SENADO 2018: O fator Alexandre Almeida 2

De todas as qualidades que o jovem deputado possui, destaca-se uma que na política é coisa rara: Lealdade.

A disputa pelo Senado Federal no Maranhão está ficando interessante e instigante.

Pelos nomes que estão sendo colocados até aqui, não tem como desconhecer e/ou ignorar a pré-candidatura de senador do jovem deputado estadual Alexandre Almeida (PSDB).

Parlamentar atuante na Assembleia Legislativa do Maranhão, aguerrido, dono de boa oratória, competente, Alexandre Almeida ousou, como é próprio dos jovens “ousar”, abrir mão de um terceiro mandato de deputado estadual e alçar voo rumo ao Senado Federal.

Alexandre Almeida tem uma característica que foge ao padrão genérico dos políticos, qual seja não depender da política para sobreviver.

O pré-candidato tucano é um bem sucedido advogado e sabe separar muito bem a sua condição de operador do direito da sua atuação política.

Em verdade, Alexandre Almeida é produto de uma nova cultura política, por assim dizer, que se estabeleceu no Maranhão a partir da eleição de Roberto Rocha para o Senado Federal em 2014.

“Como assim, Bob Lobato”, perguntaria o leitor. Explico.

É que a eleição de Roberto Rocha para senador abriu uma “porteira” que até então era permitida a entrada somente para os “mais velhos”, via de regra ex-governadores. Roberto mudou essa regra ao eleger-se em 2014. Aí que surgem pré-candidatos ao Senado como o Alexandre Almeida.

Se souber tirar proveito político e eleitoral da sua condição jovem, independente, profissional liberal bem sucedido e principalmente “colar” na imagem do senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha, eleito senador sem ainda ter passado pelo Palácio dos Leões, certamente Alexandre Almeida poderá surpreender o Maranhão e eleger-se senador da República.

E Blog do Robert Lobato afirma isso muito à vontade porque foi o primeiro a analisar a possibilidade do deputado estadual Alexandre Almeida ser candidato a senador (reveja aqui).

Por fim, e é importante que se diga, Alexandre Almeida, de todas as qualidades que possui, destaca-se uma que na política é coisa rara: Lealdade.

O fato é que os maranhenses, na intimidade da urna, terá uma ótima opção para o Senado Federal nas eleições de 2018.

E atende pelo nome de Alexandre Almeida.

WALDIR MARANHÃO: Se eu tiver a honra de ser um dos candidatos a senador pelo PSDB é lógico que a questão da suplência será discutida com o presidente do partido” 6

O deputado federal Waldir Maranhão começa incomodar adversários e passa a ser vítima das chamadas fake news.

Totalmente engajado no projeto local e nacional do PSDB, partido que o acolheu no limite do prazo da tal janela partidária, Waldir tem percorrido o Maranhão na caravana liderada pelo senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha, que também é presidente estadual do tucanato maranhense.

Waldir Maranhão tem a consciência de que o PSDB tem uma chapa majoritária fechada para governo e para o Senado Federal, mas, claro, tem o direito de se movimentar no sentido que quiser sem o açodamentos no processo de diálogos e atropelos de companheiros de partido.

Ocorre que o carisma, popularidade e liderança de Waldir Maranhão despertam a maledicência dos adversários instalados no Palácio do Leões que agora passaram a escolher até o suposto suplente de senador do ex-presidente da Câmara dos Deputados.

“Se eu tiver a honra de ser um dos candidatos a senador pelo PSDB é lógico que a questão da suplência será discutida em primeiríssimo lugar com o presidente do partido e pré-candidato a governador Roberto Rocha. Quem me conhece sabe que jamais atropelaria um processo dessa magnitude. Não tenho mais idade para brincar de fazer politica”, disse o deputado ao Blog do Robert Lobato.

As declarações de Waldir Maranhão rechaçam, portanto, a falsa informação de que ele estaria anunciando o nome do ex-prefeito e ex-deputado estadual Zé Genésio para primeiro primeiro suplente numa eventual candidatura ao Senado Federal.

SENADO 2018: Eliziane Gama deve ter líder negro como suplente 10

Na avaliação dos apoiadores de Walter Maresia, o nome do líder negro soma na chapa de Eliziane não somente por atender uma parcela importante da sociedade, que são as comunidades quilombolas em geral, mas por ser uma pessoa do povo, bem articulado nas comunidades carentes tanto da capital quanto do interior

O PPS pode caminhar para ter dois membros do PPS como protagonista na chapa ao Senado Federal nas eleições de 2018.

