SENADO 2018: Por que Waldir Maranhão 24

Quero aqui externar meu apoio e simpatia pela candidatura de Waldir Maranhão ao Senado Federal ao lado do jovem e promissor político Alexandre Almeida, uma das gratas surpresas da nova geração de políticos maranhenses, que não é apenas novo na idade, mas principalmente nas práticas e conceitos políticos

A gente aprende a gostar, admirar e respeitar pessoas.

Conheço o deputado Waldir Maranhão desde os tempos de Uema quando, ele reitor da Uema, eu dirigente do estudantil do Diretório Central dos Estudantes e do Diretório Acadêmico de Administração.

Na época não mantinha relação pessoal com Waldir e mal nos falávamos. Pelo contrário, fazia oposição sistemática à direção da Uema.

O tempo passa e a vida nos dá oportunidade de transformar “preconceitos” em “conceitos”. E hoje, com toda sinceridade, tenho um conceito sobre Waldir Maranhão, não somente sobre o deputado,mas principalmente sobre o ser humano Waldir Maranhão.

Trata-se de uma pessoa amiga, generosa, parceira, leal e grata. Qualidades reconhecidamente raras quando o assunto é política e políticos, ainda mais neste tempos que vivemos.

Na condição de petista, não me cabe meter a colher no pirão do PSDB quando a questão é decidir quem ou não deve ser candidato a isso ou aquilo. Os tucanos que sabem ou deverão saber o que melhor para o projeto partidário deles.

Desejo aqui apenas dar a minha opinião pessoal sobre o que entendo ser a melhor opção para o Senado Federal independente de partido, até porque não deixaram, aliás, proibiram o PT de ter quaisquer opções de candidatura majoritária.

E escrevo estas mal traçadas linhas muito à vontade porque defendi e fiz de tudo para que o nome do também deputado federal José Reinaldo Tavares fosse ungido para o cargo de senador!

Ocorre que não basta ter “um candidato”, tem que ser “o candidato”. E para ser “o candidato” é preciso saber de qual lado você está.

Waldir Maranhão, desde que foi traído covardemente pelo governador Flávio Dino, escolheu um novo campo político pelo qual se dedicou e se dedica diuturnamente.

Desde então, o deputado tem sido leal, fiel, enfim, um soldado nesse seu novo campo político que tem o senador Roberto Rocha como líder.

O projeto Roberto Rocha governador-45

Roberto Rocha é pré-candidato a governador e de longe o melhor senador que o Maranhão já elegeu. É também é o que o Maranhão precisa para tirar o nosso estado desse quadro em “branco e preto” que insistem em manter.

Criticado por não ter “grupo político”, após essas eleições de 2018, seja qual o resultado sair da urnas, poderão criticar Roberto Rocha de tudo, menos de não ter grupo político. E se o tucano vai passar a ter grupo político muito será pela postura correta e, repito, leal e fiel de Waldir Maranhão ao projeto Roberto Rocha governador-45.

Evidente que não apenas pelo Waldir, tem outros atores importantes, mas na atual conjuntura não tem como destacar o papel do ex-presidente da Câmara dos Deputados, o homem que não apenas foi contra o “golpe” contra Dilma, mas tentou anular o “golpe”, já que no nosso estado essa questão do “golpe”, ou impeachment como queiram, vai ser pauta não apenas no palaque real como no palaque eletrônico no horário eleitoral na tevê.

Enfim, quero aqui externar meu apoio e simpatia pela candidatura de Waldir Maranhão ao Senado Federal ao lado do jovem e promissor político Alexandre Almeida, uma das gratas surpresas da nova geração de políticos maranhenses, que não é apenas novo na idade, mas principalmente nas práticas e conceitos políticos.

Trata-se, repito, de uma posição pessoal, de um cidadão consciente dos seus direitos e deveres.

E sobretudo livre!

ELEIÇÕES 2018: A importante declaração de apoio de Ildemar Gonçalves a Roberto Rocha 2

Apoio do ex-prefeito ldemar Gonçalves consolida a força da pré-candidatura de Roberto Rocha na região tocantina que já estava vitaminada com a presença decisiva do ex-prefeito de Imperatriz, o também tucano Sebastião Madeira.

