SENADO 2018: Atrás nas pesquisas, Weverton Rocha dá chilique e impede divulgação de números para o Senado 24

Pelo andar da carruagem, nem virando cachorro doido pelo Maranhão afora com Zequinha Sarney (PV) vai ajudar o nosso querido “Maragato” chegar à Câmara Alta do Congresso Nacional

“A Difusora esconder os números. P… no c… do Maragato. Não deixaram nem bater a foto da pesquisa. Ficou puto”.

As palavras acima é de um agente político ligado ao grupo de Flávio Dino comentando sobre como teria sido a reação do candidato a senador Weverton Rocha (PDT) frente aos números da pesquisa Datailha/Difusora, divulgada ontem, quarta-feira, 15.

Pelo WhatsApp, a fonte do Blog do Robert Lobato disse que sequer Weverton aceitou discutir a publicação dos número onde aparece na rabeira do levantamento e pior: a sua companheira de chapa Eliziane Gama aparece bem à frente do candidato pedetista.

Pelo andar da carruagem, nem virando cachorro doido pelo Maranhão afora com Zequinha Sarney (PV) vai ajudar o nosso querido “Maragato” chegar à Câmara Alta do Congresso Nacional.

Uma pena, né?

O silêncio sepulcral do presidente do TJ-MA sobre os ataques de políticos à magistrada Anelise Nogueira 4

Talvez a pra lá de ótima relação que o presidente possui com o governador possa não deixá-lo à vontade de sair em defesas da juíza, posto que Flávio Dino foi generoso com o Judiciário maranhense ao sancionar a criação de mais três vagas de desembargadores para a corte.

Estranho, para dizer o mínimo, o silêncio sepulcral do desembargador-presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA), José Joaquim Figueiredo dos Anjos, sobre o episódio envolvendo a juíza Anelise Nogueira Reginato, da 8ª Zona Eleitoral em Coroatá.

Nenhuma declaração, nenhuma nota, nenhum piozinho sequer do eminente presidente sobre as agressões sofridas pela magistrada após ter declarado a inelegibilidade do governador Flávio Dino (PCdoB) na semana passada.

Assim que tomou posse no cargo de presidente do TJ-MA, José Joaquim Figueiredo dos Anjos falou grosso ao declarar durante uma entrevista que: “Nós temos que dar ainda, imprimir melhores condições aos colegas, os juízes de 1º grau, porque é o alicerce. Sem os colegas o Tribunal de Justiça não funciona”.

Talvez a pra lá de ótima relação que o presidente possui com o governador possa não deixá-lo à vontade de sair em defesas da juíza Anelise Nogueira, posto que Flávio Dino foi generoso com o Judiciário maranhense ao sancionar a criação de mais três vagas de desembargadores para a corte em 2017.

Sem falar que o filho do desembargador-presidente, o jovem Karlos Parabuçu Santos Figueiredo dos Anjos, conhecido como Pará Figueiredo, é candidato a deputado estadual, e, dizem as boas e más línguas, que contará com uma “forcinha” de Flávio Dino para a sua eleição.

O fato é que até o momento o Tribunal de Justiça do Maranhão tem sido um “túmulo” em relação à juíza Anelise Nogueira Reginato.

E pelo jeito continuará sendo.

SENADO 2018: Márcio Jardim declara apoio a Weverton Rocha, “mas sem emprego na Prefeitura” 16

O argumento de Márcio que votará no candidato pedetista porque a segunda candidata do governo, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS) é “golpista”, não passa de balela, até porque o que não faltará no palanque comunista de Flávio Dino é “golpista”. Aliás, é “golpista” que engancha.

Márcio Jardim é do bem, boa gente.

Mas, infelizmente, se perdeu!

Jovem militante petista, lulista, conheci Márcio nas escadaria de uma sede do PCdoB no início da década de 90. Mas, infelizmente, repito, se perdeu!

