PINHEIRO: As complicações de Luciano Genésio 26

Pelas notícias que chegam da “Princesa da Baixada”, o prefeito Luciano Genésio está plantando vento. E que planta vento pode colher tempestade.

O jovem Luciano Genésio (PP) elegeu-se prefeito de Pinheiro com a promessa de que seria o “novo”, a “diferença”.

Derrotou o grupo liderado pelo talentoso e experiente Filuca Mendes (MDB), que já havia sido prefeito de Pinheiro por várias vezes, inclusive elegendo um “porte” chamado Zé Arlindo, que viria trair Filuca mais tarde.

Pois bem. Não se sabe ao certo o porquê, mas até agora o prefeito Luciano Genésio parece ainda não ter dado respostas concretas para o povo pinheirense do ponto de vista da sua gestão. Pelo contrário, o que comentá-se pelos bastidores da política é que o prefeito tem metido os pés pelas mãos o que tem gerado, inclusive, o afastamento de antigos e leais aliados do gestor pinheirense.

O Blog do Robert Lobato mesmo já foi procurado por vários aliados do prefeito para externar reclamações de toda ordem. Reclamações estas que vão desde a falta de honrar compromissos políticos feitos ainda na época de campanha, cujos entendimentos até hoje não foram cumpridos.

O fato é que as queixas de aliados, atualmente alguns já podendo ser considerados como “ex-aliados”, são medonhas, inclusive quanto ao fato de Luciano Genésio ter feito o possível e impossível para eleger a sua esposa Thaíza Hortegal deputada estadual, com ajudas pomposas de amigos, mas que hoje o prefeito não dá nem “tchum” para os mesmo.

A mais nova crise criada por Luciano Genésio, por exemplo, foi a demissão de um importante secretário municipal que era uma espécie de “faz tudo” do prefeito desde a campanha, segundo apurou o Blog do Robert Lobato.

Enfim, pelas notícias que chegam da “Princesa da Baixada” o prefeito Luciano Genésio está plantando vento. E que planta vento pode colher tempestade.

E 2020 está bem aí…

Agradecimento aos leitores

Não tenho a pretensão de ser melhor do que nenhum colega da blogosfera, o objetivo aqui é tentar ser diferente e pautar nosso trabalho na credibilidade da notícia e no equilíbrio das análises.

Em novembro de 2018, este blogueiro fez 10 anos de blogosfera.

Estreei no portal do Jornal Pequeno ao lado dos amigos Ricardo Santos, John Cutrim entre outros. Anos depois, deixei o portal do JP e criei um domínio próprio que segue até hoje.

Faço blog porque gosto e por ter a convicção de se tratar de uma ferramenta indiscutivelmente alternativa aos veículos de comunicação tradicionais. E o faço sempre com a obrigação de ser justo, honesto e equilibrado nas informações e nas análises, mesmo tendo minhas convicções políticas e ideológicas bem claras.

Nunca tive a pretensão de ser melhor do que ninguém e muito menos o “dono da verdade”. O esforço do nosso trabalho é tão somente tentar ser diferente, criar um padrão que fuja da ideia de que blogueiro é tudo canalha, bandido, vagabundo, entre outros adjetivos que muita gente usa para qualificar a atividade de blogueiro.

“O cara não deu pra nada vida, vira blogueiro”. Graças a Deus não é o caso de Robert Lobato.

Faço esse preâmbulo, por assim dizer, para agradecer a consideração, respeito e deferência que muitos leitores manifestam em relação ao nosso trabalho.

Isso fica claro sempre que atraso atualização das postagens, como foi o caso da última semana que o blog ficou alguns dias sem atualização em virtude deste editor estar na estrada em viagem profissional.

Foram vários leitores que, seja por mensagens pelo WhatsApp, seja pessoalmente, cobraram a demora na atualização das postagens, o que demonstra que o Blog do Robert Lobato possui leitores assíduos e leais!

Ocorre que sou um blogueiro “solitário”, ou seja, somente Bob Lobato escreve para esta página, daí que alguns leitores sugeriram a contratação de alguém para trabalhar comigo para que o blog não fique dias sem atualizar os posts. Prometo que tentarei contratar um ou uma profissional para ajudar no nosso trabalho.

No mais, quero agradecer pelas inúmeras manifestações de elogios e carinho em relação ao nosso trabalho vindas ao longo desses dez anos de blogosfera.

