Robert Lobato agora também na DIFUSORA AM 680 2

Não temos dúvida de que será, além de muito interessante, um programa que vai cair facilmente no gosto popular porque, além de sair do mesmismo, terá na irreverência e na boa polêmica suas características mais marcantes!

Estreou ontem, segunda-feira, 14, o programa “Espaço Rádio Capital” ancorado por Robert Lobato com participações dos jornalistas Ricardo Santos e Mônica Alves, ambos também blogueiros.

O programa ainda está em fase experimental e deve passar por adaptações técnicas até chegar ao estágio, digamos, definitivo – inclusive o nome do programa ainda é provisório.

A ideia é fazer uma programa dinâmico e com um conteúdo diversificado indo da política, cotidiano, humor, comportamento, mulher, economia, gestão, entre outros assuntos de interesse da sociedade. Teremos ainda entrevistas e notícias direto de várias regiões do estado e de Brasília.

O programa está dentro da grade da Difusora AM após o gesto do empresário Lobão Filho, que em solidariedade à agressão sofrida pela Rádio Capital no mês passado, quando a emissora teve todo o seu patrimônio vandalizado, disponibilizou vários espaços na sua rádio a profissionais da Capital.

Não temos dúvida de que será, além de muito interessante, um programa que vai cair facilmente no gosto popular porque, além de sair do mesmismo, terá na irreverência e na boa polêmica suas características mais marcantes.

Contamos com vocês das segundas-feiras às sextas-feiras, sempre das 17h às 18h, na Rádio Difusora AM 680 ou pelo Facebook através do endereço Difusoraam Slz.

E “vamo que vamo”!

Governo Flávio Dino tentou alugar a rádio Capital, antes de ser destruída, revela senador Roberto Rocha 4

O senador lembra que podem ser apenas coincidências, mas disse que existe algo muito estranho no estado.

via blog do Diego Emir

O senador Roberto Rocha (PSDB), segue inconformado com o crime praticado contra a imprensa e a liberdade de expressão, após a rádio Capital AM ter sido destruída na última terça-feira (24). O tucano inclusive trouxe uma revelação: “eles queriam alugar a rádio Capital, tentaram por diversas vezes através de grupos. Eu disse que não alugava, mas poderia arrendar alguns horários. Após diversas tentativas e negativas minhas, acontece isso”.

Questionado quem seriam “eles”, Roberto Rocha revelou se tratar de membros do governo Flávio Dino. Na opinião do senador os comunistas queriam controlar mais um veículo de comunicação no Maranhão e a rádio Capital AM fazia parte desse plano.

Na última terça-feira (24), outro fato chamou atenção do tucano. O embaixador de Israel, Yossi Shelley, concederia uma entrevista ao vivo nos estúdios da rádio, porém os transmissores foram destruídos naquela manhã. O israelita não foi recebido pelo governador Flávio Dino e o PCdoB vem fazendo uma campanha nacional contra os judeus.

Roberto Rocha lembra que podem ser apenas coincidências, mas disse que existe algo muito estranho no estado. “O que aconteceu foi da maior gravidade. O Maranhão se transformou em uma Venezuela”, declarou.

O parque de transmissão da Rádio Capital localizado no Parque Timbira foi invadido por cerca de 30 invasores de terra armados com facas e pedras. A torre de transmissão foi derrubada, tirando o sinal da emissora do ar. Os equipamentos de transmissão foram furtados, e a casa que abrigava os transmissores foi depredada, causando um prejuízo avaliado em R$ 200.000. A emissora entrou com uma ação de reintegração de posse para os invasores desocuparem o terreno.

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão repudiou a ação em nota oficial, afirmando que “é lamentável que pessoas, independentemente do seu propósito, venham a perpetrar atos de violência em detrimento da integridade patrimonial de uma concessionária de serviço público”.

A rádio Capital AM é uma das mais antigas em atividade no Maranhão. Criada em 1947 por Gérson Tavares, a emissora foi inicialmente chamada de Ribamar. No fim da década de 70, Raimundo Vieira da Silva adquiriu o veículo de comunicação e em 1985, o ex-governador Luís Rocha entra na sociedade.

