ELEIÇÕES 2018: “Sou candidato do Flávio Dino”, diz Waldir Maranhão sobre disputa pelo Senado

Aliados do deputado avaliam que setores do Palácio dos Leões ligados ao PCdoB, não tendo a coragem de romper com o pré-candidato a senador, partem para a utilização de blogs alugados pelo governo para desestabilizar o projeto “Waldir Maranhão senador”

O deputado federal Waldir Maranhão (Avante) voltou a reafirmar que sua disposição de disputar a eleição de senador em 2018 é irreversível e que não está brincado de fazer política.

Em conversa com o Blog do Robert Lobato, por telefone, na tarde desta quarta-feira, 13, o ex-presidente da Câmara dos Deputados disse ainda ser o candidato do governador Flávio Dino.

“Há uma tentativa sistemática de quererem me tirar da disputa para o Senado Federal, mas reafirmo que a minha candidatura é irreversível. Não estou brincando de fazer política, sei das minhas chances e as pesquisas mostram a viabilidade desse projeto que não é apenas do Waldir Maranhão, mas de um conjunto de forças políticas progressistas e democrática. Não adianta plantar falsas notícias achando que isso enfraquece um projeto que será vitorioso. Sou candidato a senador do governador Flávio Dino”, disse.

Aliados políticos do deputado avaliam que setores do Palácio dos Leões ligados ao PCdoB, não tendo a coragem de romper com o pré-candidato a senador, partem para a utilização de blogs alugados pelo governo para desestabilizar o projeto “Waldir Maranhão senador”.

Nesse caso, surge uma pergunta inevitável: o governador Flávio Dino concorda com essa “desestabilização” da candidatura do “camarada” Waldir Maranhão ao Senado Federal via blogs governistas?

Com a palavra, o “camarada-mor”.

Aumento de repasses ao Fundo de Participação dos Municípios segue para a Câmara

O Plenário do Senado aprovou por unanimidade em primeiro e segundo turnos, nesta quarta-feira (6), um reforço para o Fundo de Participação nos Municípios (FPM). A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 29/2017, do senador Raimundo Lira (PMDB-PB), garante um ponto percentual mais do repasse da União relativo à arrecadação do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

A PEC 29/2017 eleva o percentual a ser distribuído de 49% para 50%, sendo que este ponto percentual a mais será destinado ao FPM.

A PEC foi aprovada pelo Plenário sob calendário especial, graças a um acordo de líderes, que dispensou o interstício constitucional e permitiu rapidez na tramitação. A PEC segue para análise da Câmara dos Deputados.

— Se nós não votarmos hoje, não vai dar tempo para votar na Câmara dos Deputados, e nós temos quórum suficiente, porque essa votação mostrou claramente que nós temos quórum suficiente para votar e aprovar a PEC— disse Raimundo Lira, ao pedir ao presidente do Senado, Eunício Oliveira, a inclusão da matéria na pauta.

O acréscimo nas transferências aos municípios deve ser repassado em setembro de cada ano. Raimundo Lira alega a iniciativa é necessária em função da situação de fragilidade fiscal em que se encontram as prefeituras e da importância que o rateio do FPM tem sobre a economia municipal, principalmente das cidades de menor porte, mais dependentes dos repasses.

A PEC foi aprovada com uma mudança inserida pelo relator na CCJ, senador Armando Monteiro (PTB-PE), segundo a qual a elevação do repasse se dará de forma gradativa. Pela texto, serão 0,25% a mais nos anos de 2018 e 2019 e 0,5% a mais em 2020, totalizando 1% somente em 2021.

A PEC eleva as transferências aos municípios via FPM em R$ 1,1 bilhão, R$ 1,2 bilhão, R$ 2,6 bilhões e R$ 5,6 bilhões, respectivamente, em 2018, 2019, 2020 e 2021.

— Os municípios vivem hoje uma crise estrutural agravada extraordinariamente por esse quadro de recessão que se abateu sobre a economia brasileira. O acréscimo será implementado em até quatro anos de modo a amortecer o impacto no orçamento da União. Ao fim desse período, os municípios irão dispor de R$ 10 bilhões — afirmou Armando Monteiro.

Repasses

A PEC 29/2017 altera o artigo 159 da Constituição, que trata da distribuição de receitas tributárias. Tal artigo obriga a União a repassar aos entes federados 49% da arrecadação do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Deste total, 21,5% vão para o Fundo de Participação dos Estados (FPE); 3% vão para aplicação em programas de financiamento ao setor produtivo do Norte, Nordeste e Centro-Oeste; e 24,5% são destinados ao Fundo de Participação dos Municípios.

