IMPERATRIZ: Em vídeo, prefeito Assis Ramos reconhece ações parlamentares do senador Roberto Rocha em prol do município 2

O gestor imperatrizense foi agradecer as inúmeras ações parlamentares, entre obras estruturantes e sociais, que Roberto tem realizado em prol da segunda maior cidade do estado.

O prefeito de Imperatriz, Assis Ramos (MDB), foi recebido pelo senador Roberto Rocha (PSDB) no seu gabinete em Brasília. O encontro ocorreu na tarde de ontem, terça-feira, 19.

O gestor imperatrizense foi agradecer as inúmeras ações parlamentares, entre obras estruturantes e sociais, que Roberto tem realizado em prol da segunda maior cidade do estado.

Participaram da reunião ainda os senadores tucanos Antônio Anastasia e Plínio Valério, representes dos estados de Minas Gerais e Amazonas, respectivamente, além da primeira-dama de Imperatriz Janaína Ramos.

Confira o vídeo de agradecimento e reconhecimento do prefeito Assis Ramos ao trabalho do senador Roberto Rocha com imagens do jornalista jornalista Ênio Borgmann.

AGORA É OFICIAL: Roberto Rocha é o novo líder do PSDB no Senado 4

Se o estado do Maranhão for colocado em primeiro lugar, se as picuinhas políticas e as patrulhas de costume forem deixadas de lado, tipos de coisas que podem inviabilizar que a bancada possa trabalhar unida, com certeza o povo maranhense só terá a ganhar.

O senador Roberto Rocha foi aclamado, nesta quarta-feira, 6, como o novo líder do PSDB no Senado Federal.

Roberto ficará por dois anos na função de líder e terá o papel não apenas de encaminhar as questões referentes a projetos nas votações na casa, mas ainda trabalhar pela unidade da bancada, além de fazer a interlocução política dos senadores tucanos junto à presidência do Senado e também junto ao Palácio do Planalto.

Com Roberto Rocha líder, o Maranhão ganha protagonismo considerável no Senado Federal uma vez que a senadora Eliziane Gama foi escolhida a líder da bancada do PPS e o senador Weverton Rocha vai liderar a bancada do PDT.

Se o estado do Maranhão for colocado em primeiro lugar, se as picuinhas políticas e as patrulhas de costume forem deixadas de lado, tipos de coisas que podem inviabilizar que a bancada possa trabalhar unida, com certeza o povo maranhense só terá a ganhar.

O Blog do Robert Lobato parabeniza o senador Roberto Rocha, bem como os seus colegas Eliziane Gama e Weverton Rocha.

BIKE E SERVIDORES: Wellington do Curso defende nomeação de aprovados em todos os concursos no Maranhão 4

Ao abordar a situação dos servidores públicos, o deputado Wellington destacou que permanecerá na luta pela concessão do reajuste que já foi conquistado juridicamente pelos servidores.

Na primeira sessão, o deputado Wellington do Curso (PSDB) mostrou mais uma a sua irreverência.

Após chegar de bike para o trabalho na manhã desta terça-feira, 5, o deputado tucano subiu na tribuna para se pronunciar em defesa dos servidores públicos e da nomeação dos aprovados em concursos. Entre os que realizaram concursos, há os candidatos da Polícia Militar e Civil, DETRAN, EMAP, SEGEP, entre outros.

Ao abordar a situação dos servidores públicos, o deputado Wellington destacou que permanecerá na luta pela concessão do reajuste que já foi conquistado juridicamente pelos servidores.

“Um novo mandato começa e, com ele, as nossas forças são renovadas para continuarmos firmes em defenda dos servidores públicos que sofrem a tentativa de golpe do governador Flávio Dino e da retirada de 21,7 %, além dos concursados que aguardam nomeação. Na Assembleia Legislativa, continuaremos defendendo direitos e não favores. Continuaremos firmes na defesa dos idosos, pessoas com deficiência, animais, dos mais vulneráveis. O nosso gabinete permanece de portas abertas e à disposição daqueles que estudaram e se dedicaram para ingressar no serviço público. Contem comigo!”, disse o professor e deputado Wellington do Curso.

