ELEIÇÕES 2018: Roberto Rocha aciona CNJ, CNMP e PGR para acompanhamento de processo que declarou Flávio Dino inelegível e ainda para garantir a independência funcional de magistrada 14

O senador pede ainda investigação, via Conselho Nacional do Ministério Público, sobre conduta de promotora de Justiça que pediu o arquivamento do pedido de inlegibilidade do governador e outros políticos mesmo sem “contexto probatório sólido”, no entender de Roberto Rocha.

Numa atitude surpreendente, democrática e necessária em virtude dos rumos que o processo eleitoral de 2018 pode ganhar no Maranhão, o senador Roberto Rocha (PSDB) solicitou, em expediente dirigido à Ministra Carmen Lúcia, presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para que “sejam tomadas providências, visando garantir a magistrada Anelise Nogueira Reginato e aos demais juízes que vierem a oficiar na referida ação judicial eleitoral, a independência na atuação de suas atividades judicantes, assim como, que sejam identificados, pela Polícia Federal através de abertura de inquérito, para as providências cabíveis, todos os detratores da referida juíza, que ao que se tomou conhecimento, implementaram até fake news para constrangê-la”.

Segundo o senador tucano. a justificativa de instar o CNJ visa “assegurar a plena autonomia e independência da citada magistrada e de todos os togados que venham a atuar na ação antes identificada, para o exercício judicioso de suas funções, como parcela que são da soberania estatal e do regime democrático e nos termos do previsto no artigo 103-B, § 4º, incisos I e II, da Constituição Federal c/c artigo 4º, incisos I e II, do Regimento Interno do Conselho Nacional de Justiça (RICNJ)”.

Ao se referir a atuação da magistrada Anelise Nogueira Reginato, da 8ª zona eleitoral de Coroatá, Roberto Rocha considerou ser inadmissível que diante do exercício de suas funções, tal integrante da magistratura tenha sido alvo de acusações e ataques pessoais infundados e proferidos, de forma anônima e identificada, através de publicações em redes sociais e de entrevistas de várias autoridades, isso em decorrência da sentença que implementou na referida ação, na tentativa de desqualificá-la e intimidá-la.

“Decorrente do símbolo da transição entre o autoritarismo e a democracia, a Constituição traz a previsão do princípio do juiz natural e da garantia ao devido processo legal a todo indivíduo (artigo 5º, incisos LIII e LIV). Tais normatizações, contudo, somente são passíveis de concretização quando assegurada a independência funcional dos magistrados brasileiros, o que é ensejado por meio do exercício da atividade judicial de forma imparcial e livre de quaisquer pressões, ameaças e interferências voltadas à aniquilação da motivada convicção do julgador”, argumentou o senador.

“Se qualquer jurisdicionado não está satisfeito com uma eventual decisão judicial que lhe foi desfavorável, tem todo o direito de recorrer e não de tentar desqualificar uma autoridade do Poder Judiciário”, arrematou.

ESCALADA DE ATAQUES

A juíza Anelise Nogueira Reginato tem sido vítima de uma escalada de ataques de aliados políticos do governador Flávio Dino (PCdoB), bem como da mídia alugada pelo Palácio dos Leões, desde que teve a coragem de decretar a inelegibilidade do comunista por abuso de poder político nas eleições de 2016.

Além do chefe do executivo maranhense, o ex-secretário Márcio Jerry, presidente estadual PCdoB, também foi declarado inelegível, e ainda decretada a cassação e inelegibilidade do prefeito e do vice de Coroatá, Luis Filho (PT) e Domingos Alberto (PSB), respectivamente.

Com essa iniciativa do senador Roberto Rocha, as eleições no Maranhão devem ganhar maior segurança política, jurídica e institucional, diferentemente do que aconteceu em 2016, quando governador desdenhou, menosprezou e subestimou as instituições praticando um verdadeiro festival de abuso de poder político pelo estado afora.

É aguardar e conferir.

SENADO 2018: Por que Waldir Maranhão 24

Quero aqui externar meu apoio e simpatia pela candidatura de Waldir Maranhão ao Senado Federal ao lado do jovem e promissor político Alexandre Almeida, uma das gratas surpresas da nova geração de políticos maranhenses, que não é apenas novo na idade, mas principalmente nas práticas e conceitos políticos

A gente aprende a gostar, admirar e respeitar pessoas.

