FRASE DO DIA

Pesquisa Ibope aponta efeito limitado de circulação de mensagens por WhatsApp no 1º turno

Segundo sondagens, 73% dos eleitores negam ter recebido conteúdo crítico a qualquer presidenciável e 89% contra candidatos do Rio

RIO – A pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira mostra que a circulação de conteúdo pelo WhatsApp com ataques e críticas a candidatos teve efeito limitado na decisão de voto de primeiro turno. O instituto questionou eleitores se, fora a propaganda eleitoral gratuita, eles receberam qualquer mensagem do tipo pela plataforma na semana anterior à votação – 73% responderam que não. O sistema de troca de mensagens se tornou central no debate de propagação de marketing eleitoral e fake news durante a campanha – em especial, diante das críticas do PT e das investigações sobre um suposto esquema de disparos de ataques em prol de candidatos conservadores, revelado pela “Folha de S. Paulo”.

Segundo o Ibope, a porcentagem de eleitores que receberam ataques contra Jair Bolsonaro (PSL) no WhatsApp equivale à de votantes destinatários de críticas a Fernando Haddad (PT), 18%. Outros 3% declaram ter recebido mensagens contrárias a Ciro Gomes (PDT) e 2%, a Marina Silva (Rede). O levantamento mostrou que 1% dos entrevistados viu na plataforma conteúdo crítico a Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Eymael (DC), Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (MDB), João Amoêdo (Novo), Vera Lúcia (PSTU) e João Goulart Filho (PPL).

Na sondagem do instituto, a troca de mensagens pelo WhatsApp não se provou impactante para a formação de opinião do eleitor. Se 24% revelaram que o conteúdo ajudou na opção de voto, 75% negaram ter sido influenciados na plataforma.

(Fonte: O Globo)

Redes são o novo normal na política

por MarcoAurelio Ruediger*

Desde a semana passada, o eixo da discussão política transitou das propostas temáticas dos candidatos para a questão do impacto das fake news nas redes sociais. Era evidente que as redes afetariam fortemente a política e as eleições. Mas, certamente, o volume e a virulência não eram esperados pela maioria, incluindo o próprio TSE.

As redes têm impacto não somente como meio, mas porque catalisam, e muitas vezes distorcem, em tempo real, elementos significantes como propostas, histórico, comportamento e narrativas.

O uso eficaz ou ineficaz do composto: meio, conteúdo e mensagem, é que faz diferença na competição política, constituindo um novo paradigma em processos eleitorais e decisórios, para o bem ou para o mal.

Ambos os campos neste segundo turno usam maciçamente as redes, não apenas para divulgar propostas, mas também para ataque a adversários. Até atores não nacionais operam para desinformar e fragmentar o ambiente político nacional. Nossas análises na FGV DAPP mostram e alertam que, desde 2014, isso é recorrente na política brasileira, e agora muito mais.

Não há, portanto, razão para espanto com o fato ou contrariedade com as reações. Não faz sentido impugnar um pleito nem ameaçar um tribunal, dado que todos os concorrentes têm, por assim dizer, no que toca o uso das redes, seu lugar no esquema de Dante, ainda que em níveis distintos.

Há, claro, razões de sobra para se indignar e buscar entender melhor o que ocorre. Trata-se, ressalto, de algo não episódico e que precisa de muito mais sofisticação do nosso establishment para entender seus efeitos, evitando que não sejam tão danosos à democracia futuramente.

Nesse sentido, o TSE desde o final de 2017 vem corretamente se debruçando sobre essa problemática. Para isso, promoveu seminários e debates, tendo ainda composto um conselho permanente em auxilio à sua direção superior.

No entanto, as sugestões mais assertivas que ali foram levadas deveriam ter sido objeto de maior reflexão pelo regulador. Infelizmente, privilegiou-se um entendimento do tipo “laissez-faire, laissez-passer” para as redes sociais. Uma articulação e ação mais incisiva sobre as plataformas não ocorreu, nem se obrigou a transparência em tempo real de uso dos recursos públicos, incluindo as contratações para impulsionar conteúdos e de propaganda virtual.

