ELEIÇÕES 2018: Roseana Sarney reconhece que Flávio Dino a colocou no jogo eleitoral 20

O que o comunista não contava era com a presença de candidatos de outros campos políticos na disputa, tirando processo eleitoral do “bipartidarismo” sarneysistas versus anti-sarneysistas, o que deve levar a eleição para o segundo turno e com isso comprometer de morte o projeto de reeleição de Flávio Dino.

No seu primeiro programa eleitoral na tevê, a candidata Roseana Sarney (MDB), reconhece que Flávio Dino (PCdoB) é o grande responsável pelo seu retorno à política e a concorrer a mais um mandato de governadora do Maranhão.

“Eu achei que tinha pendurado as chuteiras, e fiquei em silêncio. Fiquei observando o que estava acontecendo como o meu estado. Eu fui vendo os erros, e o Maranhão não andava; e era um discurso diferente da prática. Meu sonho era outro”, afirmou.

De fato, Roseana Sarney não demonstrava qualquer interesse em disputar um quinto mandato de governadora, tanto que em 2014 sequer resolveu concorrer ao Senado Federal. Quando a emedebista diz que o “meu sonho era outro”, ela se refere ao planos de cuidar da família e “pendurar a chuteira”.

Foi o fraco desempenho de Flávio Dino e do o seu governo que trouxe a Roseana Sarney o jogo eleitoral. Foi criada uma forte expectativa de mudança em 2014, e passados 4 anos descobriu-se que essa mudança não veio, ficou só no “gogó”.

O que o comunista não contava era com a presença de candidatos de outros campos políticos na disputa, tirando processo eleitoral do “bipartidarismo” sarneysistas versus anti-sarneysistas, o que deve levar a eleição para o segundo turno e com isso comprometer de morte o projeto de reeleição de Flávio Dino.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: Leves semelhanças entre Flávio Dino e Jair Bolsonaro 14

O fato de Jair Bolsonaro não mais participar dos debates, de Flávio Dino fugir da Sabatina O Estado, e ambos ter uma uma “Wal”, seja com W ou com V, revela que o direitista candidato a presidente e esquerdista candidato à reeleição de governador têm, sim!, suas leves semelhanças.

Pode parecer provocação o título deste post, mas não é!

Trata-se apenas de uma constatação de como dois políticos situados em polos extremos do espectro político e ideológico podem se encontrar em algum momento no “infinito”.

Flávio Dino comunista do PCdoB. Jair Bolsonaro direitista extremo do PSL mas que poderia ser de qualquer partido reacionário. Até aqui nada de semelhanças é verdade.

Elas, as semelhanças, começam aparecer no fato de ambos tenderem para o autorismo. E mais do que isso: ambos não toleram o contraditório e muito menos serem confrontados com assuntos negativos relacionados as suas pessoas. É aqui começam as leves semelhanças. Senão vejamos.

Um dia após Bolsonaro declarar que não vai participar de mais nenhum debate entre os presidenciáveis, Dino decide não participar da Sabatina O Estado – e não se tem a certeza de que participará de outros debates com seus oponentes. Eis a primeira leve semelhança entre o esquerdista e o direitista.

A segunda leve semelhança surge agora com matéria da Revista IstoÉ intitulada A Val de Flávio Dino, dando conta da existência de uma Valquíria dos Santos que “vende mingau de milho na sua lojinha da periferia de São Luis, mas no seu endereço “funcionava” uma empresa de vídeo fantasma para onde o governador Flávio Dino destinou verbas de R$ 1,3 milhão na campanha de 2014” (leia a matéria aqui).

A “Val de Flávio Dino” da matéria de IstoÉ é uma alusão à Walderice Santos da Conceição, uma funcionária de Jair Bolsonaro que vende açaí na Vila de Mambucaba, em Angra dos Reis (RJ), na hora do expediente. A localidade é uma praia onde o presidenciável tem uma casa de veraneio.

Resumo da opereta: o fato de Jair Bolsonaro decidir não mais participar dos debates; de Flávio Dino fugir da Sabatina O Estado, e ambos ter uma uma “Wal”, seja com W ou com V, revela que o direitista candidato a presidente e esquerdista candidato à reeleição de governador têm, sim!, suas leves semelhanças.

