GIGANTE DA SAÚDE: Ricardo Murad faz desafio a Flávio Dino 24

O desafio de Ricardo consiste no comunista provar que o estado do Maranhão possui 15 mil policiais efetivos, tal como vem sendo afirmado na campanha do candidato à reeleição .

O ex-secretário de Saúde e candidato a deputado federal, Ricardo Murad (PRP) divulgou um vídeo em que faz um desafio ao governador Flávio Dino (PCdoB).

O desafio de Ricardo consiste no comunista provar que o estado do Maranhão possui 15 mil policiais efetivos, tal como vem sendo afirmado na campanha do candidato à reeleição .

“Te desafio [Flávio Dino] se você provar que tem 15 mil policiais efetivos nas ruas do Maranhão eu não sou mais candidato a deputado”, assegurou.

Trata-se do maior desafio feito por um político a outro da história recente do Maranhão. Será que Flávio Dino vai topar?

Confira o vídeo-desafio feito do “Gigante da Saúde”.

COISA FEIA: Depois passar anos embalando Ricardo Murad numa rede lá no Olho D’Água, agora Rogério Cafeteira tripudia sobre o ex-amigo 8

Uma pessoa conta que nunca entendeu porque o líder se tornou tão ofensivo contra Ricardo Murad, já que o deputado amanhecia quase diariamente na casa do ex-secretário de Saúde e ainda o embalava carinhosamente numa rede estendida na varanda da mansão do Olho D’Água.

Nome de fantasia: Rogério Cafeteira.

Há coisas na política que realmente vão do surpreendente ao ridículo, passando pela falsidade à ingratidão.

Domingo passado estava numa roda de conversa entre amigos e, claro, não tem como deixar de falar sobre política. Pois bem.

Lá pelas tantas, começou-se a fazer conjecturas sobre quais dos atuais deputados estaduais e federais conseguirão renovar os seus mandatos nas eleições de outubro.

Entre os estaduais foi quase um consenso de que o atual líder do governo Flávio Dino (PCdoB), Rogério Rodrigues Lima, mais conhecido como Rogério Cafeteira (DEM), vai conseguir voltar à Assembleia Legislativa. Apenas dois ou três dos presentes afirmaram não acreditar na retorno do líder ao parlamento estadual.

Na manhã desta quarta-feira, 22, navegando pela rede social do Twitter, como de costume, me deparei com o seguinte post de Rogério Cafeteira. Assim: “Por 6×1, Ricardo Murad está declarado INELEGÍVEL no TRE por malfeitos na Secretaria de Saúde… esse sim está INELEGÍVEL!!!”.

Foi então que lembrei da roda de conversa do domingo relatada acima.

É que um dos presentes, que também é um daqueles dois ou três que disseram não acreditar na renovação do mandato de Rogério Cafeteira, contou que nunca entendeu porque o deputado se tornou tão ofensivo contra Ricardo Murad, já que ele amanhecia quase diariamente na casa do ex-secretário de Saúde e ainda o embalava carinhosamente numa rede estendida na varanda da mansão do Olho D’Água (Rsrsrs).

A ser verdade esse história, e este blogueiro não tem motivos para achar que não o é, não deixa de ser feia, para dizer o mínimo, essa postura de Rogério em tripudiar sobre o ex-amigo Ricardo Murad como tem feito pelo Twitter.

Você não precisa disso, meu caro Rogério Rodrigues Lima.

Ou melhor, nosso querido Rogério Cafeteira

E não esqueça dos embalos, não aqueles dos “sábados à noite”, mas das manhãs da rede nas “arábias”.

INELEGIBILIDADE: Depois de Ricardo Murad, Flávio Dino pode ser o próximo condenado pela Justiça (OU: TRE-MA que dá em Murad dá em Dino” 12

As denúncias que pesaram para a condenação de Ricardo Murad, por abuso de poder nas eleições de 2012, são consideradas “fichinhas” frente as que fundamentam a condenação do governador comunista, também por abuso de poder político só que nas eleições de 2016, quando o Flávio Dino usou e abusou eleitoreiramente do programa “Mais Asfalto” para beneficiar candidatos-aliados naquele pleito.

O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) rejeitou ontem, 21, um recurso do ex-deputado Ricardo Murad (PRP) e manteve a inelegibilidade do candidato a deputado federal por oito anos – a contar da eleição de 2012.