Não se articulou uma rede de centros de pesquisa com fins de monitoramento de bots, fake news e desinformação, em apoio ao tribunal. Por fim, a legislação nesse tocante permaneceu insuficiente. Deu no que deu.

Por outro lado, não se pode culpabilizar somente o TSE. Na questão do debate virtual, outros falharam. Centros de pesquisa deveriam ter buscado melhor articulação. Os partidos políticos, a exemplo da França, poderiam ter monitorado o ambiente virtual também. Equivocaram-se e contrataram ao marketing essa responsabilidade. Erraram feio ao não entender do que se trata esse novo fato.

A cinco dias do Brasil decidir seus próximos quatro anos –talvez mais do que isso– com prováveis e profundas mudanças na estrutura política e nas políticas publicas dela decorrentes, percebe-se que o país tem muito para amadurecer nesse tocante.

De imediato, duas reflexões se impõem. A primeira, de que vivemos um novo normal; as redes afetaram e afetarão a política profundamente, mesmo após as eleições. A segunda, que há de se buscar o monitoramento constante de redes, tanto pela sociedade quanto pelo mercado e pela estrutura estatal, que deveriam incorporar em sua dinâmica decisória e de gestão a compreensão estratégica do impacto desses novos meios. Inescapável.

Marco Aurelio Ruediger é chefe da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV-DAPP)

As eleições e as fake news

Em se tratando de fake news, nestas eleições de 2018 não há inocentes: em menor ou maior grau todas as campanhas fizerem uso dessa prática e continuam a fazê-la no segundo turno para presidente.

As chamadas Fake news não são um fenômeno novo; o que é novo é a rapidez com que elas se propagam com o advento das redes sociais na internet.

Divulgar notícias falsas em campanhas eleitorais sempre foi uma prática nas eleições brasileiras, infelizmente. Quem não lembra do caso da Luriam, a filha que Lula quis abortar e acabou indo parar na campanha do “caçador de marajá”, Fernando Collor, em 1989? Ou o caso Reis Pacheco, na eleição de 1994 para o governo do Maranhão? Pois é.

O que há de novo no tenebroso mundo das fake news é a velocidade com que os conteúdos chegam até o receptor, que pode até não ‘curtir’ o que recebeu, mas ainda assim ‘compartilha’.

O fato é que em se tratando de fake news, nestas eleições de 2018 não há inocentes: em menor ou maior grau todas as campanhas fizerem uso dessa prática e continuam a fazê-la no segundo turno para presidente.

A esperança dos eleitores conscientes é de que Justiça Eleitoral, partidos políticos e, claro, os candidatos, consigam estabelecer um pacto pela democracia e evitar que menos fake news se proliferem a cada eleição realizada no Brasil.

A cidadania agradece.

Fake news: Roberto Rocha ajuíza queixa-crime contra blogueiro ligado à Radio Educadora 10

Espera-se que o blogueiro Adilson Carlos não alegue problemas em suas faculdades mentais para não ser preso, como fez um outro notório blogueiro caluniador durante audiência com senador Roberto Rocha em uma certa Vara Criminal na cidade.

O núcleo de combate a fake news da campanha ao governo do senador Roberto Rocha (PSDB) não está pra brincadeira não!

A Assessoria do candidato protocolou ontem, quarta-feira, 15, queixa-crime em desfavor do blogueiro Adilson Carlos, por crimes de difamação e injúria, respectivamente, feitos por meio de postagem no seu blog.

O blogueiro postou uma série de inverdades contra o senador e terá que prestar esclarecimentos junto à Justiça.

Adilson Carlos é também radialista de Rádio Educadora, emissora que enfrenta sérias dificuldades financeira para pagar seus funcionários, cujos salários estão atrasados há meses, mas isso o Adilson esconde dos ouvintes e prefere destilar seu veneno apenas para a Rádio Capital com o claro objetivo de atacar o candidato Roberto Rocha.

