Advogado eleitoral vê uso indevido do horário partidário por Lobão e Flávio Dino

O competente advogado eleitoral Abdon Marinho fez um comentário, na sua rede social do Facebook, em que chama atenção para o que considera uso indevido do horário partidário por parte do senador Edison Lobão (PMDB) e do governador Flávio Dino (PCdoB).

Após citar o artigo 45 da Lei 9096/1995, que disciplina a propaganda partidária, o jurista chega à conclusão que “em matéria de desobediência à lei, a prática não faz escolhas ideológicas, direita, esquerda, situação, oposição, estão todos irmanados. Bem irmanados”. Confira:

PROPAGANDA ELEITORAL.

APESAR da clareza solar da legislação partidária, Lei 9096/1995, em relação a propaganda partidária, verbis:

“Art. 45. A propaganda partidária gratuita, gravada ou ao vivo, efetuada mediante transmissão por rádio e televisão será realizada entre as dezenove horas e trinta minutos e as vinte e duas horas para, com exclusividade:
I – difundir os programas partidários;
II – transmitir mensagens aos filiados sobre a execução do programa partidário, dos eventos com este relacionados e das atividades congressuais do partido;
III – divulgar a posição do partido em relação a temas político-comunitários.
IV – promover e difundir a participação política feminina, dedicando às mulheres o tempo que será fixado pelo órgão nacional de direção partidária, observado o mínimo de 10% (dez por cento) do programa e das inserções a que se refere o art. 49. (Redação dada pela Lei nº 13.165, de 2015)”, não é isso vemos no dia a dia.”

Agora mesmo, no intervalo da novela, vejo o senador Lobão, passando ao largo do mandamento legal, só faltou informar o número e pedir o voto na propaganda do seu partido, PMDB.

Mal me recuperara do susto, foi a vez do governador Flávio Dino usar a propaganda partidária do seu partido PCdoB para promover-se e ao seu governo tecendo loas ao que está fazendo.

Como vemos, em matéria de desobediência à lei, a prática não faz escolhas ideológicas, direita, esquerda, situação, oposição, estão todos irmanados. Bem irmanados

Sedel é negociada com o PP e o petista Márcio Jardim, atordoado, vira candidato a senador 8

Renegado por Flávio Dino e Márcio Jerry, e não pelo presidente do PT Augusto Lobato, como avalia, Márcio Jardim jura que vai voltar para a sala de aula e articular a sua campanha para o Senado Federal.

Conforme o Blog do Robert Lobato já havia antecipado meses atrás que aconteceria, o petista Márcio Jardim foi defenestrado sem dó e sem piedade da Secretaria do Esporte e Lazer do governo Flávio Dino.

O governador comunista há tempos vinha tentando arrumar uma desculpa para limpar o “jardim” da Sedel, que na gestão de Márcio estava enfestada de “malas” fazendo miseras em alguns programas da pasta, entre os principais um ex-policial civil, um “sufista” e os dois irmãos Barbosa.

Márcio Jardim foi um dos petistas mais entusiasmado pela candidatura de Flávio Dino nas eleições de 2014, e atuou como “ponta de lança” do projeto comunista lançando-se até candidato a deputado federal carregando o número “65” no material de campanha, já que o seu número era “1365”, “entendeu, né?”.

No PT, a avaliação é de que o Palácio dos Leões poderia ter negociado outra Secretaria com o PP do deputado federal André Fufuca e preservado Márcio Jardim dessa situação vexatória não apenas para ele, mas para o campo político da tal Resistência Petista, do qual faz parte.

Material de campanha para o Senado.

Agora, renegado por Flávio Dino e Márcio Jerry, e não pelo presidente do PT Augusto Lobato, como avalia, Márcio Jardim jura que vai voltar para a sala de aula e articular a sua candidatura para o Senado Federal. Dá pra acreditar?

Por fim, o que mais deixou Márcio Jardim triste foi a crueldade palaciana de não deixar sequer que o petista reinaugurasse o ginásio Costa Rodrigues…

Enquanto isso, nos grupos do PT, no WhatsApp, a companheirada zoa: “Ô jardineira porque estás tão triste/Mas o que foi que aconteceu/Foi a SEDEL que caiu no ralo e o Miguelito que te comeu”.

Falta de aviso não foi, não é mesmo “Babilônia”?

ELEIÇÕES 2018: O “enganador” do Maranhão 4

 

O Maranhão vai ganhando consciência de que Flávio Dino não é apenas o governador, mas também o “enganador” do Maranhão.