O percentual a ser distribuído aos municípios passa então de 49% para 50% a partir de 2021.

(Da Agência Senado)

ELEIÇÕES 2018: Alexandre Almeida pode ser o “novo” para o Senado Federal 2

Em meio à tantas pré-candidaturas a senador colocadas no cenário pré-eleitoral, algumas delas pra lá de controversas, polêmicas e, sobretudo, enroladas, o nome do deputado Alexandre Almeida pode ser uma boa opção para o eleitor que está a procura de uma alternativa jovem, competente, séria, enfim, um nome realmente novo para ser colocado no Senado Federal

Começa a ganhar corpo e alma a pré-candidatura do deputado estadual Alexandre Almeida (PSD) para o Senado Federal nas eleições de 2018.

Para início de conversa, o jovem parlamentar já tem o ingrediente fundamental para quem deseja se habilitar a tamanho desafio: coragem! E quem tem coragem, ensina os mais velhos, já tem a metade.

Alexandre Almeida tem dito aos mais próximos que está disposto a trocar a sua reeleição certa de deputado estadual para apostar em voos mais altos na política, no caso o cargo de senador da República.

Vereador pelo município de Timon por um mandato, eleito deputado estadual pela primeira vez em 2010 e reeleito em 2014, e ainda candidato a prefeito da sua cidade por duas vezes (2012 e 2016), Alexandre Almeida é advogado e possui uma carreira política e profissional sem quaisquer máculas que possam impedi-lo de pleitear e disputa uma das duas vagas para o Senado no próximo ano. Ficha limpíssima, portanto!

O fato é que em meio à tantas pré-candidaturas a senador colocadas no cenário pré-eleitoral, algumas delas pra lá de controversas, polêmicas e, sobretudo, enroladas, o nome do deputado Alexandre Almeida pode ser uma boa opção para o eleitor que está a procura de uma alternativa jovem, competente, séria, enfim, um nome realmente novo para ser colocado no Senado Federal.

Isso sem falar que a Região Leste, uma das mais importantes e estratégicas do estado, com mais de 1,2 milhão de habitantes, cerca de 700 mil eleitores distribuídos em 44 municípios, clama por um representante na chapa majoritária das eleições de 2018.

E o timonense Alexandre Almeida pode ser esse nome.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: Márcio Jerry como suplente de senador de Bira do Pindaré???? 2

Flávio Dino precisa de um senador “para chamar de seu” e nenhum dos pré-candidatos a senador lançados até agora, ligados ao Palácio dos Leões, pode ser considerado dessa forma, e  único que poderia sê-lo, o ex-governador José Reinaldo (ainda no PSB), é relaxado pelo comunista

Leia nota publicada na coluna Estado Maior, do jornal O Estado do Maranhão, edição desta segunda-feira, 30. Volto em seguida.

Alternativa
O governador Flávio Dino tenta criar uma alternativa para evitar que o seu principal auxiliar, Márcio Jerry, seja candidato a deputado federal em 2018.
Ele tenta encontrar formas de fazer do deputado estadual Bira do Pindaré (PSB) um dos candidatos a senador em sua chapa,com Jerry de primeiro suplente.
Assim, garantiria um futuro mandato para o auxiliar e ainda o teria como coordenador de campanha no ano que vem.

Comigo novamente
Não é de hoje que há rumores de que o governador Flávio Dino (PCdoB) pensa em sacrificar o projeto “Márcio Jerry deputado federal”.

Além de ser considerado um candidato “muito pesado” eleitoralmente, a candidatura do homem forte do governo incomoda aliados da base que já estão no mandato ou outros candidatos de maior densidade eleitoral que poderiam somar mais no projeto de reeleição de Flávio Dino.

Contudo, Márcio Jerry avalia que sua candidatura de deputado federal é viável e mesmo necessária para o fortalecimento político não só do seu chefe, mas principalmente do PCdoB – em recente conversa com o titular deste blog, Jerry disse ser perfeitamente plausível ser candidato e ao mesmo tempo coordenador da campanha de Flávio Dino em 2018.

Quanto ao deputado estadual Bira do Pindaré (ainda no PSB) ser candidato ao Senado Federal, bom, isso é uma possibilidade real uma vez que Flávio Dino precisa de um senador “para chamar de seu” e nenhum dos pré-candidatos a senador lançados até agora, ligados ao Palácio dos Leões, pode ser considerado dessa forma, e  único que poderia sê-lo, o ex-governador José Reinaldo (ainda no PSB), é relaxado pelo governador comunista.