Repito: não tenho a pretensão de ser melhor do que nenhum colega da blogosfera, o objetivo aqui é tentar ser diferente e pautar nosso trabalho na credibilidade da notícia e no equilíbrio das análises.

Meu muito obrigado a todos, tanto aos leitores que gostam do conteúdo do Blog do Robert Lobato, quanto aos críticos, uma vez que ninguém agrada a todos.

Nem Ele agradou.

Valeu!

IMAGEM DO DIA: Que tal ajudar o pobre do Márcio Jerry ser eleito deputado federal? 10

O Blog do Robert Lobato aproveita o ensejo e lança a sua própria campanha, que consiste num seguinte: aquele que for doar para a conta do candidato Márcio Jerry direciona 50% do valor para a conta deste humilde blogueiro.

O presidente estadual do PCdoB, ex-secretário de Estado (Comunicação e Articulação Política) e ainda homem forte do governo Flávio Dino, jornalista Márcio Jerry, surgiu com uma peça publicitária de sua campanha para deputado federal o tanto quanto curiosa.

Na peça, o comunista convida os eleitores a “investir no Maranhão melhor para todos” depositando recursos financeiros na sua conta de campanha.

A atitude de Márcio Jerry parece ser uma forma para escapulir da fama de que sua eleição de deputado federal tende a ser uma das mais caras da história. A estratégia não deixa de ser inteligente, temos que reconhecer.

Um mil aqui, mais mil ali, outro mil acolá, quando pensar que não a conta do candidato está gordinha a ponto do candidato já poder comprar o paletó da posse.

O Blog do Robert Lobato aproveita o ensejo e lança a sua própria campanha, que consiste num seguinte: aquele que for doar para a conta do candidato Márcio Jerry direciona 50% do valor para a conta deste humilde blogueiro (Banco do Brasil AG. 0020-5 – C/C 102355-1), como forma de contribuir para que esta página continue sendo um instrumento de resistência democrática contra governos, políticos e demais autoridades constituídas que têm pavor da liberdade de expressão e de imprensa.

Dá mais futuro “investir” no Blog do Robert Lobato.

Não tenham dúvidas…

Waldir Maranhão e Rogério Favreto: Diferenças fundamentais 2

O parlamentar maranhense está no Congresso Nacional através do voto popular e não deve nada ao PT, o que não se pode dizer o mesmo em relação ao desembargador do TRF-4 Rogério Favreto que deve tudo ao petismo

A jornalista Eliane Cantanhêde (Estadão) foi a primeira a tentar fazer um paralelo entre a decisão tomada pelo deputado Waldir Maranhão (PSDB) de anular o impeachment da presidente de Dilma Rousseff, quando estava no exercício da presidência da Câmara dos Deputados em 2016, e o mandado de soltura do ex-presidente Lula assinado pelo desembargador federal Rogério Favreto, no último domingo, 8.

Depois dos blogueiros maranhenses também tentaram fazer uma associação entre os dois casos.

Em “Rogério Favreto e Waldir Maranhão: chacota nacional”, Gilberto Léda sustenta que ambos os personagens viraram motivo de tudo que é tipo de sarro devido suas decisões. Ah! Assim como Eliane Cantanhêde, Gilberto também lembrou que o Waldir Maranhão cumpriu uma missão que lhe foi atribuída, entre outros, pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Já o blogueiro Ricardo Fonseca, por sua vez, viu heroísmo nos atos de Waldir Maranhão e Rogério Favreto no post “Waldir Maranhão e Rogério Favreto, dois heróis nacionais que a história nunca irá esquecer”.

O Blog do Robert Lobato entende que há diferenças fundamentais entre um e outro caso.

Em primeiro lugar, o episódio da anulação do impeachment foi algo articulado por várias forças e atores políticas que não somente Flávio Dino, mas ainda o então ministro José Eduardo Cardozo (PT), os deputados federais Orlando Silva (PCdoB) e Werverton Rocha (PDT), o secretário-chefe da Representação Institucional do Governo do Maranhão, Ricardo Cappeli, entre outros.

Portanto, Waldir Maranhão cumpriu uma missão expressamente política a partir teses jurídicas sustentadas por aliados.

