Waldir Maranhão é recebido pela bancada do PSDB na Câmara dos Deputados 4

Waldir Maranhão agradeceu a receptividade dos parlamentares do PSDB e fez um reconhecimento do gesto feito por Roberto Rocha, que é o presidente estadual do partido, em não ter criado nenhuma dificuldade ou pedido qualquer contra partida a sua filiação.

A bancada do PSDB na Câmara dos Deputados recepcionou com alegria e respeito um dos mais novos filiados do partido, o deputado Waldir Maranhão.

O ato foi realizado na liderança do partido na Câmara e contou com a presença significativa dos parlamentares tucanos, incluindo o senador Roberto Rocha, a quem coube fazer a apresentação político do novo quadro tucano.

Aos presentes, Waldir Maranhão agradeceu a receptividade dos parlamentares do PSDB e fez um reconhecimento ao gesto feito por Roberto Rocha, que é o presidente estadual do partido, em não ter criado nenhuma dificuldade ou pedido qualquer contra partida a sua filiação.

“É com muita honra, satisfação, alegria e principalmente humildade, que venho cerrar fileiras no PSDB, um partido o qual sempre tive muito respeito e boa relação com seus quadros tanto no meu estado Maranhão quanto aqui na Câmara. Agradeço a calorosa acolhida que recebo aqui neste ato e aproveito para fazer um justo reconhecimento ao presidente estadual do PSDB no Maranhão, o senador Roberto Rocha, que em nenhum momento criou dificuldades ou exigiu qualquer contrapartida para que eu entrasse no partido. Contem com o deputado e amigo Waldir Maranhão daqui em diante”, disse o neotucano.

Waldir Maranhão se filou ao PSDB após ser vetado no PT a mando do governador Flávio Dino. A seguir, alguns flagrantes do evento.

Flávio Dino, no que falta diálogo sobra “gogó” 6

O governador e seus asseclas agiram, nos últimos anos, como se não necessitassem de base de apoio alguma para a consolidação de um grupo ainda neófito no jogo político. Os prefeitos são os que relatam as maiores queixas.

Todos sabem que um dos grandes problemas do governador Flávio Dino (PCdoB) é que ele nunca desceu do palanque. Governa como se estivesse numa eterna campanha eleitoral.

Tem sido assim desde 2014 quando se embrenhou pelo estado com o tal “Diálogos pelo Maranhão” que naqueles tempos até que fazia sentido, já que o então pré-candidato a governador estava buscando chegar no Palácio dos Leões como de fato acabou conseguindo.

Ocorre que uma coisa é percorrer o Maranhão falando, prometendo, enrolado etc. Outra completamente diferente é, uma vez eleito e empossado, prestar contas da gestão, mostrar resultados. Campanha pode ser “gogó”, mas governar requer dialogar de verdade. E foi exatamente na arte de dialogar que Flávio Dino acabou perdendo aliados importantes a ponto da sua reeleição passar de um sonho para se transformar num pesadelo.

Faltou diálogo principalmente com a classe política!

O governador e seus asseclas agiram, nos últimos anos, como se não necessitassem de base de apoio alguma para a consolidação de um grupo ainda neófito no jogo político. Os prefeitos são os que relatam as maiores queixas, que variam desde o não recebimento em audiências solicitadas até mesmo “sermões” do governador diante de pedidos dos administradores municipais. Por outro lado, quando as obras do governo chegam aos municípios, os gestores são surpreendidos por uma tropa de choque que se apressa em divulgar, aos quatro cantos, que o benefício não é da Prefeitura, mas do Estado.

O exemplo mais emblemático da falta de trato e de diálogo foi o que culminou no rompimento do ex-governador Zé Reinaldo Tavares com o grupo governista. Dezenas de políticos, amigos em comum e jornalistas alinhados ao governo chegaram a pedir para que o deputado voltasse atrás na decisão. Mas Dino nunca deu um único telefonema ao padrinho político de seu ingresso na política. Sem Zé Reinaldo, o então Dr. Flávio Dino, juiz federal, não teria a mínima chance de êxito eleitoral, em 2006.

O próprio Tavares chegou a alertar, em matéria de capa do Jornal Pequeno, há quase dois anos: “Flávio Dino tem pecado demais na articulação política”. A frase não foi perdoada pelos Leões, mas funcionou como uma profecia. A cada dia aumenta mais a lista de ex-aliados do governador maranhense.