Muito importante a declaração de apoio do ex-prefeito de Açailândia, Ildemar Gonçalves, à pré-candidatura do senador Roberto Rocha (PSDB) ao Governo do Estado.

O ex-prefeito é uma das mais destacadas e fortes lideranças políticas da região tocantina, e no domingo, 22, recepcionou a Caravana da Esperança liderada por Roberto Rocha formanda por pré-candidatos tucanos, além de centenas de lideranças de diversos partidos de Açailândia, Imperatriz e demais cidades da região.

O encontro foi na fazenda Bola Sete (Itinga-Ma), de propriedade Ildemar Gonçalves onde tornou pública e oficial a sua adesão ao projeto de Roberto Rocha governador-45 e apoio aos pré-candidatos ao Senado Federal, Alexandre Almeida e José Reinaldo, ambos do PSDB.

“Sou do PSDB e vou ajudar meus candidatos a governador, senador, deputado federal e deputado estadual. Meu governador é Roberto Rocha e os senadores são José Reinaldo e Alexandre Almeida. O Estadual e o Federal, nós ainda vamos analisar e ver aqueles que forem mais importantes para nosso partido”, declarou Ildemar.

Roberto Rocha sempre teve uma excelente relação com o município de Açailândia e desde os tempos de deputado federal ajuda com recursos a cidade, ainda mais agora na condição de senador da República. Foram milhões em emendas viabilizados pelo senador à prefeitura administrada pelo PCdoB, partido do governador Flávio Dino.

O fato é que com esse apoio do ex-prefeito ldemar Gonçalves consolida a força da pré-candidatura de Roberto Rocha na região tocantina que já estava vitaminada com a presença decisiva do ex-prefeito de Imperatriz,o também tucano Sebastião Madeira.

ELEIÇÕES 2018: Apoio do “centrão” fortalece Geraldo Alckmin e consequentemente Roberto Rocha 6

Isso porque o simples fato do fortalecimento político e eleitoral de Alckmin significa o fortalecimento de Roberto Rocha, pois Alckmin é Roberto e Roberto é Alckmin. Entendeu, né Manuela D’Ávila?

A se confirmar o acordo do chamado “centrão”, capitaneado por DEM e PP, além do já declarados aliados PTB e PSD, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) ganha musculatura na campanha rumo ao Palácio do Planalto.

Esse eventual acordo será um fato novo na campanha eleitoral, com potencial para mudar o jogo a favor do pré-candidato tucano.

As esquerdas já acusaram o golpe através da pré-candidata a presidente de mentirinha do PCdoB, Manuela D’Ávia, que pela rede social do Twitter declarou: : “Os partidos do centrão que apoiam Alckmin ocupam vários ministérios e são a espinha dorsal do governo Temer. Esse apoio demonstrou que o tucano é a continuação do governo mais odiado da história do país. Nessas eleições, Temer é Alckmin e Alckmin é Temer.”

O engraçado, não fosse ridículo, é que o PCdoB de Manu estava flertando até dias atrás com o também presidenciável Ciro Gomes (PDT), que por sua vez estava maluco atrás do mesmo centrão que agora a mesma Manu ridiculariza. É a tal “coerência” comunista de todo nosso santo dia.

Roberto Rocha fortalecido

Não há como desconhecer ou ignorar que uma vez selado o acordo centrão/Alckmin a pré-candidatura do senador Roberto Rocha (PSDB) ao Governo do Maranhão vai ser vitaminada ainda que não haja a verticalização, no Maranhão, do arco de alianças costurado pelo presidenciável tucano.

Isso porque o simples fato do fortalecimento político e eleitoral de Alckmin significa o fortalecimento de Roberto Rocha, pois Alckmin é Roberto e Roberto é Alckmin.

Entendeu, né Manuela D’àvila?

SENADO 2018: Entenda por que para o Palácio dos Leões serve qualquer senador menos Waldir Maranhão 11

Como Waldir Maranhão está colado em Roberto Rocha e convencido da eleição do pré-candidato a governador do PSDB, claro que isso o torna um adversário dos Leões a ser derrotado de qualquer jeito, de qualquer forma e seja por quem for!

