FRAUDE? : Jornalista revela o que pode ser a maior “bomba” destas eleições no MA envolvendo o IBOPE

Instituto foi cobrado indiretamente pela coligação “O Maranhão quer Mais” – sobretudo pelos números de São Luís -, reconheceu que o debate da TV Mirante pode não ter sido alcançado no levantamento e chegou a usar como parâmetro para reforçar seus dados pesquisas montadas pelo próprio Palácio dos Leões e já denunciadas por suspeita de fraude

Via blog do Marco D’Eça

Cobrado enfaticamente pela coligação “O Maranhão quer Mais”, pela pesquisa que divulgou na quinta-feira, 4, o instituto Ibope de pesquisas parece que se enrolou mais ainda nas explicações.

Em primeiro lugar, chegou a admitir uma curiosa e estratosférica “margem de erro de 8 pontos percentuais” na amostragem de São Luís, feita com apenas 168 pessoas.

– Em São Luís temos apenas 168 entrevistas, o que não é suficiente para estimar as intenções de votos na capital, uma vez que a margem de erro amostral é de 8 pontos percentuais para mais ou para menos. O cruzamento foi fornecido apenas como um indicativo – tenta explicar o instituto, em troca de correspondência a qual este blog teve acesso.

Assinado pela analista de atendimento e planejamento CP, o documento do Ibope admitiu também que uma parte do levantamento foi  feito antes do debate da TV Mirante, na última terça-feira, 2.

– Ou seja, a pesquisa pode não ter pego um possível efeito do debate na capital admitiu.

Curiosamente, a analista usou dados das pesquisas encomendadas pelo próprio Palácio dos Leões – Exata e Econométrica – para justificar seus números, mesmo diante de todas as suspeitas já oficializadas contra os dois institutos.

O estrago da pesquisa sem critério do Ibope pode interferir diretamente no resultado das eleições.

Um crime eleitoral, portanto…

20 comentários sobre “FRAUDE? : Jornalista revela o que pode ser a maior “bomba” destas eleições no MA envolvendo o IBOPE

  1. Rapaz, isso nada mais é do que choro antecipado de perdedor.
    Quem nunca viu, às vésperas de uma eleição, uma notícia bombástica contra um candidato que faz oposição ao Sarney, não deve morar no Maranhão. Desta vez, a oligarquia acusa o governador de ter comprado o IBOPE. Sarney Filho por sua vez anda dizendo que o IBOPE nunca acertou uma no Maranhão e por aí vai… Aliás, Sarney Filho tem um vasto histórico de ganhar eleição sem precisar correr atrás de voto. Tá na hora de fazer a mágiquinha novamente, você não acha?

  2. Anna disse:

    Dona Chica, que conhece Mariazinha ouviu dizer que seu Toinho falou que não sei quem comprou o IBOPE. Sinceramente, tenha postura profissional. Vcs podem começar com esses fakes na próxima pq nessa não deu. E ainda vai levar pra conta dois senadores! Dois não! Três! Estava esquecendo Roberto Rocha na passada.

  3. joaozinho disse:

    Hilário kkkk
    Vocês esperavam muito do debate e, o que se viu foi um filhinho de papai-governador, de voz empostada e cara amarrada destilando inveja e ódio, criticando isso e criticando aquilo, nada mais. O pior é que ainda vai ficar em quarto lugar. Muito triste,
    Flávio Dino vai fazer Cabelo, barba e ainda dá nó Bigode kkkkkk

  4. mohamad disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk doido de jogar pedra na lua kkkkkkkkkkk como? se a instituição contratante foi a da própria família dos abutres kkkkkkkkkkkkk como diz Faustão ou louco meu kkkkkk prepara a costa pra surra meu nobre cheira saco de Judas kkkkkkkkkk pois tu vai apanha mais do que bêbado pra largar a garrafa kkkkkkkk chupa q é de uva.

  5. ronie disse:

    “Tudo, menos o PT”. Antipetismo empedernido ou o perfeito bode expiatório das forças conservadoras.
    – Daniela Gontijo

    Como uma pessoa que estuda violência há 15 anos eu tenho algumas coisas a dizer sobre o momento político que estamos vivendo. Fiz uma tese de doutorado sobre violência, mímesis, contágio. Estudei a estratégia do bode expiatório que, para mim, vem tomando proporções escabrosas no Brasil.

    Entendo a estratégia do bode expiatório como um dos pilares do golpe que podemos sintetizar no Grande Acordo Nacional – “Tem que mudar o governo para estancar essa sangria”, disse Romero Jucá. Trocando em miúdos, trata-se de uma estratégia para desmontar o estado de bem estar social que já era capenga, para servir aos interesses do grande capital.

    Não sou petista e fiz muita oposição ao Governo Dilma e às escolhas catastróficas de um modelo econômico conservador e predatório. Mas é tão óbvio que o PT se tornou um bode expiatório e que o ódio ao PT é um catalisador de temores e insatisfações, projeto das elites e da grande mídia pra manipular pessoas. Eu tenho visto tanta gente conhecida que já não reconheço: de uns tempos pra cá enrubesce ao falar, trava o queixo, baba de ódio. O fenômeno tem sido relatado por amigas/os também sobre familiares e colegas.

