ELEIÇÕES 2018: E se Flávio Dino não apoiar José Reinaldo para senador? 14

Um rompimento definitivo entre Flávio Dino e José Reinaldo poderá fazer estragos na vida política dos dois ainda aliados. A questão é saber quem sairia somente ferido e quem sairia morto dessa guerra de titãs

Há quem ainda acredita que o governador Flávio Dino (PCdoB) não vai deixar o deputado federal José Reinaldo Tavares (sem partido) na beira da estrada eleitoral de 2018 e o apoiará no seu projeto de candidato a senador da República.

Porém, há aqueles que já veem o ex-governador como carta fora do baralho quando o assunto são os dois nomes de Flávio Dino para o Senado Federal.

Um já estaria com o apoio garantido pelo governado comunista: o deputado federal Weverton Rocha, presidente/dono do PDT.

O segundo nome ainda é uma incógnita e muito provavelmente só saberemos quem será o felizardo lá pelo mês de abril ou maio – a tese deste humildade blogueiro é que teremos uma surpresa tirada da “manga” do governador. A conferir.

Mas, e se Flávio Dino não apoiar o ex-governador José Reinaldo quais seriam as consequências dessa decisão?

Em primeiro lugar, estaríamos diante de uma decisão de coragem do governador que é considerado na classe política maranhense, e mesmo na sociedade em geral, como uma “criatura” inventada por Zé Reinaldo. Portanto, seria mais um clássico acontecimento da criatura virar-se contra o criador.

Em segundo lugar, Flávio Dino poderia carregar durante toda a campanha uma fama desgraçada de “traidor”,alguém “malvado”, “frio” e “calculista” politicamente. Se tal fama vai colar não é possível afirmar com 100% de certeza, mas o risco é grande.

Em terceiro lugar, que tipo de José Reinaldo se apresentaria ao Maranhão após ser rejeitado pelo seu pupilo? Surgiria alguém abatido por uma traição inimaginável e vitimizado ou estaríamos diante de um político disposto a partir para o enfrentamento e furioso com um desejo incontrolável de derrotar o governador no seu projeto de reeleição?

O Blog do Roberto Lobato não duvida, lógico, que Flávio Dino possa deixar Zé Reinaldo pelo meio do caminho eleitoral de 2018, mas prefere apostar que o comunista não correria tamanho risco de produzir, às vésperas das eleições, um inimigo com a experiência e trajetória de José Reinaldo Tavares.

Para quem enfrentou José Sarney depois de décadas de relacionamento de quase irmãos, enfrentar um Flávio Dino que Zé Reinaldo conheceu “ontem” seria fichinha para o ex-governador.

O fato é que um rompimento definitivo entre Flávio Dino e José Reinaldo poderá fazer estragos na vida política dos dois ainda aliados.

A questão é saber quem sairia somente ferido e quem sairia morto dessa guerra de titãs.

Façam as suas apostas…