SENADO 2018: Petistas organizam movimento contra pré-candidatura de Eliziane Gama 18

Além de ter votado a favor do impeachment de Dilma, Eliziane Gama pediu a anulação do defesa de José Eduardo Cardozo durante o processo de afastamento da petista e também a careação de Lula com o ex-deputado Pedro Corrêa (PP), durante a CPI da Petrobras

Há em curso no PT maranhense um movimento contra a pré-candidatura da deputada federal Eliziane Gama (PPS) ao Senado Federal na chapa de Flávio Dino (PCdoB).

Setores expressivos do partido, principalmente o coletivo de mulheres e a corrente Resistência Socialista, todos ligados ao “Dinopetismo”, ou seja, ao braço do PT que apoia o governo, não querem nem ouvir falar na hipótese do partido estar num mesmo palanque junto de quem consideram “golpista”.

No caso das petistas, a secretária de Mulheres do Diretório Estadual, Edinalva Alves, que encontra-se em Curitiba participando de um ato em prol da liberdade do ex-presidente Lula, está articulando uma nota dura contra o apoio do PT à pré-candidatura de Eliziane.

O Blog do Robert Lobato não conseguiu contato com a dirigente Edinalva Alves, mas as informações que chegam é que não vai ser nada fácil a vida da Eliziane em relação aos petistas e às petistas, pois se existe alguma unidade no PT maranhense é justamente o veto ao apoio do partido a seu projeto de senadora.

O tom no partido é que será constrangedor, para o próprio governador Flávio Dino, estar no palanque ao lado da irmã e ter que ouvir a companheirada detonando os “golpistas”.

Para que não lembra, além de ter votado a favor do impeachment de Dilma, Eliziane Gama pediu a anulação do defesa de José Eduardo Cardozo durante o processo de afastamento da petista e também a careação de Lula com o ex-deputado Pedro Corrêa (PP), durante a CPI da Petrobras.

Por essas, e outras, é que Eliziane Gama se tornará uma tremenda dor de cabeça para Flávio Dino. E não é por acaso que já se fala que a irmã pode, até as convenções, ser convencida pelo Palácio dos Leões de uma candidatura a deputada estadual como “puxadora de votos”.

Só Jesus!

FLÁVIO DINO: “O deputado Waldir Maranhão teve a coragem que poucos tiveram. Tem meu respeito.” 6

Uma sequência de tweets do governador Flávio Dino postados na época que Waldir Maranhão acatou a tese do “jurista” Flávio Dino, não deixa qualquer sombra de dúvida de que o comunista não só convenceu o então ex-presidente da Câmara a anular o impeachment da Dilma, como tinha mesmo um acordo de fazê-lo seu candidato a senador.

Muitos governistas, aliados dos comunistas e também a imprensa alugada com prazo determinado para terminar no dia 31/12/2018, tentam desqualificar a insistência do deputado federal Waldir Maranhão em fazer com que o governador Flávio Dino (PCdoB) cumpra o acordo firmado com o parlamentar de tê-lo como um dos seus candidatos a senador.

O acordo existe e foi fechado na época que Waldir era o então presidente da Câmara dos Deputados e aceitou acatar uma “tese jurídica” do governador maranhense de que era perfeitamente legal anular o impeachment da presidente Dilma.

A sequência de tweets do governador Flávio Dino, postados na época que Waldir Maranhão acatou a tese do “jurista” Flávio Dino e que o Blog do Robert Lobato reproduz a seguir, não deixa qualquer sombra de dúvida de que o comunista não só convenceu o ex-presidente da Câmara de anular o impeachment, como havia mesmo um acordo político com o aliado. Confira.

Graças a Deus ainda estão vivos o Lula, Dilma, José Eduardo Cardozo, Orlando Silva, Ricardo Capeli, entre outros que agora são cobrados pela história.

ELEIÇÕES 2018: Filiação de Waldir Maranhão no PT é uma exigência nacional do partido 2

Waldir Maranhão já deu demonstração que é um político de posição, que cumpre os acordos firmados com os aliados. Não é do tipo de que diz uma coisa em pé no palanques ou na tribuna e faz outras sentado nas mesas de conversas

A filiação do deputado federal Waldir Maranhão aos quadros do Partido dos Trabalhadores extrapola as questões políticas locais.

Há componentes nacionais que tornam a entrada do ex-presidente da Câmara dos Deputados uma exigência, inclusive o fato do partido querer eleger mais senadores já que alguns dos atuais terão dificuldades de reeleição.