Nem ao menos uma postagem em solidariedade ao funcionários da Educadora que foram demitidos ou que estão com seus vencimentos atrasados Adilson Carlos é capaz de publicar.

A situação da Educadora é tão grave que até funcionários antigos, verdadeiros símbolos do radio maranhense foram demitido. O tal do Adilson Carlos foi preservado dos cortes apenas “por ser do baixo clero”, como afirmou um funcionário da emissora ligada à igreja católica.

Na queixa-crime, Roberto Rocha argumeta:

“Costumo ressaltar que, ao contrário do que muitos pensam, a Internet não é mundo livre de regras jurídicas, onde as pessoas podem fazer o que desejam, sem enfrentar as consequências de seus atos. O dever de informar, não pode ser confundido com o de informar mal, e de fornecer notícias agravantes à honra, ao ser humano ou de inculcar na sociedade notícias falsas e inexatas”.

Adilson Carlos terá que publicar Direito de Resposta pela reposição da verdade.

Além da ação criminal que já foi formalizada (processo de Nº 8010044-56.2018.8.10.0001) contra o titular do blog Adilson Carlos, Roberto Rocha informa ainda que vai exigir o direito de resposta, nos termos da Lei, e que, se não concedido, vai ensejar o ajuizamento de nova ação em desfavor do blogueiro, dessa vez na área cível.

O núcleo de combate a fake news do candidato tucano não dará trégua para os injuriadores e caluniadores que via de regra estão a serviço da máquina de moer reputações ligada ao regime comunista de Flávio Dino.

Espera-se que o Adilson Carlos não alegue problemas em suas faculdades mentais para não ser preso, como fez um outro notório blogueiro caluniador durante audiência com senador Roberto Rocha em uma certa Vara Criminal na cidade.

FAKE NEWS: Blogueiro comunista é preso em Imperatriz 2

Fabrício Oliveira é useiro e vezeiro da prática fakes news na redes sociais e sempre demonstrou ser uma pessoas de livre trânsito com figurões do PCdoB/MA, inclusive com o governador Flávio Dino

Fabrício Oliveira com o governador Flávio Dino com direto a selfie e tudo mais…

Um dos maiores produtores e compartilhadores de fake news do Maranhão, o blogueiro Fabrício Oliveira (PCdoB), foi preso na madrugada de ontem (24), em Imperatriz, em cumprimento a um mandado de reclusão em aberto, expedido pela Justiça de Goiás.

É verdade que blogueiro fake não foi preso pelos seus crimes cibernéticos, mas sua detenção causou estrago na nefasta política de comunicação do submundo comunista em mentir, agredir, vilipendiar e desconstruir reputações de adversários políticos.

Fabrício Oliveira é useiro e vezeiro da prática de fakes news na redes sociais e sempre demonstrou ser uma pessoas de livre trânsito com figurões do PCdoB/MA, inclusive com o governador Flávio Dino – há uma infinidades de fotos postadas pelo próprio “fake newszeiro”, agora um preso de Justiça.

Fabrício Oliveira com o secretário Clayton Noleto (Sinfra)

Prisão

Fabrício foi abordado por policiais do 3º Batalhão de Polícia Militar do Maranhão em uma rua de Imperatriz conhecida por ser acesso a bocas de fumo muito frequentada por usuários de drogas da cidade.

Fabrício Oliveira com Adonilson Lima (superintendente de Articulação Política na regional de Imperatriz).

Sobre o mandado de prisão, a PM descobriu, por meio de consulta ao Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), que o blogueiro era foragido da Justiça goiana, que o condenou por assalto a mão armada. Segundo dados do Banco Nacional de Mandados de Prisão, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), um segundo mandado de prisão em desfavor do blogueiro continua em aberto.

Polícia Federal

O blogueiro Fabrício Oliveira pode ter mais dor de cabeça, além da já prisão pela polícia maranhense.

Segundo apurou o Blog do Robert Lobato, há uma solicitação junto à Superintendência da Polícia Federal no Maranhão, para que seja apurada a prática de fake news do Fabrício com vasto material que comprovam a delinquência criminosa do blogueiro aconchegado pelo PCdoB.

