Pesquisa Ibope aponta efeito limitado de circulação de mensagens por WhatsApp no 1º turno

Segundo sondagens, 73% dos eleitores negam ter recebido conteúdo crítico a qualquer presidenciável e 89% contra candidatos do Rio

RIO – A pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira mostra que a circulação de conteúdo pelo WhatsApp com ataques e críticas a candidatos teve efeito limitado na decisão de voto de primeiro turno. O instituto questionou eleitores se, fora a propaganda eleitoral gratuita, eles receberam qualquer mensagem do tipo pela plataforma na semana anterior à votação – 73% responderam que não. O sistema de troca de mensagens se tornou central no debate de propagação de marketing eleitoral e fake news durante a campanha – em especial, diante das críticas do PT e das investigações sobre um suposto esquema de disparos de ataques em prol de candidatos conservadores, revelado pela “Folha de S. Paulo”.

Segundo o Ibope, a porcentagem de eleitores que receberam ataques contra Jair Bolsonaro (PSL) no WhatsApp equivale à de votantes destinatários de críticas a Fernando Haddad (PT), 18%. Outros 3% declaram ter recebido mensagens contrárias a Ciro Gomes (PDT) e 2%, a Marina Silva (Rede). O levantamento mostrou que 1% dos entrevistados viu na plataforma conteúdo crítico a Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Eymael (DC), Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (MDB), João Amoêdo (Novo), Vera Lúcia (PSTU) e João Goulart Filho (PPL).

Na sondagem do instituto, a troca de mensagens pelo WhatsApp não se provou impactante para a formação de opinião do eleitor. Se 24% revelaram que o conteúdo ajudou na opção de voto, 75% negaram ter sido influenciados na plataforma.

(Fonte: O Globo)

Roberto Rocha tem participação destacada em reunião da bancada do PSDB com o governador Alckmin 8

Deputados e senadores tucanos se reuniram em uma galeteria em Brasília – Maria Lima / Agência O Globo.

O senador Roberto Rocha teve participação destacada durante uma roda de conversa entre deputados e senadores tucanos com o governador Geraldo Alckmin, em uma galeteria de Brasília, ontem, 6.

Segundo reportagem da jornalista Maria Lima (O Globo), as conversas entraram pela madrugada traçando cenários positivos da sua campanha eleitoral com o ex-presidente Lula fora do páreo.

Na conversa, o senador Roberto Rocha aconselhou Alckmin sobre a necessidade de ter a percepção sobre os dois Brasis que existem: o da metade para baixo do mapa que é azul, e o da metade para cima que é vermelho e onde está o Maranhão. Disse que da metade para baixo Alckmin já tem os 20% necessários para chegar ao segundo turno, mas é preciso que consiga penetrar na parte vermelha do mapa, onde programas como Bolsa Família e Luz para todos têm um peso muito grande.

“Seu desafio é entrar na parte vermelha da metade para cima do mapa, ter a percepção desses dois Brasis, disse Roberto Rocha.

O tucano maranhense é pré-candidato a governador e trabalha para formar uma amplo e forte palanque para o seu candidato a presidente da República, Geraldo Alckmin.

E isso tem tirado o sono de muita gente por estas terras onde cantam os sabiás…