Não se sabe por qual motivo Márcio Jardim, de hora para outra, recuou nas críticas políticas ao governo Flávio Dino. Ex-pré-candidato ao Senado Federal, o petista foi duro em vários momentos com a posição do Palácio dos Leões em não aceitar que o PT fizesse parte da chapa majoritária ao lado do PCdoB.

Flávio Dino, como todos sabem, se impõe pelo medo e parece viver com mandatos de prisão debaixo do braço para intimidar que ousa desafiá-lo politicamente. A “KGB” local vive de dossiês e de bisbilhotar a vida alheia como forma de intimidação.

Ao declarar apoio ao candidato a senador Weverton Rocha, o bravo Márcio Jardim não apenas macula a sua biografia, como jogou na lata do lixo muitas das suas palavras enquanto dirigente e ex-pré-candidato petista nas muitas vezes que disse ter sido excluído dos planos dos Leões.

Ora, se ele próprio não serviu como candidato a senador por que agora é obrigado a declarar apoio a um candidato de outro partido? Quer dizer que Márcio Jardim não pode, mas Weverton Rocha pode? Que coisa!

O argumento de que vota no candidato pedetista porque a segunda candidata do governo, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS) é “golpista”, não passa de balela! Até porque o que não faltará no palanque comunista de Flávio Dino é “golpista”. Aliás, é golpista que engancha.

Se por um lado a irmã errou politicamente em apoiar o impeachment da presidente Dilma, por outro lado dá um banho em Weverton Rocha quando o quesito é ética e retidão política.

Mas, para Márcio Jardim, isso é pouco.

Prefere se queimar dando apoio público ao nosso querido “Maragato”.

Mesmo “sem emprego na Prefeitura”, numa clara alusão a outro ex-pré-candidato petista a senador que mandou o projeto político para os ares e virou secretário de Holandinha.

E assim caminha o PT no Maranhão.

Até quando?

SÃO JOSÉ DE RIBAMAR: Luis Fernando visita obras da prefeitura em bairro da região da Sede e Parque Jair 2

Em São José de Ribamar, o prefeito Luis Fernando Silva realiza constantes visitas à obras, sobretudo na área da infraestrutura, executadas no município, com o objetivo de acompanhar de perto o andamento e a qualidade dos serviços realizados.

Na manhã desta segunda-feira (13), o prefeito visitou obras em andamento nos bairros Roseana Sarney e Parque Jair. Ele esteve acompanhado do vice-prefeito Eudes Sampaio, secretários municipais, além dos vereadores José Lázaro, Moisés Gama, Osvaldo Brandão, Cristiano Pinheiro e Marlene Monroe

Para Luis Fernando, é importante que se acompanhe de perto todos os serviços para que as demandas da população sejam atendidas.

“Eu faço questão de acompanhar diariamente o trabalho para ter certeza que tudo está caminhando bem e que a população irá receber de volta a sua rua, avenida e bairro reconstruídos”, garantiu o gestor.

Fico feliz, externou o gestor, “em ver São José de Ribamar se transformando no que ela merece: uma cidade boa de se viver, caminhar pelas ruas e aproveitar os espaços de lazer. Tem muita coisa para ser feita ainda, encontramos muitos problemas, mas com empenho e apoio da população vamos conseguir vencer todos os desafios” afirmou Luis Fernando.

A vistoria seguiu por toda a extensão da Vila Roseana Sarney. No local, o prefeito acompanhou o andamento do serviço de recuperação em revestimento primário da Rua Projetada, serão mais de 1200 metros, incluindo também as vias transversais, facilitando assim a vida dos moradores.

A Avenida Carlos Augusto, via principal do bairro Parque Jair está sendo toda reconstruída, uma antiga reivindicação dos moradores que está sendo atendida pela gestão. Além da Carlos Augusto, outras vias do entorno estão recebendo melhorias e operação “tapa-buracos”.