Com a deputada federal Eliziane Gama à frente como candidata titular, chama-se Walter Maresia o provável primeiro suplente da irmã na chapa liderada pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Nascido em São Luís, ex-menino de rua, 53 anos, Walter Maresia foi aluno da escolinha São João Batista, da Igreja São João Batista, na rua da Paz, dirigida pelo padre Marcos Passerini, sacerdote e missionário comboniano. E conta, emocionado, parte da sua luta de vida construída com muita dificuldade e superação.

“Eu tinha tudo para dar errado na vida e talvez pudesse estar em Pedrinhas hoje. Negro, pobre, excluído da sociedade, mas nunca desistir da vida e da boa conduta. Ainda jovem fui flanelinha na rua da Paz nas vizinhanças da igreja São João, mas tive minha primeira experiência profissional primeira experiência com as crianças de rua de São Luís sendo aluno da professora Eliane Feitosa Rego Posso dizer que sou um sobrevivente da barbárie social que os excluídos sofrem”, desabafa.

Maresia é militante do movimento negro e atualmente é gestor Agrário da Secretaria de Estado da Igualdade Racial. Ele conta com apoio de expressivas lideranças do PPS para compor a chapa de senador na condição de primeiro suplente de Eliziane Gama.

Na avaliação dos apoiadores do projeto “Walter Maresia primeiro-suplente”, o nome do líder negro soma na chapa de Eliziane não somente por atender uma parcela importante da sociedade, que são as comunidades quilombolas em geral, mas por ser uma pessoa do povo, bem articulado nas comunidades carentes tanto da capital quanto do interior.

O fato é que o nome do “poeta negro”, Walter Maresia, está posto na mesa.

E deve conquistar mais mais e mais simpatizantes ao longo da pré-campanha.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: O futuro político de Waldir Maranhão 18

Não tenho a menor dúvida que o se o campo político liderado pelo senador Roberto Rocha colocar o projeto de sociedade e de Estado em primeiro lugar tudo acabará bem, não apenas para Alexandre Almeida e Waldir Maranhão, mas sobretudo para o nosso estado.

Há muita especulação sobre o presente e o futuro do deputado federal Waldir Maranhão (PSDB).

No momento em que foi traído pelo governador Flávio Dino (PCdoB), Waldir mudou de campo político e hoje é um dos mais duros opositores do governador – para quem não lembra, o comunista foi o idealizador da anulação do impeachment de Dilma quando Waldir era presidente da Câmara dos Deputados.

Deputado federal por três mandatos, Waldir Maranhão se preparou para disputar uma vaga ao Senado Federal. Confiou na palavra de Flávio Dino de que seria um dos dois nomes do Palácio dos Leões à Câmara Alta. Foi enganado de forma covarde pelo governador!

Ao escolher o PSDB, Waldir Maranhão estava consciente de que o partido já tinha uma chapa majoritária formada: Roberto Rocha pré-candidato a governador, José Reinaldo Tavares e Alexandre Almeida pré-candidatos a senador.

Só que a política tem uma dinâmica própria e o que está posto hoje pode mudar amanhã. “Política é como nuvem. Você olha e ela esta de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”, ensinou o mineiro Magalhães Pinto.

Alexandre Almeida é um político jovem, independente e tem um futuro promissor pela frente. Diria até que o deputado estadual já está linha sucessória ao governo do estado. Daqui a alguns anos a eleição de governador passará por Alexandre Almeida, ainda mais depois de ser prefeito de Timon.

É preciso ficar claro que o projeto Roberto Rocha governador-45 não é um projeto pessoal, mas de grupo!

Roberto se preparou para ser governador do Maranhão. Fez o possível para ser o candidato ao governo em 2010 pelo PSDB, mas o saudoso Jackson Lago não entendeu aquele momento histórico. Assim como não quiseram entender os então prefeitos Sebastião Madeira (Imperatriz) e João Castelo (São Luis). Daí que hoje temos um monstro instalado no Palácio dos Leões.

Ora, se não há um projeto pessoal é lógico que o grupo político tem que pensar como grupo, ou seja, saber e entender o que soma mais para que o projeto coletivo dê certo. Trata-se de colocar o Maranhão em primeiro lugar!

Nesse sentido, Waldir Maranhão tem o direito de tentar construir, via o PSDB, o caminho que lhe foi negado pelo PT e principalmente por Flávio Dino.

Política é conversa, diálogo, entendimento.

Não tenho a menor dúvida que o se o campo político liderado pelo senador Roberto Rocha colocar o projeto de sociedade e de Estado em primeiro lugar tudo acabará bem, não apenas para Alexandre Almeida e Waldir Maranhão, mas sobretudo para o nosso estado.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

Petistas acreditam que suposta pré-candidatura de Mário Macieira é “invenção” de Chico Gonçalves

Se Mário Macieira realmente quiser entrar na disputa eleitoral, não for mais uma vez um “balão de ensaio”, uma “invenção” terá que disputar as prévias.