O mais recente deles, o deputado Waldir Maranhão, chegou a adotar um discurso com viés psicanalítico que talvez explique as razões da falta de diálogo ao diagnosticar o “ego quase doentio” do chefe do Executivo estadual.

Uma lástima!

A fama de traidor de Flávio Dino já é nacional 4

Flávio Dino terá que passar o resto do ano carregando o fardo de ser ingrato, desleal e mesmo um político inclinado a trair os aliados, o que pode contabilizar prejuízos irreversíveis durante a campanha eleitoral de outubro

O Blog do Robert Lobato já havia feito o alerta de que a ingratidão do governador Flávio Dino (PCdoB) em relação aos aliados poderia deixar o comunista com a má fama de traidor. Não deu outra!

Depois de passar uma rasteira no ex-governador e atual deputado federal José Reinaldo Tavares, principal responsável pela sua carreira política, Flávio Dino faz do também deputado federal Waldir Maranhão a sua última (ou penúltima?) vítima – ambos os deputados filiaram-se ao PSDB do senador Roberto Rocha na semana passada.

Diferentemente da traição a José Reinaldo, no caso de Wadir Maranhão a coisa ganhou repercussão nacional.

Primeiro foi no site Diário do Poder através da matéria onde o ex-presidente de Câmara dos Deputados revela um pouco dos bastidores que o levaram a pedir a anulação do impeachment da Dilma (veja aqui).

Ontem, 9, foi a vez do site Ucho.Info dar repercussão ao fato de Flávio Dino ter abandonado o compromisso político-eleitoral que tinha firmado com Waldir Maranhão.

Num texto duríssimo, a redação do Ucho.Info afirma que o governador maranhense é “um traidor que bambeia entre o ego doentio e o comportamento pusilânime” (veja aqui).

O fato é que Flávio Dino terá que passar o resto do ano carregando o fardo de ser ingrato, desleal e mesmo um político inclinado a trair os aliados, o que pode contabilizar prejuízos irreversíveis durante a campanha eleitoral de outubro.

E por falar em lealdade ou deslealdade política, como queiram, o Blog do Robert Lobato deixa para reflexão as palavras do atual governador São Paulo, Márcio França (PSB), que recentemente provou do gostou amargo da ingratidão ao ter apoio negado, a sua reeleição de governador, pelo prefeito da capital paulista João Doria (PSDB), que irá enfrentar o socialista na disputa ao governo.

Para quem não sabe ou não lembra, França, ao lado do agora ex-governador Geraldo Alckimin (PSDB), que deixou o cargo para se candidatar a presidente da República, foi um dos principais avalistas da candidatura de Doria a prefeito em 2016.

Confira as palavras de Márcio França ditas durante a sua posse no Palácio Bandeirantes.

(Qualquer semelhança com o que aconteceu no Maranhão não é mera coincidência).

Ah a lealdade… essa velha e honrada senhora certeira
Não tem dia e não tem hora, que eu te esqueça
Nem que o mundo acabe ou que eu desapareça…
Lá vai você comigo, minha querida companheira

Não sei se nasceu em mim, ou se meus pais me impregnaram
Só se sei que me acompanha resistente pela vida inteira,
E me abriu caminhos decisivos, que só por ti passaram

Ah a Lealdade
Condutora segura do meu destino, presente em mim, desde menino, orientou meus passos e minha conduta
Assim, sempre, fui leal a Deus, sobre todas as coisas, pois sei que ao final, não seria em vão a minha luta

Fui leal a fé e aos exemplos dos nossos antepassados na história
De luta resistente de Bartyra e Tibiriçá, de João Ramalho e do Bacharel de saudosa memória

De sabedoria do gênio José Bonifácio, de resistência cívica de Júlio Prestes, que nunca procurou o fácil, da coragem de Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo,

De quem ingere o remédio, ainda que seja amargo
De caridade De Dom Paulo Evaristo Arns, do gênio de Monteiro Lobato e a sua história famosa
Da sensibilidade Oswald de Andrade e Adoniran Barbosa

Fui leal a família, essa cesta de almas acolhedoras e queridas,
Que me dedicam o seu melhor,
Dispondo parte das suas próprias vidas

Fui leal a minha Pátria, que me concedeu a liberdade
Que me permitiu exercer minha vocação
lutar por mais justiça e igualdade
E ser feliz ao exercer e amar a minha profissão

Fui leal a minha terra querida, origem da minha jornada
São Vicente: mãe da Pátria, por vezes esquecida
Terra de gente simples e honrada