Nem Dino e nem Sarney

Outra questão que colocou Wellington do Curso na pauta política e da imprensa foi a sua decisão de não integrar nem o bloco da base do governo nem o de oposição, preferindo se manter independente.

A decisão, segundo o deputado, justifica-se pelo fato dele ter evidenciado que permanecerá atento e fiscalizando a correta aplicação do dinheiro público, tendo apenas um lado: o do povo.

“O nosso posicionamento é independente, sem amarras com Flávio Dino e, muito menos, com Sarney. Estamos em defesa do povo. Votaremos e aprovaremos projetos em defesa do povo, independentemente de ser ou não proposta da Base. Não iremos amarrar nosso mandato popular a ninguém. Muito já fizemos e iremos fazer mais.  Não sou Dinista e nem Sarneyzista. Meu compromisso não é com Flávio Dino nem com Sarney, mas com o povo do Maranhão. O nosso mandato tem dono: o povo do Maranhão. Tenho independência e coerência política, pois eu só tenho um lado e é ao lado do povo que vou continuar”, disse.

Senador do PSDB defende que Senado descumpra decisão de Toffoli

Presidente do STF determinou que seja secreta a votação que vai definir o novo presidente do Senado, neste sábado (2)

Por Renan Truffi, Camila Turtelli e Mariana Haubert, do Estadão Conteúdo

Brasília – O senador Plinio Valério (PSDB-AM) defendeu, neste sábado (2) que o Senado descumpra a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que resolveu atender ao pedido formulado pelo Solidariedade e pelo MDB e determinou que seja secreta a votação que vai definir o novo presidente do Senado.

“Temos uma oportunidade de mostrar independência e não cumprir essa decisão monocrática do ministro Toffoli. Vejo esse episódio como uma oportunidade do Senado mostrar ao País que sabe e entende o seu tamanho”, afirmou.

Em artigo, senador Tasso Jereissati defende que o “parlamento tem de entender resultado das urnas” 2

Um dos senadores mais respeitado do parlamento brasileiro, com bom trânsito em todas as correntes políticas, Tasso Jereissati pode ser o ponto de equilíbrio não somente entre o Legislativo e o Executivo, mas também o Judiciário e demais instituições da República, ainda mais numa conjuntura pós-eleição bastante radicalizada.

O senador Tasso Jereissati, na Convenção Nacional do PSDB em 2017 – Pedro Ladeira – 9.dez.17/Folhapress.

O senador Tasso Jereissati (PSDB/CE) escreveu um contundente artigo para o jornal Folha de São Paulo, publicado na edição desta segunda-feira, 14.

Candidato a presidente do Senado Federal, Tasso sustenta que o Congresso Nacional deve compreender o resultado das urnas.

“Estamos numa rara janela de oportunidade para desenhar um novo pacto constitucional entre os Poderes e, para tal, é necessário que o Parlamento, independente e altivo, compreenda o resultado das urnas”, escreveu.

Um dos senadores mais respeitado do parlamento brasileiro, com bom trânsito em todas as correntes políticas, Tasso Jereissati pode ser o ponto de equilíbrio não somente entre o Legislativo e o Executivo, mas também o Judiciário e demais instituições da República, ainda mais numa conjuntura pós-eleição bastante radicalizada.

A seguir o Blog do Robert Lobato reproduz o artigo do senador Tasso Jereissati. Confira.

Janela de oportunidade

O eleitor brasileiro deu um claro recado de que não suporta mais viver sob o jugo de um Estado dirigista, provedor de privilégios para uns e de privações para outros. Clama por uma política de simplificação tributária, de controle dos gastos públicos e combate permanente à hipertrofia do Estado que levou à bola de neve da estagnação econômica.