“Ora, Bob Lobato, me compre um bode! O Rogério Favre também cumpriu uma missão expressamente política a partir teses jurídicas sustentadas por aliados”, pode argumentar um leitor anti-PT.

Sim, é verdade! Mas no caso do Waldir Maranhão, repito, o processo foi construído por várias forças políticas e não só por petistas como aconteceu com Favre ao atender pedido de Habeas Corpus de três deputados do PT. E mais: Waldir nunca foi petista, nunca teve cargos em governos do PT e muito menos chegou a um cargo de desembargador federal através de uma canetada!

O parlamentar maranhense está no Congresso Nacional através do voto popular e não deve nada ao PT, o que não se pode dizer o mesmo em relação ao desembargador do TRF-4 Rogério Favreto que deve tudo ao petismo! E isso não é nenhum demérito não, apenas uma constatação, diga-se.

Pelo contrário, se for feito, digamos, um “encontro de contas político”, chegaríamos à conclusão de que são o PT e parte das esquerdas brasileiras, inclusive o PCdoB de Flávio Dino, que devem Waldir Maranhão.

Não tenho dúvidas de que os verdadeiros democratas e patriotas querem ver o Lula livre, e que a atitude de Rogério Favreto pode ser até admirável do ponto de vista da sua coragem, mas mesmo a liberdade do ex-presidente não traria a paz política, social, jurídica e institucional para o país como traria o impeachment caso tivesse sido evitado.

Foi essa compreensão histórica que teve o deputado e então presidente da Câmara Federal Waldir Maranhão ao anular o afastamento de Dilma.

São essas as diferenças fundamentais entre Waldir Maranhão e Rogério Favreto.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

SENADO 2018: Eliziane Gama e o eleitorado feminino 2

Além de ser evangélica, outro nicho eleitoral de alta relevância, a sua condição de mulher faz da deputada Eliziane Gama uma alternativa muito mais viável, por exemplo, do que o seu concorrente direto, o também deputado federal Weverton Rocha

As urnas do Maranhão mostram que mais da metade do eleitorado é composta por mulheres.

Dos 4.606.603 maranhenses aptos a votar em outubro deste ano, 51% são formados por eleitoras, daí que público feminino é uma espécie de filão eleitoral.

Entre os nomes postos ao Senado Federal nas eleições de 2018, a deputada federal é a única mulher na disputa, logo pode faturar nesse, digamos, nicho eleitoral.

Lógico que não é caso de afirmar-se que “mulher vota em mulher”, mas evidentemente a nossa irmã pode explorar de forma inteligente o fato de ser a única opção do sexo feminino a concorrer à Câmara Alta do Congresso Nacional.

Soma-se a isso o fato inquestionável de que Eliziane Gama sempre pautou a questão de gênero na sua trajetória política, principalmente nos mandatos que exerceu.

Portanto, a pré-candidata pelo PPS jamais poderá ser chamada de oportunista caso assuma a bandeira em defesa das mulheres, violência doméstica, igualdade de gênero etc. Pelo contrário, tem legitimidade política e ideológica para tanto.

Nesse sentido, além de ser evangélica, outro nicho eleitoral de alta relevância, a sua condição de mulher faz da deputada Eliziane Gama uma alternativa muito mais viável, por exemplo, do que o seu concorrente direto, o também deputado federal Weverton Rocha.

Repito: não se trata simplesmente de “mulher votar em mulher”, mas de quem reúne maior legitimidade para fazer da questão da mulher uma bandeira eleitoral.

E isso deve ficar claro já no próximo sábado, 16, durante o ato de lançamento da pré-candidatura de Eliziane Gama ao Senado Federal com a presença de várias entidades dos movimentos sociais.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

TEMPOS DE ELEIÇÃO: Alguns cuidados com as redes sociais para evitar estresse ou mesmo perder amigos

Não vale a pena bater boca pelas redes sociais, principalmente em grupos de ZapZap quando é sabido que não vai se chegar a lugar algum. Além de fazer mal ao coração e à pressão arterial, é burrice.

Não tem jeito. Eleição mexe com as emoções, ainda mais de quem trabalha com a política, possui filiação partidária, milita ou faz parte de algum grupo político.

Discutir e defender ideias e ideais é próprio da natureza humana, até porque somos um animal político como bem teorizara o mestre Aristóteles.

