SENADO 2018. O que pensam os candidatos ao Senado sobre as reformas trabalhista e da previdência 8

Ainda que as atenções sejam maior dadas para os candidatos a governador, o que é normal em todos os estados, a cada dia que se aproxima da eleição os candidatos ao Senado Federal começam despertar o interesse do eleitorado.

Está chegando o dia das eleições e os eleitores começam a se interessar mais pelo processo.

Ainda que as atenções sejam em maior parte dadas para os candidatos a governador, o que é normal em todos os estados, a cada dia que se aproxima da eleição os candidatos ao Senado Federal começam, igualmente, a despertar o interesse do eleitorado.

E no tocante à eleição de senador, duas questões espinhosas se destacam e têm sido pautadas na apenas na campanha, mas principalmente na sociedade: as reformas trabalhista e da previdência. São questões espinhosas exatamente porque mexem direta e indiretamente com a vida dos brasileiros.

Nesse sentido, o Blog do Robert Lobato resolveu fazer uma avaliação do posicionamento dos principais candidatos ao Senado em relação a esse debate.

Este editor ressalta, porém, o entendimento que as reformas são necessárias e urgentes, e que precisam ser enfrentadas pelos futuros congressistas, mas entende também que o povo trabalhador, em particular o maranhense, não pode, mais uma vez, pagar a conta sozinho e ainda por cima bancar os privilégios dos barões do Estado brasileiro.

Vamos aos nosso candidatos:

Edson Lobão (151) – O decano maranhense no Senado Federal é filiado ao MDB partido do presidente Michel Temer, votou favorável à reforma trabalhista e deve votar favorável à reforma da previdência. Mantém, portanto, sua coerência política e tem grandes chances de faturar mais oitos anos de mandato na Câmara Alta, caso consiga convencer seus eleitores sobre seu entendimento em relação às reformas.

Sarney Filho (432) – Também chamado de Zequinha Sarney, o deputado federal é filiado ao PV foi ministro de Lula e de Temer, votou favorável à reforma trabalhista e tende a votar pela reforma da previdência, mas tudo dependerá do resultado da eleição presidencial, uma vez que Zequinha, mesmo eleito senador, pode virar ministro mais uma vez independente de quem subir a rampa do Planalto.

Eliziane Gama (232) – Como deputada federal, a deputada federal Eliziane Gama votou contra a reforma trabalhista, além de ter votado duas vezes para que Temer fosse investigado. A parlamentar do PPS já se posicionou contrária à reforma da previdência, inclusive apresentou projeto de lei pedindo plebiscito popular para anular a reforma trabalhista.

Weverton Rocha (123) – Também deputado federal, o líder do PDT e da oposição ao governo Temer na Câmara dos Deputados votou contra a reforma trabalhista e deve votar contra a reforma da previdência. Entre os candidatos a senador, o pedetista é quem tem uma postura mais populista sobre o assunto.

José Reinaldo Tavares (455) – O ex-governador e atual deputado federal é um entusiastas das reformas de Temer e as defende abertamente. Caso se eleja senador da República, certamente o Zé Reinaldo defenderá as reformas trabalhista e da previdência, principalmente se o presidente eleito for o também tucano Geraldo Alckmin, a quem jura fidelidade e lealdade.

E você, caro leitor, o que acha da posição de cada um dos candidatos que desejam representar o Maranhão no Senado da República?

SENADO 2018: Em quem votarão as militantes dos direitos da mulher no MA? 4

Eliziane é militante da causa feminista e desta forma seria mais lógico e racional que as mulheres militantes optassem pela candidatura da irmã, mesmo com críticas pontuais ou, do contrário, terão que bater na porta de senadores machos para que empunhem suas bandeiras

Os diversos movimentos de mulheres, as feministas, a “partida” e toda mulherada que luta pela emancipação da mulher devem estar numa situação um tanto quanto complicada quando o assunto é a eleição para o Senado Federal. Senão vejamos.

