FLÁVIO DINO INELEGÍVEL: Narrativa de que Sarney quer fazer com o comunista o que foi feito com Jackson Lago não cola 18

O que a juíza Anelise Reginato fez foi tão somente dizer para Flávio Dino algo mais ou menos assim: “Olha moço, ninguém pode ser considerado inalcançável pela Justiça. Até o senhor deve obediência às instituição da República e não pode sair por aí usando a máquina estatal de forma abusiva politicamente achando que tudo pode”.

O Palácio dos Leões ensaia uma narrativa para desqualificar a inelegibilidade de Flávio Dino nas eleições de 2018, após decisão corajosa da juíza Anelise Nogueira Reginato, da 8ª Zona Eleitoral.

Trata-se da tentativa de comparar a condenação do governador comunista com o processo de cassação do governador Jackson Lago, de saudosa memória, e que tudo, pra variar, seria mais um ardil do Sarney. Tem nada a ver o fiofó com as calças. Essa não cola!

Em primeiro lugar, os comunistas, a começar pelo próprio Flávio Dino, não têm condições morais e políticas para fazer a comparação entre os dois casos.

Em 2010, a campanha do então candidato a governador pelo PCdoB fez misérias contra a candidatura de Jackson. Entre elas, a mais sacana foi espalhar pelo Maranhão afora que o líder pedetista era “ficha suja” e mesmo que ganhasse a eleição não tomaria posse porque a Justiça Eleitoral cassaria o seu diploma.

Ora, como é que agora Flávio Dino vai querer tirar proveito de um lamentável episódio da política maranhense, que foi “golpe judicial” contra Jackson Lago, se ele e seu PCdoB tripudiaram sobre o ex-governador num momento histórico em que o pedetista deseja resgatar a sua honra política tentando voltar ao Palácio dos Leões?

A inelegibilidade de Flávio Dino em nada se parece com a cassação de Jackson Lago, nem de longe! Não é por acaso que os familiares do ex-governador querem distância dele.

Ocorre é que o comunista, sendo um ex-juiz, de personalidade arrogante e de uma soberba de fazer inveja a Mussolini, acha que está acima da lei e das instituições.

O que a juíza Anelise Reginato fez foi tão somente dizer para Flávio Dino algo mais ou menos assim: “Olha moço, ninguém pode ser considerado inalcançável pela Justiça. Até o senhor deve obediência às instituição da República e não pode sair por aí usando a máquina estatal de forma abusiva politicamente achando que tudo pode”.

Foi esse o recado que a magistrada mandou para governador do Maranhão.

Resumo da opereta: com a decretação de inelegibilidade, Flávio Dino virou um “cabra marcado para morrer”.

Nas urnas, claro!