ELEIÇÕES 2018: O protagonismo de Sebastião Madeira 16

O ex-prefeito deve sair de Imperatriz faturando no mínimo a casa dos 50 mil votos. Como se trata de uma liderança consolidada na Região Sul/Tocantina, o tucano facilmente conquistará outros 50 mil em outras localidades.

O ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB), terá um papel de protagonista nessas eleições de 2018.

Tucano da gema, político experiente e hábil articulador, Madeira não sairá somente como um dos deputados federais mais votados do pleito de outubro, quiçá o mais votado, mas também como um ator político que ajudou a construir as bases para a consolidação de um projeto que pode sair vitorioso das urnas. Aliás, para começo de conversa, Madeira teve papel central na tomada do PSDB do controle do vice-governador Carlos Brandão, que queria manter o partido sob o julgo do PCdoB do governador Flávio Dino. A entrada do líder imperatrizense nessa questão foi fundamental para consolidar o nome do senador Roberto Rocha na presidência do tucanato maranhense.

Bom de voto

Qualquer prognóstico eleitoral modesto dá conta de que Sebastião Madeira tem, de largada, cerca de 100 mil votos para deputado federal!

“Como assim, Bob, tá maluco?”, pode questionar um leitor desatento.

Pois bem. Explico.

Madeira deve sair de Imperatriz faturando no mínimo a casa dos 50 mil votos. Como se trata de uma liderança consolidada na Região Sul/Tocantina, o tucano facilmente conquistará outros 50 mil em outras localidades.

Do Itinga, na fronteira com o Pará, a Riachão, próximo ao município de Balsas; De Imperatriz a Barra do Corda e Fernando Falcão, Madeira terá votos que possibilitará, sim!, sair das urnas como o deputado federal mais votado do Maranhão, pois estamos falando de nada menos de 35 cidades!

O fato incontestável é que Madeira tem condições de romper a barreira dos 100 mil votos na largada,

E o que vier depois disso é para cravar o tucano como o deputado federal campeão de votos em 2018.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino perambula pelo Senado e implora apoio a Agripino Maia pelo DEM 22

Assim que tiver o desfecho da questão do DEM no Maranhão, o Blog do Robert Lobato irá contar o que está por trás da investida desesperada de Flávio Dino pela legenda de direita que nada tem a ver com os ideários do PCdoB. Mas já adianta: não tem nada a ver com os minguados 17 segundos de propaganda de rádio e tevê que o DEM possui.

O governador Flávio Dino (PCdoB) foi visto no início da tarde desta quarta-feira, 21, perambulando pelo Anexo II do Senado Federal.

O comunista, segundo apurou o Blog do Robert Lobato, estava a caminho do gabinete do senador Agripino Maia (DEM/RN). O ex-presidente nacional do DEM ainda é dos que resistem à ideia de levar o partido para o palanque do PCdoB no Maranhão.

Blogs alugados para o Palácio dos Leões voltaram a propagar durante todo o dia, que o DEM fechou questão com o governador Flávio Dino, ainda que não haja uma única declaração do atual presidente da sigla, o prefeito de Salvador, ACM Neto, assegurando tal informação.

Assim que tiver o desfecho da questão do DEM no Maranhão, o Blog do Robert Lobato irá contar o que está por trás da investida desesperada de Flávio Dino nessa legenda de direita que é completamente oposta aos ideários e princípios do PCdoB.

Mas este editor já adianta: nada tem a ver com os minguados 19 segundos de propaganda de rádio e tevê que o DEM possui.

Vale a pena aguardar.

ELEIÇÕES 2018: DEM ainda em disputa 6

Fortes movimentos de bastidores nesta semana, em Brasília, pode ocasionar numa reviravolta surpreendente nessa disputa partidária com reflexos políticos devastadores nas hostes dinistas

Engana-se quem pensa que a questão do Democratas no Maranhão já está resolvida. Não está!

A disputa pela legenda direitista ainda segue em disputa entre os deputados federais Juscelino Resende, atual presidente do partido e pró-aliança com o PCdoB de Flávio Dino, e o também deputado federal José Reinaldo Tavares, que deseja ver o DEM longe do colo comunista.

Os “demos vermelhos”, que desejam estar no palanque de reeleição do governador, já estiveram mais fortes e certos de que entregariam a mercadoria para o Palácio dos Leões.

Porém, fortes movimentos de bastidores nesta semana, em Brasília, pode ocasionar numa reviravolta surpreendente nessa disputa partidária com reflexos políticos devastadores na seara dinista.

Vale aguardar e conferir.

Da direita à esquerda, todos querem Lula fora da disputa de 2018, inclusive Flávio Dino 4

Não é segredo para ninguém que o governador maranhense sonha em ocupar um espaço na esquerda brasileira ao custo do infortúnio do ex-presidente petista.

