VÍDEO: Em aparte ao senador Paulo Paim, senador Roberto Rocha comenta sobre pobreza extrema no MA 6

O parlamentar tucano voltou a defender o desenvolvimento econômico como o caminho para que o nosso estado possa superar esse quadro de pobreza extrema que insiste a tirar o sono do povo maranhenses.

Em pronunciamento da tribuna, nesta quinta-feira (6), o senador Paulo Paim (PT-RS) lamentou o aumento da pobreza no país. De acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais 2 milhões de pessoas passaram a viver nessa situação no Brasil em 2017.

Ao pedir um aparte ao parlamentar petista, o seu colega de plenário senador Roberto Rocha (PSDB) citou o caso do Maranhão que, infelizmente, lidera o ranking da pobreza extrema no país, conforme últimos dados do IBGE divulgados ontem, quarta-feira, 6 (reveja aqui).

Roberto Rocha voltou a defender o desenvolvimento econômico como o caminho para que o nosso estado possa superar esse quadro de pobreza extrema que insiste a tirar o sono do povo maranhenses.

Confira o aparte do senador maranhense.

O estado é o Maranhão, mas pode chamá-lo de “Impostolândia” 4

Enquanto o aumento de impostos é o caminho optado pelo governo maranhense, ‘nadica de nada’ sobre novos investimentos no estado. Pelo contrário, a notícia que se tem é sobre o fato do Maranhão ter deixado de ser o destino de empresas privadas que não confiam na conjuntura local sob Flávio Dino.

O Governo do Maranhão voltou a ser alvo de críticas por conta das novas “garfadas” no bolso dos contribuintes ao anunciar, novamente, aumentos de impostos.

Reportagem de O Estado publicada edição desta terça-feira, 4, aponta que o povo maranhense já pagou, só em 2018, R$ 6,2 bilhões em ICMS.

Agora o governo comunista de Flávio Dino (PCdoB) resolveu encaminhar à Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 239/2018 que aumenta, mais uma vez, o ICMS de uma série de produtos no Maranhão, entre os quais: gasolina, refrigerante, energéticos, isotônicos, embarcações de esporte e de recreação. Até rodas esportivas para automóveis e drones serão sobretaxados.

Ao optar por novos aumentos de impostos, o governo dá razão aos seus críticos sobre a grave crise fiscal e financeira que atravessa o estado do Maranhão. Tanto que vários setores do funcionalismo público estão com salários atrasados, outros com vencimentos defasados, fornecedores há meses sem receber pelos serviços prestados e por aí vai. Isso sem falar da questão previdenciária que caminha a passos largos para o abismo.

O fato é que o aumento de impostos é o caminho optado pelo governo maranhense, nadica de nada sobre novos investimentos no estado. Pelo contrário, a notícia que se tem é sobre o fato do Maranhão ter deixado de ser o destino de empresas privadas que não confiam na conjuntura local sob Flávio Dino.

E, assim, enquanto os investimentos privados não chegam, o Maranhão vai se tornando a terra dos impostos ou, simplesmente, a “Impostolândia”.

Uma lástima!

LAURO JARDIM: Briga no reino evangélico maranhense 17

Foto: Jorge WIlliam | Agência O Globo

Eliziane Gama, senadora eleita pelo Maranhão, com farto apoio evangélico, recebeu um pito do pastor Pedro Audi Damasceno, chefe das Assembleias de Deus do Maranhão, por ter declarado voto em Fernando Haddad. Damasceno gravou um áudio em que diz que nenhum evangélico “pode nem deve atender” ao pedido de Eliziane para votar no petista.

Sem dizer de onde tirou a informação, Damasceno chega a dizer que Haddad “vai fechar igrejas” e repete a mentira de que Manoela Dávila disse que Jesus é gay.

Fonte: Blog do Lauro Jardim.

Vence Flávio Dino, perde o Maranhão 30

Agora é ver qual Maranhão teremos a partir de 1º de janeiro numa conjuntura em que o presidente da República caminha para ser alguém que detesta as esquerdas, em especial os comunistas.