Sua habilidade para enganar as pessoas é algo impressionante.

Agora mesmo testemunha-se a habilidade do comunista nessa área quando coloca, no mesmo cofo de enganação, vários candidatos ao Senado Federal quando provavelmente já tem em mente os nomes que irão compor a chapa de senadores.

Engana, inclusive, aquele que é responsável pela sua carreira política, o ex-governador e atual deputado federal José Reinaldo Tavares (ainda no PSB).

Ora, se Flávio Dino enrola até Zé Reinaldo que é um graúdo da político maranhense, imagina com os “miúdos”? Aliás, outro “graúdo” que foi engando pelo comunista foi o senador Roberto Rocha, isso sem falar no mineiro Aécio Neves, que também levou um “zignal” do chefão do PCdoB em 2014. Saiu numa foto com Flávio Dino, lascou! É enganação certa.

Quem também está sendo vítima da arte da enganação promovida por Flávio Dino é o vice-governador Carlos Brandão (ainda no PSDB), que ficou numa situação delicadíssima depois que Roberto Rocha fez o caminho de volta para o tucanato local. Que diabos será feito de Brandão agora? O que será que o “enganador” está prometendo para o seu colega de palácio?

Talvez, eu disse “talvez”!, o único que Flávio Dino não consegue enganar é o presidente do PDT, deputado federal Weverton Rocha, e isso porque o “Maragato” sabe que o comunista é do tipo que só entende a linguagem de que “na política você vale pelo mal que pode fazer”.

Enfim, o governador Flávio Dino é um craque, temos que reconhecer.

Um craque na arte da enganação…

Gaiolão Medieval: Após três anos de governo, Flávio Dino mantém “herança maldita” de Roseana Sarney

Ora, meu caro Flávio Dino, que “herança maldita” é esta que persiste impunemente depois de três anos que o senhor assumiu as rédeas do poder no Maranhão? É incompetência, desleixo, insensibilidade ou o quê, governador?

O Maranhão foi colocado novamente na imprensa nacional de forma negativa.

Dessa vez, o motivo foi a “descoberta” de uma gaiola humana, chamada de “Gaiolão Medieval”, localizada no município de Barra do Corda, Região Central do estado.

Como de costume, Flávio Dino (PCdoB), ao invés de assumir suas responsabilidades enquanto governador do Maranhão, prefere creditar a terceiros as mazelas da sua gestão. E mais uma vez culpa a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) pela situação vexatória da delegacia de Barra do Corda.

Ora, meu caro Flávio Dino, que “herança maldita” é esta que persiste impunemente depois de três anos que o senhor assumiu as rédeas do poder no Maranhão? É incompetência, desleixo, insensibilidade ou o quê, governador?

O Blog do Robert Lobato desconfia que é tão somente… cinismo!

Cinismo de um governador que revela-se, a cada dia, ser o coveiro da esperança dos maranhenses.

Fiquem com a reportagem do Bom Dia Brasil

ELEIÇÕES 2018: Entenda o que está por trás do suposto interesse de Edivaldo pela vice de Flávio Dino 8

A manobra teria a ver com o desempenho do deputado federal Weverton Rocha (PDT) nas pesquisas internas para senador.

O Blog do Robert Lobato descobriu o que está por trás do repentino “interesse” de Edivaldo Holanda Junior (PDT) pelo posto de vice-governador de Flávio Dino (PCdoB) em 2018. A informação veio à tona ontem, por meio de um graduado blogueiros de paletó.

Segundo o escriba, que integra a assessoria do prefeito, aliados de Edivaldo Júnior já estariam “empolgados” com a tal possibilidade, que abriria a possibilidade do PCdoB assumir de vez a Prefeitura de São Luís com a ascensão do vice Júlio Pinheiro.

“Mas Bob, o PDT então teria duas vagas na chapa majoritária dinista ou o deputado federal Weverton Rocha estaria fora da disputa de senador?”, pode perguntar aquele leitor esperto.

Pois bem. Esta é a senha para desvendar o que estaria por trás dessa articulação subterrânea, meu atento leitor.

Segundo um audacioso “leão do palácio”, daqueles que não arredam o pé na defesa de Flávio Dino, a manobra teria a ver com o desempenho do deputado federal Weverton Rocha (PDT) nas pesquisas internas para senador.

