NÃO PÔDE COM O POTE: Weverton Rocha devolverá Sistema Difusora à família Lobão 24

O “Maragato” já vinha dando sinais de que havia perdido fôlego financeiro para comprar o sistema. Ou seja, quem não pode com o pote não segura na rodilha…

Acabou-se o que era doce…

O Blog do Robert Lobato foi informado no início da tarde desta quarta-feira, 22, de que o deputado federal Weverton Rocha (PDT) vai entregar, em janeiro de 2018, o Sistema Difusora de Comunicação aos donos de direito, no caso, a família Lobão.

Arrendadas pelo parlamentar pedetista desde o início de 2016 com promessa de compra para este ano de 2017, a TV Difusora e Rádio Difusora FM se tornou um compromisso pesado para Weverton conseguir honrar, tanto que ele já vinha dando sinais de que havia perdido fôlego financeiro para comprar o sistema. Ou seja, quem não pode com o pote não segura na rodilha…

PF de olho

A coisa começou a apertar mais ainda após da prisão do advogado Willer Tomaz, amigo de Weverton e operador dos famigerados irmãos Jowesley e Wesley Batista, da JBS/J&F. Willer foi preso na Operação Patmos, da Polícia Federal, e ainda encontra-se recolhido no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal.

A aquisição do sistema Difusora faz, ou fazia, parte de um audacioso, e até certo ponto corajoso, projeto político de Weverton Rocha com os comunistas do PCdoB que consiste em dar total apoio ao “Maragato” para o Senado Federal em troca do apoio do PDT à reeleição de Flávio Dino em 2018, e em 2022 a chapa seria investida com o Weverton governador-12 e Flavio senador-650.

Só que esqueceram de combinar com a Polícia Federal, que está de olho nas movimentações milionárias de muita gente no Maranhão que até ontem não tinha no “fiofó” o que periquito roesse.

DEU NO ESTADÃO: Ricardo Saud pode revelar o que disse reservadamente a parlamentares após sessão da CPMI da JBS 2

Após a sessão, Saud teria dito, reservadamente, que tem mais a falar sobre o dinheiro dado aos políticos, inclusive a governadores

A edição de ontem, 1, do Jornal O Estado de São Paulo, traz uma nota (veja abaixo) que pode ter deixado muito político de cabelo em pé, principalmente aqueles quem receberam dinheiro e/ou propina da JBS.

Segundo o Estadão, via coluna assinada pela jornalista Naira Trindade em colaboração com o seu colega Leonel Rocha, o ex-executivo da JBS, Ricardo Saud, está disposto a falar o que não teve coragem de revelar na última sessão da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), que investiga esquemas de corrupção e outras maracutaias envolvendo políticos e a empresa do famigerado Joesley Batista.

Após a sessão, Saud teria dito, reservadamente, que tem mais a falar sobre o dinheiro dado aos políticos, inclusive para alguns governadores.

Em nome da CPMI, o deputado Fernando Francischini (SD/PR) resolveu propor à Procuradoria-Geral da República um novo depoimento do delinquente Ricardo Saud.

Confira a nota do Estadão.