Crise atinge os municípios

Por Eden Jr.*

A crise econômica que se instalou no país a partir de 2014 e fez o Produto Interno Bruto (PIB) cair por dois anos consecutivos, em 2015 e 2016, resultando numa perda acumulada de aproximadamente 8%, chegou também aos municípios. Isso é o que revela o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) divulgado recentemente, mas que tem como base dados oficiais referentes a 2016. Elaborado pelo setor de estudos econômicos da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), o IFDM acompanha três eixos: Emprego & Renda, Educação e Saúde. O resultado varia de 0 a 1.

Quanto mais próximo de 1, maior é considerado o desenvolvimento do município.
Na vertente Emprego & Renda são avaliadas informações do Ministério do Trabalho relativas à geração de emprego formal e de renda e a formalização do mercado de trabalho; na de Educação a fonte é o Ministério da Educação e são verificados tópicos como atendimento à educação infantil e abandono no ensino fundamental e na de Saúde as estatísticas vêm do Ministério da Saúde e dizem respeito a aspectos como proporção de atendimento adequado de pré-natal e óbitos infantis por causas evitáveis. Os dados abrangem 5.471 dos 5.570 municípios brasileiros e alcançam 99,5% da população brasileira.

Após dois anos de queda – 2014 com 0,6672 e 2015 com 0,6509 – o IFDM consolidado para todos os municípios brasileiros voltou a subir, alcançando 0,6678 em 2016. No ano de 2015 (0,6509) o IFDM atingiu o seu pior nível desde 2011, resultado muito influenciado pelo indicador Emprego & Renda, que caiu 15% de 2014 para 2015, não por acaso, pois essa foi a área mais atingida pela recessão. Tal retrocesso, praticamente obliterou o avanço alcançado nos outros dois indicadores, Educação e Saúde – que aumentaram nesse mesmo período 22% e 21%, respectivamente. Os números, contudo, apontam que essas duas áreas – Educação e Saúde – tiveram o menor crescimento em 10 anos, mostrando, inegavelmente, que a crise econômica teve desdobramentos na esfera social.

Em realidade, o colapso tragou três anos de desenvolvimento dos municípios, já que mesmo subindo em 2016 para 0,6678, o IFDM ainda é menor que o patamar de 2013 (0,6715).

O Brasil segue sendo um país extremamente desigual, visto que, por exemplo, nas Regiões Sul e Sudeste, cerca de 98% dos municípios encontram-se em situação de desenvolvimento moderado ou alto e no Sul do país não existe nenhuma cidade qualificada como de baixo desenvolvimento. O Centro-Oeste está se aproximando do nível do Sul-Sudeste, com 92% dos municípios tidos como de desenvolvimento moderado ou alto. Em contraste, as regiões Norte e Nordeste têm, na sequência, 60% e 50% de suas cidades com desenvolvimento regular ou baixo. É chocante que o Norte e o Nordeste concentrem 87% das municipalidades classificadas como de desenvolvimento regular ou baixo.

Em 2016, o eixo de Educação teve o menor progresso, de apenas 0,6%, em todo o intervalo avaliado da Firjan (entre 2005 e 2016), apesar de ter tido incremento constante nesse tempo. Isso fez com que os indicadores que compõem o IFDM Educação ficassem distantes das metas estabelecidas pelo Ministério da Educação no Plano Nacional da Educação (PNE). Nesse sentido, a meta 1 do PNE estipula que no máximo em 2016 o país deveria universalizar a educação infantil na pré-escola e até 2024 oferecer creches para pelo menos metade das crianças de até três anos de idade. Entretanto, em 2016, somente 80,4% de nossas crianças estavam na pré-escola e apenas 27% eram atendidas pelas creches.