Na semana passada, durante um evento com petistas e aliados, o ex-presidente Lula fez um desabafo que incomodou muitos dos presentes.

Na avaliação do líder petista, não somente os setores mais conservadores e de direita o querem ver preso e fora da disputa eleitoral de 2018, mas o próprio campo das esquerdas e aliados históricos do PT.

“Não me iludo de que somente a direita quer me ver preso e fora da disputa pela presidência da República em 2018. A esquerda também deseja isso porque quer apresentar alguém para ocupar o vácuo deixado pela minha ausência na eleição e tirar proveito do legado do Lula”, disparou. Aliás, na quinta-feira, 1º de maio, Lula deixou bem claro isso na longa entrevista concedida à Folha de SP, mas não tão bem claro quanto na reunião com lideranças e aliados políticos em portas fechadas.

Um petista maranhense presente ao evento, assegurou ao Blog do Robert Lobato que a declaração de Lula incomodou muitos aliados, inclusive do PCdoB, que tem a deputada Manuela D’Ávila como pré-candidata a presidente da República.

Segundo o petista, o vice-presidente nacional do PCdoB, Walter Sorrentino, resmungou para um camarada ao lado: “Porra, agora o Lula exagerou”. Mas, será que Lula exagerou mesmo?

O Blog do Robert Lobato entende que não, pelo contrário, Lula está certíssimo e gente, da direita à esquerda, realmente o querem fora da disputa de 2018, inclusive Flávio Dino, do mesmo PCdoB de Sorrentino,

Ora, não é segredo para ninguém que o governador maranhense sonha em ocupar um espaço na esquerda brasileira ao custo do infortúnio do ex-presidente petista.

Só que, de besta, Lula não tem nada…

ELEIÇÕES 2018: “DEM com o PCdoB é casamento de jacaré com cobra d´água”, diz dirigente nacional do DEM 8

A conversa com o Blog do Robert Lobato foi via ligação por WhatsApp, mas o dirigente demista pediu sigilo da fonte porque o partido ainda não bateu o martelo sobre a situação no Maranhão

O Blog do Robert Lobato conversou, na manhã desta segunda-feira, 5, com um dirigente nacional do Democratas, com mandato em Brasilia, sobre a possível aliança entre o partido com o PCdoB.

O dirigente não conversou muito e cravou essa: “DEM com o PCdoB é casamento de jacaré com cobra d´água”. Na política essa expressão é usada para denominar alianças em que dois grupos que se juntam são, em geral, adversários ou mesmo inimigos políticos.

O Blog do Robert Lobato quis saber ainda se o prefeito de Salvador, ACM Neto, que será o futuro presidente do partido, teria a disposição de entregar o partido no Maranhão para o comunista Flávio Dino, no que o dirigente respondeu que acha pouco provável, principalmente porque os aliados de Flávio Dino na Bahia fazem oposição sistemática não somente ao prefeito, mas a todos os políticos do DEM no estado.

“Na minha opinião, acho pouco provável [aliança do DEM com o PCdoB] até porque todos os aliados de Flávio Dino são adversários do ACM Neto na Bahia e lutam sistematicamente para derrotá-lo no estado, então não faz sentido no Maranhão o prefeito fazer um gesto desse para o governador do Maranhão Aliás, duvido se o velho ACM estivesse vivo se isso sequer iria para a mesa de negociação”, assegurou fazendo referência ao lendário ex-governador e ex-senador Antônio Carlos Magalhães, já falecido, avô de de ACM Neto.

A conversa foi via ligação por WhatsApp, mas o dirigente demista pediu sigilo da fonte porque o partido ainda não bateu o martelo sobre a situação no Maranhão, onde há uma disputa entre os deputados federais Juscelino Filho, atual presidente do DEM no Maranhão e aliado de Flávio Dino, e José Reinaldo Tavares, que luta para tirar o DEM do colo governador comunista e levar a legenda para o palanque de uma candidatura da terceira via, podendo ser o senador Roberto Rocha (PSDB) ou o deputado estadual Eduardo Braide (PMN).

Quem diria o PCdoB lutando desesperadamente pelo apoio do DEM…

ELEIÇÕES 2018: Para dirigente do PT, Flávio Dino quer “a busca do poder pelo poder e a fragilização de toda a classe política”

A posição de Mundico Teixeira coincide com as de muitos outros dirigentes e militantes do PT que desejam ver o partido com candidato próprio ao governo e desembarque imediado do governo Flávio Dino

O integrante da comissão executiva do Diretório Estadual do PT, Raimundo Teixeira, divulgou artigo nas redes sociais em que defende todos os esforços dos petista para o lançamento da pré-candidatura do ex-superintende do Incra no Maranhão, Raimundo Monteiro.

