A fama de traidor de Flávio Dino já é nacional 4

Flávio Dino terá que passar o resto do ano carregando o fardo de ser ingrato, desleal e mesmo um político inclinado a trair os aliados, o que pode contabilizar prejuízos irreversíveis durante a campanha eleitoral de outubro

O Blog do Robert Lobato já havia feito o alerta de que a ingratidão do governador Flávio Dino (PCdoB) em relação aos aliados poderia deixar o comunista com a má fama de traidor. Não deu outra!

Depois de passar uma rasteira no ex-governador e atual deputado federal José Reinaldo Tavares, principal responsável pela sua carreira política, Flávio Dino faz do também deputado federal Waldir Maranhão a sua última (ou penúltima?) vítima – ambos os deputados filiaram-se ao PSDB do senador Roberto Rocha na semana passada.

Diferentemente da traição a José Reinaldo, no caso de Wadir Maranhão a coisa ganhou repercussão nacional.

Primeiro foi no site Diário do Poder através da matéria onde o ex-presidente de Câmara dos Deputados revela um pouco dos bastidores que o levaram a pedir a anulação do impeachment da Dilma (veja aqui).

Ontem, 9, foi a vez do site Ucho.Info dar repercussão ao fato de Flávio Dino ter abandonado o compromisso político-eleitoral que tinha firmado com Waldir Maranhão.

Num texto duríssimo, a redação do Ucho.Info afirma que o governador maranhense é “um traidor que bambeia entre o ego doentio e o comportamento pusilânime” (veja aqui).

O fato é que Flávio Dino terá que passar o resto do ano carregando o fardo de ser ingrato, desleal e mesmo um político inclinado a trair os aliados, o que pode contabilizar prejuízos irreversíveis durante a campanha eleitoral de outubro.

E por falar em lealdade ou deslealdade política, como queiram, o Blog do Robert Lobato deixa para reflexão as palavras do atual governador São Paulo, Márcio França (PSB), que recentemente provou do gostou amargo da ingratidão ao ter apoio negado, a sua reeleição de governador, pelo prefeito da capital paulista João Doria (PSDB), que irá enfrentar o socialista na disputa ao governo.

Para quem não sabe ou não lembra, França, ao lado do agora ex-governador Geraldo Alckimin (PSDB), que deixou o cargo para se candidatar a presidente da República, foi um dos principais avalistas da candidatura de Doria a prefeito em 2016.

Confira as palavras de Márcio França ditas durante a sua posse no Palácio Bandeirantes.

(Qualquer semelhança com o que aconteceu no Maranhão não é mera coincidência).

Ah a lealdade… essa velha e honrada senhora certeira
Não tem dia e não tem hora, que eu te esqueça
Nem que o mundo acabe ou que eu desapareça…
Lá vai você comigo, minha querida companheira

Não sei se nasceu em mim, ou se meus pais me impregnaram
Só se sei que me acompanha resistente pela vida inteira,
E me abriu caminhos decisivos, que só por ti passaram

Ah a Lealdade
Condutora segura do meu destino, presente em mim, desde menino, orientou meus passos e minha conduta
Assim, sempre, fui leal a Deus, sobre todas as coisas, pois sei que ao final, não seria em vão a minha luta

Fui leal a fé e aos exemplos dos nossos antepassados na história
De luta resistente de Bartyra e Tibiriçá, de João Ramalho e do Bacharel de saudosa memória

De sabedoria do gênio José Bonifácio, de resistência cívica de Júlio Prestes, que nunca procurou o fácil, da coragem de Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo,

De quem ingere o remédio, ainda que seja amargo
De caridade De Dom Paulo Evaristo Arns, do gênio de Monteiro Lobato e a sua história famosa
Da sensibilidade Oswald de Andrade e Adoniran Barbosa

Fui leal a família, essa cesta de almas acolhedoras e queridas,
Que me dedicam o seu melhor,
Dispondo parte das suas próprias vidas

Fui leal a minha Pátria, que me concedeu a liberdade
Que me permitiu exercer minha vocação
lutar por mais justiça e igualdade
E ser feliz ao exercer e amar a minha profissão

