar apoio a um candidato de outro partido? Quer dizer que Márcio Jardim não pode, mas Weverton Rocha pode? Que coisa!

O argumento de que vota no candidato pedetista porque a segunda candidata do governo, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS) é “golpista”, não passa de balela! Até porque o que não faltará no palanque comunista de Flávio Dino é “golpista”. Aliás, é golpista que engancha.

Se por um lado a irmã errou politicamente em apoiar o impeachment da presidente Dilma, por outro lado dá um banho em Weverton Rocha quando o quesito é ética e retidão política.

Mas, para Márcio Jardim, isso é pouco.

Prefere se queimar dando apoio público ao nosso querido “Maragato”.

Mesmo “sem emprego na Prefeitura”, numa clara alusão a outro ex-pré-candidato petista a senador que mandou o projeto político para os ares e virou secretário de Holandinha.

E assim caminha o PT no Maranhão.

Até quando?

IMPUGNAÇÃO DE FLÁVIO DINO: Enquanto Eliziane Gama sai em solidariedade ao governador, Weverton Rocha nem “tchum” 12

Nadica de nada de manifestação de solidariedade do nosso querido “Maragato” ao seu aliado, amigo e camarada. Pelo contrário: está é feito cachorro doido cuidando da sua campanha.

E nas intempéries da vida que a gente sabe quem é quem.

O governador Flávio Dino (PCdoB) caiu em desgraça por causa da decretação de sua inelegibilidade proferida pela juíza Anelise Nogueira Reginato, da 8ª Zona Eleitoral. Isso todos os maranhenses já sabem, inclusive que o caso é “gravíssimo”, como deixou claro a magistrada na sua decisão.

Pois bem. A candidata a senadora pela chapa de Flávio Dino, deputada federal Eliziane Gama (PPS), fez o que deveria qualquer aliado do comunista fazer, ainda mais na condição de companheiro/companheira de chapa: sair em solidariedade ao aliado impugnado.

Pela rede social do Twitter, a irmã fez a seguinte avaliação sobre a situação do governador comunista:

“Judicializar demandas sem materialidade querendo confundir a população quanto a elegibilidade ou não de um governo marcado pela transparência é apenas e tão somente desespero de grupos que perderam benefícios e sabem que não os terão de volta. O MARANHAO É AGORA DE TOSOS NÓS! A elegibilidade do @FlavioDino é incontestável, não há qualquer mácula ou mancha que possa fazer que essa ação tenha qualquer sentido, pena que tenhamos que está discutindo isso, tínhamos que está discutindo o MA e destacando o avanço deste que é o gov de todos os maranhenses”.

Muito bonito o gesto da candidata governista. Parabéns para a irmã!

Enquanto isso, o “candidato número 1” de Flávio Dino ao Senado Federal, o também de deputado federal Weverton Rocha, nosso querido Maragato, nem “tchum” para o martírio do seu aliado, amigo e camarada. Nadica de nada de manifestação de apoio e solidariedade.

Pelo contrário: está é feito cachorro doido cuidando da sua campanha.

Coisa feia, siô!

 

ELEIÇÕES 2018: Em ato de lançamento da pré-candidatura de Weverton Rocha ao Senado, Flávio Dino deve declarar apoio a Ciro Gomes 20

Essa prática do comunista é conhecida de todos: para cada situação um discurso, para cada palanque uma declaração de apoio para presidente. Vimos isso em 2014 quando apoiou de Dilma (PT) a Aécio Neves (PSDB). Às favas a fidelidade partidária e a concepção ideológica

Deputado federal Weverton Richa (PDT) fará ato político na próxima segunda-feira, 16, no Multicenter Sebrae, com a presença do pré-candidato a presidente pelo seu partido, o fanfarrão do Ciro Gomes.

O ato vai estar presente também o governador Flávio Dino, que deve declarar apoio a Ciro Gomes e banhar o presidenciável de loas, que defendeu apoio da esquerda ao pedetista.

Essa prática de Flávio Dino é conhecida de todos: para cada situação um discurso, para cada palanque uma declaração de apoio para presidente. Vimos isso em 2014 quando apoiou de Dilma (PT) a Aécio Neves (PSDB). Às favas a fidelidade partidária e a concepção ideológica.

Senado

Mas o ponto alto do evento, claro, será o lançamento da pre-candidatura de Weverton Rocha ao Senado Federal no auditório repleto de militantes espontâneos e participantes pagos para enfeitar a festança política.