Fui leal aos amigos de infinitas caminhadas,
Muitos hoje, governador, por aqui, e outros que aqui não chegaram
Mas estão sempre comigo, pelas vitórias conquistadas
E pelas marcas profundas que em mim deixaram

Meu conterrâneo Mario Covas, o cavaleiro heroico que me transmitiu coragem
Miguel Arraes de Alencar, meu eterno mestre e inspirador
Eduardo Campos, irmão querido, alma gêmea que a vida me emprestou de passagem,
Tercio Garcia, herdeiro dos meus sonhos e sócio da minha dor
Todos estes, e tantos outros, estão por aqui, em algum canto deste salão

Felizes, orgulhosos, e me passando a emoção
Que reforça minha fé de poder cumprir minha nova missão!

Fui leal aos meus pais,
Primeiro amor que senti minha querida mãe Myrthes
Que Deus permite que hoje esteja aqui linda, guerreira, forte e decidida
Caiçara de Iguape, outra terra querida

E leal principalmente ao que me ensinou Luiz Gonzaga, meu herói, meu pai
Que da vida se foi, mas que de mim não sai
Médico dos pobres, herdeiro da melhor tradição
De que palavra dada que é palavra cumprida
De que a honra é marca pra não ser esquecida
De só fazer o bem a todos, e trabalhar por missão

Fui leal aos meus filhos, amados, Helena e Caio, Fernanda, e aos meus netos Enzo e Laurinha
Que me permitiram esclarecer, uma velha dúvida minha
Pois que com eles fiquei certo
De que de fato atingimos a eternidade,
Quando temos nossa continuidade por perto,
Quando filhos e netos se tornam realidade

Fui leal a minha metade querida
Lucia, luz dos meus caminhos,
Eu sempre soube que Deus me havia reservado você, minha prometida
Para facilitar as rosas e me poupar espinhos,
Desde que lhe vi, primeira namorada, sabia que era para sempre e que dividiríamos a estrada
Cá estamos, querida, para dividir contigo mais um compromisso de fé e de responsabilidade
Só sei que seremos capazes pela nossa total cumplicidade
Amo tudo em você, mas acima de tudo, sua lealdade….

Fui finalmente leal aos meus princípios e ao meu ideal
Meu partido pra mim não é uma sigla banal,
Vivo para permitir que todos possam ter as mesmas oportunidades que eu tive na vida
Que todos possam ser felizes como eu fui, que a lembrança lhes seja querida
Que todos possam exercer suas vocações, que trabalhem por prazer
Que os meninos não tenham que vender os seus sonhos nem vilipendiar o seu ser
Que amem seu País e admirem seus governantes
Que o futuro seja sempre melhor do que foi antes

Que todos possam acreditar mais no que são, do que no que têm
Que a Lei sirva a todos e que não privilegie ninguém
Que as decisões mais importantes possam vir do voto do povo
Que a tolerância e a generosidade possam vencer de novo

Que digam com orgulho que moram em
Uma Pátria Amada, e gentil
Que não fujam da luta
E que nunca desistam do Brasil!!!

Por fim, Governador, Eternamente Governador Geraldo Alckmin, amigo e companheiro,
Sou e serei leal ao seu legado,
A sua conduta e ao seu exemplo certeiro
Sua humildade, seu exemplo, sua discrição, sua perseverança e a sua retidão

Seu Pai, por certo, lhe acompanha orgulhoso e feliz, junto com outros queridos de tantos momentos
Sabe que o senhor também fez na vida o que quis
E foi leal a ele, aos seus princípios e ensinamentos

Vá em Paz, Governador, que o Senhor lhe acompanhe
Um abraço a Dona Lu, sua metade querida na eterna caminhada de vida
Nós estaremos sempre aqui, felizes e orgulhosos do seu sucesso e das suas realizações,
Do cumprimento do seu destino e das suas missões

Saiba que no dicionário cravado nas nossas almas e guardado no coração
Só há uma palavra que precede a palavra lealdade…
E essa palavra é gratidão!
Todos nós, brasileiros de São Paulo, agora, de pé e a ordem, lhe pedem permissão
Para aplaudi-lo por toda sua dedicação, sua lealdade ao povo, seus amigos e a sua Nação!

