Secretario-geral do PPS e coordenador da campanha de Eliziane Gama prega voto contra Bolsonaro e declara apoio a Haddad 2

As declarações de Gledson Brito aumentam a polêmica sobre a posição da senadora eleita em relação ao segundo turno da eleição presidencial, já que num primeiro momento ela  declarou voto a Haddad.

O secretário geral do PPS e coordenador da campanha da senadora eleita Eliziane Gama, historiador e professor Gledson Brito, usou suas redes sociais para pregar voto contra o o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e declarar apoio ao candidato petista Fernando Haddad (PT).

“Enquanto agente político e secretário geral do PPS declaro que sou crítico do PT, mas que entendo que a agenda defendida pelo candidato Jair Bolsonaro é uma afronta à democracia e a tudo que defendo. Por isso formalmente ajudarei e apoiarei Fernando Haddad”, postou no Twitter.

O professor afirmou ainda que fará “campanha ostensiva contra Bolsonaro”.

As declarações de Gledson Brito aumentam a polêmica sobre a posição da irmã em relação ao segundo turno da eleição presidencial, já que num primeiro momento Eliziane Gama declarou voto a Haddad, mas foi imediatamente desautorizada pelos “coronéis” e “mercadores” evangélicos que desejam patrulhar a postura da senadora eleita.

Pelo que apurou o Blog do Robert Lobato, porém, a adesão a candidatura Haddad deve ser seguida de uma grande estrutura política e eleitoral que sustentou a campanha dentro do eleitorado da irmã, inclusive no setor evangélico, onde deve surgir muitas frentes aos eleitores de Bolsonaro.

É aguardar e conferir.

SENADO 2018: O fato de Eliziane Gama ser ficha limpa incomoda Weverton Rocha 8

A blogosfera ligada ao nosso querido “Maragato” terá que se virar para construir uma narrativa convincente de que ele é merecedor do voto dos maranhenses.

Ao que parece, o candidato a senador Weverton Rocha (PDT) se incomoda com a narrativa usada pela campanha da sua companheira de chapa, Eliziane Gama (PPS), ser ficha limpa.

Blogs ligados ao pedetista não disfarçam esse incômodo.

Ora, a campanha da irmã está correta em explorar as suas qualidades políticos, ainda mais numa conjuntura onde a população está sedenta por políticos honestos e que combatem a corrupção.

Quem coordena a comunicação de Eliziane Gama é o cientista político e consultor de marketing eleitoral, o competente Juliano Corbellini, que tem explorado corretamente o fato da candidata do PPS ser uma política de conduta ética ilibada.

Cabe aos blogueiros ligados a Weverton Rocha se virarem para construir uma narrativa convincente de que ele é merecedor do voto dos maranhenses. Mas a maioria da turma “maragatista” está mais preocupada é com a conta bancária.

E caso não consigam a proeza de construir uma imagem mais amena para nosso querido “Maragato”, certamente a candidata Eliziane Gama passará ser alvo do máquina de moer reputação bancada pelo comunas pró-Weverton Rocha.

É aguardar e conferir.

SENADO 2018: As complicações jurídicas de Weverton Rocha e o carisma de Eliziane Gama 20

O parlamentar do PDT tende a passar a campanha inteira enfrentando processos nos tribunais superiores, inclusive com pedidos de impugnação da sua candidatura. Isso é péssimo!

O deputado federal Weverton Rocha (PDT) teve negado, pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), um recurso interposto contra decisão anterior do mesmo magistrado, na qual havia determinado a remessa imediata do Inquérito 3.394, relacionado à suposta prática de peculato, corrupção passiva e corrupção ativa, às Varas Criminais Federais da Seção Judiciária do Distrito Federal/DF.

No pode parecer, ao menos momentaneamente, algo positivo para o líder pedetista do ponto de vista de jurídico, já que o processo continua perambulando pelo Distrito Federal, do ponto de vista político é muito ruim para quem está em pré-campanha para o Senado Federal.

Weverton Rocha tende a passar a campanha inteira enfrentando processos nos tribunais superiores, inclusive com pedidos de impugnação da sua candidatura. Isso é péssimo.

As acusações que pesam contra o parlamentar pedetista são graves, muito graves, gravíssimas!

Enquanto isso, a sua companheira de chapa, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS), navega em águas calmas nesta fase de pré-campanha no que diz respeito à questões jurídicas, éticas e morais.

A irmã faz uma pré-campanha alegre, simples, sem ostentações, sustentada apenas no seu carisma e na força que possui no meio evangélico e mesmo entre setores dos movimentos sociais.