Fui leal a minha terra querida, origem da minha jornada
São Vicente: mãe da Pátria, por vezes esquecida
Terra de gente simples e honrada

Fui leal aos amigos de infinitas caminhadas,
Muitos hoje, governador, por aqui, e outros que aqui não chegaram
Mas estão sempre comigo, pelas vitórias conquistadas
E pelas marcas profundas que em mim deixaram

Meu conterrâneo Mario Covas, o cavaleiro heroico que me transmitiu coragem
Miguel Arraes de Alencar, meu eterno mestre e inspirador
Eduardo Campos, irmão querido, alma gêmea que a vida me emprestou de passagem,
Tercio Garcia, herdeiro dos meus sonhos e sócio da minha dor
Todos estes, e tantos outros, estão por aqui, em algum canto deste salão

Felizes, orgulhosos, e me passando a emoção
Que reforça minha fé de poder cumprir minha nova missão!

Fui leal aos meus pais,
Primeiro amor que senti minha querida mãe Myrthes
Que Deus permite que hoje esteja aqui linda, guerreira, forte e decidida
Caiçara de Iguape, outra terra querida

E leal principalmente ao que me ensinou Luiz Gonzaga, meu herói, meu pai
Que da vida se foi, mas que de mim não sai
Médico dos pobres, herdeiro da melhor tradição
De que palavra dada que é palavra cumprida
De que a honra é marca pra não ser esquecida
De só fazer o bem a todos, e trabalhar por missão

Fui leal aos meus filhos, amados, Helena e Caio, Fernanda, e aos meus netos Enzo e Laurinha
Que me permitiram esclarecer, uma velha dúvida minha
Pois que com eles fiquei certo
De que de fato atingimos a eternidade,
Quando temos nossa continuidade por perto,
Quando filhos e netos se tornam realidade

Fui leal a minha metade querida
Lucia, luz dos meus caminhos,
Eu sempre soube que Deus me havia reservado você, minha prometida
Para facilitar as rosas e me poupar espinhos,
Desde que lhe vi, primeira namorada, sabia que era para sempre e que dividiríamos a estrada
Cá estamos, querida, para dividir contigo mais um compromisso de fé e de responsabilidade
Só sei que seremos capazes pela nossa total cumplicidade
Amo tudo em você, mas acima de tudo, sua lealdade….

Fui finalmente leal aos meus princípios e ao meu ideal
Meu partido pra mim não é uma sigla banal,
Vivo para permitir que todos possam ter as mesmas oportunidades que eu tive na vida
Que todos possam ser felizes como eu fui, que a lembrança lhes seja querida
Que todos possam exercer suas vocações, que trabalhem por prazer
Que os meninos não tenham que vender os seus sonhos nem vilipendiar o seu ser
Que amem seu País e admirem seus governantes
Que o futuro seja sempre melhor do que foi antes

Que todos possam acreditar mais no que são, do que no que têm
Que a Lei sirva a todos e que não privilegie ninguém
Que as decisões mais importantes possam vir do voto do povo
Que a tolerância e a generosidade possam vencer de novo

Que digam com orgulho que moram em
Uma Pátria Amada, e gentil
Que não fujam da luta
E que nunca desistam do Brasil!!!

Por fim, Governador, Eternamente Governador Geraldo Alckmin, amigo e companheiro,
Sou e serei leal ao seu legado,
A sua conduta e ao seu exemplo certeiro
Sua humildade, seu exemplo, sua discrição, sua perseverança e a sua retidão

Seu Pai, por certo, lhe acompanha orgulhoso e feliz, junto com outros queridos de tantos momentos
Sabe que o senhor também fez na vida o que quis
E foi leal a ele, aos seus princípios e ensinamentos

Vá em Paz, Governador, que o Senhor lhe acompanhe
Um abraço a Dona Lu, sua metade querida na eterna caminhada de vida
Nós estaremos sempre aqui, felizes e orgulhosos do seu sucesso e das suas realizações,
Do cumprimento do seu destino e das suas missões

Saiba que no dicionário cravado nas nossas almas e guardado no coração
Só há uma palavra que precede a palavra lealdade…
E essa palavra é gratidão!
Todos nós, brasileiros de São Paulo, agora, de pé e a ordem, lhe pedem permissão
Para aplaudi-lo por toda sua dedicação, sua lealdade ao povo, seus amigos e a sua Nação!

