Presidente do PCdoB diz que Lula não é candidato a presidente 2

Luciana Santos, presidente do PCdoB, durante reunião do partido na sexta-feira (20).

Em reunião no diretório nacional na última sexta-feira (20), a presidente do PCdoB, deputada federal Luciana Santos (PE), indicou que o desejo do partido seria uma unidade da esquerda, com PT, PDT e PSB. Essa união, porém, estaria complicada, neste momento, pela indefinição da candidatura do ex-presidente Lu

“O que ocorre? Uma coisa é você ter Lula. Lula candidato a presidente da República não dá para ninguém, é todo mundo se juntar e a gente fazer um bom debate. Mas acontece que não é Lula o candidato. Será um candidato do PT”, disse. A fala de Luciana aconteceu um dia após reunião entre dirigentes do PT e do PCdoB em São Paulo a respeito da eleição nacional.

Condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro, Lula, atualmente, está inelegível, de acordo com a Lei da Ficha Limpa. O PT, porém, sustenta que irá registrá-lo como seu candidato ao Planalto em 15 de agosto e e que lutará pela elegibilidade de Lula até quando for possível.

Sobre esse ponto, a presidente do PCdoB diz que “essa tática de levar a candidatura de Lula até as últimas consequências é de altíssimo risco”. Para Luciana, deveria haver, por parte do PT, compreensão de que, “para a elite, enfrentar Lula é uma coisa, mas enfrentar o PT não é, assim, enfrentar Lula”

“Quando você tira Lula da cena, não quer dizer que os votos vão para o candidato do PT. Tanto é que uma turma vai para Marina [Silva, da Rede]. Até para Bolsonaro [deputado federal pelo PSL] vai”, avalia Luciana.

O PCdoB apoiou o PT em todas as eleições presidenciais desde 1989, mas, neste ano, tem sua própria pré-candidata, a deputada estadual Manuela D’Ávila (RS). “A tendência principal nossa é a manutenção da candidatura porque a dispersão das nossas forças prevalece”, diz Luciana.

Na última pesquisa Datafolha, divulgada em 10 de junho, em cenário sem Lula e sendo substituído pelo ex-prefeito paulistano Fernando Haddad (PT), Bolsonaro tem 19% das intenções de voto, Marina, 15%, Ciro, 10% e Manuela, 2% das intenções de voto. Haddad fica com 1%.

Já no último Ibope, de 26 de junho, Bolsonaro registrou 17% das intenções de voto, Marina, 13%, Ciro, 8%, Haddad, 2% e Manuela, 1%.

A presidente do PCdoB avaliou que, atualmente, há um isolamento por parte do PT com relação à candidatura do PDT, com Ciro Gomes. “Nós achamos que teria de haver um entendimento entre as lideranças do nosso campo que mais pontuam [nas pesquisas], que cumprem papel decisivo no desfecho dessa eleição, que é Ciro, do PDT, e Lula, do outro”, pontuou. “Até agora, a tendência é não haver entendimentos em torno disso”.

Luciana diz que, hoje, a esquerda deveria se unir para vencer a eleição presidencial e dar “à injustiça de Lula estar preso”. “Então todos os projetos partidários deveriam estar abaixo do projeto nacional. Mas o que tem o que trem prevalecido é isso.

Apesar de ter uma pré-candidata, o PCdoB tem sido cortejado, nos últimos dias, pelo PT para uma aliança em torno da candidatura de Lula.

Em função disso, os petistas adiaram algumas de suas convenções estaduais para 2 de agosto à espera de uma posição sobre coligação com o PCdoB, que fechará seu entendimento nacional até 1º de agosto. PT deverá ter a definição quanto a suas alianças até 4 de agosto, quando fará sua convenção nacional para lançar a candidatura de Lula ao Planalto.

(Fonte: Notícias UOL)

ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino implora para Gleisi Hoffmann mudar data do encontro do PT 11

A pergunta que não quer calar é: Por que será que a presidenta do PT atendeu o pedido desesperado de Flávio Dino?

Que o presidente estadual do PT Augusto Lobato é uma “rainha da Inglaterra” tudo que é petista e não petista sabe. Quem preside o PT de fato no Maranhão é o secretário Francisco Gonçalves (Direitos Humanos e Participação Popular).