Se depender exclusivamente da força e do carisma de Eliziane Gama, e não houver conspirações “amigas”, com certeza ela entrará na campanha propriamente dita com um grau de competitividade muito grande.

E sem ter que ficar com um olho na campanha e outro nos tribunais.

Como é o caso de Weverton Rocha, o nosso querido Maragato…

SENADO 2018: Mesmo sem o apoio de partidos da base de Flávio Dino, Eliziane Gama lança pré-candidatura 6

Se não ocorrer um erro de percurso, ou ser enganada pelo seu campo político, Eliziane Gama caminha para uma campanha onde pode ter reais chances de vitória.

Apesar de ainda não contar com o apoio declarado de boa parte dos partidos da base do governador Flávio Dino (PCdoB), a  deputada federal Eliziane Gama (PPS) conseguiu reunir algumas das principais lideranças políticas nessa fase de pré-campanha em evento ocorrido, na manhã do último sábado, 16, no Rio Poty Hotel.

Recebida com carinho por centenas populares e lideranças políticas vindas de várias regiões do estado, Eliziane oficializou a sua pré-candidatura ao Senado Federal no ato politico que contou com a presença do governador Flávio Dino (PCdoB), do vice-governador Carlos Brandão (PRB) e do prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT).

Além das lideranças do seu grupo político, o ato reuniu cerca de 40 prefeitos, vários ex-prefeitos, a maioria dos secretários de Governo, deputados estaduais e federais.

Se não ocorrer um erro de percurso, ou ser enganada pelo seu campo político, Eliziane Gama caminha para uma campanha onde pode ter reais chances de vitória.

É aguardar e conferir.

SENADO 2018: Fogo amigo contra Eliziane Gama? 6

Enquanto os “inimigos íntimos” de Eliziane conspiram contra a sua pré-candidatura, ela segue consolidando e ampliando a sua caminhada rumo à Câmara Alta do Congresso Nacional

A imagem acima circulou pelas redes sociais, principalmente em grupos de WhatsApp.

De imediato gerou uma discussão a partir de quem interessaria pichar os muros da cidade de Timon com frases que visam claramente atingir o projeto da deputada federal Eliziane Gama (PPS) rumo ao Senado Federal.

Pelo que o Blog do Robert Lobato pôde observar nas discussões dos grupos de WhatsApp, a principal suspeita recai sobre “aliados” da irmã ligados ao Palácio dos Leões, mas precisamente dos que ainda insistem com a candidatura de senador do deputado estadual Bira do Pindaré (PSB).

Mas, enquanto os “inimigos íntimos” de Eliziane conspiram contra a sua pré-candidatura, ela segue consolidando e ampliando a sua caminhada rumo à Câmara Alta do Congresso Nacional, como mostra o blog do colega Marco D’Eça.

Confira AQUI.

SENADO 2018: Eliziane Gama deve ter líder negro como suplente 10

Na avaliação dos apoiadores de Walter Maresia, o nome do líder negro soma na chapa de Eliziane não somente por atender uma parcela importante da sociedade, que são as comunidades quilombolas em geral, mas por ser uma pessoa do povo, bem articulado nas comunidades carentes tanto da capital quanto do interior

O PPS pode caminhar para ter dois membros do PPS como protagonista na chapa ao Senado Federal nas eleições de 2018.

Com a deputada federal Eliziane Gama à frente como candidata titular, chama-se Walter Maresia o provável primeiro suplente da irmã na chapa liderada pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Nascido em São Luís, ex-menino de rua, 53 anos, Walter Maresia foi aluno da escolinha São João Batista, da Igreja São João Batista, na rua da Paz, dirigida pelo padre Marcos Passerini, sacerdote e missionário comboniano. E conta, emocionado, parte da sua luta de vida construída com muita dificuldade e superação.

“Eu tinha tudo para dar errado na vida e talvez pudesse estar em Pedrinhas hoje. Negro, pobre, excluído da sociedade, mas nunca desistir da vida e da boa conduta. Ainda jovem fui flanelinha na rua da Paz nas vizinhanças da igreja São João, mas tive minha primeira experiência profissional primeira experiência com as crianças de rua de São Luís sendo aluno da professora Eliane Feitosa Rego Posso dizer que sou um sobrevivente da barbárie social que os excluídos sofrem”, desabafa.

Maresia é militante do movimento negro e atualmente é gestor Agrário da Secretaria de Estado da Igualdade Racial. Ele conta com apoio de expressivas lideranças do PPS para compor a chapa de senador na condição de primeiro suplente de Eliziane Gama.

