ELEIÇÕES 2018: O futuro político de Waldir Maranhão

Não tenho a menor dúvida que o se o campo político liderado pelo senador Roberto Rocha colocar o projeto de sociedade e de Estado em primeiro lugar tudo acabará bem, não apenas para Alexandre Almeida e Waldir Maranhão, mas sobretudo para o nosso estado.

Há muita especulação sobre o presente e o futuro do deputado federal Waldir Maranhão (PSDB).

No momento em que foi traído pelo governador Flávio Dino (PCdoB), Waldir mudou de campo político e hoje é um dos mais duros opositores do governador – para quem não lembra, o comunista foi o idealizador da anulação do impeachment de Dilma quando Waldir era presidente da Câmara dos Deputados.

Deputado federal por três mandatos, Waldir Maranhão se preparou para disputar uma vaga ao Senado Federal. Confiou na palavra de Flávio Dino de que seria um dos dois nomes do Palácio dos Leões à Câmara Alta. Foi enganado de forma covarde pelo governador!

Ao escolher o PSDB, Waldir Maranhão estava consciente de que o partido já tinha uma chapa majoritária formada: Roberto Rocha pré-candidato a governador, José Reinaldo Tavares e Alexandre Almeida pré-candidatos a senador.

Só que a política tem uma dinâmica própria e o que está posto hoje pode mudar amanhã. “Política é como nuvem. Você olha e ela esta de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”, ensinou o mineiro Magalhães Pinto.

Alexandre Almeida é um político jovem, independente e tem um futuro promissor pela frente. Diria até que o deputado estadual já está linha sucessória ao governo do estado. Daqui a alguns anos a eleição de governador passará por Alexandre Almeida, ainda mais depois de ser prefeito de Timon.

É preciso ficar claro que o projeto Roberto Rocha governador-45 não é um projeto pessoal, mas de grupo!

Roberto se preparou para ser governador do Maranhão. Fez o possível para ser o candidato ao governo em 2010 pelo PSDB, mas o saudoso Jackson Lago não entendeu aquele momento histórico. Assim como não quiseram entender os então prefeitos Sebastião Madeira (Imperatriz) e João Castelo (São Luis). Daí que hoje temos um monstro instalado no Palácio dos Leões.

Ora, se não há um projeto pessoal é lógico que o grupo político tem que pensar como grupo, ou seja, saber e entender o que soma mais para que o projeto coletivo dê certo. Trata-se de colocar o Maranhão em primeiro lugar!

Nesse sentido, Waldir Maranhão tem o direito de tentar construir, via o PSDB, o caminho que lhe foi negado pelo PT e principalmente por Flávio Dino.

Política é conversa, diálogo, entendimento.

Não tenho a menor dúvida que o se o campo político liderado pelo senador Roberto Rocha colocar o projeto de sociedade e de Estado em primeiro lugar tudo acabará bem, não apenas para Alexandre Almeida e Waldir Maranhão, mas sobretudo para o nosso estado.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

Deixe uma resposta