Realmente os extremos se encontram algum momento…

O VERMELHO “AMARELOU”: Flávio Dino dá ‘zignal’ e não participa de Sabatina O Estado 8

O comunista sabe que não está mais na condição de “baladeira” com o poder de fogo de atirar em quem bem entender. Sua condição agora é de vidraça, daí o cálculo para não participar de eventos onde será cobrado não apenas pelo que fez de bom (se que é fez), mas do que deixou de fazer e do que praticou de malfeitos.

O governador Flávio Dino (PCdoB) apelou para o famoso ‘zignal’ e não compareceu hoje, 23, à Sabatina O Estado.

Marcada para às 10h, a entrevista não aconteceu porque o comunista alegou que “o jornal O Estado do Maranhão e o iMirante não apresentaram as regras da sabatina que assegurassem tratamento igual entre candidatos”. Balela!

Em 2014, pelo que consta, Flávio Dino participou de todas as sabatinas, entrevistas e debates que tivera direito, inclusive no sistema Mirante.

O que está havendo agora, em 2018, é que o comunista sabe que não está mais na condição de “baladeira” com o poder de fogo de atirar em quem bem entender. Sua condição agora é de vidraça, daí o cálculo para não participar de eventos onde será cobrado não apenas pelo que fez de bom (se que é fez), mas do que deixou de fazer e do que praticou de malfeitos.

A grande verdade é que Flávio Dino arregou!

O vermelho “amarelou”.

VITÓRIAS CONTRA O “DITADOR”: Um justo reconhecimento aos homens e mulheres que estão garantindo que o MA não se torne uma Coreia do Norte 6

O Blog do Robert Lobato parabeniza os homens e mulheres que estão garantindo, na Justiça, que o Maranhão não se torne uma Coreia do Norte no estilo daquele outro ditador buchudinho.

O jornalista e blogueiro Marco D’Eça fez um contundente e oportuno texto em reconhecimento à equipe de juristas da coligação da candidata ao governo Roseana Sarney-15, que vêm atuando junto à Justiça Eleitoral contra ao autoritarismo e em defesa da democracia, da liberdade de expressão e de imprensa.

“Um time de jovens advogados tem mostrado capacidade interpretativa e entendimento da legislação para impedir o autoritarismo das ações comunistas na Justiça Eleitoral. Na coligação da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), atuam diretamente no TRE os advogados Anna Graziella Santana Neiva Costa, Daniel Blume Pereira de Almeida, Mariana Costa Heluy, Thiago Brhanner Garcez Costa, Sérgio Muniz, Carlos Couto, José Eloi Santana Filho, José Luiz Fernandes Gama e Dirceu Pereira Chaves.”, escreveu o D’Eça (veja a íntegra do post).

De fato a equipe de advogados de Roseana Sarney é muito boa – só esta semana foram 12 derrotas do governador no âmbito do TRE-MA.

Contudo, gostaria de ir um pouco além do que foi o colega Marco D’Eça e contribuir com esse debate.

Ao lado do eficiente trabalho dos juristas de Roseana Sarney, atuam com similar competência outros juristas da oposição como Marcos Lobo que igualmente tem imposto derrotas ao governo comunista na Justiça Eleitoral, inclusive na defesa de jornalistas.

Só para lembrar, foi Marcos Lobo o autor da peça jurídica tecnicamente irreparável que levou à condenação de Flávio Dino em primeira instância tornando-o inelegível e fazendo do comunista um candidato sub judice.

Da mesma forma, pode-se citar o núcleo de combate à fake news instituído pelo candidato a governador Roberto Rocha-45 sob a coordenação do competente jurista Alex Ferreira Borralho.

Assim como os demais operadores de Direto citados anteriormente, Alex Borralho tem garantido vitórias importantes no âmbito da Justiça Eleitoral e mesmo na Justiça comum, todas assegurando a liberdade de expressão dos profissionais da imprensa e impondo derrotas aos poderosos de plantão. Aliás, as vitórias processuais de Alex Borralho tem extrapolado os limites da Justiça no Maranhão, pois o advogado tem vencido os tais poderosos inclusive no Tribunal de Justiça do Distrito Federal!