Essa história de que o encontro do PT, que estava marcado para o dia 27 de julho, foi mudado porque o Augusto Lobato pediu para presidenta Nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, é pura balela, conversa fiada!

Na verdade foi o governador Flávio Dino (PCdoB) que ligou pessoalmente para Gleisi Hoffmann implorando pela mudança da data do encontro petista sob a alegação de que o PCdoB ainda definiu qual rumo seguirá para a eleição de presidente, ou seja, se vai com Ciro, Bolsonaro, Alckmin, Lula ou se vai de candidatura própria com a bela mas fraquinha (eleitoralmente) Manuela d’Ávila.

Flávio Dino mente e mente muito. Mas, pior, que convence.

Mentiu para a presidenta Gleisi Hoffmann, que tem a consciência da mentira do governador maranhense, só que não teve como ela dizer não.

A pergunta que não quer calar é: Por que será que a presidenta do PT atendeu o pedido desesperado de Flávio Dino?

Cedo ou mais tarde saberemos.

ELEIÇÕES 2018: Apoio do “centrão” fortalece Geraldo Alckmin e consequentemente Roberto Rocha 6

Isso porque o simples fato do fortalecimento político e eleitoral de Alckmin significa o fortalecimento de Roberto Rocha, pois Alckmin é Roberto e Roberto é Alckmin. Entendeu, né Manuela D’Ávila?

A se confirmar o acordo do chamado “centrão”, capitaneado por DEM e PP, além do já declarados aliados PTB e PSD, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) ganha musculatura na campanha rumo ao Palácio do Planalto.

Esse eventual acordo será um fato novo na campanha eleitoral, com potencial para mudar o jogo a favor do pré-candidato tucano.

As esquerdas já acusaram o golpe através da pré-candidata a presidente de mentirinha do PCdoB, Manuela D’Ávia, que pela rede social do Twitter declarou: : “Os partidos do centrão que apoiam Alckmin ocupam vários ministérios e são a espinha dorsal do governo Temer. Esse apoio demonstrou que o tucano é a continuação do governo mais odiado da história do país. Nessas eleições, Temer é Alckmin e Alckmin é Temer.”

O engraçado, não fosse ridículo, é que o PCdoB de Manu estava flertando até dias atrás com o também presidenciável Ciro Gomes (PDT), que por sua vez estava maluco atrás do mesmo centrão que agora a mesma Manu ridiculariza. É a tal “coerência” comunista de todo nosso santo dia.

Roberto Rocha fortalecido

Não há como desconhecer ou ignorar que uma vez selado o acordo centrão/Alckmin a pré-candidatura do senador Roberto Rocha (PSDB) ao Governo do Maranhão vai ser vitaminada ainda que não haja a verticalização, no Maranhão, do arco de alianças costurado pelo presidenciável tucano.

Isso porque o simples fato do fortalecimento político e eleitoral de Alckmin significa o fortalecimento de Roberto Rocha, pois Alckmin é Roberto e Roberto é Alckmin.

Entendeu, né Manuela D’àvila?

IMAGEM DO DIA: Fanfarrões, Ciro Gomes e Carlos Lupi mais próximos dos comunistas do PCdoB 2

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) usou a sua rede social do Twitter para comunicar que, junto com Carlos Lupi, presidente nacional do partido,  procurou a direção nacional do PCdoB na manhã desta terça-feira, 17, em Recife (PE). Na pauta um eventual apoio dos comunistas ao candidato pedetista. Ciro Gomes e Carlos Lupi são dois fanfarrões, como todo brasileiro sabe. Ciro quando esquece de tomar o seu Gardenal fica doidão e genioso, Já Lupi não tem remédio que dê jeito.

Para saber mais sobre o encontro comuno-trabalhista acesse AQUI.

ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino avisa que sem o PT na coligação com o PCdoB petistas terão cargos tomados 15

Isso significa que até “dinopetistas” como Chico Gonçalves (Direitos Humanos), Lawrence de Melo (MOB) e até o próprio Augusto Lobato, que é assessor especial do governador, deverão entregar seus postos

O governador Flávio Dino (PCdoB) já deixou claro para o presidente estadual do PT, Augusto Lobato, que se o partido não coligar pela reeleição do comunista os petistas perderão todos os cargos, sinecuras e penduricalhos que têm no âmbito do Governo do Estado.

Isso significa dizer que não vai adiantar apenas a fração “dinopetista” brigar pela coligação com o PCdoB: o PT terá que seguir com os comunistas de qualquer jeito mesmo não tendo qualquer espaço na chapa majoritária.

Segundo apurou o Blog do Robert Lobato, candidatura própria, chapa camarão e coisas do tipo, nada disso vai garantir os cargos nem mesmo aos mais dos leais e fiéis “dinopetistas”: todos terão seu cargos tomados para que o Palácio dos Leões possa usá-los para atrair novos aliados.

Petistas como Chico Gonçalves (Direitos Humanos), Lawrence de Melo (MOB) e até o próprio Augusto Lobato, que é assessor especial do governador, deverão todos entregar seus postos ao chefe.

Resumo da opereta: ou o PT vai pelo beiço com o PCdoB ou nadica de nada de cargos, sinecuras e penduricalhos no “Governo de Todos Nós”.

A regra é clara!

Em nota, petistas voltam exigir vaga na chapa majoritária de Flávio Dino (OU: Unidade no PT ainda está longe) 22

Foi dada tão somente uma trégua, sabe-se lá até quando, ao “canibalismo” que tem marcado o petismo maranhense já por um bom tempo.

Em uma nota à militância petista, que poderia ter sido “dura, mas sem perder a ternura”, lideranças do PT Maranhão optaram apenas pela ternura, digamos.

Assinada pela presidente Nacional do PT, Gleisi Hoffmann; pelo secretário nacional Institucional, deputado federal José Guimarães (CE); pelos presidentes do Diretório Estadual do Maranhão e da Capital, Augusto Lobato e Honorato Fernandes, respectivamente;  pelos membros do Diretório Nacional, Marcio Jardim e Raimundo Monteiro; e ainda pelos deputados José Inácio e Zé Carlos, estadual e federal, respectivamente, a nota ratifica a posição politica tirada em encontro do partido de que aliança pela reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB) somente se o PT tiver vaga garantida na chapa majoritária liderada pelo comunista.

A nota

Mesmo assinada por alguns membros de diferentes correntes, o documento ainda não expressa um quadro unidade partidária como querem fazer crer os chamados “dinopetistas”. Pelo contrário, ela apenas joga, mais pra frente, debates que deverão ser duros entre as forças internas cada uma defendendo aquilo que acha ser mais importante e estratégico para o PT e para os seus projetos enquanto agrupamentos.

No fundamental, a nota é uma vitória da fração da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), liderada principalmente pelo deputado Zé Inácio, pelo ex-presidente estadual do PT Raimundo Monteiro, pelo dirigente Mundico Teixeira, entre outros. Esse setor da CNB que sempre cobrou com firmeza o estabelecido pelo encontro do partido, isto é, presença do PT na chapa majoritária ou nada de aliança com o PCdoB.

Já a ala da CNB representada pelo vereador Honorato Fernandes, a corrente Mensagem ao Partido, do presidente Augusto Lobato e do deputado federal Zé Carlos, e expoentes  governistas como Chico Gonçalves saem fragilizados porque a nota das lideranças petistas não expressam aquilo que defendem de fato: aliança com Flávio Dino de qualquer jeito, com ou sem espaço na majoritária.

Fator Eliziane Gama

A nota das liderança petistas não tocou num ponto nevrálgico que hoje é consiste no “pomo da discórdia” do PT maranhense: a pré-candidatura da deputada federal Eliziane Gama ao Senado na chapa de Flávio Dino.

Pelo que conseguiu apurar o Blog do Robert Lobato, o fator Eliziane Gama não foi tratado porque há uma avaliação, entre os participantes da reunião com a presidente Gleisi Hoffmann, de que a irmã e o seu PPS não ficam na coligação com o PCdoB até o final das convenções partidárias. Será?