Palmas a Geraldo Alckmin!
Palmas e palmas a Geraldo Alckmin!
O filho humilde e brilhante que de Pinda saiu, que serviu aos seus e deu exemplo ao Brasil!
Viva São Paulo, terra de quem tem palavra, terra que vive a lealdade
Viva o Brasil, viva a verdade!!

Flávio Dino, o ‘Moro’ do Maranhão 32

Pelas práticas, pela empáfia, pela vaidade pessoal e pelo autorismo fruto da “síndrome da juizite”, Flávio Dino pode ser considerado o “Moro” do Maranhão. Com a diferença de não poder fazer uso do discurso anticorrupção.

O governador Flávio Dino (PCdoB) criticou duramente o juiz federal Sérgio Moro por ter determinado a prisão do ex-presidente Lula obedecendo a uma determinação do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o tal TRF-4.

Com a ideia fixa de se tornar uma “liderança nacional” e até ocupar um espaço de destaque na esquerda brasileira a partir da fragilidade que o ex-presidente Lula enfrenta, cabe a Flávio Dino criar factoides como esse de criticar o juiz Sérgio Moro por oportunismo.

Todavia, Flávio Dino sofre do mesmo mal do juiz da república de Curitiba no tocante ao autoritarismo e vaidade pessoal.

O maior exemplo disso foi o esforço que o comunista fez para que o PT vetasse a filiação do deputado federal Waldir Maranhão ao partido do Lula. Aliás, e é bom que se diga, não foi apenas um veto ao Waldir, mas ao próprio PT, que Flávio Dino esnoba por saber que o domina através de cargos, sinecuras e outros instrumentos pecuniários, inclusive o próprio presidente estadual do partido, que pela manhã vai despachar na sede do PT e à tarde corre para bater o ponto no Palácio dos Leões.

Flávio Dino utilizou-se da sua autoridade de chefe dos petistas que têm contracheque no seu governo para tripudiar, enganar e trair Waldir Maranhão, cujo único pecado que cometeu foi ter atendido a uma orientação do comunista para anular o impeachment da Dilma.

O que Flávio Dino fez contra Waldir Maranhão foi de uma covardia sem tamanho! E o fez sem o menor pudor, sem a menor cerimônia.

Pelas práticas, pela empáfia, pela vaidade pessoal e pelo autorismo fruto da “síndrome da juizite”, Flávio Dino pode ser considerado o “Moro” do Maranhão.

Com a diferença que não poder fazer uso do discurso anticorrupção.

LULA: “Faço campanha sorrindo para Waldir Maranhão ao Senado Federal” 6

A declaração do ex-presidente foi dada na manhã de ontem, terça-feira, 3, em São Paulo.

Uma fonte com amplo trânsito na Direção Nacional do PT, e ligada ao Lula, assegurou ao Blog do Robert Lobato que o ex-presidente disse que faz “campanha sorrido para Waldir Maranhão ao Senado Federal”.

A declaração foi dada, segundo a fonte, na manhã de ontem, terça-feira, 3, em São Paulo.

A filiação de Waldir Maranhão aos quadros PT está sendo apreciada pelo comando nacional do PT e deve ter um desfecho final até sexta-feira, 6, em Brasília.

É aguardar e conferir.

PT/MA: A coragem e a dignidade de Zé Inácio

O petista não vacilou em mostrar a cara e fazer da filiação de Waldir no PT uma questão de justiça política com alguém que igualmente agiu com coragem e dignidade num dos momentos mais difíceis da história do PT que foi o golpe parlamentar de 2016 contra a presidente Dilma

Política é feita de bônus e ônus.

Não adianta, ou melhor dizendo, não é devido fazer política achando se tratar de um território onde apenas colhe-se coisas boas pelo cargo que é exercido. Não. Muito pelo contrário!

O exercício da política muitas vezes é feito mais de ônus do que de bônus, ainda mais quando se trata de um político que não faz dessa nobre função pública um meio de vida para se dar de bem.

O Blog do Robert Lobato faz esse preâmbulo para expressar o reconhecimento público  do deputado estadual Zé Inácio frente à polêmica envolvendo a filiação do deputado federal Waldir Maranhão (Avante) aos quadros do PT.

Claro que não é nenhuma novidade o comportamento do parlamentar petista para aqueles que conhecem a sua personalidade e trajetória políticas. Mas nesse caso específico envolvendo o Waldir Maranhão, Zé Inácio foi além das virtudes de um homem público que faz da política um instrumento de luta por justiça social, igualdade econômica e democracia.