“Balão de ensaio”, “invenção”.

São com esses predicados que alguns petistas avaliam a suposta pré-candidatura do advogado Mário Macieira nas eleições de 2018.

E mais: esses mesmos petistas creditam na conta do secretário Chico Gonçalves (Direitos Humanos) o factoide de lançar Macieira ao Senado Federal ou vice de Flávio Dino (PCdoB).

“Desde 2010 inventam a candidatura de Mário Macieira e sempre o idealizador desse projeto é Chico Gonçalves. 2010 foi assim como Mário de vice de Flávio; 2012 o lançaram a prefeito; 2014 para deputado federal e agora, claramente diversionista, como senador ou vice de Dino. Ou seja, mais uma vez um balão de ensaio, uma invenção da mesma pessoa” [no caso Chico Gonçalves], disse um petista companheiro do Blog do Robert Lobato.

De fato, há no PT essas “invenções” de ocasião.

Atualmente há apenas dois pré-candidatos a senador registrados oficialmente no partido: Márcio Jardim e Nonato Chocolate, ambos professores.

Ocorre que os dois petistas não fazem parte da “plutocracia” do PT, não têm “pedigree”, logo “não servem” para ser candidatos, segundo o lógica de gente como Chico Gonçalves e outros de mesma concepção.

De qualquer modo, tanto Márcio como Chocolate não abrem mão das suas candidaturas, mesmo que tenham que ir para prévias, como é previsto no estatuto do PT.

E se Mário Macieira realmente quiser entrar na disputa eleitoral, não for mais uma vez um “balão de ensaio”, uma “invenção” terá que disputar as prévias.

É aguardar e conferir.

PT/MA: Presidente de fato do PT, Chico Gonçalves monta barricadas contra filiação de Waldir Maranhão 6

Ao invés de reconhecer que Waldir Maranhão é uma “invenção” do próprio Flávio Dino, que honrou o parlamentar até com a placa de “Waldir, guerreiro do povo brasileiro”, Chico Gonçalves prefere fantasiar que a filiação e a defesa da pré-candidatura do deputado ao Senado Federal pelo PT é obra e graça dos “sarnopetistas”

Atende pelo nome de Chico Gonçalves o principal líder da resistência à filiação do deputado federal Waldir Maranhão aos quadros do PT maranhense.

O secretário de Direitos Humanos do governo Flávio Dino (PCdoB) é quem hoje comanda de fato o PT, elabora as principais teses que agradam o Palácio dos Leões e cumpre a tarefa de montar barricadas contra a filiação do Waldir no partido.

Radical e sectário, Chico Gonçalves vê em Waldir Maranhão uma “ameaça” ao projeto de poder de Flávio Dino sabe-se lá fundamentado em quê.

Ao invés de reconhecer que Waldir Maranhão é uma “invenção” do próprio Flávio Dino, que honrou o parlamentar até com a placa “Waldir, guerreiro do povo brasileiro”, Chico Gonçalves prefere fantasiar que filiação e a defesa da pré-candidatura do deputado ao Senado Federal pelo PT é obra e graça dos “sarnopetistas”, como ele, Chico, e sua turma, costumam denominar os petistas que integram a corrente Construindo um Novo Brasil (CNB).

VERDADE INCÔMODA

Waldir Maranhão sela acordo com Augusto Lobato para o PED/PT.

A verdade é que a CNB é uma corrente disciplinada e está sendo coerente politicamente ao obedecer o comando nacional do PT, que reconhece a legitimidade da filiação do Waldir Maranhão no partido pelo papel que o parlamentar cumpriu no processo de impeachment da presidente Dilma quado estava no exercício da presidência da Câmara dos Deputados.

A rigor, e é bom que se diga, a CNB sequer era para estar defendendo a entrada de Waldir no PT, pois, para quem não sabe ou não lembra, o parlamentar apoiou com ESTRUTURA foi a candidatura de Augusto Lobato no Processo de Eleição Direta do PT (PED/PT) ajudando a derrotar o deputado estadual Zé Inácio, o então candidato da CNB a presidente do partido.

Enfim, se tinha alguém para hoje estar defendendo com rigor a filiação de Waldir Maranhão no PT era exatamente Augusto Lobato, mas a “Rainha da Inglaterra” prefere se submeter às orientação do presidente de fato do PT, Chico Gonçalves, que na verdade são orientações do chefe deles, o governador Flávio Dino.

Pelo visto teremos uma Sexta-Feira Santa com menos milagres e mais traições.

Mas, se preciso for, o Brasil inteiro saberá quem é o Judas-mor do Maranhão.

É aguardar e conferir.