Weverton Rocha faz uma das pré-campanhas mais caras dessa fase do processo eleitoral de 2018. Além de ter “adquirido” o sistema Difusora de Comunicação, o líder pedetista possui um estrutura que, se duvidar, é de fazer inveja até ao governador Flávio Dino. É dinheiro saindo pelo ladrão – sem querer fazer qualquer trocadilho.

Por terra ou pelo ar, já que Weverton Rocha rasga os céus maranhenses num potente helicóptero de propriedade do seu compadre Willer Tomaz, um ex-presidiário da Lava Jato, o pré-candidato aposta – e a palavra é essa mesmo – todos os recursos na sua eleição que mesmo com toda grana e estrutura não é dada como fácil, tanto que a sua companheira de chapa, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS) sem um quinto da estrutura que Weverton detém, tem mil vezes mais chances de eleição do ele.

O fato é que a segunda-feira, 16, vai dar o que falar positiva e negativamente, sem dúvida alguma.

O Blog do Robert Lobato deseja sucesso ao ato político do deputado Weverton Rocha, nosso querido Maragato.

SENADO 2018: As complicações jurídicas de Weverton Rocha e o carisma de Eliziane Gama 20

O parlamentar do PDT tende a passar a campanha inteira enfrentando processos nos tribunais superiores, inclusive com pedidos de impugnação da sua candidatura. Isso é péssimo!

O deputado federal Weverton Rocha (PDT) teve negado, pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), um recurso interposto contra decisão anterior do mesmo magistrado, na qual havia determinado a remessa imediata do Inquérito 3.394, relacionado à suposta prática de peculato, corrupção passiva e corrupção ativa, às Varas Criminais Federais da Seção Judiciária do Distrito Federal/DF.

No pode parecer, ao menos momentaneamente, algo positivo para o líder pedetista do ponto de vista de jurídico, já que o processo continua perambulando pelo Distrito Federal, do ponto de vista político é muito ruim para quem está em pré-campanha para o Senado Federal.

Weverton Rocha tende a passar a campanha inteira enfrentando processos nos tribunais superiores, inclusive com pedidos de impugnação da sua candidatura. Isso é péssimo.

As acusações que pesam contra o parlamentar pedetista são graves, muito graves, gravíssimas!

Enquanto isso, a sua companheira de chapa, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS), navega em águas calmas nesta fase de pré-campanha no que diz respeito à questões jurídicas, éticas e morais.

A irmã faz uma pré-campanha alegre, simples, sem ostentações, sustentada apenas no seu carisma e na força que possui no meio evangélico e mesmo entre setores dos movimentos sociais.

Se depender exclusivamente da força e do carisma de Eliziane Gama, e não houver conspirações “amigas”, com certeza ela entrará na campanha propriamente dita com um grau de competitividade muito grande.

E sem ter que ficar com um olho na campanha e outro nos tribunais.

Como é o caso de Weverton Rocha, o nosso querido Maragato…

OS ENROLADOS: Marcelo Miller, Willer Tomaz, Weverton Rocha e a gestão Edivaldo Holanda 28

Em Brasília, já se fala na possibilidade do ex-procurador Marcello Miller fazer uma delação premiada o que poderia colocar, mais uma vez, o advogado Willer Tomaz no olho do furação dos escândalos que assolam o país, que por sua poderia abrir o bico e contar muita coisa envolvendo dinheiro da JBS em negócios no Maranhão

Ministério Público Federal apresentou, ontem, 25, à Justiça Federal do Distrito Federal, uma denúncia contra o ex-procurador da República Marcello Miller, a advogada Esther Flesch, o empresário Joesley Batista e o ex-diretor jurídico da JBS Francisco de Assis e Silva.

No entendimento do MPF, o ex-procurador recebeu vantagem indevida de R$ 700 mil para ajudar o J&F (grupo do qual a JBS faz parte) a obter informações para fechar acordo de delação premiada para ajudar os negócios dos famigerados irmãos Batista, Joesley e Wesley, e, por tabela, atingir o presidente Michel Temer no que conseguiram ao preço de colocar o país numa das maiores crises dos últimos tempos.

Para o MP, Marcello Miller “serviu a dois senhores” entre fevereiro e abril, a PGR e a J&F, ao “mantendo-se no cargo de Procurador da República e valendo-se da confiança do então Procurador-Geral da República [Rodrigo Janot] e membro auxiliar do Grupo de Trabalho Lava Jato, orientou a confecção de acordo de colaboração entre o MPF e seus ‘clientes’, em razão de promessa de pagamento ofertada pelos denunciados Joesley e Francisco.”