Parte dos movimentos sociais vinculados à causa da mulher torcem o nariz para a candidatura de senadora da deputada federal Eliziane Gama (PPS), tudo por conta do voto favorável ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, ainda que a parlamentar tenha historicamente mantido uma postura progressista na sua trajetória política.

De fato, a relação entre Eliziane Gama e as mulheres militantes estremeceu com aquele voto contra Dilma o que explica a grande resistência de muitas delas. Mas, quais dos nomes colocados ao Senado Federal que melhor pode levar a causa e a defesa dos direitos da mulheres ao Congresso Nacional que não o de Eliziane Gama? Quais das outras candidaturas postas dará visibilidade às bandeiras de luta das mulheres que militam nos movimentos sociais?

Ora, basta uma análise nos oito anos de mandato como deputada estadual para concluir-se que durante todo esse período os movimentos feministas e de defesa da mulher usaram o gabinete de Eliziane Gama como potencializador de suas causas.

Ao lado da ex-deputada Helena Heluy (PT), outra parlamentar que sempre se colocou ao lado da luta em defesa dos direitos das mulheres, Eliziane Gama usou o seu mandato, o seu gabinete como pontos de resistência à causa feminina.

O fato é que não parece nada razoável essa posição revanchista, por assim dizer, de setores radicais de movimentos de mulheres por conta do voto pró-impeachment de Eliziane Gama.

Chega ser até um retrocesso nas políticas públicas de defesa da mulher, já que as próprias integrantes dos movimentos de defesa da mulher reconhecem que Eliziane é militante da causa e desta forma seria mais lógico e racional que as bravas mulheres militantes optassem pela candidatura da irmã, mesmo com críticas pontuais aqui e ali, ou, do contrário, terão que bater na porta de senadores machos para que empunhem suas bandeiras.

Faz sentido isso?

SENADO 2018: Eliziane Gama pode surpreender mesmo com imagem de “golpista” 2

Enquanto se preocupavam com o “golpismo” de Eliziane Gama, a moça foi comendo pelas beiradas, se articulando e agora aparece bem posicionada nas pesquisa disputando uma das vagas com pesos pesados como Sarney Filho (PV). E olhem lá se hoje não é nome preferencial de Flávio Dino….

Parece que a política de queimação contra a deputada federal e candidata à senadora Eliziane Gama (PPS) acusando-a de “golpista”, por ter votado a favor do impeachment da presidente Dilma, não colou nesta campanha.

E não colou porque o eleitorado sabe que a irmã está no palanque de Flávio Dino (PCdoB), que é o mesmo do PT e o mesmo palanque está repleto de golpistas, aqui se aspas mesmo, eméritos.

Ou seja, por que apenas Eliziane Gama pode ser acusada de ser “golpista” se o seu candidato a governador estar rodeado de políticos que votaram a favor do afastamento da Dilma, como é caso do deputado federal André Fufuca (PP) que na época era o “bambino” de ninguém menos do que Eduardo Cunha, condutor do processo de impeachment na Câmara Federal?

Essa história de imprimir a marca de “golpista” apenas em Eliziane Gama foi um estratagema de aliados do Palácio dos Leões para favorecer diretamente o também candidato a senador Weverton Rocha (PDT), que desde a pré-campanha é nome do coração dos comunistas e mais recentemente passou a ser também dos dinopetistas.

Enquanto se preocupavam com o “golpismo” de Eliziane Gama, a moça foi comendo pelas beiradas, se articulando e agora aparece bem posicionada nas pesquisas disputando uma das vagas com pesos pesados como Sarney Filho (PV). E olhem lá se hoje não é nome preferencial de Flávio Dino….

O fato é que sua biografia, história de gente que veio de baixo e não enriqueceu com a política, ser ficha limpa, evangélica e possuir bom trânsito em setores dos movimentos sociais, tudo isso somado acabou se tornando um diferencial competitivo a favor de Eliziane Gama na eleição para o Senado Federal.

