TIMON PRESENTE: Único representante de Timon na AL, Rafael Leitoa será líder do governo Dino

Habilidoso politicamente, bem relacionado com os seus colegas de plenário, bom tribuno, enfim, tudo indica que Rafael Leitoa vai tirar de letra a missão de liderar a bancada governista pelos próximos dois anos.

A partir de ontem, segunda-feira, 4, o deputado Rafael Leitoa passou a ser o único representante de Timon na Assembleia Legislativa do Maranhão. Até a última legislatura Rafael dividia bancada com o agora ex-deputado Alexandre Almeida (PSDB), que nas eleições de 2018 tentou uma vaga de senador da República, não obteve êxito.

Além de único representante de Timon, um dos maiores e mais importantes municípios do Maranhão, o Rafael carregará sobre os ombos a responsabilidade política de ser o líder do governo Flávio Dino (PCdoB) no parlamento maranhense.

O anúncio foi feito pelo governador Flávio Dino, na tarde desta segunda-feira, 4, no Palácio dos Leões, em ato que contou com a presença do próprio Rafael Leitoa, além do presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Othelino Neto (PCdoB) e o deputado estadual Marcelo Tavares (PSB).

“Tenho certeza que, agora como líder, o deputado Rafael Leitoa será um porta-voz da visão do Governo acerca dos rumos que o Maranhão deve permanecer a trilhar, buscando o cumprimento de metas sociais, que ampliem os direitos da população”, assegurou o governador Flávio Dino.

Habilidoso politicamente, bem relacionado com os seus colegas de plenário, bom tribuno, enfim, tudo indica que Rafael Leitoa vai tirar de letra a missão de liderar a bancada governista pelos próximos dois anos.

O Blog do Robert Lobato deseja sucesso para o deputado timonense.

Frente de esquerda sem o PT é coisa para a direita ver 4

Lutar pela bandeira do “Lula livre” não impede que o Haddad lidere uma pauta oposicionista com a responsabilidade de quem disputou a presidência da República a partir de um programa democrático, republicano e moderado.

Que o PT errou muito isso até muitos petistas não sectários estão carecas de saber. Assim como acertou muito também. Aliás, não seria exagero algum afirmar que o Brasil com o PT, mesmo antes do partido eleger Lula presidente, incluiu várias pautas caras na sociedade brasileiras que eram completamente estranhas ao país pré-PT.

Nesse sentido, é um equívoco monumental alguns partidos de esquerda acharem ser possível a construção de “Frente de Esquerda” isolando o PT. Aliás, é mais do que um equívoco: é uma desonestidade histórica com o partido.

Nesse sentido, Fernando Haddad está correto ao afirmar que “Frente de esquerda sem o PT ou é miopia ou uma esquerda que não é tão esquerda assim”.

O ex-candidato petista a presidente da República, derrotado no segundo turno por Jair Bolsonaro, fazia alusão à articulação encabeçada por Ciro Gomes (PDT), que conta ainda com o PCdoB e setores do PSB.

Mas, se por um lado Haddad está correto na sua ironia sobre a tal “Frente de Esquerda” sem o PT, por outro erra ao não assumir de uma vez por todas o papel de líder da oposição da esquerda democrática ao futuro governo.

Lutar pela bandeira do “Lula livre” não impede que o Haddad lidere uma pauta oposicionista com a responsabilidade de quem disputou a presidência da República a partir de um programa democrático, republicano e moderado.

Ao ficar vacilando na sua condição de liderança de oposição, Haddad cria um vácuo que aos poucos vai sendo ocupando por atores como Ciro Gomes e outros.

Não é demais lembrar que o próprio Lula já “lançou” Fernando Haddad como principal liderança oposicionista logo após o resultado do segundo turno da eleição presidencial. Deve o petista, portanto, tomar para si o papel que a eleição de 2018 lhe deu ou vai perder o bonde da história para algum aventureiro de esquerda ou disfarçado de esquerda, o que é pior.

Enfim, a verdade é que “Frente de Esquerda” sem o PT, de esquerda de fato não é.

É apenas coisa para a direita ver.

José Trajano: “Esse PDT é uma mentira. Não confiem nele!”

O texto do jornalista expressa um pouco da crise que os principais partidos da esquerda e centro-esquerda atravessam, que não é de agora, mas parece ter se intensificado com a onda conservadora que tomou conta do país nas eleições de 2018.

Considerado um dos mais respeitados jornalistas do Brasil, José Trajano bateu forte no PDT sob o comando de Carlos Lupi. Sobrou para muita gente.

Publicado no seu blog com o título “Esse PDT é uma mentira. Não confiem nele!”, o artigo de Trajano é uma espécie de desabafo de um pedetista “quem vem de longe”, mas que atualmente expressa decepção com o partido fundado por Leonel Brizola.

“O verdadeiro PDT morreu. Brizola, Darcy, Doutel, Abdias e tantos outros companheiros teriam vergonha do PDT de agora. Fernando Brito com certeza. Hoje é um partido cínico e sem caráter.”, escreveu.

O texto do jornalista expressa um pouco da crise que os principais partidos da esquerda e centro-esquerda atravessam, que não é de agora, mas parece ter se intensificado com a onda conservadora que tomou conta do país nas eleições de 2018.

Confira a íntegra do artigo de José Trajano.

Esse PDT é uma mentira. Não confiem nele!