Em outubro do ano passado, durante depoimento à CPMI da JBS, o notório advogado Willer Tomaz, que também representava as tenebrosas transações da J&F, fez acusações graves contra o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot.

De acordo com membros da CPMI, o advogado se emocionou por diversas vezes e reclamou do fato de ter ficado 76 dias preso sem ser ouvido, conforme matéria do site da Folha de São Paulo publicada na época (veja aqui).

Weverton Rocha e a administração Edivaldo Holanda

“Mas, Bob, o quem a ver o deputado federal Weverton Rocha e a administração do prefeito Edivaldo Holanda em toda trama sórdida”?, perguntaria um leitor de boa-fé.

Bom, diria que tem tudo a ver direta e/ou indiretamente.

Em Brasília, já se fala na possibilidade do ex-procurador Marcello Miller fazer uma delação premiada o que poderia colocar, mais uma vez, o advogado Willer Tomaz no olho do furação dos escândalos que assolam o país, que por sua poderia abrir o bico e contar muita coisa envolvendo dinheiro da JBS em negócios no Maranhão.

Ora, Willer Tomaz é “chegado”, aliás, mais do que “chegado”, do deputado Weverton Rocha que atualmente é o homem forte da administração Edivaldo Holanda Júnior, que não é nenhum modelo de gestão ética – este blogueiro que o diga.

Se de fato Marcello Miller vier fazer uma delação premiada poderá envolver Willer Tomaz, que poderá envolver Weverton Rocha e chegar em São Luis, bem no colo do prefeito Edivaldo, num efeito casca tipo o poema “Quadrilha”.

Só que sem magia e delicadeza do poema de Carlos Drummond de Andrade.

TRAQUINAGEM: Helicóptero usado por Weverton Rocha é de propriedade do ex-presidiário Willer Tomaz 8

É um pássaro? É um avião? Não! É o helicóptero de Willer Tomaz “pilotado” por Weverton Rocha, nosso “Maragato”.

O deputado federal e pré-candidato a senador Weverton Rocha está “rasgando” os céus maranhenses num potente e luxuoso helicóptero.

Até aí tudo bem, nada demais.

Acontece é que o equipamento voador é de propriedade do enrolado advogado Willer Tomaz de Souza, amigão de Weverton e que foi preso, em maio do ano passado, pela Polícia Federal durante a Operação Patmos, braço da Lava Jato (veja aqui).

A informação foi obtida com exclusividade pelo Blog do Robert Lobato através de uma fonte de Brasília, que enviou dados da aeronave confirmando que realmente ela pertence a Willer Tomaz, conforme print abaixo:

Weverton Rocha, o Maragato, ou “Maragatuno como costumava chamá-lo o editor do blog Marrapá, faz uma das mais ricas pré-campanhas para o Senado Federal. Talvez nem o senador Edison Lobão, que corre a mais um mandato, tenha demonstrado tanto poder de fogo financeiro como o presidente estadual do PDT.

É de bom alvitre que as autoridades judiciárias, eleitorais e policiais fiquem de olhos abertos para os céus maranhenses.

É um pássaro? É um avião? Não!

É o helicóptero de Willer Tomaz “pilotado” por Weverton Rocha, nosso “Maragato”.

SENADO 2018: Eliziane Gama, Weverton Rocha e o PT 23

Se parte dos petistas acha que a “golpista” Eliziane Gama não serve para ser candidata ao Senado apoiada pelo PT, também deveria fazer uma leitura crítica sobre o nome do pré-candidato Weverton Rocha que se for colocado numa balança ética ao lado da irmã ele perde é feio

Weverton Rocha, Eliziane Gama; E Eliziane Gama e Helena Heluy.

Ainda há uma disputa por dentro do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) pelas vagas ao Senado Federal.

Ainda que tecnicamente esteja fechada com os deputados federais Eliziane Gama (PPS) e Weverton Rocha (PDT), politicamente persiste uma pedra no meio do caminho governista até as convenções: o PT.

O partido de Lula possui dois pré-candidatos ao Senado, os professores Márcio Jardim e Nonato Chocolate. Há um terceiro nome petista que é a presidente da CUT-MA, Adriana Oliveira, mas, segundo comenta-se, é apenas para fazer prevalecer o velho canibalismo interno.

Pois bem. Se o PT deseja mesmo ter uma vaga na majoritária na chapa de senador, por que o partido centra fogo somente na pré-candidata Eliziane Gama?

