ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino tenta cooptar Paulo Marinho Jr. através de André Fufuca

Parece que a tentativa de cooptar Paulo Marinho Júnior não logrou êxito e André Fufuca voltou de Caxias sem cumprir a missão dada pelo seu mais novo “papi”, o governador Flávio Dino

Leio no blog do colega Ludwig Almeida que o governador Flávio Dino (PCdoB) fez uma investida descarada pra cima do vice-prefeito de Caxias, Paulo Marinho Júnior (PMDB).

Segundo conta o respeitado blogueiro “timon-caxiense”, o comunista não agiu diretamente, mas através do deputado federal André Fufuca, também chamado de Fufuquinha, que teria oferecido o PP para o Paulinho se filiar e disputar uma vaga de deputado federal pelo partido.

Acontece que Paulinho é filho do ex-prefeito e ex-deputado federal Paulo Marinho que, segundo ainda a o blog do Ludwig Almeida, teria reagido com um “só se for por cima do meu cadáver”, o filho se aliaria ao grupo de Flávio Dino.

Ora, quem conhece a personalidade do bravo Paulo Marinho sabe que jamais aprovaria a filiação do seu filho a um partido da base do Palácio dos Leões. Paulo pai tem posição política firme e clara. Não que Paulinho não tenha, mas, como ainda não é tão experiente na política, pode ser levado a cair em contos do vigário.

Isso sem falar que governador Flávio Dino se diz orgulhoso, por onde passa, por ter mandado prender Paulo Marinho e fazê-lo “descer” para a Penitenciária de Pedrinhas, como bem lembrou o Ludwig Almeida.

O fato é que parece que a tentativa de cooptar Paulo Marinho Júnior não logrou êxito e André Fufuca voltou de Caxias sem cumprir a missão dada pelo seu mais novo “papi”*, o governador Flávio Dino.

Coisa feia, meu caro Fufuquinha.

*“Papi”, assim André Fufuca tratava o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, hoje preso pela Lava jato.

ELEIÇÕES 2018: Paulo Marinho desmonta factoide fabricado nas masmorras do Palácio dos Leões 6

Pela rede social do Facebook, o ex-deputado afirmou que não pretende disputar quaisquer cargos eleitorais no próximo ano, mas que seria uma honra integrar uma chapa ao lado de Roberto Rocha caso ainda pensasse em eleições.

O ex-deputado federal e ex-prefeito Paulo Marinho (PMDB) desmontou factoide produzido nas masmorras do Palácio dos Leões que dava conta de uma hipotética candidatura de vice-governador na chapa  liderada pelo senador Roberto Rocha (PSDB) em 2018.

Pela rede social do Facebook, além de afirmar que não pretende disputar quaisquer cargos eleitorais no próximo ano e que o único projeto eleitoral da família Marinho é a candidatura de deputado federal do seu filho, o vice-prefeito de Caxias, Paulo Marinho Júnior, o ex-deputado afirmou que seria uma honraria integrar uma chapa ao lado de Roberto Rocha.

“Se ainda tivesse vontade de participar da vida politica estadual participar de uma chapa comandada por um politico jovem, exemplar, maranhense, que tem uma atuação parlamentar voltada para o desenvolvimento do Maranhão visão esquecida por aqueles que buscam liderar o Estado”, escreveu.

Um dos líderes políticos mais importantes da Região Leste do estado, Paulo Marinho pode ser considerado um vencedor pelo números de eleições conquistadas quando não por si próprio, pela sua esposa, a ex-deputada Márcia Marinho, o seu filho Paulinho, e mesmo de aliados, como foi o caso da vitória de Fábio Gentil (PRB) nas eleições de 2016 em Caxias onde o apoio do peemedebista foi decisivo.

Portanto, é coisa de idiota, de quem possui cérebro de um grilo, achar que podem “queimar” Roberto Rocha associando a sua imagem a de Paulo Marinho, que, repito, ainda é uma liderança política de primeira grandeza em uma região estratégica do Maranhão.

Fiquem com a íntegra da postagem do Paulo Marinho.

Soube que um blog mal informado, ou de ma-fé, publicou que eu seria candidato a senador, depois vice governador, do PSDB.

