DESESPERO: Palácio dos Leões dá comando para imprensa alugada jogar o cadáver de Mariano no colo de Sarney 6

A tentativa de colocar José Sarney na cena do crime que resultou na morte do ex-operador dos esquemas de corrupção na Secretária de Saúde do senhor Flávio Dino é de uma covardia sem tamanho.

Antes de forma tímida e subliminar, agora o Palácio dos Leões radicalizou e deu o comando para a imprensa alugada jogar, de forma escancarada, o cadáver do médico Mariano de Castro no colo do ex-presidente José Sarney (MDB).

Numa demonstração de mais completo desespero, os Leões criam uma narrativa psicodélica para desviar o foco da verdade sobre a morte de Mariano de Castro. O lance governista do momento é viajar na onda de um “novo Reis Pacheco”, ou seja, requentar um factoide do século passado. Loucura!

O Palácio dos Leões não se dá conta de que agindo assim, além de ridículo acaba por assumir, ainda que de forma oblíqua, que deseja terceirizar uma responsabilidade que é somente sua, posto que o suposto suicídio de Mariano de Castro se deu em consequência das tarefas que lhe foram  incumbidas por agentes do governo Flávio Dino.

Portanto, a tentativa de colocar José Sarney na cena do crime que resultou na morte do ex-operador dos esquemas de corrupção na Secretária de Saúde do senhor Flávio Dino é de uma covardia sem tamanho.

E mostra que o cadáver de Mariano de Castro vai continuar assombrando o Palácio dos Leões por muito tempo ainda.

Haja Rivotril!

A Associação dos Ex-eleitores de Flávio Dino 10

Não posso integrar a Associação dos Ex-eleitores de Flávio Dino, mas hipoteco solidariedade a todos os “associados” que um dia apostaram na “mudança” e acreditaram estar morando no tal do “Maranhão de Todos Nós”

Em conversa com um amigo, ex-militante do movimento estudantil, senti o quanto há de eleitores de Flávio Dino decepcionados com a atuação do comunista frente ao Governo do Maranhão.

Não é a primeira vez que escuto lamentações de eleitores do comunista, na verdade ex-eleitores. Mas, no caso específico, fiquei impressionado porque trata-se da opinião de quem tem tradição de militância na esquerda e que votava em Flávio Dino desde quando o ex-juiz concorreu em 2006 e elegeu-se deputado federal.

Advogado de formação, o agora ex-eleitor brincou meio que sem jeito:

“Bob, cresce a cada dia a decepção com Flávio Dino entre amigos que, como eu, votou em Flávio e que agora diz que não vota mais. É triste porque essa decepção é de pessoas que o conhece, que apostou nele dias melhores para o nosso povo, mas que se revelou numa ingrata decepção. Acho que vamos fundar a Associação dos Ex-eleitores de Flávio Dino”.

Bom, como nunca votei em Flávio Dino não tenho como associar-me à entidade do meu dileto amigo. Portanto, não cultivo decepção pelo governador comunista.

Meu sentimento em relação ao chefe do executivo estadual e ao seu governo é mais de  surpresa; não porque esperava algo de notável do ponto da gestão, pois sempre desconfiei que teríamos um governo mediano, para não dizer medíocre.

A surpresa reside no fato de não imaginar que seria um governo tão leniente com a corrupção como se revelou nesses quase quatro anos de Flávio Dino no poder. Um governo de “camaradagem”, formado por um círculo fechado de amigos egressos dos tempos de faculdade, que a seguir seriam sócios de profissão e depois dariam as cartas no aparelho governamental maranhense.

Enfim, não posso integrar a Associação dos Ex-eleitores de Flávio Dino, mas hipoteco solidariedade a todos os “associados” que um dia apostaram na “mudança” e acreditaram estar morando no tal do “Maranhão de Todos Nós”.

Vá em frente com a entidade, amigo.

Sucesso!

O Palácio dos Leilões 2

Não será de causar espanto, ao menos para o Blog do Robert Lobato, se a qualquer momento estourar um escândalo envolvendo o governo e VIP Leilões de proporções iguais ou maior ao que houve no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde

O pátio da Vip: confisco para bancar a fúria arrecadatória do governo comunista.

O governo Flávio Dino (PCdoB) segue com a sua política vergonhosa, autoritária, imoral e ilegal de confiscar motos e automóveis dos proprietários com IPVA atrasado para, em seguida, leiloá-los.

Pelos quatros cantos do estado, da capital ao interior, a ordem é multar, confiscar e mandar os veículos para o pátio da famigerada empresa VIP Leilões, localizada na BR-135, no Distrito Industrial de São Luis.