O ex-secretário de Saúde avisou pelas suas redes sociais que vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Quem pode estar caminhando para o mesmo fim é o governador Flávio Dino (PCdoB), já condenado em primeira instância após decisão da juíza Anelise Reginato, da 8ª zona eleitoral de Coroatá, decisão essa considerada, por juristas respeitados como Abdon Marinho, “bem fundamentada” ressaltando ainda achar “pouco provável que ele [Flávio Dino] reverta quando da discussão de mérito”.

As denúncias que pesaram para a condenação de Ricardo Murad, por abuso de poder nas eleições de 2012, são consideradas “fichinhas” frente as que fundamentam a condenação do governador comunista, também por abuso de poder político só que nas eleições de 2016, quando o Flávio Dino usou e abusou eleitoreiramente do programa “Mais Asfalto” para beneficiar candidatos-aliados naquele pleito.

O próprio Tribunal Regional Eleitoral no Maranhão (TRE-MA) emitiu nota oficial confirmando que sentença da juíza Anelise Reginato é pela “sanção de inelegibilidade para as eleições que se realizarão nos 8 anos subsequentes às Eleições de 2016”.

“Impedimentos no futuro”

A situação de Flávio Dino é tão delicada do ponto de vista jurídico, que o desembargador José de Ribamar Castro, membro da Comissão de Juízes Auxiliares do TRE-MA, reconheceu que: “hoje efetivamente pesa contra o aludido pré-candidato uma condenação de inelegibilidade que, embora momentaneamente ineficaz, pode no futuro acarretar um impedimento da sua capacidade eleitoral passiva”.

O fato é que podemos estar diante de uma espécie de “Efeito Orloff”, onde Flávio Dino é o Ricardo Murad amanhã.

É bom o comunista colocar as barbas de molho.

Ou se preferir, o bucho.

ELEIÇÕES: Sobre “esconder” sobrenomes 22

Imaginem se adianta alguma coisa Ricardo, Andrea, Roseana, Zequinha, Edinho etc., “esconderem” os sobrenomes dos eleitores…

A luta política no Maranhão tem umas idiotices que é de fazer dó.

Agora passaram a dizer que os pré-candidatos da família Murad e Sarney estão “escondendo” os seus sobrenomes dos eleitores por vergonha. Santo Deus!

Esse negócio de omitir sobrenomes em material de campanha nada tem a ver com fatos negativos envolvendo as famílias citadas. Tudo não passa de coisa de marqueteiro e que não é de agora.

Eu, particularmente, acho isso uma bobagem e quando for candidato não abrirei mão do meu Lobato nem que Duda Mendonça peça, ora bolas!

Imaginem se adianta alguma coisa Ricardo, Andrea, Roseana, Zequinha, Edinho etc., “esconderem” os sobrenomes dos eleitores…

Será que existe no Maranhão alguém que não saiba quem são essas pessoas pelo nome e sobrenome? Até é possível que sim, claro, mas qualquer eleitor com a miníma da miníma informação sabe quem são todos, independente se os sobrenomes estejam ou não estampados no material de campanha.

Enfim, é cada factoide que neguinho inventa.

Eu, hein!

ELEIÇÕES 2018: A decisão de Ricardo Murad foi de um homem de grupo 12

Além de precisar de um mandato na Câmara Federal para representar o povo maranhense, o Maranhão também precisa de um deputado da qualidade política de Ricardo Murad para fazer o debate democrático sobre o nosso estado.

A desistência do ex-secretário de saúde e ex-deputado Ricardo Murad (PRP) de concorrer ao Governo do Estado em favor da pré-candidata Roseana Sarney (MDB) não pode ser vista de outra forma que não como uma decisão de homem de grupo.

Claro que os seus desafetos, adversários e inimigos têm que criar toda espécie de narrativa para desqualificar o ex-comandante da saúde do Governo do Estado, mas a sua decisão foi de uma dignidade incontestável!

Ricardo Murad sempre foi um homem de posições claras, até quando errou em determinado momento da sua trajetória política e ele tem consciência disso.

Lembro de uma episódio ocorrido nas eleições de 2014 quando fui procurado por um amigo do PCdoB que queria ajuda para uma certa candidatura proporcional do partido e me perguntou se eu conseguiria com o “pessoal do grupo Sarney”.

Na época, disse que ia ver com Ricardo Murad e perguntei se teria algum problema da candidatura comunista fazer uma “dobradinha” com então candidata Andrea, filha do então secretário. O “camarada” assegurou que não!

Pois bem. Levei a demanda para Ricardo Murad.