É do mestre Darcy Ribeiro frase: “Fracassei em tudo o que tentei na vida. Tentei alfabetizar as crianças brasileiras, não consegui. Tentei salvar os índios, não consegui. Tentei fazer uma universidade séria e fracassei. Tentei fazer o Brasil desenvolver-se autonomamente e fracassei. Mas os fracassos são minhas vitórias. Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu.”

Ela expressa exatamente o que o editor deste blog sente em relação aos resultados da eleição para presidente do Brasil e para governador do Maranhão.

E como resido no Maranhão, a frase acima de Darcy é ainda mais significativa para mim.

Nunca antes na história do Maranhão se viu tanto abuso da máquina do Estado como nesta eleição de 2018. Conseguiram superar o que foi feito nas eleições municipais de 2016!

Se por lado vence o comunista, por outro perde o Maranhão em muitos aspectos.

Foram quatro anos de campanha sistemática. Não tivemos um governador e muito menos um gestor, mas um candidato à reeleição que não desceu do palanque um minuto sequer.

Num estado onde houve abusos de poder a torto e a direito, faltou debates. Tanto que quando o houve o único debate na TV, o da Mirante, a maioria dos maranhense reconheceu que o governador foi desmontado em suas faltas com a verdade.

Agora é ver qual Maranhão teremos a partir de 1º de janeiro numa conjuntura em que o presidente da República caminha para ser alguém que detesta as esquerdas, em especial os comunistas.

Sem falar na situação falimentar das finanças do estado e do completo desequilíbrio fiscal que atravessa.

Agora reeleito, o governador Flávio Dino precisará de muita sorte.

A caminho de votar a favor do Maranhão e do Brasil 18

O Maranhão é muito precioso para se dar um cheque em branco, logo no primeiro turno, para quem já demostrou de que não entendeu a complexidade deste estado.

São 9h11.

Escrevo este post e depois vou para o bairro da Cohab exercer meu direito e dever de cidadão.

Em tempos difíceis para o meu país e meu estado, talvez nunca antes na história, na minha história, estive tão espantado com o clima eleitoral que enfrentamos.

A conjuntura nacional é um horror!

De um lado uma extra-direita que tem como candidato um alguém que brincou de ser candidato sem saber que a brincadeira poderia virar coisa séria e se ganhar a eleição sabe-se lá o que fará com a nação.

No outro extremo, um candidato arrumado de última hora pelo PT em virtude do “capitão” do partido ter sido impossibilitado de entrar na disputa porque encontra-se preso, embora injustamente.

“O teu futuro é duvidoso; Eu vejo grana, eu vejo dor; No paraíso perigoso que a palma da tua mão mostrou”. Esse trecho da música “Bete Balanço”, do saudoso letrista Cazuza, expressa bem este tenebroso momento em que o país atravessa.

Os extremos se encontram em algum lugar. Daqui a pouco devo optar em fugir dessa armadilha extremista!

Para governador do Maranhão estou convencido do meu voto.

Não tenho dúvidas que o melhor para o nosso estado é votar em Roberto Rocha governador-45.

“Ah, Robert Lobato, mas você trabalha com ele”, poderia dizer um algum crítico.

Sim! É verdade que trabalho com Roberto Rocha, mas não seria obrigado a declarar meu voto aqui no blog. Se assim o faço é pela mais completa convicção!

O Maranhão está sob o risco de virar uma espécie de “Coréia do Norte” tropical comanda também por um “gordinho” autoritário e arrogante, só que bem mais alto do que o ditador da Coréia do Norte asiática.

Espero que ainda haja tempo para evitar o pior para o Maranhão.

Espero que você, leitor e eleitor, que ainda não saiu de casa para votar; que está em dúvida sobre quem escolher para governar o Maranhão, pense e reflita com muita tranquilidade sobre o seu voto.

O Maranhão é muito precioso para se dar um cheque em branco, logo no primeiro turno, para quem já demostrou de que não entendeu a complexidade deste estado.

Não vote em quem deseja ser não um governador, mas um imperador!

Um ótimo e abençoado domingo democrático para todos.

#PartiuVotarRobertoRocha-45.

