ELEIÇÕES 2018: A verdade sobre José Reinaldo e o PSDB 42

Pelo que o Blog do Robert Lobato tem apurado, não há qualquer óbice, seja no plano local ou nacional, para a filiação de José Reinaldo ao PSDB. O que existe é a condição para que o deputado se enquadre no que já existe de concreto no partido, ou seja, o projeto Roberto Rocha governador-45 e Geraldo Alckmin presidente-45

Em época de pré-campanha é também aberta a temporada de especulações, fofocas, chutes, intrigas, fuxicos políticos etc. Mas também há espaço para informações factuais.

Pois bem. O que há de fato nas movimentações do deputado federal José Reinaldo Tavares em torno do PSDB? O parlamentar, sem partido, deseja mesmo filiar-se à sigla tucana? O que o motiva entrar nos quadros do PSDB? E como fica o deputado estadual Eduardo Braide nesse contexto?

O Blog do Robert Lobato vai tentar responder aos questionamentos acima. Vamos lá.

De fato José Reinaldo tem manifestado desejo de entrar no PSDB após ser passado pra trás, mais uma vez, pelo governador Flávio Dino (PCdoB) que confiscou o DEM, presidido pelo deputado federal Juscelino Rezende, e travou a filiação do ex-governador no partido.

Desprezado e humilhado pelo DEM e pelo governador, Zé Reinaldo percebeu que só teria uma opção partidária para viabilizar o seu projeto de candidatura ao Senado Federal: o PSDB.

Isso porque de todos os chamados grandes partidos os que não estão sob o controle do Palácio dos Leões estão com o grupo Sarney. Logo sobra apenas o partido do 45 para José Reinaldo, já que nessa altura do campeonato pré-eleitoral fazer um caminho de volta para Flávio Dino ou para José Sarney seria o deputado cometer haraquiri.

PROJETO NACIONAL E LOCAL DO PSDB

Entretanto, José Reinaldo quer entrar no PSDB apaixonado por uma tese, qual seja a de fazer com que o partido apoie a candidatura de Eduardo Braide (PMN) ao governo do Maranhão. E é aí que porca torce o rabo. Explico.

O PSDB no Maranhão é presidido pelo senador Roberto Rocha que é pré-candidato a governador atendendo a um chamamento da cúpula nacional tucana, inclusive do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que é presidente do partido e pré-candidato a presidente da República nas eleições de 2018.

Ora, como é que pode caber na cabeça do meu amigo José Reinaldo Tavares ser possível querer entrar no PSDB e “chegar chegando” para mudar um projeto local que já está em curso e totalmente articulado com projeto nacional do partido? Não dá, né?

Pelo que o Blog do Robert Lobato tem apurado, não há qualquer óbice seja no plano local ou nacional para a filiação de José Reinaldo ao PSDB. O que existe é a condição para que o deputado se enquadre no que já existe de concreto no partido, ou seja, o projeto Roberto Rocha governador-45 e Geraldo Alckmin presidente-45.

Atendendo e entendendo a essa realidade, Zé Reinaldo não somente tem filiação garantida nos quadros tucanos como é o senador do partido. Só que o tempos está passando…

“E quanto a Eduardo Braide, Bob?”, pergunta o leitor que pensou que havia esquecido de tratar desse particular.

Bom, a situação de Braide não é muito diferente do caso do deputado José Reinaldo.

Pelo que o Blog do Robert Lobato tem de informação, as portas do PSDB também estariam abertas para o jovem e talentoso político Eduardo Braide desde que igualmente entenda o contexto partidário atual com Roberto Rocha governador-45 e Geraldo Alckmin presidente-45.

Se entender isso, Braide pode ser o principal candidato a deputado federal da coligação e sair gigante da eleição, embora não precise, necessariamente, deixar o seu PMN, basta coligar com o PSDB.

Essa é verdade dos fatos.

O resto são intrigas e fuxicos de governistas e sarneysistas que trabalham desesperadamente pela divisão da terceira via.

Ufa!

Estranhas coincidências editoriais entre a mídia de Sarney e a de Dino 24

Coincidências que vão além da política e das questões eleitorais.

Quem acompanha a cobertura da imprensa política maranhense já deve ter percebido algumas, digamos, coincidências editoriais entre a mídia ligada ao grupo do ex-presidente Sarney (MDB) e a ligada ao grupo do governador Flávio Dino (PCdoB), inclusive, claro, na blogosfera.

Entre tais coincidências pode-se destacar uma principal: colocar o senador Roberto Rocha (PSDB) como alvo de ataques diretos, indiretos e críticas infundadas.

Pré-candidato a governador, Roberto tem defendido publicamente uma eleição com vários candidatos, incluindo Roseana Sarney (MDB) e Eduardo Braide (PMN), à sucessão de Flávio Dino como forma de tirar o Maranhão da dicotomia maléfica para o estado entre “sarneysistas” e “antissarneysistas”, cenário que só interessaria, em tese, aos comunistas, mas que curiosamente passou a ser defendido também até por editoriais do jornal O Estado do Maranhão, de propriedade do clã Sarney.

Contra o senador Roberto Rocha utilizam, tanta a imprensa sarneysista quanto a dinista, o discurso de que o tucano não será candidato porque não tem grupo político, não agrega partidos, não tem dinheiro/estrutura de campanha e por aí vai.

O engraçado é que em 2014 essa narrativa sequer era cogitada, e Roberto acabou sendo o principal engenheiro da aliança política e eleitoral que resultou na sua vitória ao Senado Federal e de Flávio ao Governo do Maranhão.

O fato é que parece haver uma espécie de aliança tácita entre setores da imprensa dos “dois lados da ponte” para tentar enfraquecer ou quiçá desconstruir a imagem do pré-candidato Roberto Rocha.

São coincidências, diga-se de passagem, que vão além da política e das questões eleitorais.

Mas, isso é assunto para outra postagem…