O Palácio dos Leões teve orgasmos múltiplos com um vídeo que circulou em blogs e redes sociais onde o ex-governador de São Paulo e pré-candidato a presidente da República, Geraldo Alckimin (PSDB), aparece manifestando apoio à pré-candidatura do deputado federal José Reinaldo ao Senado Federal.

Ora, é lógico que enquanto presidente nacional do PSDB, e ainda mais na condição de presidenciável, o Geraldo gravaria e grava vídeos para qualquer pré-candidato tucano no país inteiro. Faria o mesmo para Alexandre Almeida e para Waldir Maranhão, também pré-candidatos a senador.

Ocorre que os comunistas, embora já tenham escolhidos os seus pré-candidatos à Câmara Alta do Congresso Nacional, aceitam a vitória de qualquer um: José Reinaldo, Lobão ou Sarney Filho, mas não aceitam jamais a de Waldir Maranhão.

Isso porque Waldir colocou o dedo na ferida dos comunistas em especial na de Flávio Dino quando revelou ao Brasil o ato de traição do governador maranhense ao então presidente da Câmara dos Deputados no episódio do impeachment de Dilma.

Com o ego ferido e vaidade ofendida depois de ser chamado por Waldir Maranhão de “maior traidor do país”, Flávio Dino quer ver o diabo no Senado Federal menos o seu ex-aliado, o homem que foi orientado, pelo próprio Flávio Dino, a anular o ato de afastamento de uma presidente honesta do Palácio do Planalto em 2016.

O fator Roberto Rocha

Mas não é só o fato de Waldir Maranhão expor as vísceras de traidor de Flávio Dino ao país que faz do pré-candidato a senador tucano um alvo a ser abatido pelo Palácio dos Leões.

Um outro aspecto fundamental é a lealdade que Waldir tem demonstrado ao projeto Roberto Rocha governador-45. Isso tem tirado o sono do comuna-mor do Maranhão!

Como Waldir Maranhão está colado em Roberto Rocha e convencido na eleição do pré-candidato a governador do PSDB, claro que isso o torna um adversário a ser derrotado de qualquer jeito, de qualquer forma e seja por quem for!

São esses fatos acima que explicam toda a euforia dos comunistas e sua camarilha com o vídeo pró-José Reinaldo gravado pelo Geraldo Alckimin.

Vídeo, repito, que o presidenciável tucano gravaria para qualquer correligionário seu no Maranhão e no resto do país.

ELEIÇÕES 2018: Por que José Reinaldo não declara apoio a Roberto Rocha? 6

É essa posição vacilante de Zé Reinaldo que fomenta especulações do tipo de que ele não será mais candidato a senador ou que está a serviço de agente externos ao PSDB.

Há equívocos e maledicências sobre a situação do deputado federal José Reinaldo Tavares no PSDB e, por conseguinte, em relação a sua pré-candidatura ao Senado Federal. Há jornalistas e blogueiros que agem por falta de informações e outros por pura má-fé mesmo.

O Brasil inteiro sabe que ex-governador foi rejeitado, humilhado, defenestrado e subestimado pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Sem opção partidária nem no campo governista e muito menos no grupo Sarney, sobrou apenas o PSDB para acolher José Reinaldo Tavares. Foi recebido com honras pelo tucanato local e nacional assinando a ficha de filiação no gabinete do senador Roberto Rocha, presidente estadual do partido.

É verdade que Zé Reinaldo chegou defendendo a candidatura do deputado estadual Eduardo Braide para governo e sugerindo até que Roberto Rocha desistisse a favor do pré-candidato do PMN.

Sereno, Roberto chegou a dizer olhos nos olhos do deputado que poderia pensar em abrir para o próprio José Reinaldo pela sua história e pelo que representa para a classe política maranhense, mas que não via qualquer razoabilidade de, uma vez ter sido deputado estadual, três vezes deputado federal, vice-prefeito de São Luis, ser senador no meio mandato, presidente de um dos maiores partidos do país e com um candidato a presidente da República competitivo, abrir mão de sua pré-candidatura a favor de Braide.

