FRAUDE? : Jornalista revela o que pode ser a maior “bomba” destas eleições no MA envolvendo o IBOPE 20

Instituto foi cobrado indiretamente pela coligação “O Maranhão quer Mais” – sobretudo pelos números de São Luís -, reconheceu que o debate da TV Mirante pode não ter sido alcançado no levantamento e chegou a usar como parâmetro para reforçar seus dados pesquisas montadas pelo próprio Palácio dos Leões e já denunciadas por suspeita de fraude

Via blog do Marco D’Eça

Cobrado enfaticamente pela coligação “O Maranhão quer Mais”, pela pesquisa que divulgou na quinta-feira, 4, o instituto Ibope de pesquisas parece que se enrolou mais ainda nas explicações.

Em primeiro lugar, chegou a admitir uma curiosa e estratosférica “margem de erro de 8 pontos percentuais” na amostragem de São Luís, feita com apenas 168 pessoas.

– Em São Luís temos apenas 168 entrevistas, o que não é suficiente para estimar as intenções de votos na capital, uma vez que a margem de erro amostral é de 8 pontos percentuais para mais ou para menos. O cruzamento foi fornecido apenas como um indicativo – tenta explicar o instituto, em troca de correspondência a qual este blog teve acesso.

Assinado pela analista de atendimento e planejamento CP, o documento do Ibope admitiu também que uma parte do levantamento foi  feito antes do debate da TV Mirante, na última terça-feira, 2.

– Ou seja, a pesquisa pode não ter pego um possível efeito do debate na capital admitiu.

Curiosamente, a analista usou dados das pesquisas encomendadas pelo próprio Palácio dos Leões – Exata e Econométrica – para justificar seus números, mesmo diante de todas as suspeitas já oficializadas contra os dois institutos.

O estrago da pesquisa sem critério do Ibope pode interferir diretamente no resultado das eleições.

Um crime eleitoral, portanto…

FAKE NEWS: Editor de política do Jornal O Estado do MA nega demissão do matutino “do outro lado da ponte”

O editor de política do Jornal O Estado do Maranhão, jornalista e blogueiro Marco D’Eça, afirmou ao Blog do Robert Lobato que se trata de “fake news” que ele tenha sido demito do matutino “do outro lado da ponte”.

“Nada a ver. Alguém vê algo, não entende e interpreta do jeito que quer. Já li tanta bobagem sobre essa minha demissão'”, disse ‘D’Eça.

SENADO 2018: Fogo amigo contra Eliziane Gama? 6

Enquanto os “inimigos íntimos” de Eliziane conspiram contra a sua pré-candidatura, ela segue consolidando e ampliando a sua caminhada rumo à Câmara Alta do Congresso Nacional

A imagem acima circulou pelas redes sociais, principalmente em grupos de WhatsApp.

De imediato gerou uma discussão a partir de quem interessaria pichar os muros da cidade de Timon com frases que visam claramente atingir o projeto da deputada federal Eliziane Gama (PPS) rumo ao Senado Federal.

Pelo que o Blog do Robert Lobato pôde observar nas discussões dos grupos de WhatsApp, a principal suspeita recai sobre “aliados” da irmã ligados ao Palácio dos Leões, mas precisamente dos que ainda insistem com a candidatura de senador do deputado estadual Bira do Pindaré (PSB).

Mas, enquanto os “inimigos íntimos” de Eliziane conspiram contra a sua pré-candidatura, ela segue consolidando e ampliando a sua caminhada rumo à Câmara Alta do Congresso Nacional, como mostra o blog do colega Marco D’Eça.

Confira AQUI.

Marco D’Eça chama a oposição nas catracas. Concordo! Mas, em parte… 16

Não adianta sofrer por antecipação. O jogo ainda não está jogado e dizer que competição está vencida não ajuda, pelo contrário, é fazer o jogo dos adversário. É fazer gol contra, ainda que a intenção seja o inverso

Em editorial publicado seu blog (veja aqui), o jornalista, blogueiro e editor de política do jornal O Estado do Maranhão, de propriedade da família Sarney, chamou a oposição ao governador Flávio Dino “nas catracas”, como se diz no popular.

A análise do miranteano está repleta de acertos, além de ser uma leitura necessária como se funcionasse como um “acorda, gente!”.