Palmas a Geraldo Alckmin!
Palmas e palmas a Geraldo Alckmin!
O filho humilde e brilhante que de Pinda saiu, que serviu aos seus e deu exemplo ao Brasil!
Viva São Paulo, terra de quem tem palavra, terra que vive a lealdade
Viva o Brasil, viva a verdade!!

Flávio Dino, o ‘Moro’ do Maranhão 32

Pelas práticas, pela empáfia, pela vaidade pessoal e pelo autorismo fruto da “síndrome da juizite”, Flávio Dino pode ser considerado o “Moro” do Maranhão. Com a diferença de não poder fazer uso do discurso anticorrupção.

O governador Flávio Dino (PCdoB) criticou duramente o juiz federal Sérgio Moro por ter determinado a prisão do ex-presidente Lula obedecendo a uma determinação do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o tal TRF-4.

Com a ideia fixa de se tornar uma “liderança nacional” e até ocupar um espaço de destaque na esquerda brasileira a partir da fragilidade que o ex-presidente Lula enfrenta, cabe a Flávio Dino criar factoides como esse de criticar o juiz Sérgio Moro por oportunismo.

Todavia, Flávio Dino sofre do mesmo mal do juiz da república de Curitiba no tocante ao autoritarismo e vaidade pessoal.

O maior exemplo disso foi o esforço que o comunista fez para que o PT vetasse a filiação do deputado federal Waldir Maranhão ao partido do Lula. Aliás, e é bom que se diga, não foi apenas um veto ao Waldir, mas ao próprio PT, que Flávio Dino esnoba por saber que o domina através de cargos, sinecuras e outros instrumentos pecuniários, inclusive o próprio presidente estadual do partido, que pela manhã vai despachar na sede do PT e à tarde corre para bater o ponto no Palácio dos Leões.

Flávio Dino utilizou-se da sua autoridade de chefe dos petistas que têm contracheque no seu governo para tripudiar, enganar e trair Waldir Maranhão, cujo único pecado que cometeu foi ter atendido a uma orientação do comunista para anular o impeachment da Dilma.

O que Flávio Dino fez contra Waldir Maranhão foi de uma covardia sem tamanho! E o fez sem o menor pudor, sem a menor cerimônia.

Pelas práticas, pela empáfia, pela vaidade pessoal e pelo autorismo fruto da “síndrome da juizite”, Flávio Dino pode ser considerado o “Moro” do Maranhão.

Com a diferença que não poder fazer uso do discurso anticorrupção.

A quem Joaquim Haickel serve? (Parte final) 30

Que Quincas mantenha-se firme em ao menos numa posição que tem defendido com rigor nas redes sociais e grupos de WhatsApp: a de ajudar derrotar Flávio Dino nas eleições de 2018

Bom, o Blog do Robert Lobato chega à última parte da trilogia A quem Joaquim Haickel serve?.

Confesso que não imaginava que faria tanto sucesso essa série de posts entre os nossos leitores. “Bombou”, para usar o jargão das redes sociais (Rsrsrs).

Entre muitos comentários, vários elogios e algumas críticas, fica a impressão de Joaquim Haickel é uma personalidade controversa no meio político. E isso não é ruim não, uma vez que mostra que o ex-deputado influencia, de alguma forma, a opinião pública.

Que fique claro que em nenhum momento este humilde blogueiro quis sacanear com Quincas, apenas tentou fazer um debate democrático com o imortal da Academia Maranhense de Letras sobre se vale apena ser tão gelatinoso politicamente falando.

Embora tenha respondido de forma malcriada, diga-se, a pergunta que dá título à trilogia afirmando que só serve a sua consciência, o velho e bom Quincas deixou algumas dúvidas no ar. Senão vejamos.