O fato é que o caso Fabrício Oliveira pode ser apenas o primeiro do que ainda pode aparecer aí de “fake newszeiros” ligados à máquina de propaganda do submundo comunista no Maranhão.

É aguardar e conferir.

TREMEI BLOGOSFERA COMUNISTA: Eliziane Gama quer investigação da PF sobre fake news no MA 4

Muito boa a iniciativa da pré-candidata a senadora Eliziane Gama em desejar fazer das eleições no Maranhão um verdadeiro ato de democracia e cidadania, e não uma sentina fétida com mentiras e baixarias das piores espécies.

Uma péssima notícia para a mídia comunista no Maranhão em especial para parte da blogosfera bancada pelas masmorras do Palácio dos Leões.

A deputada Federal e pré-candidata a senadora, Eliziane Gama (PPS), se reuniu, nesta segunda-feira (23), com o superintendente em exercício da Polícia Federal, Delegado William, para solicitar o reforço no combate à divulgação de notícias falsas durante o período eleitoral, as famosas fake news.

Com uma máquina de propaganda que todo santo dia financia divulgação de um monte de notícias falsas contra adversários, a política de comunicação governistas agora terá pensar 65 vezes antes de produzir ou mandar produzir fake news. Aliás, a própria Eliziane Gama já foi vítima inúmeras vezes de notícias falsas plantadas em blogs afinados com os Leões, mas que atualmente foram obrigados a ficar mais “comportados” em relação à irmã.

Muito boa a iniciativa da pré-candidata a senadora Eliziane Gama de desejar fazer das eleições no Maranhão um verdadeiro ato de democracia e cidadania, e não uma sentina fétida com mentiras e baixarias das piores espécies.

ELEIÇÕES 2018: Aníbal Lins dever virar “Aníbal Lula” na campanha ao governo, caso tenha seu nome aprovado em encontro do PT 4

Os chamados dinopetistas “plantam” na mídia palaciana que a data do encontro já foi mudada, contudo não apresentam quaisquer documentos tratando sobre a tal mudança do evento. Está tudo “só de boca” e assim não vale, assim é fake news.

O pré-candidato a governador pelo PT, o sindicalista e economista Aníbal Lins, deve registrar seu nome como “Aníbal Lula” para aparecer nas urnas das eleições/2018, segundo apurou o Blog do Robert Lobato.

A estratégia, claro, é mostrar que o petista é o único candidato ao governo do Maranhão com a legitimidade para defender o “Lula Livre” e o legado dos governos do PT.

Porém, tudo vai depender do desfecho que o partido de “Aníbal Lula” tomar no encontro estadual do PT, antes previsto para acontecer no próximo dia 27, mas que ainda está sendo analisado pela direção nacional do partido depois que o governador Flávio Dino ligou para a presidenta Gleisi Hoffmann pedindo para que o encontro acontecesse no mesmo dia do ato do PCdoB.

Os chamados dinopetistas “plantam” na mídia palaciana que a data do encontro já foi mudada, contudo não apresentam quaisquer documentos tratando sobre a tal mudança do evento. Está tudo “só de boca” e assim não vale, assim é fake news.

O fato é que as próximas semanas prometem muitas emoções, inclusive com vários recursos chegando na cúpula petista e até nas barras da Justiça.

É aguardar e conferir.

SANTA LUZIA: Vítima de fake news, prefeita França do Macaquinho afirma ter “profundo respeito e zelo por todas às leis e instituições do país” 4

A prefeita deixou claro que tudo não passa de um ardil inescrupuloso para prejudicá-la e causar embraço no TRE-MA, como se a corte eleitoral fosse se pautar por uma montagem grotesca

“Fomos vítimas de uma montagem de whatsApp, onde simulam uma conversa minha com uma pessoa não identificada, mas que seria aliada política, onde eu afirmaria ter controle sobre a justiça maranhense, no sentido de barganhar votos para um processo que está em andamento.”