Então José Reinaldo se filia no PSDB e fica mais quieto sobre a candidatura Braide.

Mas eis que de repente, sabe-se lá por qual motivo, o deputado volta com a tese pró-Braide quando sabe que o seu partido tem pré-candidato!

Desde que se filou ao PSDB, não há sequer uma declaração contundente e firme de José Reinaldo em apoio e defesa do nome do pré-candidato ao governo Roberto Rocha. Nadica de nada!

É essa postura, digamos, vacilante de Zé Reinaldo que fomenta especulações do tipo de que ele não será mais candidato a senador ou que está a serviço de agentes externos ao PSDB.

Nem mesmo das agendas de viagens dos pré-candidatos do seu partido José Reinaldo tem participado. Aliás, tem ignorado solenemente as agendas.

Assim como “à mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”, não basta José Reinaldo ser candidato, deve parecer candidato.

Mas do jeito que vem conduzindo a sua pré-campanha parece que realmente José Reinaldo está jogando fora a última oportunidade que lhe resta para ser senador da República.

E, como sabermos, na política não há vácuo.

Alguém ocupa o espaço…

O MARANHÃO EM PRIMEIRO LUGAR: Dois importantes eventos promovidos pelo senador e pré-candidato ao governo Roberto Rocha 4

E assim o senador Roberto Rocha vai dando a sua contribuição para elaborar propostas concretas para o nosso estado e apresentar ao povo maranhense durante a campanha eleitoral de 2018.

Dois eventos de grande importância para o debate sério sobre o Maranhão serão realizados amanhã, quinta-feira, 5, e ambos promovidos pelo gabinete do senador Roberto Rocha (PSDB), que também é pré-candidato ao governo do Maranhão.

Logo pela manhã, a partir as às 09h, acontece no auditório da FIEMA, a apresentação do diagnóstico realizado pela Companhia de Desenvolvimento das Bacias do São Francisco e Parnaíba (CODEVASF), para a etapa inicial de recuperação da bacia hidrográfica do Rio Itapecuru. Trata-se da “Apresentação do Plano de Preservação e Recuperação das Nascentes e do Estudo Socioambiental Estratégico de Suporte à Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio Itapecuru”, realizado por especialistas do corpo técnico da Codevasf.

Já na parte da noite, às 19h, é a vez da realização da segunda versão do Ciclo de Debates Pensar o Maranhão, cujo objetivo é apontar soluções viáveis para alguns dos principais e mais graves problemas que afetam o estado do Maranhão, através da colaboração de entidades e órgãos respeitados como o Sebrae, Codevasf, BNB, UEMA, UFMA, AHINOR e Dnit, além de autoridade e especialistas de diversas áreas.

E assim o senador Roberto Rocha vai dando a sua contribuição para elaborar propostas concretas para o nosso estado e apresentar ao povo maranhense durante a campanha eleitoral de 2018.

Sobre a “implicância” de Roberto Rocha com José Reinaldo 22

É lenda essa narrativa que José Reinaldo tem relação direta com o ex-governador Geraldo Alckmin a ponto de resolver seu problema no Maranhão. Não existe isso!

Leio no blog do meu amigo Marco D’Eça que o senador Roberto Rocha teria uma “implicância” com deputado federal José Reinaldo, ambos do PSDB.

Ora, se há alguma implicância nessa história é de D’Eça com o senador (Rsrsrs).

Não há implicância alguma de Roberto com o Zé Reinaldo.

Roberto Rocha na condição de presidente estadual do PSDB escancarou as portas do partido para o ex-governador depois dele ter sido rejeitado por todos os partidos, tanto do campo de Flávio Dino quanto do campo do grupo Sarney.

José Reinaldo era para estar “reinando” no ninho tucano, mas preferiu subestimar o projeto do partido no estado que tem Roberto Rocha como pré-candidato ao governo. Se Zé Reinaldo não acredita no projeto do seu partido não pode se achar no direito de ser candidato a senador por esse mesmo projeto.