Sua posição foi clara: “Robert, Andrea não dobrará com nenhum candidato ligado a Flávio Dino, mas se essa pessoa declarar apoio a Lobão Filho pra governador eu dou uma ajuda”. O interlocutor comunista “amarelou” e desistiu.

Conto essa história para mostrar que Ricardo Murad de fato é um homem de grupo. Aliás, outro momento que ele deu prova disso foi quando da decisão do grupo Sarney pelo nome de Luis Fernando para governador na sucessão de Roseana. Ricardo não era lá simpático ao agora prefeito de São José de Ribamar, mas quando o grupo bateu o martelo que seria ele o candidato, pronto: estava lá Ricardo Murad como um dos maiores defensores e entusiastas daquela candidatura que infelizmente não prosperou.

Depois veio a mudança de candidato com Lobão Filho no lugar de Luis Fernando e mais uma vez Ricardo deu prova de ser homem de grupo e fez de tudo para tentar eleger o candidato do 15.

Enfim, pode-se gostar ou não de Ricardo Murad, mas não tem como desconhecer a sua personalidade política forte, postura correta quando o assunto é grupo e que sabe jogar o jogo político.

Além de precisar de um mandato na Câmara Federal para representar o povo maranhense, o Maranhão também precisa de um deputado da qualidade política de Ricardo Murad para fazer o debate democrático sobre o nosso estado.

É a opinião de Blog do Robert Lobato.

Política é grupo e para formar grupo é preciso lealdade 30

Quem acompanha o Blog do Robert Lobato sabe da defesa que sempre fez a favor do surgimento de novos atores e forças políticas para superar o “bipartidarismo” que há décadas tem marcado a política maranhense.

Em qualquer estado do Norte ou do Nordeste é possível identificar vários campos políticos que disputam o poder local dando a oportunidade para que os eleitores tenham opções para além de simplesmente serem obrigados a escolher entre grupo A ou grupo B.

No Maranhão estamos diante da possibilidade de, pela primeira vez, sairmos das amarras entre “sarneysismo” versus “antissarneysismo” e contar com mais de uma via política e eleitoral.

Acontece que não interessa nem aos atuais inquilinos do Palácio Leões e muito menos aos “ex” a construção/consolidação de uma terceira via na disputada eleitoral de 2018, daí movimentos que consistem claramente de dividi-la.

Concretamente, quem reúne as maiores e melhores condições de levar a cabo um projeto alternativo de sociedade no Maranhão pela terceira via é o senador Roberto Rocha (PSDB). Tem partido, está no meio do mandato, tempo de tevê, disponibilidade de recursos do fundo eleitoral, que será a única fonte de financiamento das campanhas para quem não quer correr o risco de ser preso, tem capilaridade no estado, conhece cada palmo do Maranhão, seus números e estatísticas.

Mas é justamente Roberto Rocha que alguns desejam tirá-lo da disputa a favor de quem não tem a metade das condições políticas, eleitorais e estruturais que o tucano possui.

O mais preocupante é que gente que sequer tinha partido para concorrer no próximo pleito e foi recebido de braços abertos no PSDB, agora parece fazer o papel de “Cavalo do Troia” no sentido de desagregar, desgastar e inviabilizar o projeto Roberto Rocha governador-45.

Nada contra as candidaturas de Ricardo Murad, Maura Jorge, Eduardo Braide, entre outras que podem surgir, como a do PT. Pelo contrário: que seja inaugurado um novo ambiente político que supere o esse Maranhão em “branco e preto” que só interessa ao presente comunista e ao passado sarneysista.

O que não é justo é querem sacrificar alguém que vem de longe e se preparou para ser governador do Maranhão, como é o caso do senador Roberto Rocha.

Política é grupo e para formar grupo é preciso lealdade.

#FicaAdica

RICARDO MURAD: “As loucuras de Flávio Dino ultrapassaram todos os limites” 10

Duro como de costume, o “Trator” afirmou que o seu partido, o PRP,  vai entrar com uma representação no Ministério Público Eleitoral e Estadual contra Flávio Dino

O ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad votou a usar as redes sociais para criticar durante a gestão do governador Flávio Dino (PCdoB) considerada “desastrosa” pelo pré-candidato a governador.

Através de um vídeo, Ricardo detonou com o festival de cargos comissionados para nomear o que ele considera “pessoas estranhas aos quadros das polícias civil, militar e do Corpo de Bombeiros para ocupar postos de capelães”.

