ELEIÇÕES 2018: Alexandre Almeida e o Senado Federal 2

Jovem, inteligente, articulado, competente advogado e ex-vereador pela cidade de Timon, Alexandre Almeida reúne todas condições para fazer bonito numa eleição para o Senado Federal e concorrer de igual para igual com outros nomes já colocados na disputa, ainda mais por um partido do porte do PSDB, que terá candidato a governador e a presidente competitivos.

Em meio aos movimentos políticos da pré-campanha eleitoral de 2018 à luz o prazo final para definir as filiações partidárias, uma notícia chamou atenção no último final de semana.

Trata-se do convite feito pelo senador Roberto Rocha, presidente estadual do PSDB, para que o deputado estadual Alexandre Almeida (PSD) filie-se ao seu partido e dispute uma vaga ao Senado Federal pela coligação liderada pelo congressista tucano.

Alexandre já vinha dando demonstração de não ter interesse em concorrer a mais um mandato de deputado e começou a pensar em voos mais, então a disputa de senador passou a ser o foco.

Jovem, inteligente, articulado, competente advogado e ex-vereador pela cidade de Timon, Alexandre Almeida reúne todas condições para fazer bonito numa eleição para o Senado Federal e concorrer de igual para igual com outros nomes já colocados na disputa, ainda mais por um partido do porte do PSDB, que terá candidato a governador e a presidente competitivos.

Isso sem esquecer, claro, que Alexandre Almeira será o candidato oriundo da Região Leste, uma das mais importantes e estratégicas do estado, com mais de 1,2 milhão de habitantes, cerca de 700 mil eleitores distribuídos em 44 municípios, e que clama por um representante na chapa majoritária das eleições de 2018.

O fato é que Alexandre Almeida encarna esse sentimento, no seio do povp, por mudança e renovação dos quadros políticos maranhenses.

Está, portanto, credenciado para ser senador da República.

Fracassam todas as embaixadas do governo para demover José Reinaldo do rompimento com Flávio Dino 4

O Palácio dos Leões tem que virar a página quando o assunto é José Reinaldo Tavares, pois insistir nessas embaixadas chega a ser constrangedor para muita gente

Pelo menos três interlocutores do governo que desembarcaram em Brasília com a missão dada pelo Palácio dos Leões para demover o deputado federal José Reinaldo Tavares (sem partido) da decisão de romper com Flávio Dino (PCdoB) fracassaram.

O último desses interlocutores governistas a escutar de Zé Reinaldo que “não tem volta” foi o vice-governador Carlos Brandão (PRB) que na tarde de ontem, 28, além de fracassar no convencimento de levar o ex-governador de volta para o colo de Flávio Dino, ainda teve que ouvir que será o próximo a ser abandonado pelo comunista. Saiu arrasado da conversa.

Ao que parece os governistas ainda não se deram conta que José Reinaldo está em outra “vibe” como dizem os mais jovens, qual seja a de estar trabalhando na consolidação de um novo campo político que possa apresentar um projeto alternativo para a sociedade maranhense, além, claro, de criar as condição para que ele se eleja Senador da República.

O Palácio dos Leões tem que virar a página quando o assunto é José Reinaldo Tavares, pois insistir nessas embaixadas junto ao parlamentar chega a ser constrangedor para muita gente.

Já era!