Quem explica o próprio “leão do palácio” (com edição):

“Bob, sentindo uma dificuldade em eleger-se para o Senado Federal, já que ele teve acesso à pesquisas nada animadoras, Weverton Rocha começou a construir o plano B, de forma a demarcar espaço e afastar possíveis interessados no lugar de Carlos Brandão, já considerado fora da disputa pela vice. Se não viabilizar-se para a disputa por uma das vagas do Senado Federal, o “Maragato” quer ser vice-governador e, para isso, já mandou o prefeito guardar seu lugar, pois vai que o projeto “Weverton – senador 2018″ não dê certo, né?”, disse via WatsApp.

Em tempo: Em entrevista ontem ao famigerado programa sorvete, agora transmitido pela Mais FM, Edivaldo não negou a articulação. Enrolou, enrolou, deu “zignal”, mas manteve suspense sobre sua indicação para vice de Flávio Dino.

Para bom entendedor…

ELEIÇÕES 2018: “Se Roseana Sarney for candidata metade desta Assembleia vai com ela”, diz deputado governista 6

De fato, quem conhece minimante a Assembleia Legislativa do Maranhão sabe que o governador Flávio Dino encontraria dificuldade de manter o número de deputados, que atualmente apoiam o governo, aliado ao seu projeto de reeleição caso Roseana Sarney decida ser candidata à governadora.

Em conversa com o Blog do Robert Lobato, na manhã desta terça-feira, 10, um parlamentar pra lá de governista admitiu que caso a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) entre mesmo na disputa eleitoral de 2018, metade dos deputados estaduais tende a acompanhá-la.

“Bob, conheço essa casa. Se realmente Roseana resolver ser candidata ao governo no ano que vem, metade desta Assembleia Legislativa vai acompanhá-la, não tenho dúvida disso”, afirmou.

Na verdade, não foi a primeira vez que este blogueiro escutou isso de um deputado governista. A diferença é que esse é um destacado parlamentar da base.

Já um outro parlamentar, esse não tão governista assim, mas que vota constantemente com o Palácio dos Leões, disse: “vou começar ficar na minha, até ela [Roseana] decidir se sai candidata ou não”.

De fato, quem conhece minimante a Assembleia Legislativa do Maranhão sabe que o governador Flávio Dino (PCdoB) encontraria dificuldade de manter o número de deputados, que atualmente apoiam o governo, aliado ao seu projeto de reeleição caso Roseana Sarney decida ser candidata à governadora

É aguardar e conferir.

O silêncio de Roseana Sarney tem incomodado Flávio Dino 2

Não por acaso que Flávio Dino partiu para o ataque contra a ex-governadora durante entrevista concedida à Rádio São Luís AM, na manhã desta segunda-feira (9).

O Maranhão todo já percebeu que o governador Flávio Dino (PCdoB) faz de tudo para colocar a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) no ringue eleitoral.

O sonho do comunista é enfrentar a peemedebista numa eleição plebiscitária e continuar na ladainha de combate à oligarquia Sarney.

Ocorre que Roseana ainda não decidiu se concorrerá a um quinto mandato de governadora. A “Branca” está em silêncio sobre as eleições de 2018. E esse silêncio tem incomodado os comunistas, principalmente chefão dos “vermelhos”.

Não por acaso que Flávio Dino partiu para o ataque contra a ex-governadora durante entrevista concedida à Rádio São Luís AM, na manhã desta segunda-feira (9). A narrativa é mesma de sempre. O comunista-mor não consegue falar sobre temas que realmente interessam aos maranhenses, de grandes projetos para o estado.

E não consegue porque Flávio Dino não tem um projeto consiste para o Maranhão. Quase 100% do que está em andamento no estado é herança do governo passado. O que tem sido a marca desse governo é tão somente entrega de viaturas policiais e ambulâncias, além do asfalto sonrisal.

Tudo indica que Roseana Sarney continuará em silêncio sobre o seu futuro político-eleitoral até o primeiro semestre do próximo ano.

Para o desespero e incômodo de Flávio Dino…

Durante entrevista, Flávio Dino sinaliza para Roberto Rocha 3

Como governador do estado e líder do grupo que venceu as eleições de 2014, Flávio Dino é o único responsável pelo esgaçamento na relação com o senador Roberto Rocha, que sempre alertou o comunista sobre os riscos de rompimento se não mudasse a forma da condução política do seu governo. Mas, pelo jeito, Flávio só tem ouvidos para uma pessoa.

