VÍDEO: “Serei candidato a senador em qualquer situação”, afirma José Reinaldo 5

O ex-governador avalia que as eleições para presidente da República terão bastante influência nos acordos para o pleito nos estados e sugeriu que o seu futuro partido, o DEM, atualmente próximo do governador Flávio Dino, poderá apoiar outro candidato ao governo

Em entrevista para um site Política Real (Brasília), que cobre a ação política da bancada do Nordeste no Congresso Nacional, o ex-governador e atual deputado federal José Reinaldo Tavares fez uma breve avaliação sobre o quadro político e partidário no Maranhão.

Próximo a filiar-se ao DEM – o ato político de filiação está previsto para acontecer no dia 10 de março – Zé Reinaldo avalia que as eleições para presidente da República terão bastante influência nos acordos para os pleitos nos estados e que as direções locais terão pouca autonomia para decidir em qual palanque de governador estarão, inclusive sugerindo que o seu futuro partido, atualmente próximo do governador Flávio Dino (PCdoB), poderá apoiar outro candidato ao governo.

“As eleições para presidente terão muita influência nos acordos para as eleições estaduais. Hoje o DEM está muito próximo do governador Flávio Dino, mas não se sabe como vai ficar essa configuração nacional. Só teremos certeza do quadro político depois da escolha dos candidatos [a presidente] dos principais partidos. De forma que acho que não vai haver uma liberdade muito grande nos diretórios estaduais para montar as suas coligações e isso pode manter ou não manter esse apoio incipiente entre o DEM e o Flávio Dino”, disse.

José Reinaldo aproveitou ainda para reafirmar a sua disposição em concorrer a uma vaga ao Senado Federal nas eleições de 2018, e que será candidato “em qualquer situação” porque possui “o apoio político dos prefeitos, da Famem (Federação dos Municípios do Estado do Maranhão) e uma estrutura política consolidada no estado”.

Confira a íntegra da entrevista com o pré-candidato a senador José Reinaldo Tavares em vídeo produzido por Enio Borgman.