No seu dia a dia, o cidadão pode até não saber formular com clareza sua demanda, mas, ao votar na proposta mais distante do establishment político, deixou patente que não suporta mais conviver com a falta de atendimento à saúde, à educação, com o transporte público ineficiente, sem segurança e, principalmente, com os escândalos de corrupção que tomaram conta da cena política.

Para fazer frente a tantos e urgentes desafios, o mundo político não pode fazer de conta que essa mensagem foi dirigida apenas ao Executivo. Trata-se de um recado também ao Legislativo e ao Judiciário.

O mesmo eleitor que votou para presidente votou também, com o mesmo sentimento, para os seus representantes no Congresso, de quem se esperam demonstrações de distanciamento do jogo de toma lá dá cá, que se tornou quase um padrão nas relações com o Executivo.

As grandes reformas estruturantes, da Previdência, fiscal, e trabalhista, assim como tantas outras de não menor importância, são pautas que exigem atitude republicana de deputados e senadores.

Combater o patrimonialismo e o corporativismo, enfrentar a ferida absurda da desigualdade social, ao mesmo tempo criando um ambiente democrático favorável à livre iniciativa e aos negócios, com segurança jurídica, são exigências morais que não podem estar condicionados a jogos de interesses paroquiais. Sem as reformas, ninguém conseguirá governar, seja o presidente, sejam os governadores ou os prefeitos.

Para conseguir obter consenso na reforma da Previdência, a mãe de todas as reformas, o governo terá que lidar com a maior fragmentação partidária da história do Parlamento. Somente no Senado, foram 15 os partidos que obtiveram assentos. Mesmo considerando fusões inevitáveis, o Parlamento brasileiro apresenta-se com uma das maiores fragmentações partidárias do planeta, perdendo apenas para Papua-Nova Guiné.

E não se espere que tamanha fragmentação seja o reflexo do contraste do nosso quebra-cabeça coletivo. Agremiações parecem não ter um autêntico lastro social que resulte no acesso dessa miríade de partidos às cadeiras do Parlamento. A governabilidade já é comprometida na origem pela ausência de uma maioria estável, exigindo tratativas e negociações com uma base tão heterogênea que se traduz em alto custo político do processo decisório.

Em democracias consolidadas e maduras, o partido mais votado alcança em torno de 40% do total dos votos. No Senado, o mais votado, o MDB, alcançou só 14,8%. Vale lembrar que para aprovar uma PEC (proposta de emenda constitucional) são necessários 60% dos votos. Isso indica as dificuldades enormes de articulação política que terá o novo governo. Sem contar o fato de que, das 54 vagas em disputa neste ano, 46 serão ocupadas por novos nomes.

Mas devemos ter presente que o momento que vivemos não é um soluço no tempo. É fruto de camadas de ressentimentos populares contra o que se tornou a imagem da política e dos políticos. A população, pelo voto, não apenas elegeu seus novos representantes, mas definiu uma carta de navegação para a ética política, à qual estamos todos sujeitos, independente do espectro político que ocupemos. Sendo o Legislativo o poder originário, o único em que todos os seus membros se submetem à vontade coletiva, devemos ser também os primeiros a auscultar o ânimo que brota do voto democrático e soberano da cidadania.

Esse quadro torna ainda mais importante a eleição de um presidente do Senado capaz de se constituir de fato como o representante máximo do Parlamento frente à sociedade. Cabe a ele a interlocução com os meios de comunicação, autoridades, sindicatos, empresas e representantes diplomáticos. Estamos numa rara janela de oportunidade para desenhar um novo pacto constitucional entre os Poderes e, para tal, é necessário que o Parlamento, independente e altivo, compreenda o resultado das urnas.