E olhem que escrevo essas mal traçadas linhas com muita tranquilidade porque sou testemunha da história e queria muito ver José Reinaldo Tavares senador da República. Mas ele não está fazendo por onde, infelizmente.

Outra: É lenda essa narrativa de que José Reinaldo tem relação direta com o ex-governador Geraldo Alckmin a ponto de resolver seu problema no Maranhão. Não existe isso!

Geraldo Alckmin não faz nada no Maranhão sem combinar com o senador Roberto Rocha. Nada!

Meu amigo José Reinaldo tem é que criar juízo e se enquadrar no projeto do único partido que o acolheu.

Não adianta achar que a classe política lhe garantirá apoio, até porque não há um único prefeito que diz votar em José Reinaldo que afirma votar também em Geraldo Alckmin, por exemplo. Nem os “encontros pela gratidão” sobreviveram porque Flávio Dino proibiu.

Enfim, José Reinaldo está jogando fora a possibilidade de ser senador da República.

No auge dos seus cabelos brancos, pode estar perdendo uma oportunidade de ouro.

Por pura implicância.

Dele com o senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha.

Isso sim!

Roberto Rocha acredita em crescimento ao lado de Alckmin e prega unidade da oposição no MA 12

Para senador, pré-candidato a governador pelo PSDB, eleição no Maranhão será decidida em dois turnos, e adversários de Flávio Dino devem marchar juntos

por Gilberto Léda, via O Estado do Maranhão

O senador Roberto Rocha, pré-candidato a governador do Maranhão pelo PSDB, acredita que seu projeto tende a crescer junto com a candidatura do presidenciável tucano Geraldo Alckmin e que a eleição maranhense será inevitavelmente decidida em dois turnos.

Em entrevista exclusiva a O Estado, ele acrescentou que, por conta da certeza de que o pleito estadual não se resolve no dia 7 de outubro, avalia que o melhor para os pré-candidatos de oposição ao governador Flávio Dino (PCdoB) é marchar unidos num segundo turno, quem quer que passe.

“É natural que haja uma convergência entre as candidaturas estaduais e a nacional. Isso é da própria lógica política. Tanto mais que partilharemos o mesmo número. Por enquanto o cenário político nacional está turvado por um ambiente de muita animosidade, fruto da criminalização da atividade política. Eu creio que o curso da campanha ajudará a dar mais racionalidade à escolha do eleitor, que hoje está movido por uma justa indignação. Mas essa indignação levará a uma reflexão sobre os projetos e os nomes postos e ficará claro que nenhum candidato reúne os atributos de integridade e experiência de Geraldo Alckmin”, disse Rocha, sobre sua campanha vinculada à do ex-governador de São Paulo.

Sobre a unidade dos nomes da oposição, ele ressalta que essa nem sequer precisa ser uma estratégia, porque se trata de uma verdadeira aspiração do eleitorado.

“Essa unidade nem precisará do aval dos políticos. Ela acontecerá por vontade do eleitorado”, completou.

Senado – O senador também comentou a recente polêmica envolvendo o lançamento da pré-candidatura do deputado federal Waldir Maranhão ao Senado – o que ocorreu na semana passada, em Carutapera, durante discurso do próprio Rocha.

Até aquela data, o PSDB tinha apenas dois pré-candidatos a senador: o deputado federal José Reinaldo Tavares e o deputado estadual Alexandre Almeida. Com três nomes, o natural seria uma disputa entre eles em convenção.

Apesar disso, Roberto Rocha crê em uma decisão consensual antes da definição oficial da chapa majoritária tucana.

“Esse é o caminho protocolar. Mas acredito no diálogo e no entendimento, para chegarmos a uma solução de consenso”, completou.

Abaixo, a íntegra da entrevista.

O Estado – Senador, sua pré-candidatura está muito vinculada à imagem da pré-candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin. O senhor acredita que o recente desempenho do seu colega de partido – que melhorou segundo as mais novas pesquisas – pode também funcionar como uma alavanca ao seu nome no Maranhão?