Da mesma forma, a temática Saúde, apesar de ter prosperado em 2016, e ter avançado também em todo o período examinado, foi nesse ano que a área menos progrediu, com aumento de cerca de 1,6%. Cenário lamentável, tendo em vista que 77 milhões de brasileiros – cerca de 37% da população – não tinham acesso à saúde básica. A pesquisa mostra que em 2016 um terço das gestantes brasileiras não usufruíram, nem mesmo, de sete consultas pré-natais, quantidade mínima recomendada pelo Ministério da Saúde, número que expõe as debilidades do nosso sistema de Saúde.

Em relação às 27 capitais, Florianópolis, Curitiba e São Paulo seguem sendo as mais bem colocadas no IFDM geral, qualificadas como de alto desenvolvimento. São Luís, tida como de desenvolvimento moderado, é a 16ª capital mais desenvolvida, ficando na colocação 932 entre os 5.471 municípios avaliados e na primeira posição no Maranhão.

No tocante ao tema Emprego & Renda, São Luís está bem colocada, sendo a quinta melhor capital do país, porém somos a 15ª na Educação e a 21ª em Saúde.

Os resultados do IFDM indicam que: (a) as políticas econômicas a serem implementadas vão influenciar diretamente na recuperação da confiança dos empresários e trabalhadores e, consequentemente, na geração de emprego e renda; (b) a restauração da disciplina fiscal, com a aprovação das reformas previdenciária e tributária, é indispensável, tanto para restabelecer o crescimento econômico, como para a manutenção de recursos para as prefeituras, o que, em última instância, levará ao desenvolvimento dos municípios; (c) o país seguiu distante das metas de Educação e Saúde, assinalando que há um grande percurso para se atingir o pleno desenvolvimento dos municípios; (d) a desigualdade regional ainda é marcante, com níveis de prosperidade concentrados no Sul e no Sudeste e índices precários no Norte e no Nordeste e (e) a falta de verbas não é essencialmente o problema, posto que boa parte dos valores disponibilizados para Educação e Saúde considera o número de pessoas atendidas, dessa forma, a principal barreira para o desenvolvimento dos municípios é a gestão ineficiente dos recursos, o que torna indispensável a capacitação dos gestores públicos.

Sem dúvida, essa é uma lista desafiadora para os candidatos aos governos estaduais e à Presidência da República.

*Doutorando em Administração, Mestre em Economia e Economista (edenjr@edenjr.com.br)

Em 2016, Roberto Rocha já havia alertado para o abuso de poder de Flávio Dino 4

As declarações do senador na época ajudam entender um pouco a decisão da juíza Anelise Nogueira Reginato, que no início desta semana pediu a impugnação da candidatura de Flávio Dino tornando-o inelegível justamente por abuso de poder político.

“Sinal vermelho para o Natal”.

Esse foi o título de uma postagem publicada pelo senador Roberto Rocha, em outubro de 2016, na rede social do Facebook.

No texto, parlamentar tucano já denunciava o abuso de poder político praticado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) para vencer as eleições municipais daquele ano.

“O governador Flávio Dino fez um esforço muito grande nestas eleições, a ponto de quase pintar o Palácio dos Leões de vermelho”, escreveu na época.

As declarações do senador, que é candidato ao Governo do Maranhão, ajuda entender um pouco a decisão da juíza Anelise Nogueira Reginato, que no início desta semana pediu a impugnação da candidatura de Flávio Dino tornando-o inelegível para as eleições de 2018 justamente por abuso de poder político, ou seja, uso da máquina administrativa para beneficiar eleitoralmente os candidatos apoiados pelo Palácio dos Leões.

Fiquem com a íntegra das palavras de Roberto Rocha:

SINAL VERMELHO PARA O NATAL

Governo é governo, partido é partido.

Nenhum partido no Brasil consegue chegar ao governo sozinho, porque não tem 50% + 1. Para isso, precisa fazer alianças.

Mesmo o PT e o PSDB, com a presidência da República, tiveram que fazer coligações.

Eleito, o governante não pode governar para metade mais um, ou seja, para sua coligação. Ele tem que governar para todos.

Desta forma, não se pode confundir governo com coligação. Muito menos, governo com partido.