Concluindo

Além da firmeza de setores da CNB, que não se deixaram levar pela covardia e benesses palacianas de “coligação a qualquer custo”, do PT ir “pelo beiço”; a posição vacilante de Flávio Dino em defender a candidatura de Ciro Gomes em detrimento a de Lula; e ainda a manutenção das pré-candidaturas de Márcio Jardim e de Nonato Chocolate ao Senado Federal, contribuíram para que saísse uma nota exaltando que “o Partido dos Trabalhadores no Maranhão, definirá sua tática eleitoral, diretamente vinculada a estratégia nacional de eleição do presidente Lula”.

Ainda não há, hoje,16 de maio de 2018, unidade partidária suficiente que garanta ao PT um projeto político-eleitoral mínimo que faça o partido sair maior do que entrou quando resolveu apoiar o governo Flávio Dino.

Foi dada tão somente uma trégua, sabe-se lá até quando, ao “canibalismo” que tem marcado o petismo maranhense já por um bom tempo.

A seguir a íntegra da nota da lideranças petistas.

Em reunião realizada no dia de 15 de março de 2018, na sede do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, em Brasília, com a presença da Presidente Nacional do PT, Gleisi Hoffmann, do Secretário Institucional do PT, Deputado Federal (PT/CE) José Guimarães, dos presidentes do Diretório Estadual e da Capital, Augusto Lobato e Honorato Fernandes, dos membros do Diretório Nacional, Marcio Jardim e Raimundo Monteiro e dos Deputados Estadual e Federal José Inácio e Zé Carlos encaminham de comum acordo as seguintes orientações políticas ao conjunto da militância do Partido dos Trabalhadores no Maranhão:

1. Organização imediata da campanha à presidência, do companheiro Lula no Maranhão. Lula livre, Lula Inocente, Lula Presidente;

2. O Partido dos Trabalhadores no Maranhão, definirá sua tática eleitoral, diretamente vinculada a estratégia nacional de eleição do presidente Lula com objetivo de ampliação de suas bancadas parlamentares em nível estadual e federal;

3. Reafirma a aliança política para garantir a reeleição do governador Flávio Dino;

4. A Direção Nacional e Estadual do PT, de forma conjunta, viabilizará diálogos com o PCdoB e o governador Flávio Dino para construir de comum acordo a participação do PT na chapa majoritária (Senado ou Vice) liderada pelo Governador Flávio Dino.

Senadora Gleisi Hoffmann
Presidenta Nacional do Partido dos Trabalhadores

Deputado Federal José Guimarães PT/CE
Secretário Institucional do PT – DN

Augusto Lobato
Presidente Estadual do PT

Vereador Honorato Fernandes
Presidente do PT – São Luís / MA

Deputado Federal José Carlos

Raimundo Monteiro
Membro do Diretório Nacional do PT / MA

Márcio Jardim
Membro do Diretório Nacional do PT / MA

Deputado Estadual José Inácio

Em um só tempo, Flávio Dino descarta Lula e Manuela d’Ávila 16

Flávio Dino usa contra Lula do mesmo artifício que usou na campanha de 2010 quando saiu espalhando pelo Maranhão afora que Jackson Lago estava “ficha suja” e, mesmo que disputasse e fosse eleito governador, não assumiria o cargo porque seria cassado pelo Justiça Eleitoral.

Menos de uma semana após a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann afirmar que o nome de Ciro Gomes (PDT) “não passa no PT nem com reza brava”, eis que aparece Flávio Dino (PCdoB) para defender o justamente o pedetista como alternativa a uma candidatura petista a presidente.

Para o governador maranhense, “insistir em candidatura de ex-presidente [Lula] é derrotismo” e considera que o líder petista “está inabilitado” e que “o PT não tem nome capaz de unir nesse momento”.

Flávio Dino usa contra Lula do mesmo artifício que usou na campanha de 2010 quando saiu espalhando pelo Maranhão afora que Jackson Lago (PDT) estava “ficha suja” e, mesmo que disputasse e fosse eleito governador, não assumiria o cargo porque seria cassado pelo Justiça Eleitoral. Essa, digamos, “contra-campanha” do comunista contra Jackson prejudicou e muito o saudoso líder trabalhista.

