DESESPERO: Palácio dos Leões dá comando para imprensa alugada jogar o cadáver de Mariano no colo de Sarney 2

A tentativa de colocar José Sarney na cena do crime que resultou na morte do ex-operador dos esquemas de corrupção na Secretária de Saúde do senhor Flávio Dino é de uma covardia sem tamanho.

Antes de forma tímida e subliminar, agora o Palácio dos Leões radicalizou e deu o comando para a imprensa alugada jogar, de forma escancarada, o cadáver do médico Mariano de Castro no colo do ex-presidente José Sarney (MDB).

Numa demonstração de mais completo desespero, os Leões criam uma narrativa psicodélica para desviar o foco da verdade sobre a morte de Mariano de Castro. O lance governista do momento é viajar na onda de um “novo Reis Pacheco”, ou seja, requentar um factoide do século passado. Loucura!

O Palácio dos Leões não se dá conta de que agindo assim, além de ridículo acaba por assumir, ainda que de forma oblíqua, que deseja terceirizar uma responsabilidade que é somente sua, posto que o suposto suicídio de Mariano de Castro se deu em consequência das tarefas que lhe foram  incumbidas por agentes do governo Flávio Dino.

Portanto, a tentativa de colocar José Sarney na cena do crime que resultou na morte do ex-operador dos esquemas de corrupção na Secretária de Saúde do senhor Flávio Dino é de uma covardia sem tamanho.

E mostra que o cadáver de Mariano de Castro vai continuar assombrando o Palácio dos Leões por muito tempo ainda.

Haja Rivotril!

Lições do caso Mariano de Castro 14

Tivesse levado a sua vida tranquilamente como médico, o destino poderia ter sido totalmente diferente para Mariano. O mesmo vale para muitos dos envolvidos nesse caso escabroso, incluindo o secretário Carlos Lula, que optou por deixar a atividade jurídica onde tem conhecimento e talento para aventurar-se na gestão pública – Lula nunca mais deixará de ter problemas como a Justiça e queira Deus com Polícia Federal

O caso Mariano de Castro não foi o primeiro e está longe de ser último envolvendo política, corrupção e dinheiro, muito dinheiro.

Muito provavelmente, o médico imaginou que nunca aconteceria com ele tudo o que aconteceu. Quando aceitou a ser operador de diversas maracutaias na área da Saúde do governo Flávio Dino, Mariano deu as costas para a sua profissão e resolveu ganhar dinheiro fácil através de esquemas de milhões de reais.

Ocorre que tudo que chega fácil também vai embora fácil. E se tratando de dinheiro oriundo de corrupção a coisa complica ainda mais, pois “o salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23). O médico Mariano de Castro provou dessa verdade da forma mais trágica possível ao tirar a própria vida.

Tivesse levado a sua vida tranquilamente como médico, o destino poderia ter sido totalmente diferente para Mariano. O mesmo vale para muitos dos envolvidos nesse caso escabroso, incluindo o secretário Carlos Lula que optou por deixar a atividade jurídica, onde tem conhecimento e talento, para aventurar-se na gestão pública – Lula nunca mais deixará de ter problemas como a Justiça e queira Deus não tenha com Polícia Federal.

Com a divulgação póstuma das cartas de autoria de Mariano de Castro é imprevisível saber exatamente onde tudo isso vai dar.

Mais suicídios virão por aí? Assassinatos de pessoas envolvidas poderão ocorrer? Quantas prisões de autoridades públicas deverão ainda ser pedidas? O governo Flávio Dino resistirá aos desdobramentos de tamanho episódio lúgubre?

São questionamentos que surgem a partir do que pode vir por aí com as investigações da Polícia Federal sobre as circunstâncias do suicídio de Mariano de Castro Silva.

O fato é que dá para tirar muitas lições desse caso, principalmente quanto a não cair em tentação de embolsar milhões através de esquemas com o dinheiro público que estão, cada mais, monitorados pelos órgãos policiais, judiciais e de controle.

Mariano “falará” do além-túmulo.

E salve-se quem puder.

CASO MARIANO DE CASTRO: Morte do médico pode levar o governo Flávio Dino para túmulo junto com ele 18

Mariano pode “falar” do além-túmulo através das investigações da Polícia Federal, que deve entrar no caso e encontrar muitas das respostas desse caso e elucidar as circunstâncias, bem como a causa da morte da pobre alma

Não sei nem por onde começar… Mas, vamos lá.

A morte do médico Mariano de Castro não pode ser considerada apenas uma mera tragédia envolvendo um profissional que teve a vida, pessoal e profissional, arruinada após sua prisão por suspeita de ser o principal operador de esquemas de corrupção no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde (SES) do governo Flávio Dino (PcdoB).

Não! A morte de Mariano tem que ser vista sob vários aspectos, inclusive de ter sido vítima de uma sofisticada organização criminosa que havia se instalado na SES e que só foi possível chegar ao conhecimento da sociedade após a Operação Pegadores, da Polícia Federal, em parceira com o Ministério Público Federal, Controladoria Geral da União e a Justiça Federal. Aliás, por que as investigações da Pegadores não avança? A quem interessa o seu esquecimento?

Mariano era um arquivo vivo! Entrou em estado depressivo passando a fazer comentários com amigos e familiares de que não estava aguentando tanta pressão sobre seus ombros. É possível que realmente ele tenha recorrido ao suicídio como forma desesperada para fugir dessa situação? Sim! É possível!

Como também é possível que o médico tenha sido vítima de uma queima de arquivo pela “KGB” maranhense ou algo similar. Estamos falando, não podemos esquecer, de uma máfia que envolveu gente poderosa, agentes públicos e privado que movimentou milhões, quiçá, bilhões de reais nas mais diversas transações tenebrosas.

Contudo, Mariano pode “falar” do além túmulo através das investigações da Polícia Federal, que deve entrar no caso e encontrar muitas das respostas desse caso e elucidar as circunstâncias, bem como a causa da morte da pobre alma.

Os governistas tentam colocar, vejam vocês, o cadáver no colo do Sarney no que pode ser considerada uma atitude totalmente desesperada de quem sabe que está envolvido até a medula num ambiente banhado de sangue e corrupção.

O fato é que esse caso ainda vai ter desdobramentos que até aqui são imprevisíveis.

Agora morto, Mariano de Castro pode levar o governo Flávio Dino para túmulo junto com ele.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

Roberto Rocha quer Ministério da Justiça no caso Mariano de Castro

Com a entrada da PF no caso é possível que sejam elucidadas as causas e as circunstâncias que levaram à morte do médico apontado como o operador dos esquema de corrupção na pasta da saúde do governo Flávio Dino.

O senador Roberto Rocha quer que o suposto suicídio do médico Mariano de Castro seja acompanhado pelo Ministério da Justiça (MJ), através da Polícia Federal. O parlamentar tucano protocolou ofício no MJ nesta sexta-feira, 13.

Mariano foi encontrado encontrado morto na noite desta quinta-feira, 12, em seu apartamento, em Teresina (PI) e está cercada de mistérios.

O médico era apontando como principal operador do esquema de corrupção que se instalou na Secretaria de Saúde do governo Flávio Dino, comandada pelo advogado Carlos Lula, que jura não saber de nada do que acontecia nos porões da SES.

Com a entrada da PF no caso é possível que sejam elucidadas as causas e as circunstâncias que levaram à morte de Mariano de Castro.