Conheço o deputado Waldir Maranhão desde os tempos de Uema quando, ele reitor da Uema, eu dirigente do estudantil do Diretório Central dos Estudantes e do Diretório Acadêmico de Administração.

Na época não mantinha relação pessoal com Waldir e mal nos falávamos. Pelo contrário, fazia oposição sistemática à direção da Uema.

O tempo passa e a vida nos dá oportunidade de transformar “preconceitos” em “conceitos”. E hoje, com toda sinceridade, tenho um conceito sobre Waldir Maranhão, não somente sobre o deputado,mas principalmente sobre o ser humano Waldir Maranhão.

Trata-se de uma pessoa amiga, generosa, parceira, leal e grata. Qualidades reconhecidamente raras quando o assunto é política e políticos, ainda mais neste tempos que vivemos.

Na condição de petista, não me cabe meter a colher no pirão do PSDB quando a questão é decidir quem ou não deve ser candidato a isso ou aquilo. Os tucanos que sabem ou deverão saber o que melhor para o projeto partidário deles.

Desejo aqui apenas dar a minha opinião pessoal sobre o que entendo ser a melhor opção para o Senado Federal independente de partido, até porque não deixaram, aliás, proibiram o PT de ter quaisquer opções de candidatura majoritária.

E escrevo estas mal traçadas linhas muito à vontade porque defendi e fiz de tudo para que o nome do também deputado federal José Reinaldo Tavares fosse ungido para o cargo de senador!

Ocorre que não basta ter “um candidato”, tem que ser “o candidato”. E para ser “o candidato” é preciso saber de qual lado você está.

Waldir Maranhão, desde que foi traído covardemente pelo governador Flávio Dino, escolheu um novo campo político pelo qual se dedicou e se dedica diuturnamente.

Desde então, o deputado tem sido leal, fiel, enfim, um soldado nesse seu novo campo político que tem o senador Roberto Rocha como líder.

O projeto Roberto Rocha governador-45

Roberto Rocha é pré-candidato a governador e de longe o melhor senador que o Maranhão já elegeu. É também é o que o Maranhão precisa para tirar o nosso estado desse quadro em “branco e preto” que insistem em manter.

Criticado por não ter “grupo político”, após essas eleições de 2018, seja qual o resultado sair da urnas, poderão criticar Roberto Rocha de tudo, menos de não ter grupo político. E se o tucano vai passar a ter grupo político muito será pela postura correta e, repito, leal e fiel de Waldir Maranhão ao projeto Roberto Rocha governador-45.

Evidente que não apenas pelo Waldir, tem outros atores importantes, mas na atual conjuntura não tem como destacar o papel do ex-presidente da Câmara dos Deputados, o homem que não apenas foi contra o “golpe” contra Dilma, mas tentou anular o “golpe”, já que no nosso estado essa questão do “golpe”, ou impeachment como queiram, vai ser pauta não apenas no palaque real como no palaque eletrônico no horário eleitoral na tevê.

Enfim, quero aqui externar meu apoio e simpatia pela candidatura de Waldir Maranhão ao Senado Federal ao lado do jovem e promissor político Alexandre Almeida, uma das gratas surpresas da nova geração de políticos maranhenses, que não é apenas novo na idade, mas principalmente nas práticas e conceitos políticos.

Trata-se, repito, de uma posição pessoal, de um cidadão consciente dos seus direitos e deveres.

E sobretudo livre!

Sobre a “implicância” de Roberto Rocha com José Reinaldo 22

É lenda essa narrativa que José Reinaldo tem relação direta com o ex-governador Geraldo Alckmin a ponto de resolver seu problema no Maranhão. Não existe isso!

Leio no blog do meu amigo Marco D’Eça que o senador Roberto Rocha teria uma “implicância” com deputado federal José Reinaldo, ambos do PSDB.

Ora, se há alguma implicância nessa história é de D’Eça com o senador (Rsrsrs).

Não há implicância alguma de Roberto com o Zé Reinaldo.

Roberto Rocha na condição de presidente estadual do PSDB escancarou as portas do partido para o ex-governador depois dele ter sido rejeitado por todos os partidos, tanto do campo de Flávio Dino quanto do campo do grupo Sarney.

José Reinaldo era para estar “reinando” no ninho tucano, mas preferiu subestimar o projeto do partido no estado que tem Roberto Rocha como pré-candidato ao governo. Se Zé Reinaldo não acredita no projeto do seu partido não pode se achar no direito de ser candidato a senador por esse mesmo projeto.

