A PM KÁTIA DA SILVA SASTRE: Vilã ou heroína?

Entre outras mães, filhas e inocentes que correram risco naquele fatídico dia, o desfecho do ocorrido foi melhor para as pessoas de bem.

A PM Kátia da Silva Sastre, do estado de São Paulo, protagonizou um dos eventos mais comentados na imprensa, na sociedade e, claro, nas redes sociais, neste final de semana.

À paisana, a PM reagiu a um assalto na cidade paulista de Suzano e disparou contra o assaltante, que morreu no hospital. O meliante já tinha passagem pela polícia, inclusive com acusação de ocultação de cadáver.

O ato da policial dividiu opiniões à esquerda e à direita do espectro politico nacional.

Pela lado das esquerdas, a ação da policial foi algo desumano, arriscado (pois colocou outras vidas em perigo) ou “uma carnificina”, como exagerou a colunista Nathalí Macedo no artigo “A mãe PM que matou um ladrão em Suzano e a espetacularização da irresponsabilidade”, publicado no site Diário do Centro do Mundo.

Já para os direitistas, a PM Kátia Sastre agiu corretamente mostrando que “ladrão bom é ladão morto” e coisas do tipo.

De uma forma ou de outra, esse episódio foi trágico em todos os aspectos.

Em primeiro lugar, revelou o quanto nós, cidadãos, pais e mães de famílias, nossos filhos etc.,  estamos vulneráveis à ações de marginais que não tem qualquer empatia pela vida alheia.

Em segundo lugar, serviu para mostrar o quanto também vivemos numa sociedade totalmente dividida entre os que ainda acreditam nas leis enquanto instrumentos para punir marginais e aqueles que defendem que justiça pode ser feita com as próprias mãos.

Em terceiro lugar, o evento mostra ainda como a sociedade está carente à procura de heróis e/ou heroínas, uma vez que não acredita mais no Estado enquanto ente que pode resolver os problemas que lhe afligem no cotidiano, como é o caso da falta de segurança nas cidades independente do tamanho delas – antes, apenas os grandes centros urbanos padeciam com a insegurança, atualmente qualquer cidade pelo Brasil afora está à mercê da marginalidade.

Mas, respondendo ao questionamento que dá titulo a este post, ou pelo menos tentando respondê-lo, penso que a brava policial militar Kátia da Silva Sastre não é nem vilã e nem heroína. Trata-se de tão somente uma cidadã que fez aquilo para o qual foi treinada, qual seja defender seus concidadãos. Agiu de forma não apenas corajosa, mas com muita competência e preparo técnico.

Se a mídia glamorizou o episódio isso é uma outra questão. E nesse particular tanto a mídia de direita quanto a de esquerda cometeram e cometem seus excessos.

Por fim, mas do qualquer coisa, Kátia da Silva Sastre, ou simplesmente PM Sastre, agiu como mãe quando estava se preparando para participar com a filha de um homenagem ao Dia das Mães.

Só isso já a coloca na condição, se não de heroína, na condição de uma “super mãe”.

Entre outras mães, filhas e inocentes que correram risco naquele fatídico dia, o desfecho do ocorrido foi melhor para as pessoas de bem.

30 comentários sobre “A PM KÁTIA DA SILVA SASTRE: Vilã ou heroína?

  1. jeffersson disse:

    Maria do Rosario, esta triste perdeu mais um eleitor. Esses hipocritas defensores da bandidagem e até as vezes financiados por eles “vide em São Paulo um defensor dos direitos humanos receber recursos do PCC para atacar a policia” deveriam ler Gary Becker para não falar suas asneiras de ligar violencia a “pobreza” ou “falta de educação”, eles mesmo se contradizem pois falam que nos 14 anos dos governos Petistas a pobreza desapareceu, entretanto a violencia aumentou. Para Becker “a decisão de cometer ou não o crime resultaria de um processo de maximização da utilidade esperada, em que o indivíduo confrontaria, de um lado, os potenciais ganhos resultantes da ação criminosa, o valor da punição e as probabilidades de detenção e aprisionamento associadas e, de outro, o custo de oportunidade de cometer crimes, traduzido pelo salário alternativo no mercado de trabalho” ou seja o que gera violencia são leis permissivas como as brasileiras. Ao aplicar o principio de Becker em Nova York o prefeito Rodolf Juliane implantou o “tolerancia Zero” que reduziu drasticamente as taxas de violencia onde bandidos eram tratados como bandidos e a prisão como castigo pelos delitos dos mais simples aos mais graves. Aqui seguimos em sentido contrario onde o “crime compensa”, visitas intimas, saidas temporarias, reduções de penas e programas de “ressocialização” mostram aos meliantes que é muito favoravel a eles o crime.