Esse é o atalho mais fácil para um fracasso administrativo, pois quando o governante confunde governo com partido, ele também passa a confundir partido com Estado. É o começo do fim!

O pensamento de certa ‘esquerda’, tributário dessa lógica, costuma fazer essa confusão, fruto de interditos ideológicos e de uma auto proclamada superioridade moral.

O país viveu isso com o PT, e o governo caiu.

A população sofre os duros efeitos dessa psicopatologia política, mas, neste domingo, deu o troco nas urnas.

No Maranhão, o governador Flávio Dino, do PC do B, fez um esforço muito grande nestas eleições, a ponto de quase pintar o Palácio dos Leões de vermelho.

Ao contrário do que pregou em sua posse, soltou os leões para rugirem com estridência, Maranhão adentro.

Assim mesmo, saiu da campanha menor do que entrou.

Em dezembro, o sinal vermelho poderá acender para os servidores públicos. Infelizmente, caso aconteça, será um péssimo agouro para as dezenas de prefeitos neo-comunistas que no mês seguinte tomam posse alimentados pela esperança de virtuosas parcerias.

Trabalho autônomo, liberal ou remoto. Qual devo escolher?

Ser um trabalhador autônomo, liberal ou remoto possui suas vantagens e desvantagens, mas saber suas características é essencial para que você consiga as melhores oportunidades

Sebastián Siseles, Administradores.com

Trabalhar por conta própria, fazer o seu próprio horário, ser o seu próprio chefe. Realidade de muitas pessoas que não possuem qualquer vínculo empregatício e trabalham por conta própria. Segundo uma pesquisa do IBGE, realizada em 2017, o Brasil conta com 11.115 milhões de pessoas que trabalham, mas não possuem carteira assinada e 23.198 milhões que atuam por conta própria, o que representa um total de 34,31 milhões de trabalhadores nesses formatos.

Um dos motivos desse aumento foi que muitas pessoas enxergaram uma maneira de vencer a crise econômica e encontrar novas possibilidades de garantir um rendimento financeiro no final do mês. Além disso, existem pessoas que adotam esse tipo de trabalho pensando no ganho de qualidade de vida.

Ser um trabalhador autônomo, liberal ou remoto possui suas vantagens e desvantagens, mas saber suas características é essencial para que você consiga as melhores oportunidades e tire todo o proveito do serviço que você está oferecendo.

Profissional autônomo

O profissional autônomo é aquela pessoa que trabalha por conta própria, que tenha ou não uma formação ou qualificação profissional. Trabalhadores autônomos têm uma independência maior e conseguem executar diversos tipos de tarefas. Entre eles estão pintores, encanadores, pedreiros e outros.

Profissional liberal

Já o profissional liberal é a pessoa que conta com formação universitária ou técnica e tem liberdade para executar a sua atividade de maneira independente, podendo ser empregado ou trabalhar por conta própria. Podemos colocar como exemplos médicos, advogados, arquitetos e dentistas.

Trabalho Remoto

Trabalho remoto é, como o próprio nome diz, qualquer atividade que pode ser realizada à distância, facilitada pelo uso de tecnologia e de comunicação. Por esse motivo é também chamado de teletrabalho. Existem diferentes concepções deste termo e outros similares como: trabalho à distância, como dito acima, e home office. É um formato que tem recebido cada vez mais adeptos e que está sendo adotada por diversas empresas.

Ao optar pelo home office é necessário ter um ambiente dentro de sua casa totalmente dedicado para suas atividades, isso traz mais concentração e faz com que se mantenha o foco na tarefa que está sendo executada. Também é preciso ficar atento com a carga horária, já que muitas empresas estendem suas atividades além dos horários tradicionais.