Sem falar que a irmã faz uma campanha pobre financeiramente em relação aos seus oponentes, incluindo o seu companheiro de chapa Weverton Rocha (PDT), que faz uma campanha digna de um Henrique Meirelles da vida…

SENADO 2018: O fato de Eliziane Gama ser ficha limpa incomoda Weverton Rocha 8

A blogosfera ligada ao nosso querido “Maragato” terá que se virar para construir uma narrativa convincente de que ele é merecedor do voto dos maranhenses.

Ao que parece, o candidato a senador Weverton Rocha (PDT) se incomoda com a narrativa usada pela campanha da sua companheira de chapa, Eliziane Gama (PPS), ser ficha limpa.

Blogs ligados ao pedetista não disfarçam esse incômodo.

Ora, a campanha da irmã está correta em explorar as suas qualidades políticos, ainda mais numa conjuntura onde a população está sedenta por políticos honestos e que combatem a corrupção.

Quem coordena a comunicação de Eliziane Gama é o cientista político e consultor de marketing eleitoral, o competente Juliano Corbellini, que tem explorado corretamente o fato da candidata do PPS ser uma política de conduta ética ilibada.

Cabe aos blogueiros ligados a Weverton Rocha se virarem para construir uma narrativa convincente de que ele é merecedor do voto dos maranhenses. Mas a maioria da turma “maragatista” está mais preocupada é com a conta bancária.

E caso não consigam a proeza de construir uma imagem mais amena para nosso querido “Maragato”, certamente a candidata Eliziane Gama passará ser alvo do máquina de moer reputação bancada pelo comunas pró-Weverton Rocha.

É aguardar e conferir.

ELEIÇÕES 2018: Eliziane Gama e PT são humilhados por Flávio Dino 16

Eliziane Gama tão somente sugeriu o nome da presidente da CUT-MA, Adriana Oliveira para primeira suplente, mas o nome da companheira foi rejeitado por Flávio Dino de forma violenta e deselegante.

A deputada federal e pré-candidata senadora Eliziane Gama (PPS) foi escorraçada do Palácio dos Leões quado foi propor ao governador Flávio Dino (PCdoB) que ajudasse na articulação para o PT indicar o seu ou a sua suplente na chapa: “Não quero o PT em nenhuma chapa. Não quero o PT na majoritária”, disse o o comunista na lata da irmã.

Segundo a fonte do Blog do Lobato, gente grande do PPS, o governador jogou pesado com Eliziane Gama dizendo que ainda não definiu quem serão os suplentes da pré-candidata, mas que pode ser qualquer um e de qualquer partido da base, menos do PT.

Eliziane Gama tão somente sugeriu o nome da presidente da CUT-MA. Adriana Oliveira, mas a petista foi rejeitada por Flávio Dino de forma violenta e deselegante.

E assim segue Eliziane Gama, favorita nas pesquisas, mas completamente tutelada pelo “O grande ditador”….

Enquanto isso, os covardes Márcio Jardim e Nonato Chocolate só observam.

Mas isso é assunto para outra postagem….

TREMEI BLOGOSFERA COMUNISTA: Eliziane Gama quer investigação da PF sobre fake news no MA 4

Muito boa a iniciativa da pré-candidata a senadora Eliziane Gama em desejar fazer das eleições no Maranhão um verdadeiro ato de democracia e cidadania, e não uma sentina fétida com mentiras e baixarias das piores espécies.

Uma péssima notícia para a mídia comunista no Maranhão em especial para parte da blogosfera bancada pelas masmorras do Palácio dos Leões.

A deputada Federal e pré-candidata a senadora, Eliziane Gama (PPS), se reuniu, nesta segunda-feira (23), com o superintendente em exercício da Polícia Federal, Delegado William, para solicitar o reforço no combate à divulgação de notícias falsas durante o período eleitoral, as famosas fake news.