Waldir Maranhão já deu demonstração que é um político de posição, que cumpre os acordos firmados com os aliados. Não é do tipo de que diz uma coisa em pé no palanques ou na tribuna e faz outra sentado nas rodas de conversas.

Isso ficou claro quando aceitou o desafio de cancelar o impeachment da Dilma num ato de coragem que lhe custou alto, mas que soube enfrentar com coragem e lealdade.

O parlamentar não está entrando no PT pelas portas dos fundos ou de “contrabando” com sua ficha de filiação misturadas à outras de filiados sem expressão pública. Pelo contrário, Waldir Maranhão deseja entrar pela porta da frente e com diálogo com as instâncias nacionais e locais do partido.

E é dessa forma que o deputado deverá oficializar seu pedido de filiação nesta segunda-feira, 26, às 17h, no diretório municipal do PT.

É aguardar e conferir.

José Reinaldo foi vetado ideologicamente por Flávio Dino e tem consciência disso 10

Demorou para o ex-governador entender isso, e quando despertou para a dura realidade já foi em cima da hora a ponto de agora encontrar dificuldades para abrigar-se em um partido que possa viabilizar o seu projeto de Senador da República.

O deputado federal José Reinaldo Tavares (sem partido) não esconde de amigos e interlocutores que foi vetado ideologicamente por Flávio Dino (PCdoB) na sua intenção de ser candidato a senador pelo grupo do comunista. Aliás, o Blog do Robert Lobato já havia feito essa análise em postagem anterior.

José Reinaldo tem concepção de mundo, sociedade, política, partido e gestão completamente oposta a de Flávio Dino. Basta ver como o deputado se posiciona na Câmara Federal em relação ao governo Temer ou mesmo ler os artigos semanais assinados por ele no Jornal Pequeno. Sem falar que o governador comunista entende que o seu criador está “ultrapassado” e que não cabe no seu intento de “renovação” dos quadros políticos do estado.

Alguns insistem em afirmar que ex-governador irá voltar para o grupo governista mesmo ele afirmando e reafirmando que não tem retorno. Esses “anjos da paz”, como o próprio José Reinaldo os denomina, só esquecem de dizer que Flávio Dino nunca!, repito, nunca!, teve a preocupação de pegar o telefone e ligar para o parlamentar propondo uma conversa, um entendimento sobre os interesses de cada um. Prefere mandar recardo pela imprensa palaciana.

Demorou muito para o deputado José Reinaldo entender tudo isso, e quando despertou para a dura realidade já foi em cima da hora a ponto de agora encontrar dificuldades para abrigar-se em um partido que possa viabilizar o projeto de Senador da República.

Outra grande verdade, e é bom que se diga, é que Flávio Dino nunca perdoou José Reinaldo por ter votado a favor do impeachment da Dilma, não porque morra de amores pela petista, mas por pura vaidade pessoal de quem queria mostrar ao Brasil que tinha o voto do ex-governador, o que não ocorreu. Foi bem ali o exato momento em que Zé Reinaldo selou o seu destino.

Ou melhor dizendo: Flávio Dino selou o destino de Zé Reinaldo…

Rogério Cafeteira elogia voto do senador Roberto Rocha contra medidas cautelares do STF 2

Rogério Cafeteira elogiou a coragem do senador tucano que não se rendeu à pressão da chamada opinião pública.

O deputado Rogério Cafeteira (PSB), líder do governo Flávio Dino na Assembleia Legislativa, elogiou o voto do senador Roberto Rocha (PSDB) contra as chamadas medidas cautelares impostas pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a membros do Poder Legislativo, no caso específico da votação de ontem, a situação do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

“Sobre o voto do Roberto em relação ao afastamento do Aécio eu concordo e acho que foi corajoso em relação a opinião pública”, assegurou o líder governista.

O elogio foi feito num grupo da rede social do WhatsApp composto por vários políticos, jornalistas e formadores de opinião do município de São João dos Patos e outras cidades maranhenses.

Para não parecer que o parlamentar ficou só no elogiou a senador, que será adversário do governador Flávio Dino em 2018, Rogério Cafeteira lamentou: “Ele [Roberto Rocha] só deveria ter tido a mesma postura de coragem e justiça no caso do impeachment da Dilma, no segundo caso ele preferiu as conveniência política”.

O curioso é que não se tem notícias de que o deputado Rogério foi um árduo defensor da presidente Dilma na época do impeachment…

Sem falar que o próprio governador Flávio Dino foi completamente omisso em relação ao impeachment quando o processo chegou ao Senado Federal.

Faltou o líder registar esse fato.