Enfim, mesmo com toda a estrutura da máquina do Estado a seu favor, um batalhão de advogados onde alguns “comem” nas duas pontas, ou seja, no governo e nos escritórios de advocacia – como é o caso de Carlos Lula que recebe enquanto secretário de Saúde e bamburra através do seu escritório – o governador Flávio Dino tem amargado duras derrotas num campo de batalha onde ele se considerava imbatível, qual seja a Justiça.

É por isso que Flávio Dino pode continuar sendo chamado de “ditador” por quem entender que ele seja um.

O Blog do Robert Lobato parabeniza os homens e mulheres que estão garantindo, na Justiça, que o Maranhão não se torne uma Coreia do Norte no estilo daquele outro ditador buchudinho.

Viva a democracia!

INELEGIBILIDADE: Depois de Ricardo Murad, Flávio Dino pode ser o próximo condenado pela Justiça (OU: TRE-MA que dá em Murad dá em Dino” 12

As denúncias que pesaram para a condenação de Ricardo Murad, por abuso de poder nas eleições de 2012, são consideradas “fichinhas” frente as que fundamentam a condenação do governador comunista, também por abuso de poder político só que nas eleições de 2016, quando o Flávio Dino usou e abusou eleitoreiramente do programa “Mais Asfalto” para beneficiar candidatos-aliados naquele pleito.

O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) rejeitou ontem, 21, um recurso do ex-deputado Ricardo Murad (PRP) e manteve a inelegibilidade do candidato a deputado federal por oito anos – a contar da eleição de 2012.

O ex-secretário de Saúde avisou pelas suas redes sociais que vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Quem pode estar caminhando para o mesmo fim é o governador Flávio Dino (PCdoB), já condenado em primeira instância após decisão da juíza Anelise Reginato, da 8ª zona eleitoral de Coroatá, decisão essa considerada, por juristas respeitados como Abdon Marinho, “bem fundamentada” ressaltando ainda achar “pouco provável que ele [Flávio Dino] reverta quando da discussão de mérito”.

As denúncias que pesaram para a condenação de Ricardo Murad, por abuso de poder nas eleições de 2012, são consideradas “fichinhas” frente as que fundamentam a condenação do governador comunista, também por abuso de poder político só que nas eleições de 2016, quando o Flávio Dino usou e abusou eleitoreiramente do programa “Mais Asfalto” para beneficiar candidatos-aliados naquele pleito.

O próprio Tribunal Regional Eleitoral no Maranhão (TRE-MA) emitiu nota oficial confirmando que sentença da juíza Anelise Reginato é pela “sanção de inelegibilidade para as eleições que se realizarão nos 8 anos subsequentes às Eleições de 2016”.

“Impedimentos no futuro”

A situação de Flávio Dino é tão delicada do ponto de vista jurídico, que o desembargador José de Ribamar Castro, membro da Comissão de Juízes Auxiliares do TRE-MA, reconheceu que: “hoje efetivamente pesa contra o aludido pré-candidato uma condenação de inelegibilidade que, embora momentaneamente ineficaz, pode no futuro acarretar um impedimento da sua capacidade eleitoral passiva”.

O fato é que podemos estar diante de uma espécie de “Efeito Orloff”, onde Flávio Dino é o Ricardo Murad amanhã.

É bom o comunista colocar as barbas de molho.

Ou se preferir, o bucho.

ELEIÇÕES 2018: Campanha do senhor Flávio Dino começa muito mal (OU AINDA: Imagens que valem por mil palavras) 14

Começou muito mal campanha de reeleição do senhor Flávio Dino (PCdoB).

Primeiro foi a bem fundamentada decretação de inelegibilidade do comunista feita pela juíza Anelise Nogueira Reginato, que deixou o homem louco. Aliás, comenta-se que o Procurador Geral do Estado, Rodrigo Maia, ouviu cobras e lagartos do chefão.

Depois do pedido de inelegibilidade, o senhor Flávio Dino aparece em fotos no mínimo curiosas. Senão vejamos.

Imagem 1:

Senhor Flávio Dino escoltado por deputado militar Cabo Campos acusado de agressão física contra a esposa.

Imagem 2:

Senhor Flávio Dino desfilando de mãos dadas com o seu mais novo pupilo, o candidato a senador Weverton Rocha. Márcio Jerry e Carlos Lupi não curtiram.