Com coragem e dignidade, Zé Inácio não vacilou em mostrar a cara e fazer da filiação do Waldir no PT uma questão de justiça política a alguém que igualmente agiu com coragem e dignidade num dos momentos mais difíceis da história do PT que foi o golpe parlamentar de 2016 contra a presidente Dilma.

E petista deixou bem claro essa sua postura corajosa e digna durante pronunciamento feito nesta terça-feira, 3, da tribuna da Assembleia Legislativa.

“O deputado Waldir ele pede filiação, decide se filiar ao PT no momento em que o país enfrenta uma grave crise econômica, uma grave crise política e social, em que a democracia é ameaçada constantemente e direitos conquistados a duras penas pelo povo são aniquilados por um governo ilegítimo, por um governo golpista. O Deputado Waldir, inclusive, tentou evitar o golpe quando se posicionou contra o impeachment a favor da Presidenta Dilma e depois, logo em seguida, na medida que exercia a Presidência da Câmara dos Deputados, teve o ato corajoso sob a orientação jurídica de alguns companheiros do Partido dos Trabalhadores, sob a orientação jurídica do Governador do Estado [Flávio Dino], que é um jurista respeitado nacionalmente, e tentou anular o golpe”, disse.

Enquanto muitos petistas maranhenses, alguns ilustres, viram o pedido de filiação do deputado Waldir Maranhão uma oportunidade de negócio para serem contemplados com estruturas de órgãos públicos no âmbito do Governo do Estado e da Prefeitura de São Luis, o deputado Zé Inácio, junto com outros companheiros da sua corrente interna, a CNB, deu um exemplo extraordinário de que é possível fazer política não somente com coragem, mas sobretudo com dignidade.

Por fim, e o Blog do Robert Lobato não poderia deixar de registrar, numa outra ponta igualmente espinhosa, mas que o deputado Zé Inácio demonstrou a mesma altivez que teve no caso do Waldir Maranhão, o tratamento dispensado a outro pedido de filiação ao PT: a do prefeito de Paço do Lumiar, Domingos Dutra que, inclusive, foi fundador do partido no Maranhão.

São homens públicos como Zé Inácio que faz com que a sociedade não perca completa e definitivamente a confiança na política e nos políticos.

Confira a íntegra do discurso de Zé Inácio.

PT/MA: Presidente de fato do PT, Chico Gonçalves monta barricadas contra filiação de Waldir Maranhão 6

Ao invés de reconhecer que Waldir Maranhão é uma “invenção” do próprio Flávio Dino, que honrou o parlamentar até com a placa de “Waldir, guerreiro do povo brasileiro”, Chico Gonçalves prefere fantasiar que a filiação e a defesa da pré-candidatura do deputado ao Senado Federal pelo PT é obra e graça dos “sarnopetistas”

Atende pelo nome de Chico Gonçalves o principal líder da resistência à filiação do deputado federal Waldir Maranhão aos quadros do PT maranhense.

O secretário de Direitos Humanos do governo Flávio Dino (PCdoB) é quem hoje comanda de fato o PT, elabora as principais teses que agradam o Palácio dos Leões e cumpre a tarefa de montar barricadas contra a filiação do Waldir no partido.

Radical e sectário, Chico Gonçalves vê em Waldir Maranhão uma “ameaça” ao projeto de poder de Flávio Dino sabe-se lá fundamentado em quê.

Ao invés de reconhecer que Waldir Maranhão é uma “invenção” do próprio Flávio Dino, que honrou o parlamentar até com a placa “Waldir, guerreiro do povo brasileiro”, Chico Gonçalves prefere fantasiar que filiação e a defesa da pré-candidatura do deputado ao Senado Federal pelo PT é obra e graça dos “sarnopetistas”, como ele, Chico, e sua turma, costumam denominar os petistas que integram a corrente Construindo um Novo Brasil (CNB).

VERDADE INCÔMODA

Waldir Maranhão sela acordo com Augusto Lobato para o PED/PT.

A verdade é que a CNB é uma corrente disciplinada e está sendo coerente politicamente ao obedecer o comando nacional do PT, que reconhece a legitimidade da filiação do Waldir Maranhão no partido pelo papel que o parlamentar cumpriu no processo de impeachment da presidente Dilma quado estava no exercício da presidência da Câmara dos Deputados.

