A Associação dos Ex-eleitores de Flávio Dino

Não posso integrar a Associação dos Ex-eleitores de Flávio Dino, mas hipoteco solidariedade a todos os “associados” que um dia apostaram na “mudança” e acreditaram estar morando no tal do “Maranhão de Todos Nós”

Em conversa com um amigo, ex-militante do movimento estudantil, senti o quanto há de eleitores de Flávio Dino decepcionados com a atuação do comunista frente ao Governo do Maranhão.

Não é a primeira vez que escuto lamentações de eleitores do comunista, na verdade ex-eleitores. Mas, no caso específico, fiquei impressionado porque trata-se da opinião de quem tem tradição de militância na esquerda e que votava em Flávio Dino desde quando o ex-juiz concorreu em 2006 e elegeu-se deputado federal.

Advogado de formação, o agora ex-eleitor brincou meio que sem jeito:

“Bob, cresce a cada dia a decepção com Flávio Dino entre amigos que, como eu, votou em Flávio e que agora diz que não vota mais. É triste porque essa decepção é de pessoas que o conhece, que apostou nele dias melhores para o nosso povo, mas que se revelou numa ingrata decepção. Acho que vamos fundar a Associação dos Ex-eleitores de Flávio Dino”.

Bom, como nunca votei em Flávio Dino não tenho como associar-me à entidade do meu dileto amigo. Portanto, não cultivo decepção pelo governador comunista.

Meu sentimento em relação ao chefe do executivo estadual e ao seu governo é mais de  surpresa; não porque esperava algo de notável do ponto da gestão, pois sempre desconfiei que teríamos um governo mediano, para não dizer medíocre.

A surpresa reside no fato de não imaginar que seria um governo tão leniente com a corrupção como se revelou nesses quase quatro anos de Flávio Dino no poder. Um governo de “camaradagem”, formado por um círculo fechado de amigos egressos dos tempos de faculdade, que a seguir seriam sócios de profissão e depois dariam as cartas no aparelho governamental maranhense.

Enfim, não posso integrar a Associação dos Ex-eleitores de Flávio Dino, mas hipoteco solidariedade a todos os “associados” que um dia apostaram na “mudança” e acreditaram estar morando no tal do “Maranhão de Todos Nós”.

Vá em frente com a entidade, amigo.

Sucesso!

Deixe uma resposta