Roberto Rocha – É natural que haja uma convergência entre as candidaturas estaduais e a nacional. Isso é da própria lógica política. Tanto mais que partilharemos o mesmo número.

Por enquanto o cenário político nacional está turvado por um ambiente de muita animosidade, fruto da criminalização da atividade política. Eu creio que o curso da campanha ajudará a dar mais racionalidade à escolha do eleitor, que hoje está movido por uma justa indignação. Mas essa indignação levará a uma reflexão sobre os projetos e os nomes postos e ficará claro que nenhum candidato reúne os atributos de integridade e experiência de Geraldo Alckmin. Será o caminho natural para conduzir o país no rumo da reconciliação e respeito entre as diferentes correntes de opinião.

Não tenho dúvida também que o eleitor compreenderá que, aqui no Maranhão, o projeto do PSDB estará alinhado a essa perspectiva de solução pelo trabalho e o respeito à coisa pública. Sem demagogia, sem bravatas. Pé quente, cabeça fria, como diz a música.

O Estado – O senhor se considera um representante da terceira via?

Roberto Rocha – Ninguém pode se auto proclamar a terceira via. Cabe ao julgamento da população determinar quem reúne os atributos de contraste para se constituir numa via alternativa. Eu tenho clareza que levarei para o debate eleitoral uma outra visão para o Maranhão, que em nada se compara com essa triste e fatalista escolha que querem impor ao nosso Estado, entre o passado que não quer passar e o presente que não tem futuro.

O Estado – Recentemente surgiram informações de que o senhor teria convidado a ex-prefeita Maura Jorge para uma composição. Estrategicamente, o senhor acredita que é melhor diminuir a quantidade de candidaturas no campo de oposição ao governador Flávio Dino? Esse movimento não enfraqueceria esse campo?

Roberto Rocha – Sempre tive um diálogo fraterno com a Maura Jorge e nesse diálogo já discutimos cenários eleitorais, o que é da natureza da política. Não vejo essa questão como um cálculo matemático. Na política, podem haver convergências, mas é importante que se preservem os campos políticos. Toda candidatura é legítima, desde que represente um projeto com identidade própria.

O Estado – Qual a relação atual com o deputado federal José Reinaldo? Ao anunciar a pré-candidatura do deputado Waldir Maranhão ao Senado, José Reinaldo é considerado carta fora do baralho tucano?

Roberto Rocha – Sobre a minha relação com Zé Reinaldo, da minha parte ele terá sempre o respeito que merece, por sua biografia e importância na história do nosso Estado.

Sobre a pré-candidatura do deputado Waldir, é bom que se entenda que é uma legítima postulação dele, não do partido. Assim também as pré-candidaturas dos deputados Alexandre Almeida e Zé Reinaldo. É um direito deles. Eu não anunciei a pré-candidatura de Waldir Maranhão. Apenas fiz menção em um contexto da presença dele em um evento. Aliás, outras pré-candidaturas ainda podem se manifestar, dentro do partido, inclusive para governador. Esse é um direito assegurado no estatuto partidário.

O Estado – No caso da manutenção das três pré-candidaturas ao Senado, a definição dos dois escolhidos se dará mesmo em convenção, com os três submetidos ao voto dos correligionários?

Roberto Rocha – Esse é o caminho protocolar. Mas acredito no diálogo e no entendimento, para chegarmos a uma solução de consenso.

O Estado – O senhor acredita em eleição em dois turnos no Maranhão?

Roberto Rocha – Não tenho dúvida alguma de que a eleição será decidida em segundo turno. Só quem acha que as pesquisas são prognósticos, e não diagnósticos, é que pode se iludir imaginando que o Maranhão tenha capitulado ao marketing da propaganda oficial.

O Estado – Havendo segundo turno na eleição no Maranhão, o senhor acredita em unidade da oposição, seja em torno do nome da ex-governadora Roseana Sarney, seja em torno do nome de outro candidato que passar?

Roberto Rocha – Essa unidade nem precisará do aval dos políticos. Ela acontecerá por vontade do eleitorado.

