O estado é o Maranhão, mas pode chamá-lo de “Impostolândia” 4

Enquanto o aumento de impostos é o caminho optado pelo governo maranhense, ‘nadica de nada’ sobre novos investimentos no estado. Pelo contrário, a notícia que se tem é sobre o fato do Maranhão ter deixado de ser o destino de empresas privadas que não confiam na conjuntura local sob Flávio Dino.

O Governo do Maranhão voltou a ser alvo de críticas por conta das novas “garfadas” no bolso dos contribuintes ao anunciar, novamente, aumentos de impostos.

Reportagem de O Estado publicada edição desta terça-feira, 4, aponta que o povo maranhense já pagou, só em 2018, R$ 6,2 bilhões em ICMS.

Agora o governo comunista de Flávio Dino (PCdoB) resolveu encaminhar à Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 239/2018 que aumenta, mais uma vez, o ICMS de uma série de produtos no Maranhão, entre os quais: gasolina, refrigerante, energéticos, isotônicos, embarcações de esporte e de recreação. Até rodas esportivas para automóveis e drones serão sobretaxados.

Ao optar por novos aumentos de impostos, o governo dá razão aos seus críticos sobre a grave crise fiscal e financeira que atravessa o estado do Maranhão. Tanto que vários setores do funcionalismo público estão com salários atrasados, outros com vencimentos defasados, fornecedores há meses sem receber pelos serviços prestados e por aí vai. Isso sem falar da questão previdenciária que caminha a passos largos para o abismo.

O fato é que o aumento de impostos é o caminho optado pelo governo maranhense, nadica de nada sobre novos investimentos no estado. Pelo contrário, a notícia que se tem é sobre o fato do Maranhão ter deixado de ser o destino de empresas privadas que não confiam na conjuntura local sob Flávio Dino.

E, assim, enquanto os investimentos privados não chegam, o Maranhão vai se tornando a terra dos impostos ou, simplesmente, a “Impostolândia”.

Uma lástima!

VÍDEO: Wellington é contra alta no preço de combustíveis e impede votação de projeto de Flávio Dino que aumenta impostos no Maranhão

Na tarde desta segunda-feira (03), o deputado estadual Wellington do Curso articulou para que proposta do governo do estado que aumenta impostos no Maranhão não fosse votada. Trata-se do Projeto N° 239/2018, que aumenta mais uma vez os impostos e iria ser apreciado já na tarde de hoje, caso o deputado Wellington não fizesse intervenção em defesa do povo do Maranhão. A votação foi adiada para a próxima quarta-feira.

Caso o Projeto seja aprovado, nos casos de produtos como gasolina, refrigerante, energéticos, isotônicos, embarcações de esporte e de recreação – inclusive esquis aquáticos, kites e jets skis – o ICMS a ser cobrado passa de 25% para 28,5%. Além disso, o projeto acrescenta óleo diesel e biodiesel à lista de produtos que recebem um adicional de dois pontos percentuais na alíquota do mesmo ICMS, subindo de 16,5% para 18,5%.

Sobre a situação, o deputado Wellington deixou claro o seu voto em defesa do povo e contrário ao aumento de impostos.

“Em 2016, votei contra o aumento dos impostos e vou votar contra novamente. Hoje, Flávio Dino tentou dar um golpe em todos nós. Com muita luta, conseguimos barrar o projeto hoje, mas será votado na próxima quarta-feira. Você, trabalhador maranhense, é o nosso convidado para essa votação. Vamos juntos dizer não ao aumento de impostos”, disse o deputado a Wellington.

Confira o vídeo onde o parlamentar tucano faz um resumo final da sessão

O Palácio dos Leilões 2

Não será de causar espanto, ao menos para o Blog do Robert Lobato, se a qualquer momento estourar um escândalo envolvendo o governo e VIP Leilões de proporções iguais ou maior ao que houve no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde

O pátio da Vip: confisco para bancar a fúria arrecadatória do governo comunista.

O governo Flávio Dino (PCdoB) segue com a sua política vergonhosa, autoritária, imoral e ilegal de confiscar motos e automóveis dos proprietários com IPVA atrasado para, em seguida, leiloá-los.

Pelos quatros cantos do estado, da capital ao interior, a ordem é multar, confiscar e mandar os veículos para o pátio da famigerada empresa VIP Leilões, localizada na BR-135, no Distrito Industrial de São Luis.

Essa política nefasta de confisco de bens dos cidadãos maranhenses é para manter outra política, não menos nefasta para os contribuintes, que é fúria arrecadatória do governo comunista por impostos. Ou seja, um governo tão glutão por impostos quanto o governador por comidas e bebidas.

A situação é tão desgraçadamente dramática que há casos onde proprietários, tomados por uma revolta perfeitamente compreensível, preferirem destruir suas motos ou carros a vê-los guinchado pela VIP Leilões – que praticamente se tornou sócia do governo nesse negócio milionário! Aliás, não será de causar espanto, ao menos para o Blog do Robert Lobato, se a qualquer momento estourar um escândalo envolvendo o governo e VIP Leilões de proporções iguais ou maior ao que houve no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde.

Será o momento em que maranhenses descobrirão que, em verdade, o nome da sede do Governo do Maranhão chama-se Palácio dos Leilões.