A rigor, e é bom que se diga, a CNB sequer era para estar defendendo a entrada de Waldir no PT, pois, para quem não sabe ou não lembra, o parlamentar apoiou com ESTRUTURA foi a candidatura de Augusto Lobato no Processo de Eleição Direta do PT (PED/PT) ajudando a derrotar o deputado estadual Zé Inácio, o então candidato da CNB a presidente do partido.

Enfim, se tinha alguém para hoje estar defendendo com rigor a filiação de Waldir Maranhão no PT era exatamente Augusto Lobato, mas a “Rainha da Inglaterra” prefere se submeter às orientação do presidente de fato do PT, Chico Gonçalves, que na verdade são orientações do chefe deles, o governador Flávio Dino.

Pelo visto teremos uma Sexta-Feira Santa com menos milagres e mais traições.

Mas, se preciso for, o Brasil inteiro saberá quem é o Judas-mor do Maranhão.

É aguardar e conferir.

Waldir Maranhão vira alvo de ataques de comunistas e “maragatistas” 4

Os comunistas, associados aos “maragatistas” – gente ligada ao deputado federal Weverton Rocha, o “Maragato, que até dia desse era chamado de “Maragatuno” por blogueiros que agora dizem o amar – não se conformam com a possibilidade de Waldir se tornar o segundo candidato do governador Flávio Dino ao Senado.

O deputado federal e pré-candidato a senador Waldir Maranhão passou a ser atacado sem dó nem piedade por comunistas e “maragatistas” desde que se tornou uma opção real e concreta para o Senado Federal, principalmente com a sua filiação ao PT que acontece na próxima semana.

Os comunistas, associados aos “maragatistas” – gente ligada ao deputado federal Weverton Rocha, o “Maragato”, que até dia um desse era chamado de “Maragatuno” por blogueiros que agora dizem o amar – não se conformam com a possibilidade de Waldir se tornar o segundo candidato do governador Flávio Dino (PCdoB) ao Senado. Daí, partem pra cima do ex-presidente da Câmara dos Deputados com gosto de gás, via blogs.

Ocorre que Waldir Maranhão vem se articulando muito bem tanto no planalto quanto na planície, sempre com muita humildade e serenidade, e isso tem feito com que os seus adversários entrassem em parafuso, pois sabem que uma vez candidato pelo PT e com o apoio do grupo palaciano, Waldir realmente pode chegar à Câmara Alta do Congresso Nacional.

É esse cenário que faz de Waldir Maranhão alvo da fúria de comunistas e “maragatistas”.

E ainda há os “irmãsistas”, igualmente furiosos.

Mas isso é assunto para outra postagem…

FLÁVIO DINO: “O deputado Waldir Maranhão teve a coragem que poucos tiveram. Tem meu respeito.” 6

Uma sequência de tweets do governador Flávio Dino postados na época que Waldir Maranhão acatou a tese do “jurista” Flávio Dino, não deixa qualquer sombra de dúvida de que o comunista não só convenceu o então ex-presidente da Câmara a anular o impeachment da Dilma, como tinha mesmo um acordo de fazê-lo seu candidato a senador.

Muitos governistas, aliados dos comunistas e também a imprensa alugada com prazo determinado para terminar no dia 31/12/2018, tentam desqualificar a insistência do deputado federal Waldir Maranhão em fazer com que o governador Flávio Dino (PCdoB) cumpra o acordo firmado com o parlamentar de tê-lo como um dos seus candidatos a senador.

O acordo existe e foi fechado na época que Waldir era o então presidente da Câmara dos Deputados e aceitou acatar uma “tese jurídica” do governador maranhense de que era perfeitamente legal anular o impeachment da presidente Dilma.

A sequência de tweets do governador Flávio Dino, postados na época que Waldir Maranhão acatou a tese do “jurista” Flávio Dino e que o Blog do Robert Lobato reproduz a seguir, não deixa qualquer sombra de dúvida de que o comunista não só convenceu o ex-presidente da Câmara de anular o impeachment, como havia mesmo um acordo político com o aliado. Confira.

Graças a Deus ainda estão vivos o Lula, Dilma, José Eduardo Cardozo, Orlando Silva, Ricardo Capeli, entre outros que agora são cobrados pela história.

IMAGENS DO DIA: Militância petista abraça Waldir Maranhão 6

Militância petista, representada por várias correntes e coletivos internos, abraçam a chegada do deputado federal Waldir Maranhão nos quadros do Partido dos Trabalhadores para defender a democracia, o presidente Lula e ser o candidato do PT ao Senado Federal nas eleições de 2018.