Sobre o assunto cumpre-me esclarecer:

1. Não serei candidato a nenhum cargo politico. No tempo da lei, o candidato de Caxias e da região Leste será PAULO MARINHO JUNIOR, atual vice-prefeito de Caxias,, nas ultimas eleções o mais votado entre os candidatos a deputado federal do Leste do Maranhão onde residimos.
2. Havia decidido sair da vida politica, mas as perseguições do Governador Flavio Dino e de alguns dos seus secretários me obrigaram a retornar ao cenário de lutas forjado ainda na politica estudantil. Nas ultimas eleições municipais Caxias viveu um embate entre o poder econômico representado pelo uso da maquina publica (Estadual, Municipal e Assembleia) vencido pela maioria da população que não mais aceita esse tipo de ingerência.
3. Se a tentativa maldosa de me lançar “Vice-Governador” do Senador ROBERTO ROCHA buscava diminuir-me ou afetar o trabalho de Roberto Rocha devo dizer que muito me honraria se ainda tivesse vontade de participar da vida politica estadual participar de uma chapa comandada por um politico jovem, exemplar, maranhense, que tem uma atuação parlamentar voltada para o desenvolvimento do Maranhão visão esquecida por aqueles que buscam liderar o Estado. Esse desejo não mais tenho.
4. Para os que não sabem minha amizade com Roberto Rocha dista dos tempos de jovem, antes da politica, portanto posso testemunhar que se trata de um cidadão de caratér, trabalhador e devotado ao Estado que o elegeu..amplio dizendo que as provas estão às claras basta ver os projetos de ampliação da aréa da Codevasf, ZEMA, Rota das Emocões, recuperação dos rios maranhenses. etc. Todos estruturantes e capazes de mudar realidades e transformar vidas.
5. Para mim está claro que o Maranhão vai mudar. Quero participar apenas como eleitor dessa mudança e ver o Maranhão sendo discutido nas eleições pelas suas potencialidades e não apenas pela dicotomia Sarney-Dino.
6. Por isso defendo a participação no processo eleitoral de todos aqueles que se julguem capazes de contribuir para mudar o cenário de miseria que empurrou o Maranhão para o penultimo estado no ranking do PIB.
Que venham Roberto, Roseana, Maura, Braide, Cel. Monteiro, e todos aqueles que se oferecem a essa tarefa.

Paulo Marinho: Um preso político! 8

A prisão do ex-prefeito Paulo Marinho, e forma como a imprensa alugada pelo Palácio dos Leões tratou o assunto, inclusive tripudiando sobre a família do “preso político”, pode ter sido um tiro no pé com duas consequências a curto e médio prazo, quais sejam: (I) fazer de Paulo Marinho Júnior um dos deputados federais mais votado do Maranhão em 2018; e (II) comprometer a reeleição do prefeito Fábio Gentil em 2020.

A prisão do ex-prefeito e ex-deputado federal Paulo Marinho vai muito além do descuido com as suas responsabilidades pessoais em função de relações afetivas mal sucedidas.

No que era para se limitar a um problema judicial a ser resolvido nas varas de Família, a prisão de Paulo Marinho, ocorrida na manhã da última sexta-feira, 20, acabou ganhando conotação política pela forma e circunstância que aconteceu. Senão vejamos.

Segundo informações que chegaram ao Blog do Robert Lobato, sequer havia mandado de prisão para Paulo Marinho, o que tinha, a princípio, era uma intimação para que pagasse uma pensão alimentícia.

Também consta que o diretor do Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ) de Caxias, delegado Maurício Filho, tido como excelente profissional, técnico sério e competente, recebeu ordens superiores para transferir Paulo Marinho “o mais rápido possível” para o presídio de Pedrinhas, em São Luis, atropelando, inclusive, uma determinação do juízo de Caxias para que Paulo Marinho ficasse sob custódia no município.

A ser verdade todas essas informações, fica evidente que o Maranhão passa por um inaceitável e inadmissível “estado policialesco” onde qualquer cidadão, principalmente os opositores dos comunistas, pode ser vítima de perseguição e de prisões arbitrárias. Aliás, não se pode esquecer a prisão injustificável do ex-chefe da Casa Civil do governo Roseana Sarney, João Abreu.

Muito preocupante tudo isso!

De qualquer forma, a prisão de Paulo Marinho, e forma como a imprensa alugada pelo Palácio dos Leões tratou o assunto, inclusive tripudiando sobre a família do “preso político”, pode ter sido um tiro no pé com duas consequências a curto e médio prazo, quais sejam: (I) fazer de Paulo Marinho Júnior um dos deputados federais mais votado do Maranhão em 2018; e (II) comprometer a reeleição do prefeito Fábio Gentil em 2020.

É aguardar e conferir!

PS: A prisão de Paulo Marinho foi na sexta,20, pela manhã, e à noite o prefeito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), estava na convenção do PCdoB. Será que o governo comunistas usou essa prisão para pressionar o prefeito se afastar dos Marinho?🤔