Em defesa de Gleisi Hofmmann 6

O jornalista Ricardo Noblat vai morrer louco, doido, varrido e não entenderá nada sobre as coisas que realmente dão sentindo à vida.

A senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, foi chamada de “Maria Louca” pelo jornalista e blogueiro Ricardo Noblat no post intitulado “Gleisi Maria Louca” (leia aqui).

Noblat tem a má-fama de escrever e ofender a soldo. Não sei se foi esse caso em relação à petista, cuja “loucura” cometida por ela foi tão somente defender o ex-presidente Lula e afirmar, com a firmeza que lhe é peculiar, que se não vingar “Lula livre”, voltará à cena “Eleição sem Lula é fraude”. Como é sabido de todos, a presidente do PT é uma guerreira na defesa da liberdade e candidatura de Lula a presidente da República.

Com serenidade e sensibilidade femininas de quem se sentiu ofendida na sua condição de mulher, Gleisi respondeu a Noblat pela rede social do Twitter com as seguintes palavras:

“Como mulher, na minha caminhada de lutas, não foram poucas as vezes em que me deparei com situação semelhante. Quando perdem o argumento, partem para a desqualificação. Homem branco, machista e com poder de fala pública contribuindo para intolerância e preconceito!”

É verdade que tenho minhas diferenças políticas com a presidente do PT, principalmente se tratando da situação do Maranhão.

Porém, senti-me na obrigação de sair em sua defesa depois que li as grosserias de Noblat contra a companheira. Aliás, um dos piores textos já escrito pelo “moralista” que, em 2009, foi pego com a boca na botija ao ser revelado que possuía contrato “secreto” com o Senado Federal no valor de cerca de 50 mil reais para apresentar um programa de jazz na Rádio Senado.

O jornalista Ricardo Noblat sim, deve ser uma espécie de “Maria Louca”, mas a sua “loucura” é diferente da presidente do PT certamente, posto que Gleisi Hoffmann é motivada por outros tipos de “loucuras”, entre elas a justiça social, equidade econômica, soberania nacional e democracia.

Noblat vai morrer louco, doido, varrido e não entenderá nada sobre as coisas que realmente dão sentindo à vida.

À Gleisi Hoffmann a solidariedade do Blog do Robert Lobato.

ATO DE SOLIDARIEDADE: E Rosângela Curado? E Mariano de Castro? 12

O que chama atenção é que os governistas são deveras seletivos quando se trata de atos de solidariedade. Sim, porque não é possível que tão nobre sentimento servem para uns e não para outros

Depois do vexame de serem rejeitados pelo Conselho Regional de Medicina e pela Ordem dos Advogados do Brasil, os governistas operaram o Grand Hotel São Luís, que já virou quase um patrimônio do PCdoB e do governo, para promoção de um tal ato em solidariedade ao secretário Carlos Lula (Saúde), realizado na segunda-feira, 23.

O espaço estava lotado de comissionados da Secretaria comandada por Lula e os aliados políticos de sempre. Um verdadeiro ato “chapa branca”.

Mas, o que chama atenção é que os governistas são deveras seletivos quando se trata de atos de solidariedade. Sim, porque não é possível que tão nobre sentimento sirva para uns e para outros não.

Tudo bem que o Carlos Lula é o chefe de tudo lá na SES e que Flávio Dino é o chefe de Carlos Lula e de todos os presentes no ato de solidariedade, mas ficou feio promover todo aquele repertório de elogios e reconhecimentos ao secretário e não organizar sequer um café com cuscuz ideal em solidariedade à ex-adjunta de Lula, a odontóloga Rosângela Curado.

E o que falar então da falta de consideração com o finado Mariano de Castro? O médico pagou com a própria vida por tudo o que fez na saúde e nenhuma solidariedade póstuma ao servidor da SES, que era subordinado do secretário Carlos Lula. Talvez nem a família tenha recebido um telefonema de conforto por parte de Lula e muito menos de Flávio Dino.

Rosângela Curado, coitada, foi colocada no ostracismo e hoje luta para dar a volta por cima na sua vida profissional, já que a trajetória política pode ter terminado naquele fatídico dia em que foi detida pela Operação Pegadores.

Quanto ao médico Mariano de Castro, bom, resta pedir a Deus que guarde a sua alma em bom lugar e o perdoe pelos pecados cometidos neste plano.

Vida e luta que seguem.

ELEIÇÕES 2018: O Solidariedade está no jogo e dá pressão em Flávio Dino 4

O Solidariedade é um dos partidos que Flávio Dino terá muito trabalho para fazer com que se mantenha na sua base, pois assim como o DEM, PPS, PTB e PSB, o partido de Simplício Araújo tem projeto nacional diferente do PCdoB e tende a apoiar candidatura de Geraldo Alckmin a presidente da República

O Solidariedade, partido presidido no Maranhão pelo secretário de Estado Simplício Araújo (Indústria e Comércio), está no jogo da sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB) e demostra não aceitar ser tratado como mero coadjuvante no processo.

Em conversa com o Blog do Robert Lobato, Simplício afirmou ser pra valer a reivindicação do seu partido em ocupar uma vaga no chapa majoritária liderada pelo governador comunista.

“O Solidariedade tem crescimento real e quadros para pleitear a vaga. Não abrimos mão de forma alguma de participar da majoritária. Ajudamos a construir este projeto e temos que garantir nomes que possam ajudar verdadeiramente a reeleição do governador Flavio Dino e contribuir com este novo momento político no Brasil”, afirmou.

O Solidariedade é um dos partidos que Flávio Dino terá muito trabalho para fazer com que se mantenha na sua base, pois assim como o DEM, PPS, PTB, PSB, entre outros, o partido de Simplício Araújo tem projeto nacional diferente do PCdoB e tende a apoiar candidatura de Geraldo Alckmin a presidente da República.

Geraldo, como se sabe, é do PSDB, mesmo partido do senador Roberto Rocha, candidato a governador do estado em 2018.

Para bom entendedor, meia palavra basta…