Na avaliação dos apoiadores do projeto “Walter Maresia primeiro-suplente”, o nome do líder negro soma na chapa de Eliziane não somente por atender uma parcela importante da sociedade, que são as comunidades quilombolas em geral, mas por ser uma pessoa do povo, bem articulado nas comunidades carentes tanto da capital quanto do interior.

O fato é que o nome do “poeta negro”, Walter Maresia, está posto na mesa.

E deve conquistar mais mais e mais simpatizantes ao longo da pré-campanha.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: O drama de Eliziane Gama 2

Não se sabe se o presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire, dará mais um “habeas corpus” para a moça, que já saiu e voltou para partido fazendo juras de amor e quase cantando aquela música de Roberto Carlos que diz assim: “eu voltei, agora pra ficar porque aqui, aqui é meu lugar”

A deputada federal e pré-candidata a senadora Eliziane Gama (PPS) enfrenta um drama daqueles que só Jesus na causa.

A irmã acalenta o sonho de ser a anunciada como o segundo nome do governador Flávio Dino ao Senado Federal e fazer parelha com o também deputado federal Weverton Rocha (PDT), já anunciado como candidato número um do governador, no que seria uma chapa do sagrado com o profano.

Ocorre que Eliziane é do PPS, partido que dificilmente ficará no palanque de reeleição de Flávio Dino (PCdoB). E não se sabe se o presidente nacional do partido, deputado Roberto Freire, dará mais um “habeas corpus” para a moça, que já saiu e voltou para partido fazendo juras de amor e quase cantando aquela música de Roberto Carlos que diz: “eu voltei, agora pra ficar porque aqui, aqui é meu lugar”.

O fato é que, além de Flávio Dino já ter dito para vários interlocutores que não confia em Eliziane Gama, a pré-candidata ainda enfrenta, repito, o drama de não saber qual partido pode viabilizar o seu projeto de senadora da República.

Ao final do processo, nossa amada irmã pode ficar sem mel e sem cabaça…

ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino e suas dificuldades com os “Roberto” 2

Se depender de alguns “Roberto” o governador Flávio Dino não terá vida fácil rumo ao pretenso segundo mandato ao Palácio dos Leões

O governador Flávio Dino (PCdoB) não ter lá muita sorte com os “Roberto”, seja local ou nacionalmente.

No plano nacional, dois “Roberto” não toleram o comunista maranhense por razões basicamente políticas e ideológicas.

Roberto Freire, presidente nacional do PPS, tem problemas históricos com o comunismo do PCdoB. Logo nunca foi fácil a sua relação com Flávio Dino, ainda que a deputada federal Eliziane Gama, do mesmo partido do Roberto, faça de tudo para agradar o chefão comunista e tentar arrancar um apoio dele ao seu projeto de candidata ao Senado Federal.

Ao que tudo indica, o PPS de Roberto Freire deverá seguir com o PSDB de Geraldo Alckmin para presidente da República, daí que é muito pouco provável que o partido esteja no palanque da reeleição de Flávio Dino uma vez que os tucanos terão o seu próprio palanque de governador e, por conseguinte, o mesmo de Alckmin.

Outro “Roberto” que não dá refresco para o governador do Maranhão é o presidente nacional do PTB, o polêmico Roberto Jefferson.

Crítico ácido do comunismo e das ideologias de esquerda em geral, Roberto Jefferson teve papel central no imbróglio da indicação/contraindicação do deputado federal Pedro Fernandes para o Ministério do Trabalho.

Jefferson, que parece ter jogado uma casca de banana para parlamentar maranhense que, primeiro demonstrou-se “surpreso” pela tal indicação, para logo em seguida demonstrar “perplexidade” com suposto veto, não dá qualquer sinal de que deseja ver o PTB no arco de aliança com o PCdoB.

Por fim, um outro “Roberto” que pode dar muita dor de cabeça para Flávio Dino é o seu ex-aliado nas eleições de 2014, o atual senador Roberto Rocha (PSDB).

Eleitos juntos numa aliança que propunha um “pacto geracional” para derrotar o grupo Sarney, Roberto e Flávio estão rompidos principalmente em virtude da falta de habilidade política do comunista, que desde a eleição do seu colega para o Senado Federal passou a vê-lo como adversário e logo tratou de criar um ambiente para o distanciamento.

O resultado dessa postura de Flávio Dino foi a perda do PSDB e a consequente candidatura de Roberto Rocha ao governo do Maranhão este ano, uma candidatura que promete debates homéricos e definitivos entre o comunista e o tucano.

Como se pode ver, se depender de alguns “Roberto” Flávio Dino não terá vida fácil rumo ao pretenso segundo mandato ao Palácio dos Leões.

É aguardar e conferir.