As angústias de Marco D’Eça, que atua como uma espécie de líder da oposição na blogosfera maranhense, é a mesma de muitos que estão insatisfeitos com os rumos que o Maranhão tem tomado sob o comando do governador Flávio Dino.

Marco D’Eça tem razão em muito do que colocou no seu editorial e concordo com ele, mas em parte. Explico.

Em primeiro lugar, não se pode comparar a força de um governador pré-candidato à releição com a dos seus adversários que não têm o mesmo poder de barganha e sequer o que oferecer mesmo a quem não quer votar em Flávio Dino, mas, se vê sem opção – pelo menos até aqui.

Em segundo lugar, governo é governo seja em São Paulo, no Maranhão ou quaisquer estados da Federação. É por isso que o governador maranhense tem, como bem lembrou Marco D’Eça, “lideranças do peso do prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT); do presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB), e do presidente da Famem, Cleomar Tema Cunha (PSB)”.

Ora, ora, ora… Será que meu amigo “Sarará” queria que fosse diferente?

Quantos desses políticos citados no editorial de D’Eça, fora os não citados, já estiveram do lado do grupo Sarney no auge do poderio da “oligarquia”?

O amigo só esqueceu de mencionar que, além da maioria da classe política, o Judiciário (TJ-MA,TRE-MA) e o Ministério Público também estão todos juntos e misturados no pacote da atual hegemonia comunista da mesma forma que estiveram em tempos não muito longínquos.

Em terceiro lugar, não é justo e muito menos correto exigir da oposição uma ação mais afetiva como numa concorrência com a força do Palácio dos Leões. Isso não existe!

O que ocorre, aí meu caro Marco D’Eça se descuidou em não colocar, é que a oposição, principalmente ligada ao grupo Sarney, não sabe ou não tem interesse de tirar proveito político da máquina do Governo Federal enquanto contraponto à força do Palácio dos Leões.

Ao que parece, todos os saneysistas de carteirinha, na Câmara e no Senado, estão mais preocupados com os cargos e sinecuras federais que podem beneficiá-los pessoal e eleitoralmente do que para fazer o enfrentamento político contra os comunistas e, por conseguinte, contra o favoritismo de Flávio Dino em 2018.

No mais, não adianta sofrer por antecipação. O jogo ainda não está jogado e dizer que competição está vencida não ajuda, pelo contrário, é fazer o jogo dos adversário. É fazer gol contra, ainda que a intenção seja o inverso.

 

Por fim, prefiro ficar com a sabedoria popular de inspiração bíblica que ensina: “Cada dia com a sua agonia”.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

Solidariedade ampla, geral e irrestrita a Marco D’Eça 16

O jornalista Marco D’Eça é um resistente a essa “ditadura das togas”, e por isso, merece o respeito não só do Blog do Robert Lobato, mas da sociedade e da imprensa que não se deixa intimidar por “juizecos” da vida.

O jornalista Marco Aurélio D’Eça é um dos profissionais mais respeitados da imprensa maranhense.

Gostem ou não do “Sarará”, o fato é que ele é uma jornalista destemido, competente e polêmico. Aliás, jornalista que não faz da polêmica um dos seus ofícios no mínimo tem que rever seu conceito de jornalista. Ou então se conformar com a função de assessor de imprensa/comunicação. Não é o caso de Marco D’Eça.

Editor de política do mais importante jornal do Maranhão, D’Eça é perseguido pela “ditadura das togas”. É vítima e não vilão!

O jornalista é um dos maiores críticos do Poder Judiciário, um poder, diga-se de passagem, mais obscuro da República. Uma verdadeira caixa-preta onde o princípio fundamental é o corporativismo descarado.

A imprensa esculhamba, desmoraliza, passa a mão na bunda dos políticos, mas se cala ou se omite quando se trata de vagabundam de nobres magistrados. Aliás, tem até livro intitulado “O Nobre Deputado”, mas ninguém tem coragem de escrever “O Nobre Magistrado”. Fica a dica, amigo Marco D’Eça.

O ministro Gilmar Mendes (STF), um dos melhores constitucionalistas do país, é massacrado quando solta presos da Lava Jato e de outras operações da Polícia Federal. Apanha por não aceitar que a Justiça seja levada ao sabor da chamada “opinião pública”.

No Maranhão há um “Gilmar Mendes”, mas, ao contrário do ministro da suprema corte, invés da assumir sua postura e posições políticas e relações pessoais, prefere fazer intriga entre amigos.