Embora ele tenha dito que é “sábio” e “sabido”, pelo menos no caso do “sabido” ele concorda comigo, Joaquim tergiversa sobre em quem votará concretamente para governador. Ou seja, defende apaixonadamente a “tese Braide”, mas evita declarar voto abertamente ao jovem deputado estadual a quem jura não conhecer direito, o que é hilário uma vez que quem é “sábio e sabido” deveria conhecer melhor o pré-candidato que ele assegura ser o único a ter chances de vencer Flávio Dino nas eleições de outubro.

Joaquim Haickel jura de pés juntos que é “sarneysista” e não se envergonha de admitir essa sua condição, apenas faz questão de fazer a devida ressalva de que não é “roseanista”. É um direito dele.

A única certeza que se tem é que o primeiro voto para senador de Quincas é o deputado federal Weverton Rocha devido a relação fraterna que construíram em nome e em torno do Ginásio Costa Rodrigues onde Quizinho praticava basquete nos tempos de juventude. O segundo voto ainda é um mistério, talvez o seu amigo Fernando Sarney o convença de votar em Zequinha. Talvez…

De qualquer forma, e pelo seu jeito “amplo” de fazer política, meu caro amigo Joaquim teria espaço em qualquer governo e possui qualidades políticas e técnicas para assumir, por exemplo, uma Secretária de Cultura seja Flávio Dino, Roseana Sarney, Roberto Rocha, Eduardo Braide, Maura Jorge ou qualquer outro ou outra que ganhar a eleição.

Por fim, que Quincas se mantenha firme pelo menos na posição que tem defendido com rigor nas redes sociais e grupos de WhatsApp: a de ajudar derrotar Flávio Dino nas eleições de 2018.

E que Joaquim Haickel continue servindo a sua consciência.

Ou consciências…

A atuação parlamentar de Wellington do Curso e a irresponsabilidade de um governador 10

Ao sugerir que Wellington do Curso poderia estar “a serviço de facções criminosas”, Flávio Dino não apenas comete uma irresponsabilidade medonha como esquece que o seu governo, isso sim, foi acusado por entidades e autoridades sérias ligadas ao direitos humanos de ter feito acordos com facções do crime organizado para conter rebeliões no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

“Muito empenho de alguns políticos em combater ações policiais sérias no Maranhão, que estão reduzindo criminalidade. Fico preocupado se não estão a serviço de facções criminosas. Infelizmente esse tipo de infiltração acontece no Brasil”.

Foram com as palavras acima que o governador Flávio Dino (PCdoB), no alto da sua bazófia, tentou desqualificar a ação parlamentar do deputado estadual Wellington do Curso (ainda no PP).

Wellington é conhecido e reconhecido pela forma aguerrida com que atua na Assembleia Legislativa e tem sido um crítico ferrenho quanto à forma com que o governador comunista tem tratado a segurança pública no Maranhão, inclusive em relação às atrapalhadas cometidas na realização de concursos para o setor.

Ao sugerir que Wellington do Curso poderia estar “a serviço de facções criminosas”, Flávio Dino não apenas comete uma irresponsabilidade medonha como esquece que o seu governo, isso sim, já foi acusado por entidades e autoridades sérias ligadas ao direitos humanos de ter feito acordos com facções do crime organizado para conter rebeliões no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

São arroubos do tipo que fazem crescer a cada dia, no seio do povo maranhense, o sentimento de que esse governador não tem rumo.

E precisa pegar um cartão vermelho nas eleições de outubro.

PT/MA: Presidente de fato do PT, Chico Gonçalves monta barricadas contra filiação de Waldir Maranhão 6

Ao invés de reconhecer que Waldir Maranhão é uma “invenção” do próprio Flávio Dino, que honrou o parlamentar até com a placa de “Waldir, guerreiro do povo brasileiro”, Chico Gonçalves prefere fantasiar que a filiação e a defesa da pré-candidatura do deputado ao Senado Federal pelo PT é obra e graça dos “sarnopetistas”

Atende pelo nome de Chico Gonçalves o principal líder da resistência à filiação do deputado federal Waldir Maranhão aos quadros do PT maranhense.