Contudo, é perda de tempo tentar convencer alguém que já está convencido por uma tese ou defende um interesse próprio por mais legítimo que seja. Aliás, cada um defende sua tese segundo os seus interesses, mas a palavra final quem dará são as urnas; é ela que mostrará quem estava certo ou errado nas sua tese durante a campanha.

Portanto, não vale a pena bater boca pelas redes sociais, principalmente em grupos de ZapZap quando é sabido que não vai se chegar a lugar algum. Além de fazer mal ao coração e à pressão arterial, é burrice.

A partir desse entendimento, o Blog do Robert Lobato dá algumas dicas sobre como evitar desgastes através das redes sociais, principalmente em grupos de WhatsApp, e assim, evitar estresse desnecessário e principalmente não correr o risco de perder amizades. Vejamos.

– Evite entrar de discussão quando estão tentando desqualificar o candidato que você apoia, pois de uma simples critica pode aparecer ataques mais agressivos.

– Não tente convencer quem não está aberto ao convencimento. Você só ganhará uma incômoda enxaqueca.

– Não adianta debater com quem já tem lado, posição, partido e candidato.

– Não caia em provocações de quaisquer tipos. Na falta de argumentos podem tentar te tirar do sério com piadinhas de mau gosto e coisas do tipo.

– Deixe para visitar o grupo quando já tiver muitas mensagens acumuladas, assim você não se sente na obrigação de ler todas as postagens e dessa forma acaba evitando se deparar com algo que te deixe chateado.

– Leve esportiva as gozações, pois podem ser apenas uma forma disfarçada do seu amigo admitir que você esta no rumo certo.

– Evite ataques pessoais. Podem ser o caminho mais curto para a comprometer uma amizade.

– Não dê importância para opiniões de quem não tem importância para você.

– Opte por grupos qualificados, bem administrados, onde o debate é sério e o respeitoso, de preferência que não tenha “muvuca”.

– No limite, é melhor evitar os grupos de ZapZap nestes tempos de eleição para discutir política. Preferível acompanhar os noticiários pela imprensa, blogs e aqui e acolá marcar um chopinho com um, dois no máximo três parceiros para troca de impressões sobre o processe eleitoral.

Este blogueiro, por sinal, já está se distanciando de grupos de discussões em redes sociais, ainda mais em ZapZap. Rsrsrs.

É isso aí.

Senador Roberto Rocha manifesta solidariedade à família do ex-governador Epitácio Cafeteira

Cafeteira foi um dos maiores políticos maranhenses e talvez um dos mais populares dos últimos tempos.

O senador Roberto Rocha (PSDB) usou as redes sociais para solidarizar-se com a família do ex-governador Epitácio Cafeteira, que faleceu neste domingo (13), aos 93 anos.

“Cafeteira exerceu todos os cargos relevantes da política maranhense, deixando a lembrança de uma personalidade marcante, a inteligência vivaz, temperada por uma verve singular que marcou seu convívio com todos. Que Deus conforte sua esposa Isabel, a filha Janaína e familiares.”, postou o senador.

Cafeteira estava internado numa UTI na sua residência, em Brasília. Ele terminou seu último mandato como senador, em 2014, já muito debilitado e estava praticamente sobrevivendo através de aparelhos.

Além de ex-governador do Maranhão, Cafeteira foi também ex-senador, ex-prefeito de São Luís e ex-deputado federal.

O Blog do Robert Lobato hipoteca solidariedade aos familiares desse que foi um dos maiores políticos maranhenses e talvez um dos mais populares dos últimos tempos.

CAEMA: Capelães deverão ser chamados para oração pela nova adutora do Sistema Italuís 8

Se é fé dos capelães nomeados por Flávio Dino for proporcional ao contracheque que recebem, não há quaisquer dúvidas de que, dessa vez, jorrará água não pelo ares, mas pelos lares do povo ludovicense

Até hoje, 11 de maio de 2018, o governo Flávio Dino não conseguiu inaugurar, de verdade, a nova adutora do Sistema Italuís deixada pela governadora Roseana Sarney e que era de responsabilidade direta do secretário Ricardo Murad (Saúde).

Devemos admitir que Flávio Dino até esforçou-se em inaugurar a nova adutora, mas quando ele deu “start” no botão que aciona o sistema… “bow!”, foi água pelos ares e não para as torneiras dos lares da população de São Luis.

Mas o governo comunista não desiste nunca. E está certo!