E olhem que escrevo essas mal traçadas linhas com muita tranquilidade porque sou testemunha da história e queria muito ver José Reinaldo Tavares senador da República. Mas ele não está fazendo por onde, infelizmente.

Outra: É lenda essa narrativa de que José Reinaldo tem relação direta com o ex-governador Geraldo Alckmin a ponto de resolver seu problema no Maranhão. Não existe isso!

Geraldo Alckmin não faz nada no Maranhão sem combinar com o senador Roberto Rocha. Nada!

Meu amigo José Reinaldo tem é que criar juízo e se enquadrar no projeto do único partido que o acolheu.

Não adianta achar que a classe política lhe garantirá apoio, até porque não há um único prefeito que diz votar em José Reinaldo que afirma votar também em Geraldo Alckmin, por exemplo. Nem os “encontros pela gratidão” sobreviveram porque Flávio Dino proibiu.

Enfim, José Reinaldo está jogando fora a possibilidade de ser senador da República.

No auge dos seus cabelos brancos, pode estar perdendo uma oportunidade de ouro.

Por pura implicância.

Dele com o senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha.

Isso sim!

ELEIÇÕES 2018: A consolidação do projeto Roberto Rocha governador-45 8

O pré-candidato tucano pode imprimir, ao longo dessa pré-campanha, e principalmente durante a campanha propriamente dita, um conceito no imaginário popular, qual seja o de que se na condição de parlamentar ele ajuda o Maranhão da forma como tem ajudado, ainda mais na condição de chefe do executivo estadual

Ainda que enfrentando um “corredor polonês” formado por comunistas e sarneysitas, a cada agenda pelo interior do estado vai ficando clara a consolidação do projeto Roberto Rocha governador-45.

Por onde tem passado, o pré-candidato tucano é bem recebido e tem mostrado que está preparado para governar um estado das dimensões, potencialidades e complexidades como é caso do Maranhão.

Atualmente não há uma região deste estado que não tenha alguma ação fruto do mandato de Roberto Rocha. De Norte a Sul, Leste a Oeste os maranhenses se deparam com obras e projetos viabilizados por recursos originários de emendas que levam a assinatura do senador.

É justamente por possuir uma gama de serviços prestados, ter o que mostrar e o que falar pode onde anda, possuir conteúdo para debater o Maranhão etc., que Roberto Rocha se torna, cada vez mais, a pessoa certa para pegar as rédeas do Governo do Maranhão e inaugurar uma nova fase de desenvolvimento socioeconômico por estas terras.

A tarefa não é fácil. Aliás, está longe ser.

Entretanto, Roberto Rocha pode imprimir, ao longo dessa pré-campanha, e principalmente durante a campanha propriamente dita, um conceito no imaginário popular, qual seja o de que se na condição de parlamentar ele ajuda o estado da forma como tem ajudado, ainda mais na condição de chefe do executivo estadual.

É a “cultura do fazer” enquanto o modo Roberto Rocha de fazer política.

SENADO 2018: Waldir Maranhão segue se movimentando dentro do projeto do PSDB 2

O deputado federal soube valorizar o seu acolhimento nos quadros do PSDB nos últimos momentos do fechamento da janela partidária. E agora pode colher bons frutos.

O deputado federal Waldir Maranhão (PSDB) segue movimentando-se bem dentro do campo político que escolheu trilhar, nas eleições de 2018, após ser catapultado do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB).

Em primeiro lugar, Waldir vestiu a camisa do projeto político e de sociedade liderado pelo senador e pré-candidato ao Governo do Maranhão, Roberto Rocha (PSDB).

Em segundo lugar, o parlamentar “colou” nas agendas de pré-campanha dos tucanos e tem cumprido o seu papel de homem de grupo e de posição política, o que é fundamental para garantir a confiança de todos, pois o PSDB tem pré-candidato ao governo declarado.

Em terceiro lugar, Waldir Maranhão assumiu, igualmente, o projeto nacional do PSDB com Geraldo Alckmin presidente da República, o que também é importante para criar liga e passar confiança à tropa.

Outro aspecto fundamental na postura de Waldir Maranhão dentro do PSDB nessa fase de pré-campanha é que consegue dar, digamos, um perfil mais popular às candidaturas de Roberto Rocha e Geraldo Alckmin – e isso ficou bem evidente no ato ocorrido no Multicenter Sebrae, no mês de maio, quando Waldir mobilizou caravanas de vários municípios que lotaram o local.