O secretário de Direitos Humanos do governo Flávio Dino (PCdoB) é quem hoje comanda de fato o PT, elabora as principais teses que agradam o Palácio dos Leões e cumpre a tarefa de montar barricadas contra a filiação do Waldir no partido.

Radical e sectário, Chico Gonçalves vê em Waldir Maranhão uma “ameaça” ao projeto de poder de Flávio Dino sabe-se lá fundamentado em quê.

Ao invés de reconhecer que Waldir Maranhão é uma “invenção” do próprio Flávio Dino, que honrou o parlamentar até com a placa “Waldir, guerreiro do povo brasileiro”, Chico Gonçalves prefere fantasiar que filiação e a defesa da pré-candidatura do deputado ao Senado Federal pelo PT é obra e graça dos “sarnopetistas”, como ele, Chico, e sua turma, costumam denominar os petistas que integram a corrente Construindo um Novo Brasil (CNB).

VERDADE INCÔMODA

Waldir Maranhão sela acordo com Augusto Lobato para o PED/PT.

A verdade é que a CNB é uma corrente disciplinada e está sendo coerente politicamente ao obedecer o comando nacional do PT, que reconhece a legitimidade da filiação do Waldir Maranhão no partido pelo papel que o parlamentar cumpriu no processo de impeachment da presidente Dilma quado estava no exercício da presidência da Câmara dos Deputados.

A rigor, e é bom que se diga, a CNB sequer era para estar defendendo a entrada de Waldir no PT, pois, para quem não sabe ou não lembra, o parlamentar apoiou com ESTRUTURA foi a candidatura de Augusto Lobato no Processo de Eleição Direta do PT (PED/PT) ajudando a derrotar o deputado estadual Zé Inácio, o então candidato da CNB a presidente do partido.

Enfim, se tinha alguém para hoje estar defendendo com rigor a filiação de Waldir Maranhão no PT era exatamente Augusto Lobato, mas a “Rainha da Inglaterra” prefere se submeter às orientação do presidente de fato do PT, Chico Gonçalves, que na verdade são orientações do chefe deles, o governador Flávio Dino.

Pelo visto teremos uma Sexta-Feira Santa com menos milagres e mais traições.

Mas, se preciso for, o Brasil inteiro saberá quem é o Judas-mor do Maranhão.

É aguardar e conferir.

FLÁVIO DINO: “O deputado Waldir Maranhão teve a coragem que poucos tiveram. Tem meu respeito.” 6

Uma sequência de tweets do governador Flávio Dino postados na época que Waldir Maranhão acatou a tese do “jurista” Flávio Dino, não deixa qualquer sombra de dúvida de que o comunista não só convenceu o então ex-presidente da Câmara a anular o impeachment da Dilma, como tinha mesmo um acordo de fazê-lo seu candidato a senador.

Muitos governistas, aliados dos comunistas e também a imprensa alugada com prazo determinado para terminar no dia 31/12/2018, tentam desqualificar a insistência do deputado federal Waldir Maranhão em fazer com que o governador Flávio Dino (PCdoB) cumpra o acordo firmado com o parlamentar de tê-lo como um dos seus candidatos a senador.

O acordo existe e foi fechado na época que Waldir era o então presidente da Câmara dos Deputados e aceitou acatar uma “tese jurídica” do governador maranhense de que era perfeitamente legal anular o impeachment da presidente Dilma.

A sequência de tweets do governador Flávio Dino, postados na época que Waldir Maranhão acatou a tese do “jurista” Flávio Dino e que o Blog do Robert Lobato reproduz a seguir, não deixa qualquer sombra de dúvida de que o comunista não só convenceu o ex-presidente da Câmara de anular o impeachment, como havia mesmo um acordo político com o aliado. Confira.

Graças a Deus ainda estão vivos o Lula, Dilma, José Eduardo Cardozo, Orlando Silva, Ricardo Capeli, entre outros que agora são cobrados pela história.