VÍDEO: Wellington é contra alta no preço de combustíveis e impede votação de projeto de Flávio Dino que aumenta impostos no Maranhão

Na tarde desta segunda-feira (03), o deputado estadual Wellington do Curso articulou para que proposta do governo do estado que aumenta impostos no Maranhão não fosse votada. Trata-se do Projeto N° 239/2018, que aumenta mais uma vez os impostos e iria ser apreciado já na tarde de hoje, caso o deputado Wellington não fizesse intervenção em defesa do povo do Maranhão. A votação foi adiada para a próxima quarta-feira.

Caso o Projeto seja aprovado, nos casos de produtos como gasolina, refrigerante, energéticos, isotônicos, embarcações de esporte e de recreação – inclusive esquis aquáticos, kites e jets skis – o ICMS a ser cobrado passa de 25% para 28,5%. Além disso, o projeto acrescenta óleo diesel e biodiesel à lista de produtos que recebem um adicional de dois pontos percentuais na alíquota do mesmo ICMS, subindo de 16,5% para 18,5%.

Sobre a situação, o deputado Wellington deixou claro o seu voto em defesa do povo e contrário ao aumento de impostos.

“Em 2016, votei contra o aumento dos impostos e vou votar contra novamente. Hoje, Flávio Dino tentou dar um golpe em todos nós. Com muita luta, conseguimos barrar o projeto hoje, mas será votado na próxima quarta-feira. Você, trabalhador maranhense, é o nosso convidado para essa votação. Vamos juntos dizer não ao aumento de impostos”, disse o deputado a Wellington.

Confira o vídeo onde o parlamentar tucano faz um resumo final da sessão

PAÇO DO LUMIAR: Eduardo Bruno surpreende em enquete para prefeito

Eduardo Bruno.

O jovem dirigente do PSDB, Eduardo Bruno, está surpreendendo numa enquete promovida pelo blogueiro Neto Cruz sobre a preferência dos leitores para prefeito de Paço do Lumiar – O blog do Neto Cruz é um dos mais acessados do Paço Lumiar e da Região Metropolitana de São Luis.

Embora não tenha valor científico, chama atenção o desempenho de Eduardo Bruno na referida enquete, principalmente porque ele nunca afirmou que será candidato a prefeito de Paço do Lumiar.

Até a última vez que o editor deste blog viu o resultado da enquete, já tinham 1.220 votos e Eduardo Bruno aparecia em segundo lugar com 13% dos votos, atrás apenas do empresário Fred Campos, que também é advogado e ex-vereador de Paço do Lumiar, logo não é difícil entender porque ele lidera a enquete até aqui.

O desempenho de Eduardo Bruno é tamanho que muitas pessoas, nos grupos de WhatsApp, perguntam curiosos sobre “quem é Eduardo Bruno?”.

A depender das enquetes e do “zum zum zum” que o seu nome está despertando, não vai demorar para o povo de Paço do Lumiar saber quem de fato é Eduardo Bruno.

Contudo, para saber um pouco sobre esta jovem e promissora liderança da nova geração de políticos maranhenses clique aqui.

E para participar da enquete do blog do amigo Neto Cruz basta acessar aqui.

Declaração de voto de Roberto Rocha repercute no O Antagonista: “Que o PT e o PSDB ouçam o clamor das ruas e refaçam seus destinos” 14

O tucano Roberto Rocha — derrotado na disputa ao governo do Maranhão, mas com mandato garantido de senador até 2023 — declarou voto em Jair Bolsonaro no segundo turno da corrida presidencial.

Ele escreveu que o Brasil caminha para “tempos ainda incertos, mas a população já deu uma demonstração de que não aceita que o velho continue dominando a política”.

“Manifesto meu voto em Jair Bolsonaro, sem pedir nada em troca. Mas apenas me associar à vontade geral do povo, para que brote o novo dos escombros do velho. E que os derrotados, tanto o PT quanto o PSDB, ouçam o clamor das ruas e refaçam seus destinos.

D’O Antagonista.