O fato inconteste é que o deputado soube valorizar o seu acolhimento nos quadros do PSDB nos últimos momentos do fechamento da janela partidária.

Tem feito de forma exemplar o dever de casa.

E poderá colher bons frutos…

SENADO 2018: O fator Alexandre Almeida 4

De todas as qualidades que o jovem deputado possui, destaca-se uma que na política é coisa rara: Lealdade.

A disputa pelo Senado Federal no Maranhão está ficando interessante e instigante.

Pelos nomes que estão sendo colocados até aqui, não tem como desconhecer e/ou ignorar a pré-candidatura de senador do jovem deputado estadual Alexandre Almeida (PSDB).

Parlamentar atuante na Assembleia Legislativa do Maranhão, aguerrido, dono de boa oratória, competente, Alexandre Almeida ousou, como é próprio dos jovens “ousar”, abrir mão de um terceiro mandato de deputado estadual e alçar voo rumo ao Senado Federal.

Alexandre Almeida tem uma característica que foge ao padrão genérico dos políticos, qual seja não depender da política para sobreviver.

O pré-candidato tucano é um bem sucedido advogado e sabe separar muito bem a sua condição de operador do direito da sua atuação política.

Em verdade, Alexandre Almeida é produto de uma nova cultura política, por assim dizer, que se estabeleceu no Maranhão a partir da eleição de Roberto Rocha para o Senado Federal em 2014.

“Como assim, Bob Lobato”, perguntaria o leitor. Explico.

É que a eleição de Roberto Rocha para senador abriu uma “porteira” que até então era permitida a entrada somente para os “mais velhos”, via de regra ex-governadores. Roberto mudou essa regra ao eleger-se em 2014. Aí que surgem pré-candidatos ao Senado como o Alexandre Almeida.

Se souber tirar proveito político e eleitoral da sua condição jovem, independente, profissional liberal bem sucedido e principalmente “colar” na imagem do senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha, eleito senador sem ainda ter passado pelo Palácio dos Leões, certamente Alexandre Almeida poderá surpreender o Maranhão e eleger-se senador da República.

E Blog do Robert Lobato afirma isso muito à vontade porque foi o primeiro a analisar a possibilidade do deputado estadual Alexandre Almeida ser candidato a senador (reveja aqui).

Por fim, e é importante que se diga, Alexandre Almeida, de todas as qualidades que possui, destaca-se uma que na política é coisa rara: Lealdade.

O fato é que os maranhenses, na intimidade da urna, terá uma ótima opção para o Senado Federal nas eleições de 2018.

E atende pelo nome de Alexandre Almeida.

WALDIR MARANHÃO: Se eu tiver a honra de ser um dos candidatos a senador pelo PSDB é lógico que a questão da suplência será discutida com o presidente do partido” 6

O deputado federal Waldir Maranhão começa incomodar adversários e passa a ser vítima das chamadas fake news.

Totalmente engajado no projeto local e nacional do PSDB, partido que o acolheu no limite do prazo da tal janela partidária, Waldir tem percorrido o Maranhão na caravana liderada pelo senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha, que também é presidente estadual do tucanato maranhense.

Waldir Maranhão tem a consciência de que o PSDB tem uma chapa majoritária fechada para governo e para o Senado Federal, mas, claro, tem o direito de se movimentar no sentido que quiser sem o açodamentos no processo de diálogos e atropelos de companheiros de partido.

Ocorre que o carisma, popularidade e liderança de Waldir Maranhão despertam a maledicência dos adversários instalados no Palácio do Leões que agora passaram a escolher até o suposto suplente de senador do ex-presidente da Câmara dos Deputados.

“Se eu tiver a honra de ser um dos candidatos a senador pelo PSDB é lógico que a questão da suplência será discutida em primeiríssimo lugar com o presidente do partido e pré-candidato a governador Roberto Rocha. Quem me conhece sabe que jamais atropelaria um processo dessa magnitude. Não tenho mais idade para brincar de fazer politica”, disse o deputado ao Blog do Robert Lobato.

As declarações de Waldir Maranhão rechaçam, portanto, a falsa informação de que ele estaria anunciando o nome do ex-prefeito e ex-deputado estadual Zé Genésio para primeiro primeiro suplente numa eventual candidatura ao Senado Federal.