Pois agora a Caema aparece com um comunicado alertando que vem mais paralisação do sistema a partir da 00h do dia 16 de maio (quarta-feira) e previsão, atentai bem, “previsão”, de retorno para o dia 19 de maio de maio (sábado) partir das 13h.

Segundo o comunicado do Governo do Estado, através da Caema, a mais nova paralisação do sistema justifica-se por conta da “recuperação inadiável da subestação elétrica de captação de água bruta”. É bem aí que entre a capelania do governo.

Segundo apurou o Blog do Robert Lobato, o governador Flávio Dino foi orientado a convocar todos capelães para que organizem um “culto ecumênico” quando do próximo ato de inauguração do Sistema Italuís! Trata-se da reunir uma centena de “homens de fé” para louvar e abençoar para que tudo dê certo dessa vez.

Bom, se a fé dos capelães nomeados por Flávio Dino for proporcional ao contracheque que recebem, não há quaisquer dúvidas de que, dessa vez, jorrará água não pelo ares, mas pelos lares do povo ludovicense.

E para a coisa ser mais ecumênica ainda, o Blog do Robert Lobato sugere ao Governo do Maranhão que convide também os pais de santo e, quiçá, os nomeiem também para ser capelães democratizando, assim, a religiosidade da capelania oficial do estado.

Astro de Ogum curtiu.

#FicaAdica

BRASIL: Ministério Público acusa, Justiça julga e a Globo condena 12

Quando um instituições como o Ministério Público, Poder Judiciário e uma empresa que sobrevive de concessão pública se unem para atacar de forma generalizada políticos, partidos e a política é porque alguma está errada com a nossa democracia.

O histórico do envolvimento da Rede Globo em eventos políticos dispensa apresentações.

O “mostro” do Jardim Botânico esteve de braços dados com o golpe de 64; foi empoderada no regime militar; apoiou o Plano Cruzado na era José Sarney; endeusou expoentes da direita como Paulo Maluf e Fernando Collor – que depois viriam ser abandonados à própria sorte pela emissora dos Marinho -; foi decisiva na eleição dos dois mandatos de Fernando Henrique Cardoso; mais recentemente apoiou o impeachment da Dilma e se constituiu numa das principais forças conservadores a apostar em Michel Temer.

Com o advento da Operação Lava Jato, inaugurou-se uma nova fase histórica da política nacional protagonizada pela Globo que consiste colocar a política e os políticos num mesmo saco de escândalos e corrupção.

Partidos políticos deixaram de ser organismo fundamentais da e para a democracia e passaram ser reduzidos à meras “organizações criminosas”.

Essa “aliança política” entre o Ministério Público, Judiciário e a Globo para satanizar o processo político por meio da Lava Jato, já deixou um rastro de destruição não apenas na imagem de muitas personalidades políticas, mas de setores da própria economia nacional, alguns dos quais estratégicos para nação.

No afã de fazer justiça de qualquer jeito, os Dallagnois, Moros e Marinhos da vida não percebem (ou percebem?) que podem colocar o Brasil na trilha do arbítrio, do retrocesso e de regimes de exceção. Será que é isso que os motivam?

“Prender” virou a palavra de ordem dessa gente. Pior: prender ao arrepio das leis para atender não o ordenamento jurídico do país, mas uma opinião pública manobrada e muitas vezes completamente alienada e hipócrita.

Essa campanha sistemática da mídia contra a política, com a Globo à frente, fica bem evidente naquele enfadonho quadro “Que Brasil você quer para o futuro”, da mesma Rede Globo.

Quase 100% dos que têm a coragem de fazer aqueles vídeos sempre falam contra a política, políticos e partidos. Acabam sendo usados como “repórteres de manobra” para reproduzirem a pauta diária da Globo de criminalizar a política, sem a necessidade da emissora pagar por isso. São meros autômatos de uma fábrica incorrigível de mentiras !

Enfim, quando instituições como o Ministério Público, Poder Judiciário e uma empresa que sobrevive de concessão pública se unem para atacar de forma generalizada políticos, partidos e a política é porque alguma está errada com a nossa democracia.

E só poderá ser ajustada através da Política, com P maiúsculo, do respeito às instituições e sobretudo da alienável garantia dos direitos fundamentais das pessoas.

É opinião do Blog do Robert Lobato.