O jornalista Marco D’Eça é um resistente a essa “ditadura das togas”, e por isso, merece o respeito não só do Blog do Robert Lobato, mas da sociedade e da imprensa que não se deixa intimidar por “juizecos” da vida.

Valeu, Sarará!

Técnico da CGU critica narrativa de politização da Operação Pegadores

O secretário Márcio Jerry (Comunicação e Articulação Política) reforçou essa narrativa absurda de que a Pegadores tem conotação política e as digitais de Sarney. Porém, coube ao jornalista Marco D’Eça dar uma bronca daquelas no comunista

O economista Eden Do Carmo Soares Junior criticou a tentativa de setores da imprensa local e nacional em politizar a Operação Pegadores deflagrada ontem, 16, conjuntamente pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União (CGU).

Pela rede social do Facebook, Eden Júnior publicou um texto intitulado de “Uma postagem canalha” em alusão à um post do blog do Rovai, no site da Revista Fórum, em que o blogueiro sugere que a Operação Pegadores foi uma armação articulada pelo ex-presidente José Sarney (PMDB) para prejudicar o governador Flávio Dino (PCdoB).

“UMA POSTAGEM CANALHA
A operação de ontem (“Pegadores”) foi conduzida por órgãos e servidores sérios, agentes de Estado, concursados, que não servem a este ou àquele governo. Quem pensa que em menos de 10 dias se organiza uma operação como essa, que envolveu CGU, PF, MPF, RF e JF, além de centenas de servidores, para atacar determinado gestor é um inocente, imbecil ou um patife demagogo. Que assumam seus erros, melhorem suas práticas, deem a devida satisfação para a população, mas não queiram destruir a reputação de pessoas e instituições que estão trabalhando por um país melhor. Temos defeitos, mas do partidarismo não sofremos”, postou o economista.

Nesta sexta-feira, 17,o secretário Márcio Jerry (Comunicação e Articulação Política) também reforçou essa narrativa absurda de que a Pegadores tem conotação política e as digitais de Sarney.

Coube, porém, ao jornalista Marco D’Eça dar uma bronca daquelas no comunista afirmando serem um “insulto à Polícia Federal” as declarações do supersecretário feitas no Twitter (veja aqui).

Custa reconhecer os erros e tentar dar a volta por cima?

PEGADORES: Flávio Dino é o “pegador-mor” 2

Não adianta culpar o coitado do secretário Carlos Lula, a coitada da Rosângela Curado, o ex-secretário Ricardo Murad e muito menos a ex-governadora Roseana Sarney. O comunista é o “pegador-mor” do cabaré em que transformaram o Palácio dos Leões

Não adianta o governador Flávio Dino (PCdoB) querer dizer nas redes sociais que está “esperando a lista dos alegados 400 fantasmas, para verificar se isso procede, quem foi o responsável, em qual época e por qual motivo”.

O responsável por tudo que acontece nesse governo de bom e ruim tem nome e sobrenome: Flávio Dino de Castro e Costa, vulgo Flávio Dino.

O “esquema do sorvete” descoberto pela Polícia Federal no âmbito do Secretaria de Estado da Saúde (SES) é de exclusiva responsabilidade do governador comunista.

“Como assim, Bob Lobato, você quer dizer que o governador é obrigado a saber de tudo que acontece no seu governo?”, pode questionar um leitor governista. A resposta é sim e digo o porquê.

Ora, é notório o fato do governador Flávio Dino ser extremamente centralizador. São poucos, se é que tem algum de fato, os secretários que têm a autonomia para tocar as suas pastas sem interferência direta ou indireta do patrão.

Portanto, nenhum esquema ou malfeitos que eventualmente ocorrem no âmbito do governo comunista pode ou poderia fluir sem o conhecimento de Flávio Dino e “dos seus olhos e ouvidos”, o secretário Márcio Jerry.

Enfim, não adianta culpar o coitado do secretário Carlos Lula, a coitada da Rosângela Curado, o ex-secretário Ricardo Murad e muito menos a ex-governadora Roseana Sarney.

Esse governo é cara e a personalidade do senhor governador Flávio Dino.

O comunista é o “pegador-mor” do cabaré em que transformaram o Palácio dos Leões.

Simples assim, como diria meu amigo Marco D´Eça.