Imagem 3:

Depois de tudo, o senhor Flávio Dino foi se abraçar com o jovem deputado André Fufuca.

Imagens que valem por mil palavras.

Realmente começou muito mal a campanha do candidato à reeleição, o senhor Flávio Dino…

ELEIÇÕES 2018: O abuso do poder político de Flávio Dino 32

A maior prova desse abuso é o que ocorre nos grupos de WhatsApp das secretarias de governo onde os funcionários comissionados são convocados para participarem dos atos de campanha do governador candidato à releição – tem prints desses grupos chegando.

Que Flávio Dino (PCdoB) é autoritário, mitômano, um farsa política já sabemos. E pior: um perseguidor contumaz!

O comunista está inelegível após decisão da juíza Anelise Reginato, da zona eleitoral de Coroatá. Isto é, Flávio Dino concorre às eleições de 2018 sub judice!

Pois bem. A magistrada tem toda a razão em decretar a inelegibilidade do comunista!

Flávio Dino é um marginal, no sentido de percorrer à margem da lei.

A maior prova disso é o que ocorre nos grupos de WhatsApp das secretarias de governo onde os funcionários comissionados são convocados a participarem dos atos de campanha do governador candidato à releição – tem prints desses grupos chegando.

Enquanto os prints não chegam, pois a galera tem medo da “KGB” maranhense, que o Ministério Público Eleitoral fique de olho nas marginalidades do candidato do PCdoB.

E não adianta processar o Blog do Robert Lobato na tentativa de querer cercear nossa liberdade de expressão!

Podem vir mil processos.

Carlos Lula pode ganhar dinheiro nas duas pontas: como secretário de governo e como advogado de Flávio Dino.

A lei não é e não pode ser apenas para o “bucho grande”.

E vamos que vamos!

ELEIÇÕES 2018: No Maranhão, o PT deve ir de “triplex” 6

Mesmo com todo a força do governo, Flávio Dino terá que amargar o fato do PT em 2018 não se dividir em apenas dois campos políticos como de outras vezes, mas em três.

Por não ter conseguido viabilizar um projeto próprio para as eleições 2018, o PT deverá se dividir em ao menos três posição no pleito de outubro.

Oficialmente o partido está na aliança pela reeleição de Flávio Dino (PCdoB), mas haverá petista pedindo e apoiando também as candidatura de Roseana Sarney (PSDB) e Roberto Rocha (PSDB).

Em conversas com militantes e dirigentes petistas fica claro a “tríplice” divisão do PT no estado, numa demonstração de que o partido está longe de se seguir unido em mais uma eleição por estas terras.

Pior que na atual conjuntura, sequer o PT participará de uma chapa majoritária, nem mesmo na liderada por Flávio Dino que apenas vai se utilizar do tempo e do fundo partidário da sigla, como se fosse um “gigolô” político-eleitoral.

De qualquer, e mesmo com todo a força do governo, Flávio Dino terá que amargar o fato do PT em 2018 não se dividir em apenas dois campos políticos como de outras vezes, mas em três.

É a terceira via também movimentando o Partido dos Trabalhadores..

Enfim, é o “triplex” do PT no Maranhão.

Em 2016, Roberto Rocha já havia alertado para o abuso de poder de Flávio Dino 4

As declarações do senador na época ajudam entender um pouco a decisão da juíza Anelise Nogueira Reginato, que no início desta semana pediu a impugnação da candidatura de Flávio Dino tornando-o inelegível justamente por abuso de poder político.

“Sinal vermelho para o Natal”.

Esse foi o título de uma postagem publicada pelo senador Roberto Rocha, em outubro de 2016, na rede social do Facebook.

No texto, parlamentar tucano já denunciava o abuso de poder político praticado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) para vencer as eleições municipais daquele ano.

“O governador Flávio Dino fez um esforço muito grande nestas eleições, a ponto de quase pintar o Palácio dos Leões de vermelho”, escreveu na época.

As declarações do senador, que é candidato ao Governo do Maranhão, ajuda entender um pouco a decisão da juíza Anelise Nogueira Reginato, que no início desta semana pediu a impugnação da candidatura de Flávio Dino tornando-o inelegível para as eleições de 2018 justamente por abuso de poder político, ou seja, uso da máquina administrativa para beneficiar eleitoralmente os candidatos apoiados pelo Palácio dos Leões.