O governo Flávio Dino, o DEM e a Saúde S/A 14

A Operação Pegadores, da Polícia Federal, já havia tirado o véu dos esquemas que assolam a gestão do secretário Carlos Lula. Agora, surge o que seria uma espécie de “Mercado Persa” comandado pelo DEM do deputado Juscelino Rezende

A ser rigorosamente factual a série de postagens do blog do Luís Pablo sobre denúncias envolvendo de familiares, aliados e correligionários do deputado federal Juscelino Filho, presidente estadual do Democratas, estamos diante de um escárnio, do mais completo apodrecimento da gestão no sistema de saúde pública maranhense e o escancaramento da promiscuidade nas relações políticas do Governo do Estado com os partidos da base.

Não é de agora que a Saúde do Maranhão foi transformada em uma espécie de S/A da corrupção e do aparelhamento político que só tem servido de business para alguns sabidos.

A Operação Pegadores, da Polícia Federal, já havia tirado o véu dos esquemas que assolam a gestão do secretário Carlos Lula (SES). Agora, surge o que seria uma espécie de “Mercado Persa” comandado pelo DEM do deputado Juscelino Rezende.

As novas denúncias que estão vindo à tona pelos blogs revelam os fundamentos, nada republicanos, diga-se, que sustentam a relação entre o governo comunista e o DEM. Fundamentos estes caracterizados pelo mais vergonhoso toma lá dá cá, e que explica o porquê do deputado Juscelino Rezende ter se transformado num dos principais “Menudos” do governador Flávio Dino.

Mas isso é assunto para outra postagem…

Uma eventual candidatura do MDB a presidente e seus reflexos no MA 4

Uma eventual candidatura do MDB deve ter consequência diretas nos estados podendo, por exemplo, desidratar consideravelmente o palanque de reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB).

O MDB ensaia uma candidatura própria a presidente da República.

Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, vai deixar o cargo por esses dias e deve pedir desfiliação do PSD e entrar no MDB.

A questão fundamental colocada no âmbito do Palácio do Planalto é saber se o candidato emedebista será o quase ex-ministro Meirelles ou será o próprio Michel Temer, podendo ambos comporem uma chapa, encabeçada por Temer, com Meirelles de vice.

Ora, uma candidatura do MDB deve ter consequências diretas nos estados podendo, por exemplo, desidratar consideravelmente o palanque de reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB). Não custa lembrar que muitos partidos que hoje estão na base comunista no Maranhão possuem ministro de Estado lá na Esplanada dos Ministérios: PP, PRB, DEM, PTB e PR são alguns exemplos.

Lógico que o jogo começa pra valer ali próximo das convenções, quando estará formatada as coligações em torno das candidaturas a presidente.

Porém, a possibilidade de Flávio Dino ficar reduzido a pouquíssimos partidos é cada vez maior.

ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino perambula pelo Senado e implora apoio a Agripino Maia pelo DEM 22

Assim que tiver o desfecho da questão do DEM no Maranhão, o Blog do Robert Lobato irá contar o que está por trás da investida desesperada de Flávio Dino pela legenda de direita que nada tem a ver com os ideários do PCdoB. Mas já adianta: não tem nada a ver com os minguados 17 segundos de propaganda de rádio e tevê que o DEM possui.

O governador Flávio Dino (PCdoB) foi visto no início da tarde desta quarta-feira, 21, perambulando pelo Anexo II do Senado Federal.

O comunista, segundo apurou o Blog do Robert Lobato, estava a caminho do gabinete do senador Agripino Maia (DEM/RN). O ex-presidente nacional do DEM ainda é dos que resistem à ideia de levar o partido para o palanque do PCdoB no Maranhão.

Blogs alugados para o Palácio dos Leões voltaram a propagar durante todo o dia, que o DEM fechou questão com o governador Flávio Dino, ainda que não haja uma única declaração do atual presidente da sigla, o prefeito de Salvador, ACM Neto, assegurando tal informação.

Assim que tiver o desfecho da questão do DEM no Maranhão, o Blog do Robert Lobato irá contar o que está por trás da investida desesperada de Flávio Dino nessa legenda de direita que é completamente oposta aos ideários e princípios do PCdoB.

Mas este editor já adianta: nada tem a ver com os minguados 19 segundos de propaganda de rádio e tevê que o DEM possui.

Vale a pena aguardar.