ELEIÇÕES 2018: Governo teme a ida de Eduardo Braide para o DEM

Caso consiga sucesso em obter o DEM como opção partidária e sair candidato ao governo, Flávio Dino que se segure, pois mesmo que não leve a eleição Braide será o ponto decisivo num eventual segundo turno e garantir a vitória para o lado que pender

O estratagema do Palácio dos Leões para filiar o secretário Felipe Camarão (Educação) no Democratas-DEM consiste, entre outras coisas, de evitar a ida do deputado estadual Eduardo Braide (PMN) para o partido.

Os governistas se pelam de medo da possibilidade de Braide encontrar abrigo em um legenda de grande porte e, dessa forma, disputar a eleição de governador com um tempo razoável no rádio e na tevê. Sabem que o deputado é articulado, tem bom discurso e pode de fato encarnar a figura do “candidato da renovação”. Isso sem falar na sua densidade eleitoral em São Luis por conta da ótima performance obtida no pleito de 2016, quando ficou em segundo lugar e, por pouco, não derrotou o prefeito Edivaldo (PDT).

Mesmo não possuindo grande capilaridade política no estado e ainda não tenha dito com todas as letras que irá disputar a eleição de governador, Eduardo Braide faz alguns movimentos de quem é, sim, pré-candidato a sucessão de Flávio Dino (PCdoB). Ou seja, tem viajado pelo interior, feito agendas com lideranças municipais e articulado com vários atores da nova geração de políticos que surge no Maranhão.

Caso consiga sucesso em obter o DEM como opção partidária e sair candidato ao governo, o governador Flávio Dino que se segure, pois mesmo que não se eleja, Braide será o ponto decisivo num eventual segundo turno e garantir a vitória para o lado que pender.

E tudo indica que não penderá para o lado dos comunistas…

Deixe uma resposta