Dependendo do fluxo de trabalho do profissional autônomo ou liberal é possível ganhar mais dinheiro do que quem é contratado por empresas no formato tradicional. O caminho pode ser bastante recompensador, mas também é preciso tomar alguns cuidados como ter disciplina com horário, foco e organização para que você consiga entregar o seu trabalho com qualidade e dentro do prazo. Além disso, o trabalhador deve se programar para os meses com menos oportunidades, e, sempre manter uma reserva de recursos para os casos de imprevisto ou de acidente de trabalho. Essas são algumas formas de se evitar dificuldades financeira.

Com as características de cada tipo de trabalho apontado, escolher a que melhor se encaixa será mais fácil para começar a trilhar o seu próprio sucesso. Boa sorte!

Sebastián Siseles — Diretor Internacional do Freelancer.com, responsável pela expansão global do site. Formado em Direito pela Universidad de Buenos Aires, e em Marketing, com MBA pela University of Pittsburgh. Especialista em finanças corporativas e práticas gerais de negócios, o executivo também fundou várias empresas de comunicação e Internet.

VITÓRIA DO MEARIM: Respeito ao erário público!!! Prefeitura retoma obras inacabadas e abandonadas por ex-gestores

Um dos maiores desperdício do dinheiro público no Brasil é exatamente o abandono de obras importantes para o povo, que se tornam elefantes brancos inacabados e abandonados… Um festival de esqueletos guardados nos armários… Quem paga todo esse desperdício é exatamente o contribuinte. Visando o bem-estar coletivo e, principalmente, o resgate das obras abandonadas e inacabadas, que a prefeita de Vitória do Mearim, Dídima Coêlho, resolveu retomar todas essas obras e, assim, garantir o excelente uso do dinheiro público.

Vale ressaltar que uma boa gestão não está isenta de ter que enfrentar problemas, portanto, um bom gestor é aquele que lida com os erros e obstáculos que aparecem como garantir a retomada de todas as obras inacabadas, ajustando osprojetos e adequando o orçamento.

É certo afirma que a maioria das gestões públicas corta os serviços públicos e cancela toda espécie de investimento, em razão da crise que agride as finanças públicas, contudo a Prefeita de Vitória do Mearim, Dídima Coêlho, continua investindo em obras de alcance social que foram abandonadas por ex-gestores.

Depois de intensas e difíceis negociações com MEC/FNDE para que as obras não fossem definitivamente canceladas, a Prefeita conseguiu vencer todas as etapas da burocracia impostas e por isso assinou Contratos com a empresa vencedora do Certame Licitatório e expediu Ordens de Serviços para retomada das seguintes obras:

  1. CRECHE DO BAIRRO MANIJITUBA:

Importante para a população Vitoriense, esta  Creche tem capacidade para atender 224 (duzentos e vinte e quatro) alunos nos turnos matutinos e vespertinos.

São 991(novecentos e noventa e um) metros quadrados de área.

Para construção desta obra, a Prefeitura de Vitória do Mearim firmou Convênio com o

MEC/FNDE no ano de 2009 e a obra se arrastam por longos 09 (nove) anos, em prejuízo para a população.

“O valor conveniado para a construção desta Creche é de R$ 1.300.000,00 (um milhão e trezentos mil reais), dos quais mais da metade foram recebidos pela gestão  anterior que não prestou contas corretamente dos recursos recebidos. Agora vai ser concluída”, informou a prefeita Dídima Coêlho.

  1. QUADRA COBERTA COM VESTIÁRIO NO COLÉGIO MARIA CELESTE BARROS (MANIJITUBA):

A quadra, muito importante principalmente para os estudantes, tem o objetivo de atender a demanda de espaço para práticas esportivas nas Escolas Municipais e Estaduais.

Para a construção desta Quadra, a Prefeitura de Vitória do Mearim e o MEC/FNDE assinaram Convênio  em 2013, com o que esta obra se arrasta por 05 (cinco) anos. AGORA VAI SER CONCLUÍDA.