As palavras acima fazem parte de um trecho do direito de resposta que a prefeita de Santa Luzia, Francilene Paixão de Queiroz, conhecida popularmente como França do Macaquinho (PP), enviou a um blog de São Luis após o mesmo ter postado fake news com claro objetivo de indispor a gestora municipal com a Justiça Eleitoral (veja aqui).

Na postagem, o blogueiro fez uso de um print com suposto diálogo, por meio de WhatsApp, da prefeita com uma pessoa onde ela daria como certa a sua vitória num processo que corre no âmbito do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão.

Através do direito de resposta, França do Macaquinho deixou claro que tudo não passa de um ardil inescrupuloso para prejudicá-la e causar embraço no TRE-MA, como se a corte eleitoral fosse se pautar por uma montagem grotesca como foi caso em questão. Aliás, criar, divulgar e compartilhar fake news pode gerar uma tremenda dor de cabeça para os adeptos dessa prática.

A prefeita, por fim, deixa claro que: “Como cidadã brasileira, maranhense e luziense e Prefeita de Santa Luzia tenho profundo respeito e zelo por todas às leis e instituições do nosso país”.

Confira a íntegra do direito de resposta assinada pela prefeita França do Macaquinho.

BEQUIMÃO: Prefeito Zé Martins desmonta fake news produzido nos porões da Secom e ainda enquadra Flávio Dino 6

Em um bem fundamento direito de resposta, blog amilhado do Palácio dos Leões teve que publicar a verdade sobre a chegada das estruturas da ponte Centra-Bequimão e ainda foi obrigado a expor a perseguição do governador Flávio Dino ao município de Bequimão.

Em um bem fundamentado direito de resposta, o prefeito de Bequimão, Antonio José Martins (MDB), mais conhecido como Zé Martins, matou dois coelhos numa lapada só. Explica-se.

Através de um blog alugado pelo Palácio dos Leões, cujos membros do governo teriam até a senha de acesso para publicar o que bem quiserem, adversários do prefeito Zé Martins inventaram que ele teria impedido a “Passagem de estrutura da ponte pelo centro da Bequimão”.

A ponte em questão é que a liga Central a Bequimão que o governo Flávio Dino prometeu começar as obras logo no primeiro ano da sua gestão, mas só agora, nas vésperas das eleições, que resolveu fazer um factoide miserável com entrega de estruturas metálicas numa cena dantesca onde carretas aparecem como se fossem “outdoors ambulantes” com propagandas do governo, no que acertadamente o competente jornalista Gilberto Léda denominou de “VLT da Baixada”, numa referência a entrega do lendário VLT do ex-prefeito João Castelo que chegou com pompas em São Luis e hoje apodrece em algum depósito da cidade.

Pois bem. No direito de resposta que o blog palaciano foi obrigado a publicar, Zé Martins faz o devido esclarecimento sobre o que de fato ocorreu quando da chegada das tais estruturas nos “outdoors ambulantes” e ainda chama atenção para a realidade que o município de Bequimão enfrenta em termos de perseguição do governo Flávio Dino, em particular na área da saúde já que, segundo afirma o prefeito no seu pedido de resposta, o governo está “se omitindo em repassar quase 2 milhões de reais ao Município de Bequimão.

Em suma: além de desmontar o fake news do blog amilhado, o prefeito Zé Martins ainda enquadrou o governador Flávio Dino. Toma!

A seguir, a íntegra do direito de resposta assinado pelo prefeito Antonio José Martins, reconhecido como um dos melhores prefeitos não apenas da Baixada, mas do Maranhão. Confira.

Senhor jornalista,

A respeito da matéria “ALIADO DE ROSEANA IMPEDE PASSAGEM DE ESTRUTURA DA PONTE PELO CENTRO DE BEQUIMÃO”, vimos, nos termos do Art. 5º, V da Constituição Federal c/c art. 2º, da Lei nº. 13.188/2015, e ainda, nos termos do art. 58 da Lei 9.504/1997, sem prejuízo de outras ações de caráter civil e penal, REQUERER

DIREITO DE RESPOSTA, que seque nos termos seguintes:

A “matéria” jornalística do blogue, na intenção clara de fazer proselitismo barato, por ignorância ou má-fé, descumpre a principal missão do jornalismo sério: bem informar os seus leitores sobre os fatos.