No ano de 1995, a Rádio Ribamar muda de nome e passa a se chamar Rádio Capital.

Sobre o ataque à Radio Capital e o silêncio do governo 2

Tudo é muito estranho nesse episódio, ainda mais quando acontece exatamente quando há uma acirramento político no estado em virtude da pré-candidatura do senador Roberto Rocha ao governo do Maranhão em 2018 pelo PSDB, partido que deixou a base de Flávio Dino e agora caminha para a oposição

O terreno onde funciona as instalações, equipamentos, materiais e até a torres de transmissão da Rádio Capital, em São Luis, foi alvo de ação de vândalos, ontem, 28, no que pode ser considerada uma das ações mais agressivas contra a liberdade de imprensa no Maranhão jamais vista antes.

Ninguém é irresponsável para atribuir tamanho ato de selvageria à questões políticas por contada emissora pertencer à família do senador Roberto Rocha (PSDB). Mas tudo é muito suspeito uma vez que não há indícios que o intuito dos vândalos fosse roubar ou furtar o patrimônio da rádio.

A quem interessaria destruir a Rádio Capital tirando do ar uma das emissoras de maior audiência em São Luis? Que tempos são estes em que vivemos no Maranhão onde até meios de comunicação não alinhados aos atuais mandatários do governo do estado são destruídos da forma mais covarde e suspeita possível? Por que autoridades públicas do estado, inclusive o governador Flávio Dino (PCdoB) através da Secretaria de Comunicação, ao quiçá da sua Assessoria de Imprensa, opta por um silêncio ensurdecedor diante tão grave acontecimento que fere de morte a própria democracia no estado?

Não podemos esquecer que até pouco tempo atrás, a Rádio Capital era a única emissora de São Luis onde o hoje governador do Maranhão tinha total acesso antes de chegar ao Palácio dos Leões. Na verdade não só o comunista, mas todas as lideranças do campo de oposição ao grupo Sarney!

E não vale usar a situação de crise administrativa que a Rádio Capital enfrenta para explicar ou justificar o ato de terrorismo contra a emissora. Aliás, muito dessa crise por que passa a rádio é justamente porque ela vem sofrendo retaliações por pertencer à família do senador Roberto Rocha, logo não tem recebido, ou recebe a contra-gotas, os recursos a que tem direito por anunciar os informes publicitários do Governo do Estado e da Prefeitura de São Luis.

O fato é que tudo é muito estranho nesse episódio.

Ainda mais quando acontece exatamente no momento em que há um acirramento político no estado em virtude da pré-candidatura do senador Roberto Rocha ao governo do Maranhão em 2018 pelo PSDB, partido que deixou a base de Flávio Dino e agora caminha para a oposição.

Crime: Em nota, Abert condena “ação arbitrária” contra a Rádio Capital “que afronta liberdade de imprensa”

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), divulgou nota condenando a ação de um bando, ainda não identificado, que depredou os transmissores da Rádio Capital, uma das emissoras mais tradicionais do Maranhão conhecida e reconhecida pela sua linha editorial democrática e equilibrada, que por anos foi a única rádio em que agentes de todas as correntes de pensamento de político tinham acesso aos seus microfones.

Mas, por incrível que possa parecer, justamente no atual momento político em que passa o Maranhão, cujo governo foi eleito sob o signo da “mudança”, a Rádio Capital tem sido submetida à humilhação de não receber os anúncios publicitários pelos órgãos públicos estaduais aos quais presta os seus serviços, além de ser diuturnamente agredida por agentes “oficiosos” a serviço de quem manda e desmanda nas verbas públicas da comunicação governamental.

O Blog do Robert Lobato comentará amanhã sobre essa questão da Rádio Capital. Aguardem!

A seguir, a nota da ABERT.

Em tempo: a própria Rádio Capital também divulgou no nota sobre o ataque que sofreu. Veja: