ELEIÇÕES 2018: Ex-vereador e pré-candidato a deputado federal João Bentivi avalia o momento atual do PSDB no MA 6

O médico, advogado, jornalista, músico, ex-vereador e um porrada de coisa a mais, João Bentivi, nos brinda com um contundente artigo em que faz uma avaliação factual sobre a situação atual do PSDB à luz do projeto majoritário dos tucanos ao governo e ao Senado da República para as eleições de 2018. Confira.

O caminho do PSDB

por João Bentivi

“Nenhum de nós tem dúvida de que as lideranças maiores desse partido são Roberto Rocha e Sebastião Madeira e, muito mais ainda, que o senador Roberto Rocha é o nosso pré-candidato a governador. Caso existam dúvidas, se resumem a dupla postulante ao senado, com três postulações e somente duas vagas. Essa disputa senatorial demonstra a vitalidade do PSDB.”

O PSDB já tem serviços prestados ao povo do Maranhão. Foram muitos. Alguns estão no partido desde os primórdios, sem arredar o pé, como Jaime Santana, Afonso Salgado, Sebastião Madeira e Júlio Simões. Outros, como eu e o senador Roberto Rocha, pelas contingências naturais da política, andamos noutros ares e voltamos ao lar, para contribuir, somar e construir. Muitos outros se achegaram a nós, como os nossos deputados Waldyr Maranhão, José Reinaldo e Alexandre Almeida.

A ideia central é simples: um forte PSDB para o bem do Maranhão. E não estava fora de tempo. Basta verificar a desmoralização desse partido em tempo recente, quando, para saborear uma farofa chamada vice-governadoria, deixou de ser um partido e transformou-se em um almoxarifado fedorento do Palácio dos Leões.

Porém mudou. Sebastião Madeira e Roberto Rocha, com dificuldades enormes, quase intransponíveis, conseguiram trazer o PSDB à tona e ao respeito perdido. Hoje constitui-se um ator relevante e respeitável no pleito que se aproxima.

A reação contra foi previsível e, acima de tudo, até criminosa. As notícias falsas tentaram torpedear o nosso pré-candidato. De onde vieram? Foram espontâneas? Será que se originaram na Casa Branca, no Vaticano ou nos Leões. Com dois neurônios funcionando, se chega a essa resposta. Todos nós temos acima de dois neurônios.

Foi-se mais além. O PSDB, em nome de um projeto maior para o Maranhão, transformou-se no abrigo dos magoados e traídos. São muitos, mas me refiro, especialmente, aos deputados Waldyr Maranhão e José Reinaldo. Não me cumpre, porém, nominar o/os seu(s) traidor(es), mas que foram escorchados, maltratados e traídos, isso o foram.

O que foi pedido para eles e para cada um de nós que entramos ou voltamos para o PSDB? Praticamente nada, pois o ideário do partido, para o Maranhão, está muito além de ideologismos e questiúnculas pessoais. Todo bom maranhense deveria pensar com e como pensa o PSDB.

Uma premissa, porém, é a chave do sucesso e ninguém pode desconhecê-la ou descurá-la: TEMOS CANDIDATO A GOVERNADOR.

Nenhum de nós tem dúvida de que as lideranças maiores desse partido são Roberto Rocha e Sebastião Madeira e, muito mais ainda, que o senador Roberto Rocha é o nosso pré-candidato a governador. Caso existam dúvidas, se resumem a dupla postulante ao senado, com três postulações e somente duas vagas. Essa disputa senatorial demonstra a vitalidade do PSDB. E aquele não escolhido sem dúvida compreenderá essa decisão.

Assim, não resta dúvida da nossa possibilidade de êxito. Os nossos adversários sabem disso e os nossos correligionários possuem o dever e a obrigação de saber. O verbo saber, nesse particular, rima com obediência, bom senso, inteligência, nativismo e gratidão. Não sei dizer qual o substantivo mais importante, mas acho bem bonita e agradável a palavra gratidão.

WALDIR MARANHÃO: Se eu tiver a honra de ser um dos candidatos a senador pelo PSDB é lógico que a questão da suplência será discutida com o presidente do partido” 6

O deputado federal Waldir Maranhão começa incomodar adversários e passa a ser vítima das chamadas fake news.

Totalmente engajado no projeto local e nacional do PSDB, partido que o acolheu no limite do prazo da tal janela partidária, Waldir tem percorrido o Maranhão na caravana liderada pelo senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha, que também é presidente estadual do tucanato maranhense.

Waldir Maranhão tem a consciência de que o PSDB tem uma chapa majoritária fechada para governo e para o Senado Federal, mas, claro, tem o direito de se movimentar no sentido que quiser sem o açodamentos no processo de diálogos e atropelos de companheiros de partido.

Ocorre que o carisma, popularidade e liderança de Waldir Maranhão despertam a maledicência dos adversários instalados no Palácio do Leões que agora passaram a escolher até o suposto suplente de senador do ex-presidente da Câmara dos Deputados.

“Se eu tiver a honra de ser um dos candidatos a senador pelo PSDB é lógico que a questão da suplência será discutida em primeiríssimo lugar com o presidente do partido e pré-candidato a governador Roberto Rocha. Quem me conhece sabe que jamais atropelaria um processo dessa magnitude. Não tenho mais idade para brincar de fazer politica”, disse o deputado ao Blog do Robert Lobato.

As declarações de Waldir Maranhão rechaçam, portanto, a falsa informação de que ele estaria anunciando o nome do ex-prefeito e ex-deputado estadual Zé Genésio para primeiro primeiro suplente numa eventual candidatura ao Senado Federal.

O PT e o PSDB e a responsabilidade com o país (OU: Um caso de amor mal resolvido) 20

O PT e o PSDB parecem estar condenados a se encontrarem em algum momento da história, pois ambos têm responsabilidade com este país. E isso serve também para o caso do Maranhão.

Acompanhem algumas frases históricas de expoentes do PT e do PSDB. Volto em seguida.

“O José Dirceu é um candidato forte, preparado, mas ele tem consciência de que, se houver possibilidade de fazer aliança nacional [com o PSDB], nós poderemos rediscutir” (Lula, Folha de S. Paulo, 21 de fevereiro de 1994).

“Começou a nascer a possibilidade de uma aliança dada a essa proximidade. Esse acordo eleitoral era natural já que estávamos trabalhando juntos na CPI que investigou as denúncias de corrupção do governo Collor. Começamos a perceber que tínhamos pontos em comuns” (Senador Tasso Jereissati, então presidente do PSDB em 1994).

Folha de S. Paulo, 16 de abril de 1993.

“O PT é que tem problema de consciência em fazer aliança com o PSDB. Nós não temos” (Sérgio Guerra, ex-senador e ex-presidente do PSDB, já falecido).

Muito menos do que levar em conta a atitude do Mário Covas em 89 [na época, o senador pelo PSDB-SP apoiou a candidatura de Lula no segundo turno da eleição presidencial], nós temos que levar em conta a história política do Mário Covas.
Eu pessoalmente sou amigo do Covas. Será levado em consideração o passado político do Mário Covas (Lula ao defender apoio a Mário Covas no 2º da eleição para o governo de SP em 1994).

Folha de S. Paulo, 21 de fevereiro de 1994.

“É possível uma aliança PT-PSDB, A luta entre os dois partidos é política, não ideológica”(FHC em conversa gravada com o então ministro do PT, Cristóvão Buarque, em 2008).

Comigo novamente
Pode parecer uma heresia ou mesmo um ato de insanidade alguém achar que é possível um diálogo entre o PT e o PSDB nos dias atuais, mas nunca foi tão importante uma retomada de afagos civilizados entre petistas e tucanos como os postadas acima.

PT e PSDB nasceram na mesma maternidade, o estado de São Paulo. Ainda que cerca de dez anos mais velho do que o PSDB, muitos dos atuais tucanos viram o nascimento do PT e por pouco não ajudaram no parto desse que é maior partido de massa do país – o PSDB foi fundado em 1988 após ruptura de muitos quadros com o PMDB.

Fosse feito um teste de DNA, não há dúvidas que o resultado mostraria uma compatibilidade genética e ideológica impressionante entre os dois partidos.

Na sua essência, o PT é um partido social-democrata de esquerda para os padrões latino-americanos, mas se tivesse nascido na Europa seria um força social-democrata clássica. O partido nunca foi comunista, marxista ou mesmo um parido socialista radical, mesmo possuindo correntes internas que se identificam como tais ideologias.

Já o PSDB é um partido de centro e o PT, de certa forma, o empurrou mais um pouco para a direita coisa que os tucanos aceitaram ao longo da história voluntária ou involuntariamente.

Caso de amor mal resolvido

Em 1994, por pouco tucanos e petistas não “casaram” na eleição de presidente e até hoje não possível saber de fato quem deixou quem esperando no altar. O resultado do vacilo foi a eleição de Fernando Henrique Cardoso numa coligação conservadora, com o antigo PFL na vice, mas que renderia bons resultados para o país, principalmente no tocante à economia.

Passados dois mandatos de FHC, foi a vez de Lula comandar o país também sustentado por uma coalização conservadora, com o PMDB na vice, mas, aproveitando a estabilidade econômica deixada pelo sucessor tucano, fez uma verdadeira revolução social neste país.

A famosa e bem sucedida experiência PT/PSDB no Acre, em pleno governo FHC, foi um “case” de sucesso político que poderia ter servido de referência para outros estados brasileiros.

Porém, o Acre não é um estado que joga um peso político no conjunto do país, caso contrário muito provavelmente outras experiência do tipo seriam “exportadas” pelo Brasil afora. Aliás, aqui mesmo no Maranhão houve uma bem sucedida aliança entre petistas e tucanos. Foi na cidade de Açailândia onde prefeito Ildemar Gonçalves (PSDB) teve como vice Antônio Erismar (PT) por dois mandatos numa aliança marcada por muito companheirismo e lealdade,

O fato é que o PT e o PSDB parecem estar condenados a se encontrarem em algum momento numa dessas esquinas da história, pois ambos têm responsabilidade com este país.

É preciso acabar com esse caso de amor mal resolvido entre o PT e o PSDB, antes ou depois das eleições de 2018.

E isso serve também para o caso do Maranhão.

PENSAR O MARANHÃO: ITV e PSDB realizam ciclo de debates sobre potencialidade de regiões do estado 6

O “Pensar o Maranhão” também servirá para reunir elementos, dados, informações e estudos que formarão as bases para elaboração do plano de governo a ser apresentado à sociedade maranhense pela coligação liderada Roberto Rocha.

“Pensar o Maranhão” é nome de um ciclo de debates temáticos que visa discutir o estado partir das potencialidades socioeconômicas de cada região.

Promovido pelo Instituto Teotônio Vilela (ITV) e o Diretório Estadual do PSDB, a primeira versão do projeto “Pensar o Maranhão” aconteceu na última sexta-feira, 27, em São Luís, com a participação da classe empresarial, políticos e a sociedade civil organizada, temas que ajudem a fomentar o desenvolvimento econômico no estado. A primeira região a ser debatida foi a dos Guarás.

Estiveram presentes no evento representantes da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão – FIEMA; Universidade Federal do Maranhão(UEMA); Administração Hidroviária do Nordeste – AHINOR (DNIT); Banco do Nordeste (BNB); Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (CODEVASF); Associação Comercial do Maranhão (ACM); Câmara Municipal de São Luís; Instituto Teotônio Vilela (ITV); imprensa maranhense; empresários locais e filiados do PSDB-MA.

O projeto é coordenado pelo presidente estadual do PSDB, senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha, e conta ainda com a colaboração de aliados como os deputados federais José Reinaldo Tavares e Waldir Maranhão, além de outros quadros do PSDB local.

O “Pensar o Maranhão” também servirá para reunir elementos, dados, informações e estudos que formarão as bases para elaboração do plano de governo a ser apresentado à sociedade maranhense pela coligação liderada Roberto Rocha.

VÍDEO: À vontade na reunião da bancada do PSDB, José Reinaldo e Waldir Maranhão falam sobre Geraldo Alckmin

Além de José Reinaldo e Waldir Maranhão, o senador Roberto Rocha também marcou presença na reunião da bancada tucana no Congresso Nacional

Os deputados federais José Reinaldo Tavares e Waldir Maranhão, ambos do PSDB, participaram, nesta quarta-feira, 25, da reunião da bancada do partido no Congresso Nacional com a participação do ex-governador de São Paulo e pré-candidato a presidente de República, Geraldo Alckmin.

Muito à vontade na reunião, os dois neotucanos elogiaram o preparo político e capacidade de gestão de Geraldo e demonstraram confiança na eleição do ex-governador Paulista para presidente do Brasil.

Para José Reinado é “impressionante como ele [Geraldo] entende as condições do Nordeste, a pobreza, é um médico acostumado a tratar das pessoas; de forma que é candidatura muito forte e tem muitos compromissos comigo entre os quais de combater a pobreza no nosso estado”.

Waldir Maranhão, por sua vez, afirmou “que foi uma reunião de trabalho onde o nosso pré-candidato a presidente colocou para todos nós a sua agenda, a sua compreensão sobre o Brasil, aquilo que a boa política exige de cada um nós, ou seja, compromisso com o povo. Portanto, esta reunião foi o ponto de partida para chegarmos à presidência de República oferecendo segurança, trabalho, coerência e acima de tudo lealdade”.

Além de José Reinaldo e Waldir Maranhão, o senador Roberto Rocha também marcou presença na reunião da bancada tucana.

Confira os vídeos gravados pelo jornalista Enio Borgmana

ELEIÇÕES 2018: Geraldo Alckmin escolhe o Maranhão para dar o pontapé inicial da sua pré-campanha a presidente 6

Para o presidente estadual do PSDB, senador Roberto Rocha, a escolha do Maranhão como primeiro estado do Nordeste a ser visitado por Geraldo Alckmin é um sinal de que o estado terá um tratamento de destaque pelo Palácio do Planalto, caso os tucanos voltem a comandar o país

O ex-governador de São Paulo e pré-candidato a presidente da República, Geraldo Alckmin (PSDB), escolheu o Maranhão para ser o primeiro estado nordestino que irá visitar.

O tucano participará de dois eventos na capital maranhense nesta fase de pré-campanha, ambos no dia 5 de maio.

Primeiro, o pré-candidato participará, às 8h30, da inauguração da sede do Diretório Estadual do PSDB, localizada na Praia da Ponta d’Areia; Em seguida, às 10h30, Geraldo dirige-se para o Centro de Convenções do Multicenter Sebrae para encontro com lideranças do PSDB local, quando são esperadas dezenas de caravanas vindas de todas as regiões do estado.

Para o presidente estadual do PSDB, senador Roberto Rocha, a escolha do Maranhão como primeiro estado do Nordeste a ser visitado por Geraldo Alckmin é um sinal de que o estado terá um tratamento de destaque pelo Palácio do Planalto, caso os tucanos voltem a comandar o país.

“Nos deixa não só mais animados no projeto que temos para o Maranhão, mas sobretudo orgulhosos em receber o governador Geraldo Alckmin aqui no nosso estado, na nossa capital São Luis. Ao escolher o Maranhão como primeiro estado nordestino para visitar na condição de pré-candidato a presidente da República, Geraldo dá uma clara demonstração de que, uma vez eleito, o Maranhão terá um tratamento de destaque pelo governo federal, o que é muito importante para alcançarmos um outro patamar de desenvolvimento”, disse Roberto, que é pré-candidato a governador.

Os tucanos maranhenses não apenas querem recepcionar o presidenciável do 45 no estado, mas fazer da visita do Geraldo Alckmin um dos maiores atos políticos do PSDB, no país, nesta fase pré-campanha a presidente da República.