Seja para aparecer na imprensa nacional como liderança das esquerdas brasileiras e tirar o foco de tanta pauta negativa do seu governo, ou apenas para criar um factoide político, o fato é que com a defesa do nome de Ciro Gomes para substituir Lula ou outro candidato do PT na corrida presidencial, Flávio Dino descarta, em só tempo, Lula e a pré-candidata Manuela d’Ávila, do seu partido.

Esse é o senhor Flávio Dino de Castro e Costa.

ESPIONAGEM DO GOVERNO: Coronel “espoca urna” do PCdoB é um dos cabeças do escândalo na PM-MA 2

O oficial da “KGB dinista” foi citado pelos tenentes Juarez Martins Coelho e Josué Alves Aguiar. Ambos deram a mesma versão: Heron cobrava pessoalmente a compilação dos dados/fichamentos dos opositores

Vai ganhando contorno da vez mais escandaloso o caso de arapongagem do governo Flávio Dino (PCdoB) contra adversários políticos.

A TV Mirante revelou, na noite desta quinta-feira, 26, que pelo menos dois policiais militares confirmaram que um oficial filiado ao PCdoB era quem dava o comando para seus subordinados da corporação levantassem dados sobre opositores do governo para fins políticos e eleitorais.

O elemento seria o coronel Heron Santos, filiado ao PCdoB e ex-comandante de Policiamento do Interior.

O oficial da “KGB dinista” foi citado pelos tenentes Juarez Martins Coelho e Josué Alves Aguiar. Ambos deram a mesma versão: Heron cobrava pessoalmente a compilação dos dados/fichamentos de opositores ao Palácio dos Leões –  está tudo no blog do Gilberto Léda.

Heron Santos pode ser um hábil araponga comunista, mas quando o assunto é “voto”, o coronel do PCdoB é uma tragédia tanto quanto o governo a qual serve.

Candidato a deputado estadual nas eleições de 2014, Heron obteve surpreendentes 28 votos. Um “espoca urna” emérito!

Veja abaixo a reportagem da TV Mirante.

ELEIÇÕES 2018: O protagonismo de Sebastião Madeira 16

O ex-prefeito deve sair de Imperatriz faturando no mínimo a casa dos 50 mil votos. Como se trata de uma liderança consolidada na Região Sul/Tocantina, o tucano facilmente conquistará outros 50 mil em outras localidades.

O ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB), terá um papel de protagonista nessas eleições de 2018.

Tucano da gema, político experiente e hábil articulador, Madeira não sairá somente como um dos deputados federais mais votados do pleito de outubro, quiçá o mais votado, mas também como um ator político que ajudou a construir as bases para a consolidação de um projeto que pode sair vitorioso das urnas. Aliás, para começo de conversa, Madeira teve papel central na tomada do PSDB do controle do vice-governador Carlos Brandão, que queria manter o partido sob o julgo do PCdoB do governador Flávio Dino. A entrada do líder imperatrizense nessa questão foi fundamental para consolidar o nome do senador Roberto Rocha na presidência do tucanato maranhense.

Bom de voto

Qualquer prognóstico eleitoral modesto dá conta de que Sebastião Madeira tem, de largada, cerca de 100 mil votos para deputado federal!

“Como assim, Bob, tá maluco?”, pode questionar um leitor desatento.

Pois bem. Explico.

Madeira deve sair de Imperatriz faturando no mínimo a casa dos 50 mil votos. Como se trata de uma liderança consolidada na Região Sul/Tocantina, o tucano facilmente conquistará outros 50 mil em outras localidades.

Do Itinga, na fronteira com o Pará, a Riachão, próximo ao município de Balsas; De Imperatriz a Barra do Corda e Fernando Falcão, Madeira terá votos que possibilitará, sim!, sair das urnas como o deputado federal mais votado do Maranhão, pois estamos falando de nada menos de 35 cidades!

O fato incontestável é que Madeira tem condições de romper a barreira dos 100 mil votos na largada,

E o que vier depois disso é para cravar o tucano como o deputado federal campeão de votos em 2018.

É aguardar e conferir.