Cara de pau, o PDT querer se passar por partido de esquerda ou centro-esquerda e de oposição ao ex-capitão, conforme discurso do seu presidente

Não estou falando do Ciro e sim do partido. O Ciro é outra conversa, não é pedetista histórico. Não vem de longe como muito de nós. Só que fala uma coisa e o partido faz outra. Dizem que se entendem, não é verdade.

Afirmo que é uma mentira porque fui orgulhosamente pedetista, ao lado de Brizola e Darcy Ribeiro, nos anos 1980. Aquele, sim, era um partido, com erros e acertos, é verdade.

Agora, vejam só:

Seis deputados federais votaram pelo impeachment da Dilma.
Três candidatos a governador no segundo turno apoiaram o ex-capitão. Não se elegeram.
O deputado que entra na vaga do Onyx , o ex-jogador gaúcho Washington, se diz fechado com o coiso.O candidato a governador no Rio fará parte da equipe do Witzel.
O líder na Câmara Federal promete fazer ‘oposição propositiva’, se é que isso é oposição.
Os dois únicos dois senadores que possui votaram a favor do aumento do Judiciário.
O líder na Assembleia Estadual do Rio é preso na propinolândia.

Cara de pau, o PDT querer se passar por partido de esquerda ou centro-esquerda e de oposição ao ex-capitão, conforme discurso do seu presidente.

Não é de hoje que me envergonho ao ver gente eleita pela sigla se aliar ao que há de pior e votar contra o trabalhador brasileiro, se encostando no PDT, partido trabalhista, inspirado no PTB de Getúlio, Jango, Alberto Pasqualini e Brizola.
‬ E é o partido que quer levar Ciro ao poder.

O verdadeiro PDT morreu. Brizola, Darcy, Doutel, Abdias e tantos outros companheiros teriam vergonha do PDT de agora. Fernando Brito com certeza. Hoje é um partido cínico e sem caráter.

Brizola, como você faz falta!

APARECEU A MARGARIDA: De volta ao país, Ciro Gomes publica seu “pensar sobre 2018” 2

Nesta segunda-feira, 29, Ciro Gomes usou a sua rede social do Facebook para fazer uma breve avaliação do processo eleitoral de 2018

O ex-candidato a presidente Ciro Gomes (PDT), enfim deu caras após um mergulho na Europa assim que terminou o primeiro turno da eleição presidencial quando ficou em terceiro lugar com 12,47% dos votos válidos, que corresponde a 13.344.366 votos.

O petista Fernando Haddad, que ficou sem segundo lugar no pleito, assim como os principais coordenadores da campanha do PT, aguardaram o tempo todo por um apoio aberto e engajado de Ciro Gomes no segundo turno como forma de derrotar Jair Bolsonaro, mas o pedetista preferiu tirar pra fora do país.

Nesta segunda-feira, 29, Ciro Gomes usou a sua rede social do Facebook para fazer uma breve avaliação do processo eleitoral de 2018 e, no melhor estilo Ciro Gomes, desejou boa sorte para o presidente eleito Jair Bolsonaro e num tom meio enigmático declarou que “a oposição que nasce, não se confunde com forças que só defendem a democracia ao sabor de seus interesses mesquinhos ou crescentemente inescrupulosos ou mesmo despudoradamente criminosos”.

Confira íntegra da postagem de Ciro Gomes.

MEU PENSAR SOBRE 2018

A um democrata verdadeiro o que se impõe após o segundo turno é simplesmente reconhecer a vitória eleitoral daquele que teve a maioria relativa dos votos do povo brasileiro.

Para mim, que cultivo a correção de conduta, impõe-se, também, desejar boa sorte ao presidente eleito Jair Bolsonaro para que ele possa fazer o melhor pela sofrida nação brasileira.

Que execute o honroso mandato que a maioria dos brasileiros e brasileiras lhe outorgou dentro das regras da Constituição Federal e do estrito respeito às normas do Estado de Direito Democrático.

Que não pense o senhor presidente eleito, nem de longe, em violar o respeito que deve ao conjunto da nação, independentemente de configurarem minorias ou grupos sociais críticos às suas posturas. Só assim merecerá o respeito à autoridade que adquiriu nas eleições.

Fora disto, nos enfrentará, a todos nós que lhe movemos oposição dentro do marco da decência e do espírito público. Essa oposição que nasce, não se confunde com forças que só defendem a democracia ao sabor de seus interesses mesquinhos ou crescentemente inescrupulosos ou mesmo despudoradamente criminosos.

Kátia por Kátia 2

Esse pessoal não tem projeto. O projeto deles é um projeto rancoroso, para vingar o impeachment. Eu lutei contra o impeachment, não era mais fácil eu ficar lá perto do PT? Mas as coisas não são assim, não. A gente tem que ter responsabilidade. Eu não apoiei o PT no impeachment. Eu apoiei a Dilma. Lutei pela democracia, porque aquilo não se faz.

Revista Istoé: Os seis milhões e o dedo de Ciro Gomes 12

Há quem suspeite que o escândalo revelado pela edição da revista IstoÉ, desta semana, teria o dedo do presidenciável Ciro Gomes (PDT).

O motivo seria a contrariedade do candidato pedetista não apenas com o PT,  já que considera que o partido operou forte para esvaziar a sua candidatura, mas principalmente com o candidato a senador Weverton Rocha, deputado federal e presidente estadual do PDT, que trocou Ciro Gomes pelo petista Fernando Haddad, segundo informações do site O Antagonista, de 17 de outubro de 2018 . Veja:

Resumindo: Nosso querido “Maragato” teria 6 milhões de motivos para trair Ciro Gomes.