Proposta de fim da reeleição é boa para o país 6

Embora o candidato Bolsonaro não tenha esmiuçado como seria a sua proposta de fim da reeleição no bojo da reforma política que apresentará ao Congresso Nacional, se eleito for, o fato é que só o anúncio da proposição já é algo animador para os brasileiros.

Se levada a cabo a proposta de fim da reeleição, caso seja eleito presidente do Brasil, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) começaria bem o seu mandato no que diz respeito à reforma política.

Ficou mais do que evidente que o instituto da reeleição não deu certo no país por várias razões, entre as quais destacaria o sistema político, partidário e eleitoral na qual ele está inserido.

A reeleição serviu mais para fortalecer projetos de poder de políticos e partidos, do que ações efetivas e duradouras de Estado.

É que uma vez eleito o presidente, governador ou prefeito, já assumem com suas cabeças voltadas para o segundo mandato comprometendo, assim, resultados satisfatório na gestão pública, isso sem falar que a reeleição alimenta o processo de corrupção em muitos casos.

Embora o candidato Bolsonaro não tenha esmiuçado como seria a sua proposta de fim da reeleição no bojo da reforma política que apresentará ao Congresso Nacional, se eleito for, o fato é que só o anúncio da proposição já é algo animador para os brasileiros.

É aguardar e conferir.

EMENDA PARLAMENTARES: A bancada maranhense, sim!, está preocupada com a saúde. (OU: Luana Alves está de parabéns!) 14

A coordenadora da bancada maranhense, deputada Luana Alves fez um bom trabalho, costurou bem as negociações com seus pares, e mostrou competência e habilidades políticas na condução desse processo sobre as emendas parlamentares.

O governador Flávio Dino (PCdoB) botou, mais uma vez, a sua máquina de propaganda para tentar desqualificar a bancada maranhense no Congresso Nacional no que se refere à destinação de emendas parlamentares.

Pela vontade do “Professor de Deus”, as emendas dos deputados e senadores do Maranhão iriam direto para os cofres do Estado, mas os congressistas maranhenses solicitaram que os recursos fossem repassados diretamente aos municípios que eles desejavam contemplar.

Foi o suficiente para que a mídia palaciana desinformasse e confundisse a população fazendo crer que a coordenadora da bancada deputada Luana Alves (PSC) manobrou contra os interesses da população. Mentira!

Na verdade o que houve foi um embate político onde os governistas levaram a pior, uma vez que a correlação de forças na bancada maranhense foi alterada com a ida, para o campo das oposições, dos deputados José Reinaldo e Waldir Maranhão, ambos do PSDB e ambos traído por Flávio Dino.

O que é curioso é que essa “preocupação” toda do governo Flávio Dino com a saúde vem justamente no momento em que o setor está sendo investigado pela Polícia Federal por suspeita de desvios de milhões, talvez bilhões, de reais. Aliás, desde o ano passado Flávio Dino insiste em receber dinheiro proveniente de emendas parlamentares para reforça o caixa da saúde do seu governo. Pergunta-se: estaria o governador comunista querendo tapar os rombos da Secretaria, comandada pelo seu correligionário Carlos Lula, com os recursos que nossos deputados e senadores têm o direito legítimo de alocarem pra onde achar melhor?

A coordenadora da bancada maranhense, deputada Luana Alves fez um bom trabalho, costurou bem as negociações, e mostrou competência e habilidade políticas na condução desse processo sobre as emendas parlamentares.

Por tanto, está de parabéns!

E os municípios maranhenses agradecem!

Confira a íntegra do comunicado da Luana Alves sobre o assunto.

Amigos, conforme acordado na reunião de Bancada Federal do Maranhão realizada na quarta feira (18), fui com os assessores de vários deputados, na manhã quinta-feira (19), ao Ministério da Saúde para verificar todas as possibilidades para garantir uma ampla aplicação dos recursos referentes Emenda Impositivas N° 71110005. Deixo, claro que os deputados que quiserem que o recurso permaneça para o estado, que encaminhem em seus ofícios determinando isso.

Desta forma, em resposta ao questionamento feito por vários deputados quanto à destinação desse recurso apenas para a Atenção Especializada, a assessoria do Ministério da Saúde, reiterou que a Ação Orçamentária 4525 possibilita a livre escolha de sua aplicação, tanto para Programa de Atenção Básica (PAB), quanto para Media e Alta Complexidade (MAC) – Atenção Especializada, ficando a cargo do proponente sua aplicação no ato da apresentação da proposta junto ao sistema do Fundo Nacional de Saúde, podendo inclusive, quando for o caso, usar os recursos em ambas às áreas.

Como ainda estamos no prazo de indicação das EMENDAS DE BANCADA junto ao Ministério da Saúde, reitero que está aberta a possibilidade de indicação dos beneficiários diretos conforme o entendimento de prioridades de cada parlamentar membro do grupo da Emenda Impositiva N° 71110005, Funcional Programática 10.122.2015.4525.0021, Apoio a Manutenção de Unidades de Saúde (Custeio Fundo a Fundo).

Reforçamos ainda que esta ação visa possibilitar um amplo atendimento as demandas de saúde de nosso estado, garantindo que os parlamentares possam indicar não só os municípios, mas inclusive o governo do estado, assim como a Ação Orçamentária permite.