  2. ueslei vieira lima disse:

    Espero em acreditar em qualidade de vida e não em piada de péssimo gosto de que o herói de verdade não e piloto de aeronave e sim voa com as próprias pernas.

  3. ueslei vieira lima disse:

    Teori Zavascki Nessa pegadinha eu abordo os caras O ESPETÁCULO DA VIDA Caveira na Ciclovia Não vou perder meu tempo mais com esse sofrimento que me tira a paz Já faz um tempo que você clamou Já faz um tempo que você orou Eu sei que existe um sofrimento Aguente essa dor sua hora chegou de mudar de vida chegou na janela do carona, olhou para a gente, desconfiado na rua e do nada aparece um cara mal surge para atrapalhar todos os seus planos últimas notícias, esporte, política, economia, policia, cultura, turismo, agropecuária de onde você veio, porque está aqui

  4. ueslei vieira lima disse:

    podem ser lidas no portão Segue em frente e não se apavora o complexo mercado financeiro acessível a todos perda com o merecido respeito Quando pensei em escrever comecei a lembrar de tudo o que já ouvir e deixar seu ego para trás Sua vida tem um ritmo, sem mapa nem direção, apenas seja paciente

  5. ueslei vieira lima disse:

    Vestibular pra descobrir quais carreiras mais combinam com a sua personalidade Será que é exatas, humanas ou biológicas? Todos falam pra eu fazer o que gosto, mas eu não gosto de nada. E agora?

  6. ueslei vieira lima disse:

    Espero em acreditar em qualidade de vida e não em piada de péssimo gosto de que o herói de verdade não e piloto de aeronave e sim voa com as próprias pernas Teori Zavascki Nessa pegadinha eu abordo os caras O ESPETÁCULO DA VIDA Caveira na Ciclovia Não vou perder meu tempo mais com esse sofrimento que me tira a paz Já faz um tempo que você clamou Já faz um tempo que você orou Eu sei que existe um sofrimento Aguente essa dor sua hora chegou de mudar de vida chegou na janela do carona, olhou para a gente, desconfiado na rua e do nada aparece um cara mal surge para atrapalhar todos os seus planos últimas notícias, esporte, política, economia, policia, cultura, turismo, agropecuária de onde você veio, porque está aqui podem ser lidas no portão Segue em frente e não se apavora o complexo mercado financeiro acessível a todos perda com o merecido respeito Quando pensei em escrever comecei a lembrar de tudo o que já ouvir e deixar seu ego para trás Sua vida tem um ritmo, sem mapa nem direção, apenas seja paciente Vestibular pra descobrir quais carreiras mais combinam com a sua personalidade Será que é exatas, humanas ou biológicas? Todos falam pra eu fazer o que gosto, mas eu não gosto de nada. E agora?

  7. ueslei vieira lima disse:

    por não terem me dado tudo o que eu queria ou posso ser grato por ter nascido.Então, ao invés de “obrigado” ou “obrigada”, dizem “grato” ou “grata”,

    • Robert Lobato disse:

      Resposta: Nosso novo amiguinho que surgiu. Espero apenas que não se transforme em um Mohamed, Lobisomen ou coisa do tipo. kkkk

  8. Raul Carvalho disse:

    E se o pobre rapaz tivesse atirado de fato em uma das mães e/ou CRIANÇAS das quais ele APONTOU COVARDEMENTE UMA ARMA… o que ele seria, herói ou vilão? A Katia É SIM uma heroína, pois distorcer o conceito óbvio de certo e errado chega ser doentio.

  9. VLADIMIR CAMPELO disse:

    Infelizmente, há asnos que defendem vagabundos e procuram maneiras de ferrar os agentes públicos de segurança. Exatamente como estão fazendo com a policial militar paulista que protegeu mulheres e crianças, inclusive sua filha, na porta da escola, ao balear aquele assaltante assassino…

  10. Rafael Arcanjo dos Santos disse:

    essas diferenças de opiniões de quem ágil certo, ou errado vira uma forma de confundir ainda mais a cabeça do cidadão, e fácil fazer criticas sem nunca ter passado por situação igual ou aparente, eu gostaria de saber desses que defende marginal se já foi assaltado ou teve alguém da família sequestra ou morto. um individuo armado, pode ser ate uma arma de falsa, esta de boas intenções?e um risco pra sociedade, portanto a policial ágil corretamente e merecia ser condecorada com honras e fanfarras, parabéns a PM Katia.

Deixe uma resposta para Raul Carvalho Cancelar resposta