Como é de conhecimento de todos, 19 de junho é festejado o aniversário do Município de Bequimão, que ontem fez 83 anos de emancipação politica.

E, para festejar a data, muito querida por todos bequimãoenses, a prefeitura municipal, como tem feito todos os anos, programou uma série de eventos que se desenvolveram durante todo o dia no cento da cidade e nas principais vias, como corridas, ciclismo, shows, e diversas outras atividades ao ar livre.

Visando garantir a segurança dos participantes das festividades, a Guarda Municipal foi orientada a interditar, durante todo o dia, o tráfego de veículos nas vias do centro destinadas à comemoração, somente permitindo a passagem dos residentes, e ainda a assim, com velocidade controlada, em veículos pequenos.

Por conta disso, a guarda orientou o comboio com o material de construção para ponte Bequimão/Central do Maranhão – obra essencial para a região –, fosse feito por uma via alternativa, e não pelo centro da cidade, que àquela altura se encontrava tomado pelas atividades festivas alusivas ao aniversário da cidade.

O prefeito de Bequimão, Antonio Martins, diferente de uns e outros, roga pelo desenvolvimento da região, e nunca se furtou as iniciativas do Governo Estadual em beneficio da população, por conta de questões politicas. Muito pelo contrário, sempre que foi chamado participou das mesmas.

É assim, firme nos interesses da população que mantém todos os serviços de saúde do Hospital Municipal, embora o Governo Estadual esteja se omitindo em repassar quase 2 milhões de reais ao Município de Bequimão. Aliás, este ano de 2018, até a presente data, não houve um único repasse aquela casa de saúde, prejudicando não apenas a população de Bequimão, mas, também, dos municípios vizinhos. Esta sim, um atitude coronelista e incompatível com a democracia que vivenciamos em pleno Século XXI.

Acreditamos que o jornalista, ao produzir uma matéria sem se inteirar de todos os fatos, e procurar fazer proselitismo politico com fatos que não conhece, presta um péssimo serviço à população ou a quem lhe encomendou a matéria.

Atenciosamente,
Antonio José Martins.
Advogado, no exercício do cargo de Prefeito Municipal.

WALDIR MARANHÃO: Se eu tiver a honra de ser um dos candidatos a senador pelo PSDB é lógico que a questão da suplência será discutida com o presidente do partido” 6

O deputado federal Waldir Maranhão começa incomodar adversários e passa a ser vítima das chamadas fake news.

Totalmente engajado no projeto local e nacional do PSDB, partido que o acolheu no limite do prazo da tal janela partidária, Waldir tem percorrido o Maranhão na caravana liderada pelo senador e pré-candidato a governador Roberto Rocha, que também é presidente estadual do tucanato maranhense.

Waldir Maranhão tem a consciência de que o PSDB tem uma chapa majoritária fechada para governo e para o Senado Federal, mas, claro, tem o direito de se movimentar no sentido que quiser sem o açodamentos no processo de diálogos e atropelos de companheiros de partido.

Ocorre que o carisma, popularidade e liderança de Waldir Maranhão despertam a maledicência dos adversários instalados no Palácio do Leões que agora passaram a escolher até o suposto suplente de senador do ex-presidente da Câmara dos Deputados.

“Se eu tiver a honra de ser um dos candidatos a senador pelo PSDB é lógico que a questão da suplência será discutida em primeiríssimo lugar com o presidente do partido e pré-candidato a governador Roberto Rocha. Quem me conhece sabe que jamais atropelaria um processo dessa magnitude. Não tenho mais idade para brincar de fazer politica”, disse o deputado ao Blog do Robert Lobato.

As declarações de Waldir Maranhão rechaçam, portanto, a falsa informação de que ele estaria anunciando o nome do ex-prefeito e ex-deputado estadual Zé Genésio para primeiro primeiro suplente numa eventual candidatura ao Senado Federal.