TREMEI BLOGOSFERA COMUNISTA: Eliziane Gama quer investigação da PF sobre fake news no MA 4

Muito boa a iniciativa da pré-candidata a senadora Eliziane Gama em desejar fazer das eleições no Maranhão um verdadeiro ato de democracia e cidadania, e não uma sentina fétida com mentiras e baixarias das piores espécies.

Uma péssima notícia para a mídia comunista no Maranhão em especial para parte da blogosfera bancada pelas masmorras do Palácio dos Leões.

A deputada Federal e pré-candidata a senadora, Eliziane Gama (PPS), se reuniu, nesta segunda-feira (23), com o superintendente em exercício da Polícia Federal, Delegado William, para solicitar o reforço no combate à divulgação de notícias falsas durante o período eleitoral, as famosas fake news.

Com uma máquina de propaganda que todo santo dia financia divulgação de um monte de notícias falsas contra adversários, a política de comunicação governistas agora terá pensar 65 vezes antes de produzir ou mandar produzir fake news. Aliás, a própria Eliziane Gama já foi vítima inúmeras vezes de notícias falsas plantadas em blogs afinados com os Leões, mas que atualmente foram obrigados a ficar mais “comportados” em relação à irmã.

Muito boa a iniciativa da pré-candidata a senadora Eliziane Gama de desejar fazer das eleições no Maranhão um verdadeiro ato de democracia e cidadania, e não uma sentina fétida com mentiras e baixarias das piores espécies.

ELEIÇÕES 2018: Mais do que um candidato anti-Flávio ou anti-Sarney, o povo exigirá um candidato pró-Maranhão 6

Conhecer o Maranhão, cada palmo dese chão, dados, estatísticas e a partir disso mostrar saídas para os principais problemas que afingem o povo maranhense será um diferencial competitivo para os que pleiteiam governar esse estado tão grande em potencialidades, mas também em complexidade.

Há nas eleições que se aproximam uma espécie de corrida maluca para saber quem melhor encarnará o espírito do “anti-Flávio” e/ou do “anti-Sarney”.

Isso ocorre em virtude do ambiente político criado no Maranhão ao longo das décadas onde as eleições são marcadas pela disputas entre apenas dois campos políticos.

Contudo, e felizmente, as eleições de 2018 caminham para um cenário em que o debate fundamental não se limitará sobre quem é mais “anti-isso” ou “anti-aquilo”, mas sobre o que cada candidato tem a apresentar de concreto para a população. O debate central será em torno de quem é mais “pró-Maranhão”.

Nesse sentido, conhecer o Maranhão, cada palmo desse chão, dados, estatísticas e a partir disso mostrar saídas para os principais problemas que afingem o povo maranhense será um diferencial competitivo para os que pleiteiam governar esse estado tão grande em potencialidades, mas também em complexidade.

Ao governador Flávio Dino, candidato à reeleição, o desafio é ainda maior, uma vez que mais do que apresentar “novas propostas” terá que prestar contas do seu primeiro mandato. O tempo de “gogó” para o comunista foi em 2014. Em 2018 ele terá que mostrar resultados e esperar o julgamento popular.

O fato é que a campanha eleitoral propriamente dita será muito interessante.

Ainda mais com o ineditismo de haver mais de dois campos políticos disputando cabeças e corações dos eleitores maranhenses.

Uma eleição que marcará o fim do Maranhão em branco e preto.

A cidadania agradece.

GESTÃO E ECONOMIA: Por que o Ceará avançou e o Maranhão parou no tempo 34

O Maranhão nunca conseguiu ser um “Ceará”, embora reúna todas as condições e potencialidades para ser um “tigre” do Nordeste.

Chegou até este editor um instigante artigo da lavra do editor-executivo dos núcleos de Negócios e Economia do grupo O Povo, Jocélio Leal, publicado no seu blog, no site do referido grupo e intitulado “Ceará, terra de paradoxos”.

No texto, o autor discorre sobre algumas contradições ocorridas no estado nordestino que nas últimas décadas teve um “boom” na gestão pública e na economia privada, mas que ainda não conseguiu avançar a contento, por exemplo, no combate ao analfabetismo que atinge cerca de 15% da população cearense.