Para tanto, solicitamos que nos encaminhem até o dia 20/04/2018, a relação de suas respectivas indicações, contendo o Nome do Beneficiário (Município e, ou Estado), CNPJ do Fundo Municipal de Saúde.

VÍDEO: À vontade na reunião da bancada do PSDB, José Reinaldo e Waldir Maranhão falam sobre Geraldo Alckmin

Além de José Reinaldo e Waldir Maranhão, o senador Roberto Rocha também marcou presença na reunião da bancada tucana no Congresso Nacional

Os deputados federais José Reinaldo Tavares e Waldir Maranhão, ambos do PSDB, participaram, nesta quarta-feira, 25, da reunião da bancada do partido no Congresso Nacional com a participação do ex-governador de São Paulo e pré-candidato a presidente de República, Geraldo Alckmin.

Muito à vontade na reunião, os dois neotucanos elogiaram o preparo político e capacidade de gestão de Geraldo e demonstraram confiança na eleição do ex-governador Paulista para presidente do Brasil.

Para José Reinado é “impressionante como ele [Geraldo] entende as condições do Nordeste, a pobreza, é um médico acostumado a tratar das pessoas; de forma que é candidatura muito forte e tem muitos compromissos comigo entre os quais de combater a pobreza no nosso estado”.

Waldir Maranhão, por sua vez, afirmou “que foi uma reunião de trabalho onde o nosso pré-candidato a presidente colocou para todos nós a sua agenda, a sua compreensão sobre o Brasil, aquilo que a boa política exige de cada um nós, ou seja, compromisso com o povo. Portanto, esta reunião foi o ponto de partida para chegarmos à presidência de República oferecendo segurança, trabalho, coerência e acima de tudo lealdade”.

Além de José Reinaldo e Waldir Maranhão, o senador Roberto Rocha também marcou presença na reunião da bancada tucana.

Confira os vídeos gravados pelo jornalista Enio Borgmana

CONGRESSO NACIONAL: Oposição impõe derrota a Flávio Dino

Mesmo apoiado por aliados de Flávio Dino, inclusive pelo ex-coordenador da bancada maranhense Rubens Júnior, o deputado federal Cleber Verde foi derrotado por Luana Costa que se elegeu como a nova coordenadora da bancada

A bancada maranhense no Congresso Nacional impôs uma derrota política histórica ao governador Flávio Dino (PCdoB).

Por 11 votos a 10, a deputada Luana Alves (PSC) venceu a disputa contra o seu colega deputado Cléber Verde (PRB), candidato do Palácio dos Leões que contou, inclusive, com o vice-governador Carlos Brandão para ajudar na articulação em busca de votos, mas, coitado, o vice mal se segura na sua intenção de continuar no cargo imagina garantir votos a alguém no âmbito da bancada federal.

A eleição de Luana Alves demonstra uma clara mudança na correlação de forças na bancada após os deputados federais José Reinaldo Tavares e Waldir Maranhão, ambos do PSDB, romperem com Flávio Dino. Já a bancada de senadores maranhenses é toda desvinculada do governador Flávio Dino, que não tem qualquer poder de articulação na Câmara Alta.

E assim Flávio Dino vai caminhando para outras derrotar a por vir.

É preço das traições do comunista…

Flávio Dino, a bancada maranhense no Congresso e o governo Temer 2

Ao manter uma relação apenas “varejista” com a bancada maranhense no Congresso Nacional, Flávio Dino acaba por apequenar o própria representação popular dos parlamentares

Já ficou mais do que claro que Flávio Dino (PCdoB) não tem qualquer influência política sobre a bancada maranhense no Congresso Nacional. É assim desde o início do seu governo e desta legislatura na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Mesmo durante o processo de impeachment da presidente Dilma, quando o governador maranhense ganhou a mídia nacional para defender o mandato da petista, Flávio Dino demonstrou que não consegue contar politicamente com a bancada para coisa alguma.

Afora o deputado federal Rubens Pereira Júnior, do PCdoB, Flávio não pode se dar o luxo da bater no peito e dizer “eu tenho meus deputados”, o que para o cenário político nacional passa como desprestígio do governador.

A bancada maranhense no Congresso Nacional é essencialmente governista e está pronta para votar a pauta “reformista” do governo Temer. E o pior é que o governador não consegue tirar proveito disso, pelo contrário, faz é promover e estimular a conflagração entre deputados e senadores como ocorreu no caso da emendas de bancada.

Não se tem notícias da existência de uma agenda positiva e sistemática entre o governador e a bancada maranhense de deputados e senadores.

Ao que parece, Flávio Dino prefere operar no miúdo, no varejo, chamando um deputado aqui, outro acolá, para tratar de emendas de ambulâncias, de viaturas policiais, tratores etc. Nada de projetos estruturantes para o estado!

Com a bancada de senadores então… nem se fala!

Até o único senador que poderia contar para ajudar o seu governo, Flávio Dino conseguiu a proeza de afastá-lo politicamente por razões que só o território da paranoia pode explicar. Dá para considerar minimamente razoável o governador desperdiçar a chance de ter Roberto Rocha como seu principal aliado na planície e no planalto? É preciso ser muito bom para fazer as coisas erradas!

Ao manter uma relação apenas “varejista” com a bancada maranhense no Congresso Nacional, Flávio Dino acaba por apequenar o própria representação popular dos parlamentares.

E quando abrir os olhos já poderá ser tarde demais…