Essa política nefasta de confisco de bens dos cidadãos maranhenses é para manter outra política, não menos nefasta para os contribuintes, que é fúria arrecadatória do governo comunista por impostos. Ou seja, um governo tão glutão por impostos quanto o governador por comidas e bebidas.

A situação é tão desgraçadamente dramática que há casos onde proprietários, tomados por uma revolta perfeitamente compreensível, preferirem destruir suas motos ou carros a vê-los guinchado pela VIP Leilões – que praticamente se tornou sócia do governo nesse negócio milionário! Aliás, não será de causar espanto, ao menos para o Blog do Robert Lobato, se a qualquer momento estourar um escândalo envolvendo o governo e VIP Leilões de proporções iguais ou maior ao que houve no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde.

Será o momento em que maranhenses descobrirão que, em verdade, o nome da sede do Governo do Maranhão chama-se Palácio dos Leilões.

Ao invés de sair em solidariedade a Carlos Lula, Flávio Dino deveria pedir desculpas ao secretário da Saúde 10

O senhor, governador, ao invés de sair em solidariedade ao secretário Carlos Lula deveria, sim!, é pedir desculpas ao advogado por tê-lo metido numa grande enrascada ao nomeá-lo para auxiliar um governo que foi tomado por esquemas de corrupção numa área tão sensível como é da Saúde.

A morte do médico Mariano de Castro segue assombrando o governo e governador Flávio Dino (PCdoB).

Rodeada por muito mistérios, o suposto suicídio do operador dos esquemas de corrupção no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde (SES) atormenta o Palácio dos Leões que a cada vez que mexe no assunto mais se complica e mais fede.

Pela rede social do Facebook, Flávio Dino resolveu sair em “solideriedade” ao secretário Calos Lula. Disse o comunista:

“Minha solidariedade ao secretário Carlos Lula. Todos sabem que é um jurista sério, honrado, dedicado. Está sendo vítima de vil perseguição pelo coronelismo, por conta do desvario de retornar ao poder de qualquer forma, a qualquer preço. Ainda estamos em abril e essa gente já está nesse desespero, agindo com crueldade, sem respeitar nenhuma lei, sem respeitar ninguém. Acho que vou ter que aumentar minhas cautelas pessoais contra essa máfia sedenta de poder e dinheiro”.

Ora, governador, me compre um bode!

Se há máfia, e realmente há!, é no seu governo e a morte do médico Mariano de Castro é produto dessa máfia! Não tente responsabilizar seus adversários políticos por lamentável tragédia.

Quem tem que aumentar cautelas pessoais contra essa máfia sedenta de poder e dinheiro” são os demais envolvidos no “esquema Dino” dentro da SES como, por exemplo, a ex-secretária-adjunta da Saúde, Rosângela Curado, que corre o risco de ser a próxima vítima dessa história escabrosa e criminosa.

O senhor, governador, ao invés de sair em solidariedade ao secretário Carlos Lula deveria, sim!, é pedir desculpas ao jovem e talentoso advogado por tê-lo metido numa grande enrascada ao nomeá-lo para auxiliar um governo que foi tomado por esquemas de corrupção numa área tão sensível como é da Saúde.

Saia daí, Carlos Lula, enquanto é tempo.

Vá cuidar da sua vida profissional de advogado.

Dá mais futuro!

CASO MARIANO DE CASTRO: Morte do médico pode levar o governo Flávio Dino para túmulo junto com ele 18

Mariano pode “falar” do além-túmulo através das investigações da Polícia Federal, que deve entrar no caso e encontrar muitas das respostas desse caso e elucidar as circunstâncias, bem como a causa da morte da pobre alma

Não sei nem por onde começar… Mas, vamos lá.

A morte do médico Mariano de Castro não pode ser considerada apenas uma mera tragédia envolvendo um profissional que teve a vida, pessoal e profissional, arruinada após sua prisão por suspeita de ser o principal operador de esquemas de corrupção no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde (SES) do governo Flávio Dino (PcdoB).

Não! A morte de Mariano tem que ser vista sob vários aspectos, inclusive de ter sido vítima de uma sofisticada organização criminosa que havia se instalado na SES e que só foi possível chegar ao conhecimento da sociedade após a Operação Pegadores, da Polícia Federal, em parceira com o Ministério Público Federal, Controladoria Geral da União e a Justiça Federal. Aliás, por que as investigações da Pegadores não avança? A quem interessa o seu esquecimento?

Mariano era um arquivo vivo! Entrou em estado depressivo passando a fazer comentários com amigos e familiares de que não estava aguentando tanta pressão sobre seus ombros. É possível que realmente ele tenha recorrido ao suicídio como forma desesperada para fugir dessa situação? Sim! É possível!

