ELEIÇÕES 2018: O drama de Eliziane Gama

Não se sabe se o presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire, dará mais um “habeas corpus” para a moça, que já saiu e voltou para partido fazendo juras de amor e quase cantando aquela música de Roberto Carlos que diz assim: “eu voltei, agora pra ficar porque aqui, aqui é meu lugar”

A deputada federal e pré-candidata a senadora Eliziane Gama (PPS) enfrenta um drama daqueles que só Jesus na causa.

A irmã acalenta o sonho de ser a anunciada como o segundo nome do governador Flávio Dino ao Senado Federal e fazer parelha com o também deputado federal Weverton Rocha (PDT), já anunciado como candidato número um do governador, no que seria uma chapa do sagrado com o profano.

Ocorre que Eliziane é do PPS, partido que dificilmente ficará no palanque de reeleição de Flávio Dino (PCdoB). E não se sabe se o presidente nacional do partido, deputado Roberto Freire, dará mais um “habeas corpus” para a moça, que já saiu e voltou para partido fazendo juras de amor e quase cantando aquela música de Roberto Carlos que diz: “eu voltei, agora pra ficar porque aqui, aqui é meu lugar”.

O fato é que, além de Flávio Dino já ter dito para vários interlocutores que não confia em Eliziane Gama, a pré-candidata ainda enfrenta, repito, o drama de não saber qual partido pode viabilizar o seu projeto de senadora da República.

Ao final do processo, nossa amada irmã pode ficar sem mel e sem cabaça…

2 comentários sobre “ELEIÇÕES 2018: O drama de Eliziane Gama

  1. júnior disse:

    Torço para que essa irmã fique sem mandato, afinal o parlamentar ou gestor executivo é eleito para representar o povo todo, sem discriminação, e não apenas uma corrente religiosa, o que os evangélicos eleitos fazem.

Deixe uma resposta