“Diante da atual conjuntura e com o reforço da entrevista do principal secretário do governo Márcio Jerry, de que o PT não terá espaço na chapa majoritária do governador (lembrando que em nosso Congresso Estadual do PT aprovamos que só participaríamos de aliança com o governador Flávio Dino caso tivéssemos candidatura do PT na chapa majoritária) o que nos resta é voltarmos todos os nossos esforços para pré-candidatura de nosso companheiro Raimundo Monteiro”, defendeu

As declarações de Mundico, como também é chamado o dirigente, vêm um dia após o secretário Márcio Jerry (Articulação Política e Comunicação) afirmar que o governo não trabalha com a possibilidade do PT integrar a chapa majoritária liderada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) nas eleições de 2018.

O petista criticou também o que considera uma “visão visão de esquerda ortodoxa, da palestra, verticalizada, de quadros, do comitê central” do PCdoB para “dividir ao máximo para obter apoios como forma de “rendição” dos partidos e de sujeitos políticos que buscam se manter na política ou alcançar algum espaço de representação no aparelho do estado”.

A posição de Mundico Teixeira coincide com as de muitos outros dirigentes e militante do PT que desejam ver o partido com candidato próprio a governador e desembarque imediado do governo Flávio Dino.

Confira a íntegra do artigo de Mundico Teixeira.

Eleições no Maranhão

As últimas movimentações dos partidos e do governo confirmam uma linha de ação do governador FD, qual seja, “dividir ao máximo” para obter apoios como forma de “rendição” dos partidos e de sujeitos políticos que buscam se manter na política ou alcançar algum espaço de representação no aparelho do estado. Essa tática é comum a quem não tem um projeto coletivo de organização social do estado e tem como único objetivo a busca do poder pelo poder e a fragilização de toda a classe política.

Nós do PT, como instituição, estamos sendo extremamente atacados, por sermos do mesmo espectro ideológica do partido do governador (PCdoB), pois o mesmo entende que já nos representa e os espaços de composição do governo e de uma futura reeleição devem ser ocupados por quem na visão dele soma. Assim, nossos companheiros que têm o privilégio de fazer parte do círculo de amizades do governador ocupam algum espaço no governo e seguindo a lógica comunista palaciana estes passaram a ser considerados a cota/ parte de direito ao PT.

Essa visão de esquerda ortodoxa, da palestra, verticalizada, de quadros, do comitê central ainda impregna as mentes de alguns comunistas (os quais respeitamos), mas nós do PT sempre refutamos como forma organizativa de partido, já expresso em nosso manifesto de fundação. Optamos por uma esquerda democrática, da plenária, do encontro, do congresso, de quadros e de massas, tudo com participação direta do povo.

Diante da atual conjuntura e com o reforço da entrevista do principal secretário do governo Márcio Jerry, de que o PT não terá espaço na chapa majoritária do governador (lembrando que em nosso Congresso Estadual do PT aprovamos que só participaríamos de aliança com o governador Flávio Dino caso tivéssemos candidatura do PT na chapa majoritária) o que nos resta é voltarmos todos os nossos esforços para pré-candidatura de nosso companheiro Raimundo Monteiro, construir coletivamente uma frente de partidos voltada para a discussão do nosso estado em todas as suas dimensões e  garantir um palanque exclusivo para nosso candidato a Presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva. E não fiquemos presos a um debate superficial que se resume ao que não se fez e ao que não se faz.

A dívida política do PT e do PCdoB com Waldir Maranhão 8

Quando assumiu a presidência da Câmara em decorrência da cassação de Eduardo Cunha, Waldir Maranhão viria protagonizar uma dos mais controversos momentos da história política nacional ao anular o impeachment de Dilma com a orientação política e jurídica de Lula, José Eduardo Cardozo, Orlando Silva e Flávio Dino

Os dois dos principais partidos da esquerda brasileira têm uma dívida política com o deputado federal Waldir Maranhão (Avante).

O PT e PCdoB, através de suas maiores lideranças nacionais, incluindo pesos pesados como o ex-presidente Lula e o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, pelo lado do PT, e o deputado federal Orlando Silva e o governador Flávio Dino, pelo PCdoB, foram avalistas de um acordo histórico que precisa ser devidamente cumprido.

Trata-se de conceder a Waldir Maranhão uma das duas vagas da eleição para o Senado Federal pelo grupo do governador Flávio Dino com o deputado concorrendo ou não pelo PT.

Waldir Maranhão fez tudo o que foi combinado com os petistas e comunistas durante o enfrentamento do processo de impeachment na Câmara dos Deputados.

Para início de conversa, Waldir articulou, sozinho, por dentro do PP, partido a qual era filiado na época, nada menos do que 15 deputados de uma bancada então composta de cerca de 40 parlamentares, embora a maioria desses 15 tenham se acovardado na hora “H” da votação.

Em seguida, quando assumiu a presidência da Câmara em decorrência da cassação de Eduardo Cunha, Waldir Maranhão viria protagonizar um dos mais controversos momentos da história política nacional ao anular o impeachment de Dilma com a orientação política e jurídica exatamente de Lula, José Eduardo Cardozo, Orlando Silva e Flávio Dino.

Tal atitude de Waldir Maranhão lhe custou um verdadeiro massacre pela mídia nacional. Amigos de antes da sua decisão passaram vê-lo pelas costas, perdeu a presidência estadual do PP, correlegionários o abandonaram à própria sorte, enfim, foi um linchamento público de grandes dimensões.

Todavia, nem por tudo isso que foi obrigado a passar, o bravo Waldir Maranhão deixou-se intimidar ou fugiu da raia. Pelo contrário, cumpriu 100% de tudo o que assumiu com os aliados e ainda enfrentou o assédio gigantesco do Palácio do Planalto para deixar o campo da oposição e se unir ao governo Temer.

O fato é que o PT e o PCdoB têm essa dívida política e mesmo moral com Waldir Maranhão.

Pelo que o Blog do Robert Lobato conseguiu apurar,o PT e Lula estão dispostos a cumprir o acordo e fazer de Waldir Maranhão candidato a senador pelo partido ou mesmo fora dele.

O maior óbice ao projeto seria justamente o PCdoB de Flávio Dino.

O mesmo Flávio Dino mentor intelectual da anulação do impeachment assinado pelo então presidente da Câmara dos Deputado, Waldir Maranhão, que pode não deixar barato caso venha a se confirmar o que parece estar se desenhando.

Pelo jeito, Flávio Dino ainda não se deu conta do arsenal bélico de Waldir Maranhão.

Quem avisa amigo é…

José Reinaldo sempre foi um estorvo para Flávio Dino e o PCdoB 14

Mais do que uma decisão de alto risco, ao tirar José Reinado do seu caminho, Flávio Dino revela o quanto está desprovido de qualquer sentimento, inclusive o da gratidão

Enfim, aconteceu o que estava na cara que iria acontecer.

O deputado federal José Reinaldo Tavares rompeu politicamente com o governador Flávio Dino e assegura que é um caminho sem volta.

O ex-governador vinha sendo cozinhado pelo comunista até finalmente a ficha cair e ele ser obrigado a desgarrar-se do seu agora ex-pupilo. Mais um daqueles casos clássicos da criatura se voltar contra o criador.

Em verdade, José Reinaldo sempre representou um estorvo para Flávio Dino e o PCdoB, principalmente na figura do secretário Márcio Jerry (Comunicação e Articulação Política), homem forte do governo e do governador. Só teve algum valor quando serviu para eleger Dino deputado federal e depois ajudá-lo a chegar ao Palácio dos Leões.

Porém, logo após vencer as eleições de 2014 Jerry e Dino, Dino e Jerry, trataram de limar José Reinaldo.

Primeiro ao vetar o nome do ex-governador para o cargo de secretário de Infraestrutura, depois para Secretaria de Saúde. Por fim, resolveram humilhá-lo concedendo uma Secretaria Extraordinária que é mais uma sinecura do que um órgão de governo propriamente dito. Isso sem falar na Casa Civil, cujo titular é o ex-deputado Marcelo Tavares, sobrinho de José Reinaldo, que de fato nunca teve força pra nada dentro governo e é vigiado direto por Márcio Jerry.

Soma-se a isso, o fato de estarmos diante de um governo demasiadamente ideológico e que representa o contrário de tudo o que José Reinaldo acredita do ponto de vista político e de gestão. Basta ver os posicionamentos do ex-governador no Congresso Nacional e em relação ao governo Michel Temer com os de Flávio Dino. São visões e concepções diametralmente opostas!

Ao tentar isolar Zé Reinaldo, os comunistas, leia-se Flávio Dino e Márcio Jerry, optaram por um caminho arriscado que pode custar muito caro ao projeto de reeleição do governador. Até porque o deputado deverá articular a saída de muitas lideranças da base governista para somar fileiras em outro campo político.

E mais do que uma decisão de alto risco, ao tirar José Reinado do seu caminho, Flávio Dino revela o quanto está desprovido de qualquer sentimento, principalmente o da gratidão.

E o próximo da lista é o deputado federal Waldir Maranhão.

Mas isso é assunto para outra postagem…