Como também é possível que o médico tenha sido vítima de uma queima de arquivo pela “KGB” maranhense ou algo similar. Estamos falando, não podemos esquecer, de uma máfia que envolveu gente poderosa, agentes públicos e privado que movimentou milhões, quiçá, bilhões de reais nas mais diversas transações tenebrosas.

Contudo, Mariano pode “falar” do além túmulo através das investigações da Polícia Federal, que deve entrar no caso e encontrar muitas das respostas desse caso e elucidar as circunstâncias, bem como a causa da morte da pobre alma.

Os governistas tentam colocar, vejam vocês, o cadáver no colo do Sarney no que pode ser considerada uma atitude totalmente desesperada de quem sabe que está envolvido até a medula num ambiente banhado de sangue e corrupção.

O fato é que esse caso ainda vai ter desdobramentos que até aqui são imprevisíveis.

Agora morto, Mariano de Castro pode levar o governo Flávio Dino para túmulo junto com ele.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.

STJ: Roseana Sarney interpela Flavio Dino 12

O governador comunista quase que diariamente usa de declarações agressivas à família e ao grupo Sarney. Agora terá que responder a 14 questionamentos que Roseana faz na peça jurídica que deu entrada no STF.

Conforme o Blog do Robert Lobato havia antecipado (reveja aqui), a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) decidiu mesmo em entrar com uma interpelação judicial contra o governador Flávio Dino (PCdoB) no Superior Tribuna de Justiça (STJ).

O que motivou a interpelação, entre outras coisas, foi uma declaração do comunista dada através das redes sociais em que afirmou: “O grupo coronelista que por décadas assaltou o dinheiro público está repentinamente preocupado com o Maranhão. Poderiam colaborar devolvendo o que roubaram. Seria uma grande ajuda”.

Flávio Dino quase que diariamente usa de declarações agressivas à família e ao grupo Sarney. Agora terá que responder a 14 questionamentos que Roseana faz na peça jurídica que deu entrada no STJ.

É agudar e conferir o desfecho dessa história.

Tempos difíceis para o comuna-mor do Maranhão…

PS: O Blog do Robert Lobato ainda comentará sobre o suposto suicídio do médico Mariano de Castro, apontado como operador dos esquemas de corrupção na Secretaria de Saúde do governo Flávio Dino.

FLÁVIO DINO: “Moro é um bom juiz, um juiz técnico e tem acertado” 18

Num passado muito recente Flávio Dino tinha uma opinião sobre o juiz Moro muito diferente daqui possui hoje

O mal do político que usa e abusa do “gogó” é que é fica vulnerável a ser pego em mentiras e contradições. É o que parece ser o caso do governador Flávio Dino (PCdoB).

O comunista parece ter uma personalidade para cada circunstância, uma palavra para cada momento, uma declaração para cada interlocutor.

Nesta semana, por exemplo, Flávio Dino pegou um avião e vazou dos afazeres de governante para fazer uma visita ao ex-presidente Lula em Curitiba, onde o líder petista está preso. Ex-juiz federal, Flávio sabia que não conseguiria “dar um abraço” no Lula, mas ainda assim preferiu embarcar visando tão somente tirar proveito político-eleitoral da popularidade do ex-presidente. O nome disso é oportunismo, para quem não sabe.

Pois bem. Na tentativa de surfar na “onda Lula”, o governador maranhense vive criticando a Operação Lava Jato e o juiz Sérgio Moro.

Contudo, num passado não muito distante Flávio Dino tinha uma opinião sobre o juiz Moro muito diferente daqui possui hoje. Basta ver o que ele achava do algoz do ex-presidente Lula quando Moro estava no auge condução Lava Jato.

As declarações foram dadas ao jornalista Mario Sergio Conti, apresentador do programa Diálogos, da Globo News, em 2016. É com você Flávio Dino:

CONGRESSO NACIONAL: Oposição impõe derrota a Flávio Dino

Mesmo apoiado por aliados de Flávio Dino, inclusive pelo ex-coordenador da bancada maranhense Rubens Júnior, o deputado federal Cleber Verde foi derrotado por Luana Costa que se elegeu como a nova coordenadora da bancada

A bancada maranhense no Congresso Nacional impôs uma derrota política histórica ao governador Flávio Dino (PCdoB).

Por 11 votos a 10, a deputada Luana Alves (PSC) venceu a disputa contra o seu colega deputado Cléber Verde (PRB), candidato do Palácio dos Leões que contou, inclusive, com o vice-governador Carlos Brandão para ajudar na articulação em busca de votos, mas, coitado, o vice mal se segura na sua intenção de continuar no cargo imagina garantir votos a alguém no âmbito da bancada federal.