“O valor conveniado é superior a R$ 500.000,00 (quinhentos mil) reais, dos  quais mais da metade recebidos pela gestão anterior, que não prestou contas devidamente. Agora, eu estou muito feliz pela oportunidade que tenho neste momento de garantir à população vitoriense a certeza de que estas obras tão importantes para o desenvolvimento educacional/cultural/social/esportivo serão concluídas”, firmou Dídima Coelho.

Diante das retomadas das obras, a prefeita acrescentou: “a retomada dessas obras significa uma vitória  do povo e o resgate da dignidade, honra e respeito da administração municipal vitoriense e responsabilidade e cuidado com a coisa pública”.

SANTA HELENA: Prefeitura continua incentivando os Agricultores Rurais do munincípio 2

Por Gleicy Ferreira

Na manhã de hoje (01) a coordenação da Política Segurança Alimentar, representando a Prefeitura Municipal, visitou os Agricultores da Zona Rural, para traçar novos projetos para apresentação na Secretaria Municipal de Agricultura de Santa Helena.

A visita tem como objetivo instruir, ajudar, acompanhar e melhorar o cultivo dos agricultores do município, vale ressaltar que a Prefeitura já realiza vários projetos de incentivo ao produtor e inclusive conseguiu junto ao Governo do Estado recentemente, uma Patrulha mecanizada que também ajuda e muito as mães e pais de família que tiram do solo o seu sustento.

Acompanhar de perto o dia a dia das famílias rurais é uma nova forma de fazer gestão, trazer para pauta tudo que é dito por eles, porque ninguém melhor que os próprios sabem das suas necessidades.

O Plantio, a criação de animais, a fabricação da farinha, são alguns dos segmentos agrícolas que a Prefeitura de Santa Helena apoia e acredita no desenvolvimento.

“É muito importante a gente acompanhar os produtores porque eles são os responsáveis por boa parte do alimentos que chegam em nossa mesa, e é obrigação minha junto com minha equipe, está sempre sempre ao lado deles, ajudando no que for preciso, para que juntos a gente consiga melhorar cada vez mais a vida do nosso povo.” Finalizou Zezildo Almeida – Prefeito do Munícipio de Santa Helena-Ma.

 

VITÓRIA DO MEARIM: Prefeita Dídima Coêlho, entrega prédio adequado para o funcionamento do CAPS

Visando dá o seguimento à saúde pública oferecida em Vitória do Mearim, a prefeita Dídima Coêlho, entregou ao vitorinenses o prédio adequado para o funcionamento dentro das exigências o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). O prédio é climatizado e conta com espaços prazerosos, móveis e equipamentos adequados, o que possibilitará um melhor atendimento.

A prefeita falou que o CAPS terá como finalidade primordial oferecer o atendimento à população, realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis, além de fortalecer os laços familiares e comunitários.

Diante dessas premissas, a Prefeitura seguiu as exigências fundamentais, cuja equipe de trabalho é constituída por uma equipe multiprofissional formada por médico psiquiatra, psicólogos, terapeuta ocupacional, assistente social, farmacêuticos, enfermeira, técnica de enfermagem e profissionais de apoio, que darão as melhores condições no tratamento daqueles que precisam de assistência, tais como: pessoas com transtornos mentais, neuroses graves, psicoses, usuários de crack, álcool e outras drogas e demais quadros.

O CAPS de Vitória do Mearim dará aos necessitados um lugar humanizado, acolhedor, prazeroso e bem-estar.

Vale ressaltar, ainda, que CAPS tem o objetivo de ser substitutivo de internações psiquiátricas, de modo que o paciente faça o tratamento dentro de sua comunidade aproximando cada vez mais da sua família e comunidade.

A equipe de profissionais é a seguinte: 1 Médico Psiquiatra, 1 Enfermeira, 1 Assistente Social, 1 Farmacêutica, 2 Psicólogos, 1 Terapeuta Ocupacional, 1 Técnica de Enfermagem e 4 Profissionais de Apoio: 1 cozinheira, 1 recepcionista, 1 aux administrativo e 1 serviço geral.