SUCESSÃO 2018: Flávio Dino quer fazer da eleição no MA uma briga de marido e mulher 13

Durante a campanha ficará claro o erro de percurso histórico que foi 2014 ao eleger a maior mentira política da história recente do Maranhão

“Em briga de marido e mulher não se mete a colher”, diz o adágio popular que nos dias atuais é politicamente incorreto.

Pois o governador e pré-candidato à reeleição Flávio Dino (PCdoB) deseja fazer da eleição de 2018 uma briga de marido e mulher, ou seja, ele contra Roseana Sarney (MDB).

Ocorre que nesse briga de “marido e mulher” que o comunista deseja haverá quem meta a colher. E esse é drama tanto do “marido” quanto da “mulher”.

Há em curso no Maranhão a construção de outras vias políticas para tirar o Maranhão do desse cenário “branco e preto” que os comunistas tanto tentam manter.

Pré-candidaturas ao governo como a do senador Roberto Rocha (PSDB), da ex-prefeita Maura Jorge (PSL), do deputado Eduardo Braide (PMN), do ex-deputado Ricardo Murad (PRP) e das forças da esquerda não flavistas, mostrarão que o nosso estado não está condenado e muito menos refém do bipartidarismo “saneysistas versos anti-sarneysistas”. Portanto, não haverá “briga de marido e mulher” como sonha Flávio Dino.

Durante a campanha ficará claro o erro de percurso histórico que foi 2014 ao eleger a maior mentira política da história recente do Maranhão.

Porém,as eleições de 2018 há de corrigir esse erro e teremos mais do que uma eleição no Maranhão: teremos luta!

E a verdade vencerá a mentira, assim como um dia a esperança venceu o medo.

Podem anotar!

*Enquanto isso o Brasil vai empatando com a Costa Rica.

COMUNIDADES INDÍGENAS: Waldir Maranhão cumpre agenda no Ministério da Saúde 2

A agenda faz parte do desdobramento da vista que Waldir Maranhão fez, no último domingo, 17, em Barra do Corda, quando integrou a comitiva liderada pelo senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha

Dep. Waldir Maranhão foi recebido pelo secretário especial da Saúde Indígena Marco Toccolini.

O deputado federal Waldir Maranhão (PSDB) cumpriu na manhã desta quarta-feira, 20, agenda na Secretaria de Saúde Indígena, órgão do Ministério da Saúde, em Brasilia.

O parlamentar tucano foi recebido pelo secretário especial de Saúde Indígena, senhor Marco Antônio Toccolini.

Na pauta, as demandas que estão tramitando no Ministério em benefícios das comunidades indígenas no estado do Maranhão.

Essa agenda faz parte do desdobramento da vista que Waldir Maranhão fez, no último domingo, 17, em Barra do Corda, na companhia da comitiva liderada pelo senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha (PSDB).

Na oportunidade, os pré-candidatos que integraram a comitiva foram recepcionados por índios de diversas comunidades.

Roberto Rocha ladeados por índios da tribo Canela.

Pelo que informou o secretário especial Marco Antônio Toccolini, estão em curso os procedimentos burocráticos para construção 8 poços em várias aldeias, sendo que dois já serão inaugurados no dia 29 deste mês: um na aldeia Pé de Galinha, em Barra do Corda, e outro na aldeia Planalto, no município de Jenipapo dos Vieiras, ambas pertencentes a tribo dos Guajajaras.

“Estamos cumprindo o nosso papel de parlamentar e vimos cobrar os compromissos dos órgãos públicos em Brasília com o estado do Maranhão. Quando da nossa passagem em Barra do Corda, no domingo passado, o nosso pré-candidato ao governo, senador Roberto Rocha, fez anúncio de várias ações a favor de municípios daquela Região, inclusive de construção de unidades habitacionais, sem falar que foi muito recebido pelas comunidades indígenas daquelas localidades. Agora temos a notícia da construção de poços em diversas aldeias, uma ótima notícia, diga-se”, comemorou Waldir Maranhão, que é pré-candidato a senador.

Ressalta-se que essas demandas no Ministério da Saúde favoráveis aos indígenas maranhenses, também conta com a atuação determinada do deputado federal Hildo Rocha (MDB).