Waldir Maranhão é recebido pela bancada do PSDB na Câmara dos Deputados 4

Waldir Maranhão agradeceu a receptividade dos parlamentares do PSDB e fez um reconhecimento do gesto feito por Roberto Rocha, que é o presidente estadual do partido, em não ter criado nenhuma dificuldade ou pedido qualquer contra partida a sua filiação.

A bancada do PSDB na Câmara dos Deputados recepcionou com alegria e respeito um dos mais novos filiados do partido, o deputado Waldir Maranhão.

O ato foi realizado na liderança do partido na Câmara e contou com a presença significativa dos parlamentares tucanos, incluindo o senador Roberto Rocha, a quem coube fazer a apresentação político do novo quadro tucano.

Aos presentes, Waldir Maranhão agradeceu a receptividade dos parlamentares do PSDB e fez um reconhecimento ao gesto feito por Roberto Rocha, que é o presidente estadual do partido, em não ter criado nenhuma dificuldade ou pedido qualquer contra partida a sua filiação.

“É com muita honra, satisfação, alegria e principalmente humildade, que venho cerrar fileiras no PSDB, um partido o qual sempre tive muito respeito e boa relação com seus quadros tanto no meu estado Maranhão quanto aqui na Câmara. Agradeço a calorosa acolhida que recebo aqui neste ato e aproveito para fazer um justo reconhecimento ao presidente estadual do PSDB no Maranhão, o senador Roberto Rocha, que em nenhum momento criou dificuldades ou exigiu qualquer contrapartida para que eu entrasse no partido. Contem com o deputado e amigo Waldir Maranhão daqui em diante”, disse o neotucano.

Waldir Maranhão se filou ao PSDB após ser vetado no PT a mando do governador Flávio Dino. A seguir, alguns flagrantes do evento.

ELEIÇÕES 2018: Roberto Rocha é o entrevistado do programa Avesso desta terça-feira

O senador Roberto Rocha (PSDB) é o entrevistado, logo mais, no programa Avesso, da TV Guará.

Entrevistado pelo jornalista Américo Azevedo, o parlamentar tucano vai tratar sobre a conjuntura política do Maranhão, o saldo do PSDB depois da fim do prazo da janela partidária e também sobre o andamento da sua pré-campanha para o governo do Maranhão.

A entrevista vai ao ar às 22h30.

Vale aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: Roberto Rocha mais fortalecido 20

E muito provavelmente esse fortalecimento tende a crescer até as convenções de agosto quando alguns partidos se somarão ao PSDB no projeto político-eleitoral liderado pelo senador

Finalizado o prazo da tal janela partidária, o saldo político do senador Roberto Rocha (PSDB) é pra lá de positivo.

O tucano articulou várias filiações importantes que sem sombra de dúvida favorecem a consolidação de um novo campo político no Maranhão.

Roberto Rocha, além de ter um partido forte, agora possui um grupo político que disputará a eleições de 2018 com chances reais de vitória.

Nomes de novos filiados como os deputados federais José Reinaldo e Waldir Maranhão, os deputados estaduais Alexandre Almeida, Wellington do Curso e Graça Paz, além do vereador de São Luis, Estevão Aragão, e a permanência de lideranças do porte de Sebastião Madeira, Pinto Itamarary e Ildemar Gonçalves não deixam dúvidas de que o PSDB e o pré-candidato a governador Roberto Rocha saíram fortes desse processo.

E muito provavelmente esse fortalecimento do Roberto tende a crescer até as convenções de agosto quando alguns partidos se somarão ao PSDB no projeto político-eleitoral liderado pelo senador.

O fato é que inegável que Roberto Rocha e o seu PSDB entram nessa nova fase de pre-campanha muito mais vitaminados politicamente.

Mais do que uma vitória do tucano e seus aliados, trata-se, sobretudo, de uma vitória da compreensão de que o Maranhão não está condenado ao bipartidarismo entre sarneysistas e anti-sarneysistas.

O Maranhão não é em branco e preto.

O Maranhão é colorido.

Esse é o recado que fica com a consolidação de uma nova corrente de pensamento instaurada no nosso estado a partir do fortalecimento do projeto Roberto Rocha governador-45.

É aguardar e conferir.