ELEIÇÕES 2018: Alexandre Almeida “apimenta” a disputa para o Senado Federal 8

Não se sabe ao certo qual a estratégia de Alexandre Almeida em radicalizar no tom da sua campanha, mas o fato é que em dois programas, ao longo dessa semana, o tucano partiu pra cima de dois dos seus concorrentes.

Diante de uma eleição um tanto quanto sem sal para o governo do estado, o deputado estadual Alexandre Almeida (PSDB) resolveu “apimentar” a campanha para o Senado Federal, cargo que disputa na condição de mais jovem candidato do Brasil à Câmara Alta.

Não se sabe ao certo qual a estratégia de Alexandre Almeida em radicalizar no tom da sua campanha, mas o fato é que em dois programas, ao longo dessa semana, o tucano partiu pra cima de dois dos seus concorrentes.

A primeira vítima foi o atual senador e candidato a mais um mandato Edison Lobão (MDB), apontado por Alexandre como sendo investigado pela Lava Jato; logo em seguida foi a vez do deputado federal Weverton Rocha (PDT), quando tucano lembrou que o nosso querido “Maragato” responde à denúncias de corrupção feitas pelo Ministério Público Federal.

Lobão e Weverton, claro, reagiram às provocações de Alexandre Almeida. O primeiro foi defendido pelo filho e suplente Edinho Lobão que, através de um áudio, afirmou que o jovem candidato ganhou “um inimigo para a vida inteira”. O caso, de política, virou de polícia, já que Alexandre registrou na Polícia Federal o que considera uma “ameaça” a sua vida.

Já o Weverton Rocha foi mais político e considerou que as investidas de Alexandre Almeida como estando a serviço de terceiros e que possui “a nossa militância para responder por nós. Sei apanhar, mas também sei bater.”.

De qualquer forma, e sabe-se lá o porquê, Alexandre Almeida deu um pouco mais de emoção para uma eleição que já pode ser considerada como a mais esquisita da história…

Técnico da CGU critica narrativa de politização da Operação Pegadores

O secretário Márcio Jerry (Comunicação e Articulação Política) reforçou essa narrativa absurda de que a Pegadores tem conotação política e as digitais de Sarney. Porém, coube ao jornalista Marco D’Eça dar uma bronca daquelas no comunista

O economista Eden Do Carmo Soares Junior criticou a tentativa de setores da imprensa local e nacional em politizar a Operação Pegadores deflagrada ontem, 16, conjuntamente pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União (CGU).

Pela rede social do Facebook, Eden Júnior publicou um texto intitulado de “Uma postagem canalha” em alusão à um post do blog do Rovai, no site da Revista Fórum, em que o blogueiro sugere que a Operação Pegadores foi uma armação articulada pelo ex-presidente José Sarney (PMDB) para prejudicar o governador Flávio Dino (PCdoB).

“UMA POSTAGEM CANALHA
A operação de ontem (“Pegadores”) foi conduzida por órgãos e servidores sérios, agentes de Estado, concursados, que não servem a este ou àquele governo. Quem pensa que em menos de 10 dias se organiza uma operação como essa, que envolveu CGU, PF, MPF, RF e JF, além de centenas de servidores, para atacar determinado gestor é um inocente, imbecil ou um patife demagogo. Que assumam seus erros, melhorem suas práticas, deem a devida satisfação para a população, mas não queiram destruir a reputação de pessoas e instituições que estão trabalhando por um país melhor. Temos defeitos, mas do partidarismo não sofremos”, postou o economista.

Nesta sexta-feira, 17,o secretário Márcio Jerry (Comunicação e Articulação Política) também reforçou essa narrativa absurda de que a Pegadores tem conotação política e as digitais de Sarney.

Coube, porém, ao jornalista Marco D’Eça dar uma bronca daquelas no comunista afirmando serem um “insulto à Polícia Federal” as declarações do supersecretário feitas no Twitter (veja aqui).

Custa reconhecer os erros e tentar dar a volta por cima?

PEGADORES: Enquanto Rosângela Curado está presa, Weverton Rocha faz festa em Timon 2

Pelo jeito, o “Maragato” não está lá muito preocupado com o que pode falar a sua correligionária para as autoridades da Polícia Federal, Ministério Público Federal e a Justiça Federal

O deputado federal e presidente estadual do PDT, Weverton Rocha, parece não estar nem aí para os infortúnios da sua companheira de partido Rosângela Curado.

Enquanto moça sofre pelo constrangimento de ter sido presa pela Polícia Federal na Operação Pagadores, o “Maragato” convida os seus amigos para um ato político amanhã, sábado, 18, na cidade de Timon em prol da sua já combalida pré-candidatura para o Senado Federal.

“É nesse sábado!
Lideranças políticas de todo o estado voltam a se reunir, em Timon, em apoio à pré-candidatura do deputado Weverton Rocha ao Senado Federal em 2018″, tuitou Weverton.

Vale lembrar, que Werveron Rocha fez algumas visitas ao advogado Willer Tomaz, preso na Operação Patmos da Polícia Federal (PF), conforme revelou a revista Época.

“Amigo é para bons e maus momentos”, disse Weverton na ocasião de uma das visitas que fez ao advogado.

Ué, mas isso vale para o enrolado Willer Tomaz e não vale para a “companheira” Rosângela Curado? Eu, hein!

Willer Tomaz era advogado da JBS, é acusado de repassar informações da Operação Greenfield para o empresário Joesley Batist e ainda encontra-se recolhido na Penitenciária da Papuda.

Pelo jeito, o “Maragato” não está lá muito preocupado com o que pode falar a sua correligionária para as autoridades da Polícia Federal, Ministério Público Federal e a Justiça Federal…