Secretario-geral do PPS e coordenador da campanha de Eliziane Gama prega voto contra Bolsonaro e declara apoio a Haddad 2

As declarações de Gledson Brito aumentam a polêmica sobre a posição da senadora eleita em relação ao segundo turno da eleição presidencial, já que num primeiro momento ela  declarou voto a Haddad.

O secretário geral do PPS e coordenador da campanha da senadora eleita Eliziane Gama, historiador e professor Gledson Brito, usou suas redes sociais para pregar voto contra o o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e declarar apoio ao candidato petista Fernando Haddad (PT).

“Enquanto agente político e secretário geral do PPS declaro que sou crítico do PT, mas que entendo que a agenda defendida pelo candidato Jair Bolsonaro é uma afronta à democracia e a tudo que defendo. Por isso formalmente ajudarei e apoiarei Fernando Haddad”, postou no Twitter.

O professor afirmou ainda que fará “campanha ostensiva contra Bolsonaro”.

As declarações de Gledson Brito aumentam a polêmica sobre a posição da irmã em relação ao segundo turno da eleição presidencial, já que num primeiro momento Eliziane Gama declarou voto a Haddad, mas foi imediatamente desautorizada pelos “coronéis” e “mercadores” evangélicos que desejam patrulhar a postura da senadora eleita.

Pelo que apurou o Blog do Robert Lobato, porém, a adesão a candidatura Haddad deve ser seguida de uma grande estrutura política e eleitoral que sustentou a campanha dentro do eleitorado da irmã, inclusive no setor evangélico, onde deve surgir muitas frentes aos eleitores de Bolsonaro.

É aguardar e conferir.

O que Edivaldo Jr., Eliziane Gama e Pastor Porto acham da negativa de Flávio Dino em apoiar a Marcha para Jesus? 6

A se confirmar a negativa do governador Flávio Dino em colaborar com a Marcha para Jesus, será como um soco no estômago na nação evangélica maranhense em geral, e em particular nos “irmãos” aliados políticos Edivaldo Holanda Júnior, Pastor Porto e Eliziane Gama

Leio no blog do colega Diego Emir que o governador Flávio Dino (PCdoB) está negando apoio à Marcha para Jesus, tradicional ato de fé cristã que acontece anualmente e promovido por várias congregações evangélicas no estado (veja aqui).

Trata-se de um evento interdenominacional e demonstra uma comunhão entre as igrejas, proclama o evangelho de Cristo, e marca momentos de celebrações pelos 500 anos da Reforma Protestante.

A se confirmar a negativa do governador Flávio Dino em colaborar com a Marcha para Jesus/2017 será como um soco no estômago na nação evangélica maranhense em geral, e em particular nos “irmãos” aliados políticos Edivaldo Holanda Júnior (PDT), prefeito de São Luis; Pastor Porto (PPS), secretário de Relações Institucionais do Governo e da deputada federal Eliziane Gama (PPS).

Com a palavra os irmãos em Cristo.

Ou “irmãos em Flávio Dino”?