Contudo, alguns dos dados sobre o Ceará levantados por Jocélio Leal são surpreendentes e fazem com que, nós maranhenses, reflitamos do porquê do nosso estado está parado no tempo do ponto de vista econômico e do empreendedorismo. Senão vejamos.

– A empresa que lidera o mercado de águas no País é cearense. Conforme o Euromonitor Internacional, o Grupo Edson Queiroz é líder nacional no mercado de água engarrafada, com 10,7%. A empresa cearense adquiriu a Nestlé Waters Brasil, a quinta colocada no ranking, com 1,9% do mercado – um oceano de água doce de R$ 24 bilhões no ano passado e 10,3 bilhões de litros.

– Alimentos. A líder de massas e biscoitos do País tem sede no Eusébio, na Região Metropolitana de Fortaleza. A M. Dias Branco é uma gigante detentora de impressionantes 32% de market share (fatia de mercado) no Brasil. Na Bovespa, atingiu R$ 20.390 bilhões.

– Telecomunicações. No Interior do Estado, fica um dos cases nacionais no setor. A Brisanet, com sede em Pereiro (CE), atende 170 mil famílias no interior do Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte com serviços de telecomunicações – internet, TV e telefonia. Já entregou mais 10 mil quilômetros de fibra ótica até no fim do mês passado. Acaba de fechar R$ 20 milhões com o BNDES, em operação que o Banco do Nordeste tinha o maior interesse.

– Um dos destaques no segmento de saúde privada é de Fortaleza. O Hapvida tem cerca de 4 milhões de clientes em 11 estados. É um case de eficiência como empresa e está em pleno período de silêncio que antecede sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

–  O SAS. Uma plataforma de educação que desenvolve conteúdo, tecnologia e serviços de excelência para mais de mais de 700 escolas, sendo que 80 novas escolas só em 2018 e mais 430 mil alunos. Tem planos de igualmente ir para a Bovespa. E nem se fale nos índices de aprovação no ITA, IME e Enem. Vide as escolas privadas locais. Farias Brito, 7 de Setembro, Master e outros. Ou também no varejo farmacêutico. A Pague Menos tem mais de 1 mil lojas, mas quer duas mil e um IPO.

INVESTIMENTOS PRIVADOS e CULTURA EMPREENDEDORA

Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP)

Chega a ser constrangedor, e mesmo vergonhoso, observar que o Ceará teve a coragem de romper com um clico de atraso que há anos imperava no estado, e o Maranhão sequer dá sinais de que pode efetivamente ser um local seguro do ponto de vista político, jurídico e institucional para investimentos privados.

Por estas terras persiste a economia estatal sob sucessivos governos, inclusive no atual; de abusar dos recursos públicos aumentando gastos com a folha de pagamento, para isso, basta ver o caso do programa “Mais Capelães”, que hoje somam mais de uma centena de nomeados pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Falta para o Maranhão estabelecer as condições para que seja criada uma cultura empreendedora, seja na forma de encarar a gestão pública para que dê resultados que a sociedade/contribuintes exigem, seja setor produtivo privado estimulando micro, pequenos, médios e grande negócios.

O fato é que governo Flávio Dino, e dele que temos que cobrar pois prometeu um paraíso nas eleições de 2014 e o que se vê hoje é um Maranhão estagnado, inviabilizado e liquidado administrativamente, com o sério risco de a qualquer momento não conseguir honrar com o pagamento do funcionalismo.

Não por acaso que reportagem da revista Valor Econômico, divulgada nesta segunda-feira (30), confirma essa tendência de crise e pobreza extrema no estado, conforme macrodados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) -, a revista aponta que, entre 2016 e 2017 o número de maranhenses vivendo com menos de US$ 60 por mês cresceu assustadoramente em São Luís (48%) e segue crescendo no interior (1%).

Esse é o Maranhão.

Que nunca conseguiu ser um “Ceará”, embora reúna todas as condições e potencialidades para ser um “tigre” do Nordeste.

Uma lástima!