“Eu lamento muito que tenha tido esse problema do senador Roberto Rocha. Eu espero que ele reflita melhor sobre a história recente do Maranhão. E quem sabe consiga retomar o caminho correto”.

Com estas palavras pode-se considerar que o governador Flávio Dino (PCdoB) deu uma sinalização para uma trégua com o senador Roberto Rocha (PSDB).

A declaração foi dada durante entrevista que o comunista concedeu à Rádio São Luís AM, na manhã desta segunda-feira (9).

Então aliados nas eleições de 2012 e 2014, Flávio e Roberto se afastaram politicamente depois de pouco mais de um ano de governo e nada pode fazer imaginar que o comunista e o tucano venham repactuar a relação, até porque esticaram demais a corda.

Os comunistas não foram corretos com o senador desde o momento da vitória de 2014. Basta ver o tratamento que lhe foi dispensado no governo, na cooptação do único secretário de Estado indicado por ele, na intromissão indevida no PSB para enfraquecê-lo e desmoralizá-lo, sem falar numa campanha sistemática de desconstrução da sua imagem promovida pela imprensa aliada ao Palácio dos Leões.

Como governador do estado e líder do grupo que venceu as eleições de 2014, Flávio Dino é o único responsável pelo esgaçamento na relação com o senador Roberto Rocha, que sempre alertou o comunista sobre os riscos de rompimento se não mudasse a forma da condução política do seu governo. Mas, pelo jeito, Flávio só tem ouvidos para uma pessoa.

Agora tenta o que pode ser considerado um pedido paz.

Só que já chega tarde demais…

“Sarnopetistas” autênticos assinam nota de apoio ao governo Flávio Dino 2

O núcleo duro que integrava o gabinete da vice-governadoria quando Washington Oliveira era o vice-governador assinou nota em apoio ao governo comunista de Flávio Dino.

E arraial petista está em chamas depois que a corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), divulgou uma dura nota criticando a nomeação do delegado Lawrence Melo para o primeiro escalão do Governo do Estado na cota do PT (reveja aqui).

Em reação à nota da CNB, o Palácio dos Leões mobilizou setores do PT e forçou que alguns agrupamentos petistas, ligados aos comunistas, fizessem uma outra nota desta feita em apoio ao governo. A missão foi passada para o atual presidente Augusto Lobato que, por sinal, é assessor especial do governador.

O que causou estranheza é que a nota “dinopetista” traz a assinatura de uma tal “CNB/Articulação Maranhão”, uma espécie de dissidência da CNB oficial que deseja manter uma relação autônoma com o governo.

E quem faz parte dessa “CNB/Articulação Maranhão”? Simplesmente o núcleo duro que integrava o gabinete da vice-governadoria quando Washington Oliveira era o vice-governador. Ou seja, são os autênticos “sarnopetistas” que se associaram às forças internas do PT que sempre estiveram com os comunistas. Basta ver que o secretário-adjunto da Juventude, Paulo Romão, era quadro destacado do “sarnopetismo” na era Roseana Sarney/Washington Oliveira e depois se converteu, de última hora, ao dinismo .

A CNB de verdade está defendendo um projeto próprio para o PT em 2018 e conta, inclusive, com o apoio de boa parte do diretório nacional do partido.

No Maranhão, a tese de candidatura própria do PT conta com a simpatia de petistas do porte do deputado estadual Zé Inácio, do ex-reitor do IFMA, professor Zé Costa, e do chamado núcleo sindical que tem, entre outras lideranças, o ex-presidente do PT, Raimundo Monteiro.

Crise grande

Mas a coisa não acaba por aí.

A nota dos “dinopetistas” gerou crise até entre os governistas do PT.

Segundo informações obtidas pelo Blog do Robert Lobato, o secretário de Esportes, Márcio Jardim, teria desautorizado a assinatura da sua tendência, o Movimento PT, da nota de apoio ao governo. Jardim, como se sabe, está demissionário da pasta porque o governador Flávio Dino está barganhando o cargo para o DEM, o que tem causado indignação no secretário baixadeiro. Aliás, Márcio Jardim também contou com a ajuda do governo Roseana Sarney quando pediu, e foi atendido, via o gabinete da vice-governadoria, para ficar liberado da sala de aula.

O fato é que a nota dos “dinopetistas”, ao invés de criar um ambiente positivo no conjunto do partido, teve efeito contrário e colocou mais lenha na fogueira na crise que o PT maranhense enfrenta já há algum tempo.

E, ao que parece, não tem data para acabar…