Ora, o correto seria o partido fazer uma leitura crítica da chapa Eliziane Gama/Weverton Rocha a partir do conjunto da obra e não somente colocar os olhos sobre a irmã.

Se é verdade que o maior “pecado” de Eliziane foi ter votado a favor do impeachment da presidente Dilma, criticado Lula e o PT durante a CPI da Petrobras, não é menos verdade que a parlamentar sempre se colocou contra as reformas do presidente Temer, esteve o tempo todo do lado dos direitos humanos, dos movimentos sociais e quando era deputada estadual trabalhou frequentemente algumas agendas com quadros do PT como a ex-deputada Helena Heluy e a professora Mary Ferreira, só para citar esses dois exemplos qualificadíssimos.

Ademais, não há registro de que Eliziane Gama seja envolvida em casos de corrupção ou que é ou está ameaçada de virar uma ficha suja a qualquer momento ou quiçá perder o mandato e pior: ser presa!

Já o seu colega de chapa ao Senado Federal pelo grupo de Flávio Dino é exatamente o oposto.

Weverton Rocha vive em briga com a Justiça no âmbito dos altos tribunais do país respondendo denúncias de corrupção. Tanto que não se pode garantir 100% de que o “Maragato” conseguirá levar a cabo a sua pré-candidatura de senador até fim.

O fato é que se Weverton Rocha votou contra o impeachment da Dilma, “deseja” ver Lula livre e tem uma boa relação com o PT no Congresso Nacional, é fato também que o seu partido tem candidato a presidente da República, um sujeito bipolar chamado Ciro Gomes que quando está sem tomar o seu remédio controlado parte pra cima do PT e do Lula com gosto de gás.

Nesse sentido, se parte dos petistas acha que a “golpista” Eliziane Gama não serve para ser candidata apoiada pelo PT, também deveria, repito, fazer uma leitura crítica sobre o nome do pré-candidato Weverton Rocha que se for colocado numa balança ética ao lado da irmã ele perde é feio.

No mais, nesse jogo todo fica feio mesmo é para o PT.

Que a cada dia se apequena sem conseguir mostrar uma personalidade politicamente forte que exija respeito, inclusive do governador Flávio Dino que, no fundo, é o maior carrasco do petismo no Maranhão por saber que tem o PT nas mãos. Aliás, nas mãos não, na folha.

Uma lástima!

SENADO 2018: Esperto, Weverton Rocha quer ser também o senador do Sarney 14

É difícil imaginar que o Maragato tenha algum futuro utilizando-se da “catinga” dos Sarney e assim achar que pode enganar o povo, fazendo um discurso nos grandes centros contra a “oligarquia”, e nos grotões levantando a mão de um dos principais herdeiros de Zé Sarney

Que o deputado federal Weverton Rocha (PDT) é sabido que só a moléstia todo mundo sabe. Só que o homem está indo longe demais na sua esperteza e pode acabar se dando mal.

É que leio no blog do colega Diego Emir que o nosso bravo Maragato – maldosamente chamado por um blogueiro palaciano e funcionário da Radio Difusora FM de “Maragatuno” – anda pra cima e pra baixo com o também deputado federal Sarney Filho (PV) fazendo “dobradinha” para o Senado Federal. É bem aí que reside a malandragem.

Zequinha Sarney é um homem polido, tem pedigree, muito educado e não tem a manina de sair por aí detonando adversários e muito menos agredindo familiares dos seus opositores. É um homem é fino, diga-se.

Já Weverton Rocha vem da barbárie, da vida dura, de família humilde, não tem pedigree e sempre usou um discurso duro contra os poderosos, as oligarquias, os golpistas e por aí vai.

E entre os oligarcas que Weverton mais gosta de detonar, esculhambar e escrachar é justamente o pai de Zequinha, o ex-presidente José Sarney. Sem falar nas porradas que o pedetista dá mana Roseana quase que diariamente. É um homem é bruto, diga-se.

Nesse sentido, é difícil imaginar que o Maragato tenha algum futuro utilizando-se da “catinga” dos Sarney e assim achar que pode enganar o povo, fazendo um discurso nos grandes centros contra a “oligarquia”, e nos grotões levantando a mão de um dos principais herdeiros de Zé Sarney.

Como perguntar não ofende, pergunta-se: quem teria mais vergonha dessa “dobradinha” inusitada, o fino Sarney Filho ou o bruto Werverton Rocha?

E o leitor, o que acha?