Contundente como de costume, o “Trator” afirmou que o seu partido, o PRP,  vai entrar com uma representação no Ministério Público Eleitoral e Estadual contra Flávio Dino por achar que dessa vez o governador comunista se superou e que as suas loucuras ultrapassaram todos os limites. .

“O PRP fará uma representação junto ao Ministério Público Eleitoral e Estadual contra Flávio Dino por mais esse abuso. Todos querem e exigem eleições limpas, uma administração proba, vença quem vencer, desde que através do voto livre das pessoas. Useiro e vezeiro em programas e ações com objetivo de cooptar votos, comprar políticos e seus partidos, desta vez Flávio Dino se superou. Perdeu a noção da decência e da realidade (…) As loucuras de Flávio Dino ultrapassaram todos os limites. , afirmou.

Confira íntegra do vídeo com as declarações de Ricardo Murad

Quem tem medo de Roberto Rocha e Eduardo Braide? 2

Até as eleições a ordem, tanto no Palácio dos Leões quanto nas redações do sistema Mirante, é estimular a cizânia não somente entre Roberto Rocha e Eduardo Braide quanto entre eles e Ricardo Murad e Maura Jorge

A resposta para a pergunta acima é óbvia: O grupo Sarney e Flávio Dino.

Basta ver como os apoiadores de Roseana Sarney e de Flávio Dino analisam os movimentos da pré-campanha eleitoral de 2018.

Tanto roseanistas quanto dinistas fazem questão de estimular a intriga entre o senador Roberto Rocha (PSDB) e Eduardo Braide (PMN). Fazem tempestade em copo d’água para criar um clima de discórdia entre os dois pré-candidatos a governador.

Ocorre que Roberto e Braide têm conversado mais do que simplesmente a questão eleitoral de 2018. O que tem pautado as conversas entre os dois pré-candidatos ao governo é o Maranhão! Aliás, não somente Roberto e Braide, mas outros pré-candidatos como Ricardo Murad (PRP) e Maura Jorge (Podemos).

Ora, é lógico que essas conversas incomodam roseanistas e comunistas num só tempo.

E até as eleições a ordem, tanto no Palácio dos Leões quanto nas redações do sistema Mirante, é estimular a cizânia não somente entre Roberto Rocha e Eduardo Braide quanto entre eles e Ricardo Murad e Maura Jorge.

Só o ex-presidente Sarney para segurar esse povo.

Mas, infelizmente, no Brasil só Rosena não escuta o mestre da política.

Fazer o quê?

ELEIÇÕES 2018: Conheça o perfil e as chances dos pré-candidatos que querem governar o MA 23

O ano de 2017 está chegando ao fim e os anjos anunciam a chegada de um novo ano.

Entre mortos e feridos, pode-se considerar sobrevivente que enfrentou e venceu as intempéries deste ano. E que ano!

Em 2018 teremos eleições para o governo do estado.

Nesse sentido, o Blog do Robert Lobato arrisca traçar o perfil de cada um dos pré-candidatos e pré-candidatas ao Governo do Maranhão, inclusive de Flávio Dino (PCdoB), e fazer uma análise sobre as chances dos mesmos frente ao projeto de reeleição do comunista. Vamos lá.

Flávio Dino 65 – O governador ainda goza do fato de ser o favorito na disputa de 2018. Eu disse “ainda”, pois há uma visível e perceptível queda de popularidade do comunista pelo Maranhão afora. Isso porque Flávio Dino faz um governo muito aquém das expectativas geradas a partir da sua eleição em 2014. Trata-se de um governo mediano, sem muitas novidades, sem criatividade, nenhum projeto estruturante de grande porte, cujas obras entregues até aqui são praticamente do governo anterior. Sem falar que o gestão comunista é uma tragédia na articulação política e medíocre na comunicação. Como estamos falando de uma eleição para governo que tende ser de dois turnos, Flávio Dino corre o sério risco de “rodar” em 2018 e, quiçá, nem mesmo ir para o segundo turno, o que é pouco provável, mas não deixa de ser uma possibilidade.

