ELEIÇÕES 2018: Após dois anos de “miguelagem”, Holandinha cumpre acordo com o PT 2

Como se sabe que o prefeito não manda PN na gestão e muito menos nos encaminhamentos políticos, vai depender do próprio PT a escolha do seu destino: atrelar a posse do professor Nonato Chocolate a entrega do partido ao governador Flávio Dino ou caminhar com as próprias pernas nas eleições de outubro próximo.

Antes tarde do que nunca, como se diz no popular.

Foram dois anos de espera até que o prefeito Edvaldo Júnior, o Holandinha, enfim, resolveu cumprir um acordo com o PT de forma correta.

Embora o PT estivesse na coligação do prefeito nas eleições de 2016, parte do partido não o acompanhou no primeiro turno. Ocorre que aquela eleição foi decidida no segundo turno, então parte do partido que não tinha seguindo o prefeito no primeiro turno resolveu aderir à reeleição de Holandinha.

E entre os petistas que lideraram esse movimento estava o professor Nonato Chocolate, daí que ontem o petista tomou posse na Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa).

Pacote

A questão daqui pra frente é saber se esse cumprimento do acordo selado por Holandinha e o PT coloca o partido naturalmente no colo de Flávio Dino (PCdoB) e, por tabela, na chapa do pré-candidato a senador Weverton Rocha, nosso querido Maragato.

A rigor uma coisa nada tem a ver com a outra, até porque o PT tem pré-candidato a governador, no caso o economista e sindicalista Aníbal Lins.

Mas, como se sabe que o prefeito não manda em PN na gestão e muito menos nos encaminhamentos políticos, vai depender do próprio PT a escolha do seu destino: atrelar a posse do professor Nonato Chocolate a entrega do partido na bandeja ao governador Flávio Dino ou caminhar com as próprias pernas nas eleições de outubro próximo.

É simplesmente uma questão de escolha.

Que pode revelar o tamanho que o PT quer sair dessas eleições…

SÃO LUIS: Possível saída de Ivaldo Rodrigues da Semapa para Cultura gera insatisfações entre os feirantes 8

Mas não é somente a insatisfação dos feirantes que ronda a possível saída de Ivaldo Rodrigues da Semapa. Há um ingrediente político que pode acabar em muita crise e dor de cabeça para o prefeito Edivaldo.

A possível mexida no âmbito da administração do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) que consistiria em tirar o vereador Ivaldo Rodrigues, também do PDT, da Secretaria de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa) e colocá-lo Secretaria de Cultura está gerando um bafafá daqueles.

Uma fonte pedetista, e do quadro da Semapa, entrou em contato com o Blog do Robert Lobato para relatar as insatisfações que estão sendo geradas caso realmente Ivaldo seja obrigado a deixar a Secretaria.

Em primeiro lugar, os feirantes estão revoltados com essa possibilidade e falam até “grandes manifestações”, segundo afirmou a fonte, pois Ivaldo deu cara nova para um setor que há anos vinha sendo esquecido, seja por incompetência dos gestores ou por falta de apoio dos sucessivos prefeitos de São Luis.

“Há possibilidade de grandes manifestações dos feirantes que não aceitam que o secretário Ivaldo Rodrigues deixe a Semapa para assumir a pasta da Cultura. Eles [os feirantes] consideram Ivaldo o melhor secretário que já passou pela Secretaria e temem que haja retrocesso, principalmente na gestão da feiras. O trabalho feito por Ivaldo ajudou, inclusive, melhorar a imagem do prefeito Edivaldo no setor. Há anos que o setor estava esquecido e Ivaldo deu cara nova à Semapa”, afirmou a fonte do Blog do Robert Lobato.

Crise política

Mas não é somente a insatisfação dos feirantes que ronda a possível saída de Ivaldo Rodrigues da Semapa. Há um ingrediente político que pode acabar em muita crise e dor de cabeça para o prefeito Edivaldo.

É que essa mudança teria sido fruto de um acordo político-eleitoral entre o vereador Honorato Fernandes (PT) e o deputado federal Weverton Rocha (PDT) para selar uma aliança para as eleições de 2018, onde petista seria apoiado pelo “Maragato” para deputado estadual e em troca o vereador o apoiaria para o Senado Federal. Então para a Semapa iria alguém indicado por Honorato onde poderia fazer da pasta um outro “cabidão” de empregos, tal como ocorreu na Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB).

O fato é que se essa mudança realmente acontecer trará desdobramentos administrativos e políticos cuja dimensão ainda não é possível fazer a ideia.

É aguardar e conferir.