Fiquem com a íntegra das palavras de Roberto Rocha:

SINAL VERMELHO PARA O NATAL

Governo é governo, partido é partido.

Nenhum partido no Brasil consegue chegar ao governo sozinho, porque não tem 50% + 1. Para isso, precisa fazer alianças.

Mesmo o PT e o PSDB, com a presidência da República, tiveram que fazer coligações.

Eleito, o governante não pode governar para metade mais um, ou seja, para sua coligação. Ele tem que governar para todos.

Desta forma, não se pode confundir governo com coligação. Muito menos, governo com partido.

Esse é o atalho mais fácil para um fracasso administrativo, pois quando o governante confunde governo com partido, ele também passa a confundir partido com Estado. É o começo do fim!

O pensamento de certa ‘esquerda’, tributário dessa lógica, costuma fazer essa confusão, fruto de interditos ideológicos e de uma auto proclamada superioridade moral.

O país viveu isso com o PT, e o governo caiu.

A população sofre os duros efeitos dessa psicopatologia política, mas, neste domingo, deu o troco nas urnas.

No Maranhão, o governador Flávio Dino, do PC do B, fez um esforço muito grande nestas eleições, a ponto de quase pintar o Palácio dos Leões de vermelho.

Ao contrário do que pregou em sua posse, soltou os leões para rugirem com estridência, Maranhão adentro.

Assim mesmo, saiu da campanha menor do que entrou.

Em dezembro, o sinal vermelho poderá acender para os servidores públicos. Infelizmente, caso aconteça, será um péssimo agouro para as dezenas de prefeitos neo-comunistas que no mês seguinte tomam posse alimentados pela esperança de virtuosas parcerias.

PERSEGUIÇÃO À ANELISE REGINATO?: Flávio Dino não respeita as instituições 17

Se o regime de Flávio Dino faz isso com autoridades, como é caso da magistrada Anelise Nogueira Reginato, imaginem com os mortais pobres e os pobres mortais.

Anelise Nogueira Reginato: Magistrada pode ser vítima de perseguição do governo Flávio Dino.

Acabo ler no blog do colega Gilberto Léda que “estranhas movimentações envolvendo a juíza Anelise Nogueira Reginato, da Comarca de Coroatá, foram registradas depois de ela haver declarado a inelegibilidade do governador Flávio Dino (PCdoB)” (veja aqui).

As supostas movimentações reveladas por Gilberto Léda seriam para bisbilhotar o processo do concurso no qual a magistrada fora aprovada.

A ser confirmado que a juíza está sendo vítima de perseguição pelo aparelho do Estado maranhense porque decidiu pedir a inelegibilidade de Flávio Dino, isso significaria que realmente o comunista tem desprezo pela instituições democráticas. Aliás, o governador já deu várias evidências de que tem menosprezo pelas instituições.

Basta fazer uma busca rápida pelo noticiário local/nacional e constatar as infinitas investidas de Flávio Dino contra a Polícia Federal, CGU, Ministério Público Federal e até a própria Justiça Federal a qual foi servidor por 12 anos. E esse menosprezo ficou claro quando da operação conjunta desses órgãos que desvendou a máfia instalada no Secretaria de Estado da Saúde do atual governo e que levou não apenas ex-gestores para a prisão quanto o “cabeça do esquema” ao suicídio em Teresina (PI).

Da mesma forma aconteceu no caso do uso da Polícia Militar para espionar adversários políticos do governador, episódio que igualmente ganhou repercussão nacional. E ainda a criação da tal Secretaria de Transparência e Controle, cujo propósito é tão somente emparedar ex-gestores do governo Roseana Sarney, tanto que todos os ex-secretários que não aderiram ao regime comunista de Flávio Dino hoje são perseguidos e investigados. Os que sucumbiram ao regime estão reguardados, ainda que pela dor e pelo medo. Ou seja, tudo muito grave!

E se esse governo faz isso com autoridades, como é caso da magistrada Anelise Nogueira Reginato, imaginem com os mortais pobres e os pobres mortais.

A que ponto chegou o Maranhão!

Não é à toa que pelos quatro quantos do estado cresce, a cada dia, a palavra de ordem: FLÁVIO DINO NUNCA MAIS!

A democracia e a cidadania agradecem.