Roseana Sarney 15 – Com quatro mandatos de governadora no currículo, a pré-candidata do MDB ainda é um incógnita. O seu grupo jura de pés juntos que a “Guerreira” será candidata, ainda que ela mesma faça questão de deixar no ar o suspense se disputará ou não um quinto mandato. Roseana Sarney tem partido, grupo político consolidado, experiência e conhece cada liderança política dos 217 municípios deste estado. Conta a lenda que ela tem um “caderno” com o nome de todos as lideranças do interior do Maranhão. Ocorre que só o currículo, o carisma e esse tal “caderno de lideranças” não são suficientes para fazer a “mdebista” entrar de cabeça no processo eleitoral de 2018. Roseana quer garantias de que pelo menos terá presença num eventual segundo turno. O cientista Antônio Lavareda está fazendo uma pesquisa/estudo sobre a viabilidade do projeto “Roseana governadora-15”. Se pintar algo tragicamente parecido com 2014, a “Branca” tira pra fora e vai cuidar da vida lá pras bandas dos Estados Unidos e deixará todo o grupo Sarney a ver navios dali da casa do Calhau. Mas a maioria do MDB e dos seus aliados afirmam que Roseana será sim candidata a governadora. A conferir.

Roberto Rocha 45 – De volta ao ninho tucano, de onde muitos acham que nunca deveria ter saído, o senador Roberto Rocha é pré-candidato a governador e poderá ser o maior pesadelo do governador Flávio Dino. Eleito na mesma conjuntura de “mudança” do comunista, Roberto foi levado a romper com o seu ex-companheiro de chapa por pura inabilidade do governador que se acha sabido acima da média. Agora no comando de um grande partido, com um candidato competitivo a presidente de República e potencialmente candidato numa grande coligação partidária, Roberto Rocha tem tudo para crescer durante a campanha propriamente dita e surpreender no processo eleitoral. Além de conhecer cada palmo desse estado, saber interpretar o Maranhão em números e estatísticas, Roberto tem feito um excelente mandato de senador e tem muito o que mostrar durante o campanha. O tucano se consolida a cada dia para ser a candidato que irá aglutinar, numa terceira via, os desiludidos com o comunismo de Flávio Dino e desencantados com o sarneysismo de Roseana.

Maura Jorge 19 – Ex-prefeita de Lago da Pedra e ex-deputada estadual, Maura tem um característica fundamental para quem deseja encarar uma eleição majoritária: coragem. A loira dos “zói ingatinhado” quer jogo e está disposta ir mesmo para guerra eleitoral de 2018 pelo Podemos. A única duvida que paira sobre o projeto “Maura governadora-19” é saber se o deputado federal Aluísio Mendes irá mesmo dar a legenda para pré-candidata consolidar a sua candidatura, pois há quem diga que o parlamentar pode dar um “zignal” na mulher por achar que não tem chance de ser reeleger numa chapa liderada por ela. Contudo, se derem asas para Maura a mulher vai longe, pois sabe voar como uma águia.

Ricardo Murad 44 – O ex-secretário de Saúde saiu na frente. Foi o único pré-candidato que encerra o ano de 2017 não apenas com o nome certo para a disputa eleitoral do ano que vem como apresentou, para a sociedade, propostas que constarão no seu plano de governo. Ricardo Murad não pode de jeito nenhum ser subestimado. Inteligente, focado, articulado e experiente, o pré-candidato do PRP tem muito o que mostrar durante a campanha, principalmente o grandioso trabalho que fez quando esteve à frente da Secretaria de Estado da Saúde. Ricardo Mura tem o mérito de debater sobre qualquer assunto que seja provocado, além de não fugir de temas que possam lhe causar algum incômodo. O fato é que mesmo não tendo um partido com tempo no horário gratuito, Ricardo Murad deverá ocupar cada espaço que lhe for oferecido para poder apresentar suas propostas à população, além de fazer da redes sociais a sua grande trincheira de campanha.

Eduardo Braide 33 – Bom, ainda que apareça em todas as pesquisas de intenção de voto para governador, o deputado estadual Eduardo Braide ainda não disse com todas as letras que deseja ser candidato a governador em 2018. Na verdade o deputado vem “surfando” bem na onda do recaal das eleições municipais de 2016 quando surpreendeu meio mundo e por pouco não virou prefeito de São Luis. Ocorre que Braide é inteligente e sabe que a “zebra” de 2016 na capital não é fácil de acontecer em 2018 numa eleição estadualizada. Daí que tem dito que prefere disputar uma vaga de deputado federal e voltar “de com força” na próxima eleição de prefeito em 2020. Seja como for, caso consiga viabilizar um partido ou uma coligação que lhe proporcione um tempo no horário eleitoral, Braide pode dar trabalho para muita gente por aí.

Esta é opinião do Blog do Robert Lobato sobre as pré-candidaturas ao governo do Maranhão.

Na próxima será a dos pré-candidatos ao Senado Federal.

Até lá.