A eleição de Luana Alves demonstra uma clara mudança na correlação de forças na bancada após os deputados federais José Reinaldo Tavares e Waldir Maranhão, ambos do PSDB, romperem com Flávio Dino. Já a bancada de senadores maranhenses é toda desvinculada do governador Flávio Dino, que não tem qualquer poder de articulação na Câmara Alta.

E assim Flávio Dino vai caminhando para outras derrotar a por vir.

É preço das traições do comunista…

Para o JP, Flávio Dino pagou “mico” ao ir à Curitiba visitar o Lula (OU: Quem pagou a logística do governador até a capital paranaense?)

Não deixou de ser um “mico” realmente, mas o Blog do Robert Lobato avalia que foi um “mico calculado” do ponto de vista político e eleitoral para ser explorado nas eleições de outubro. Coisa de oportunista!

A coluna Informe JP, da edição desta quarta-feira, 11, do Jornal Pequeno, deu um puxão de orelha no governador Flávio Dino (PCdoB) pelo fato do comunista ter resolvido integrar-se à comitiva de governadores do Nordeste, que deixaram os seus afazeres administrativos para ir visitar o ex-presidente Lula num presídio da Polícia Federal na cidade de Curitiba (PR).

Para a prestigiada coluna política, Flávio Dino e os seus colegas governadores nordestinos pagaram “mico” porque deveriam checar, na “Polícia Federal curitibana se a visita estava autorizada”, ainda mais o chefe do executivo maranhense que é ex-juiz federal.

Na verdade, não deixou de ser um “mico’ realmente, mas o Blog do Robert Lobato avalia que foi um “mico calculado” do ponto de vista político e eleitoral para ser explorado nas eleições de outubro. Coisa de oportunista!

Agora a pergunta que não quer calar é: o governador Flávio Dino arcou do próprio bolso a sua logística de deslocamento até a capital paranaense ou fez graça com o bolso alheio, no caso o bolso dos contribuintes maranhenses?

Com a palavra, o Palácio dos Leões.

Abaixo o print da coluna Informe JP.

Flávio Dino, no que falta diálogo sobra “gogó” 6

O governador e seus asseclas agiram, nos últimos anos, como se não necessitassem de base de apoio alguma para a consolidação de um grupo ainda neófito no jogo político. Os prefeitos são os que relatam as maiores queixas.

Todos sabem que um dos grandes problemas do governador Flávio Dino (PCdoB) é que ele nunca desceu do palanque. Governa como se estivesse numa eterna campanha eleitoral.

Tem sido assim desde 2014 quando se embrenhou pelo estado com o tal “Diálogos pelo Maranhão” que naqueles tempos até que fazia sentido, já que o então pré-candidato a governador estava buscando chegar no Palácio dos Leões como de fato acabou conseguindo.

Ocorre que uma coisa é percorrer o Maranhão falando, prometendo, enrolado etc. Outra completamente diferente é, uma vez eleito e empossado, prestar contas da gestão, mostrar resultados. Campanha pode ser “gogó”, mas governar requer dialogar de verdade. E foi exatamente na arte de dialogar que Flávio Dino acabou perdendo aliados importantes a ponto da sua reeleição passar de um sonho para se transformar num pesadelo.

Faltou diálogo principalmente com a classe política!

O governador e seus asseclas agiram, nos últimos anos, como se não necessitassem de base de apoio alguma para a consolidação de um grupo ainda neófito no jogo político. Os prefeitos são os que relatam as maiores queixas, que variam desde o não recebimento em audiências solicitadas até mesmo “sermões” do governador diante de pedidos dos administradores municipais. Por outro lado, quando as obras do governo chegam aos municípios, os gestores são surpreendidos por uma tropa de choque que se apressa em divulgar, aos quatro cantos, que o benefício não é da Prefeitura, mas do Estado.

O exemplo mais emblemático da falta de trato e de diálogo foi o que culminou no rompimento do ex-governador Zé Reinaldo Tavares com o grupo governista. Dezenas de políticos, amigos em comum e jornalistas alinhados ao governo chegaram a pedir para que o deputado voltasse atrás na decisão. Mas Dino nunca deu um único telefonema ao padrinho político de seu ingresso na política. Sem Zé Reinaldo, o então Dr. Flávio Dino, juiz federal, não teria a mínima chance de êxito eleitoral, em 2006.

O próprio Tavares chegou a alertar, em matéria de capa do Jornal Pequeno, há quase dois anos: “Flávio Dino tem pecado demais na articulação política”. A frase não foi perdoada pelos Leões, mas funcionou como uma profecia. A cada dia aumenta mais a lista de ex-aliados do governador maranhense.

O mais recente deles, o deputado Waldir Maranhão, chegou a adotar um discurso com viés psicanalítico que talvez explique as razões da falta de diálogo ao diagnosticar o “ego quase doentio” do chefe do Executivo estadual.

Uma lástima!