    Não tem nada com mais força na sociedade que catalisar os ódios num insígnia única. É densamente amalgamador e se potencializa numa espécie de tautologia, como se tudo passasse a justificar esse ódio e o ódio também passasse a balizar tudo.

    Um sinal contundente do êxito da estratégia do bode expiatório é a relativização de todo o resto. Quem comprou o “Ódio ao PT” não odeia, não de um modo contundente e avassalador, o Jair Bolsonaro, o Michel Temer, o Aécio Neves, o Gilmar Mendes, o golpe jurídico-midiático, o “grande acordo nacional, com Supremo, com tudo”. Não discursa, com indignação contra nenhum deles. PEC do congelamento, retrocesso de direitos, fascismo, homofobia, racismo, machismo, apologia ao estupro, apologia à tortura. Não odeia nada disso. As coisas mais hediondas não cabem na indignação de quem comprou o ódio único ao PT. Mas o antipetismo empedernido é nada mais, nada menos que um projeto de manipulação feito em modelos consolidados historicamente.

    O antropólogo René Girard dedicou uma vida ao estudo do tema com centenas de livros publicados. Em sociedades em crise, as massas, focadas no bode expiatório, elegem a vítima sacrificial, que nunca é a verdadeira culpada. Hordas sociais catapultam o ódio e expurgam a vítima. Apesar de parecer um movimento espontâneo, há sempre o interesse de uma elite por trás, que precisa poupar o verdadeiro culpado e zelar pelo status quo. Por isso, a vítima sacrificial é sempre uma figura que foi marginalizada, que carrega um estigma, o que torna mais fácil sua designação como bode expiatório.

    Evidente que o PT não é uma quadrilha, tampouco o partido que mais roubou na história do país. Muito pelo contrário, tirou o país do mapa da fome e estamos aí, nesse exato momento, vendo retrocessos na educação, na saúde, na assistência social etc. Teve Fies, teve Prouni, teve “Ciência sem fronteira”, teve “Fome zero”, teve “Minha casa, minha vida” e tanta política pública acertada que o Lula tem recolhido reconhecimento em todo canto do mundo e acaba de ganhar seu 35o honoris causa. Teve problema? Teve muito! Mas nada diferente nem pior do que os que sempre estiveram no poder. E certamente nada que justifique catalisar ódios num partido só. E em geral, quando a pessoa vem com o “fora todos”, é eleitora do inominável, se não no 1o, no 2o turno, e sequer se dá conta de como seu ódio segue exclusivista. Porque outro sintoma que constato do bode expiatório e da onda de ódio é o ofuscamento para o restante.

    O ódio, já dizia Sara Ahmed, é pegajoso. Mobiliza-se mais gente que se junta contra algo do que a favor. O ódio tem essa potência do expurgo. Nada é mais agregador que o ódio. E a estratégia de manipulação via bode expiatório tem dado certo por toda a história mundial. No Brasil, agora vemos no “tudo, menos PT”, a ascensão do autoritarismo, o declínio do diálogo e o escalonamento da intolerância e agressividade. Pra quem brinca com fogo e acha que Jair não fará o que diz, Jessé Souza já nos relembrou que Hitler já avisara tudo que faria. Se você é do tipo “tudo, menos PT”, você cogita votar num ser extremamente perigoso, que propaga e estimula o ódio, banaliza a violência e cuja propaganda é uma mão em forma de arma. Um ser que diz que “o erro da ditadura foi torturar e não matar”, e que já deveria estaria preso, se nosso país fosse sério. Se você cogita votar nele, você certamente foi tomado/a pelo Ódio Único e anda relativizando o oco. O oco é a cara do fascismo. O oco tem a cara de uma pessoa que não articula nem o bê-a-bá da economia, que já foi condenado por apologia ao estupro e comentário racista, que tem como herói um torturador sanguinolento, responsável por 45 mortes e desaparições, exaltado pelo Jair em rede nacional. O oco é a cara do seu ídolo Brilhante Ustra, que torturou uma mulher grávida de 7 meses e levou duas crianças, uma de 4, outra de 5 anos, para assistir os pais torturados, sujos de fezes e vômito.

    Horror não se relativiza. Não queiramos ver o oco. Todo mundo perde.

    • Paulo Elias disse:

      Um real (militante) Petista é somente petista.

      Um Humorista Petista não tem humor: são uns chatóides.

      Um Cantor Petista (Chico Buarque…) é somente um ideólogo;

      Um Empresário Petista (Bumlai) é um petista apenas;

      Um Professor Petista exclui a Pedagogia em prol da Ideologização;

      Um Padre petista, é somente petista e não um Padre que preste;

      Um Politico Petista (Dilma) não contribui com nada para o País, mas faz TUDO para o PT;

      Um Eleitor Petista não sabe nunca o que faz, vive apenas defendendo o …. PT.

      Um Militante petista coloca os valores partidários acima de outros valores, é o que vemos, é o que acontece cá acima.

Deixe uma resposta