Procurado pelo Blog do Robert Lobato se gostaria de comentar a nota da coluna Estado Maior, o secretário Márcio Jerry limitou-se a dizer: “Apenas o óbvio: especulação criativa e ficcional. Sem menor sentido.

Vale aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: Haroldo Saboia esculhamba Flávio Dino por ter colocado José Reinaldo na “geladeira” 6

Na presença de um conhecido ex-prefeito, ex-secretário de Estado e ex-deputado federal, e de um leitor assíduo do Blog do Robert Lobato, o ex-deputado constituinte baixou o sarrafo no comunista.

O ocorrido foi na última segunda-feira,11, nas dependência do Aeroporto Internacional de São Luís, Marechal Cunha Machado.

Na presença de um conhecido ex-prefeito, ex-secretário de Estado e ex-deputado federal, e de um leitor assíduo do Blog do Robert Lobato, o ex-deputado constituinte Haroldo Saboia baixou o sarrafo no governador Flávio Dino (PCdoB) por conta do que considera “uma tremenda sacanagem colocar o cara na geladeira, uma covardia e falta de consideração de Flávio Dino com quem o colocou na política, do responsável dele ser governador do Maranhão hoje. Coisa de ‘FDP’!”.

Haroldo se referia ao tratamento dispensado pelo comunista ao deputado federal José Reinaldo Tavares (ainda no PSB) em relação ao desejo do ex-governador ser candidato ao Senado Federal com a apoio de Flávio Dino nas eleições do ano que vem.

“Quando a história é verdadeira a pessoa aparece”, disse Haroldo aos dois interlocutores assim que viu José Reinado que também acabava de desembarcar no aeroporto. Todos riram.

De fato, até o momento o governador não deu qualquer sinal claro e efetivo de apoio ao projeto “José Reinaldo senador 2018”.

Talvez somente Zé Reinaldo ainda acredita que poderá contar a consideração do seu quase ex-pupilo

ELEIÇÕES 2018: Postagem de Weverton Rocha sobre suposto apoio de Umbelino Jr. a sua pré-candidatura a senador gera insatisfação no PPS 2

O motivo foi a publicação feita nas redes sociais do líder pedetista dando conta de suposto apoio do prefeito de Turiaçu, Umbelino (PV), e do seu filho, o vereador Umbelino Júnior.

O deputado federal e presidente estadual do PTD, Weverton Rocha, despertou a insatisfação de pelo dirigentes do PPS, entre eles o ex-candidato a vereador por São Luis Eduardo Bruno.

Eduardo Bruno: dirigente não aprovou comportamento de Umbelino Jr.

O motivo foi a publicação feita nas redes sociais do líder pedetista dando conta de suposto apoio do prefeito de Turiaçu, Umbelino (PV), e do seu filho, o vereador Umbelino Júnior, ao projeto Weverton Rocha senador.

Eduardo Bruno, que está no PPS desde 2006, não aprovou a atitude de Umbelino Jr., eleito no último final de semana presidente municipal do PPS, por entender que o partido, além de ter pré-candidata a senadora, no caso a deputada federal Eliziane Gama, ainda não definiu quem será o segundo nome para o Senado Federal e muito menos o candidato ao governo do estado.

“Não aprovamos posturas individualistas como essa do vereador Umbelino Júnior, que mesmo sendo eleito presidente municipal do PPS em São Luis, parece não saber como questões importantes no partido são decididas. O partido tem uma pré-candidata ao Senado Federal que é a deputada Eliziane Gama e ainda não definimos que será o segundo nome, logo não é razoável o vereador posar para fotos de apoio a Weverton Rocha. O PPS tem um projeto para o estado associado a um projeto nacional, que provavelmente não é do PDT. Nem mesmo candidato ao governo o partido já tem definido quem será”, afirmou Eduardo Bruno ao Blog do Robert Lobato.

Um dos principais aliados de Eliziane Gama, Eduardo Bruno é dirigente municipal do PPS e deve integrar também a executiva estadual do partido que será eleita ainda este mês.

Atuante e aguerrido, Eduardo Bruno garante que será “uma voz inquieta na defesa do projeto do PPS no processo de discussão sobre os rumo que o partido vai tomar em 2018”.

É aguardar e conferir,