Com uma máquina de propaganda que todo santo dia financia divulgação de um monte de notícias falsas contra adversários, a política de comunicação governistas agora terá pensar 65 vezes antes de produzir ou mandar produzir fake news. Aliás, a própria Eliziane Gama já foi vítima inúmeras vezes de notícias falsas plantadas em blogs afinados com os Leões, mas que atualmente foram obrigados a ficar mais “comportados” em relação à irmã.

Muito boa a iniciativa da pré-candidata a senadora Eliziane Gama de desejar fazer das eleições no Maranhão um verdadeiro ato de democracia e cidadania, e não uma sentina fétida com mentiras e baixarias das piores espécies.

SENADO 2018: As complicações jurídicas de Weverton Rocha e o carisma de Eliziane Gama 20

O parlamentar do PDT tende a passar a campanha inteira enfrentando processos nos tribunais superiores, inclusive com pedidos de impugnação da sua candidatura. Isso é péssimo!

O deputado federal Weverton Rocha (PDT) teve negado, pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), um recurso interposto contra decisão anterior do mesmo magistrado, na qual havia determinado a remessa imediata do Inquérito 3.394, relacionado à suposta prática de peculato, corrupção passiva e corrupção ativa, às Varas Criminais Federais da Seção Judiciária do Distrito Federal/DF.

No pode parecer, ao menos momentaneamente, algo positivo para o líder pedetista do ponto de vista de jurídico, já que o processo continua perambulando pelo Distrito Federal, do ponto de vista político é muito ruim para quem está em pré-campanha para o Senado Federal.

Weverton Rocha tende a passar a campanha inteira enfrentando processos nos tribunais superiores, inclusive com pedidos de impugnação da sua candidatura. Isso é péssimo.

As acusações que pesam contra o parlamentar pedetista são graves, muito graves, gravíssimas!

Enquanto isso, a sua companheira de chapa, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS), navega em águas calmas nesta fase de pré-campanha no que diz respeito à questões jurídicas, éticas e morais.

A irmã faz uma pré-campanha alegre, simples, sem ostentações, sustentada apenas no seu carisma e na força que possui no meio evangélico e mesmo entre setores dos movimentos sociais.

Se depender exclusivamente da força e do carisma de Eliziane Gama, e não houver conspirações “amigas”, com certeza ela entrará na campanha propriamente dita com um grau de competitividade muito grande.

E sem ter que ficar com um olho na campanha e outro nos tribunais.

Como é o caso de Weverton Rocha, o nosso querido Maragato…

ELEIÇÕES 2018: Eliziane Gama ainda não desistiu do PT

Se é verdade que não muito fácil a pré-candidata convencer o PT de apoiá-la, até porque o partido tem vários pré-candidatos ao Senado, não é menos verdade que esse discurso de “golpista” contra a irmã não cola mais.

A deputada federal Eliziane Gama (PPS) ainda encontra muita resistência de boa parte dos petistas em relação ao seu projeto de senadora mesmo contando com o apoio do governador Flávio Dino (PCdoB).

Porém, a parlamentar ainda não desistiu do apoio do PT a sua pré-candidatura ao Senado Federal.

O principal motivo de tal resistência foi o voto a favor do impeachment que Eliziane deu contra Dilma e a postura da parlamentar quando da CPI da Petrobras.

Contudo, há no PT quem avalia que após o impeachment a irmã passou a ter uma postura “progressista” frente ao governo Temer, principalmente votando contra as reformas anti-populares do Governo Federal.

Diálogo com petistas

Não é de agora que Eliziane Gama tem diálogo aberto com setores do PT, ou seja, não é por conta apenas do fato dela ser atualmente pré-candidata à senadora.

Nas eleições municipais de 2016, por exemplo, Eliziane contou com o apoio público de muitos petistas. Sem falar que quando foi deputada estadual o seu gabinete era ponto de visita constante de petistas, principalmente de mulheres do PT.

Soma-se a isso a boa relação que Eliziane Gama sempre manteve com a sua então colega de parlamento Helena Heluy. Aliás, primeira deputada a receber a Medalha Maria Aragão, instituída na Assembleia Legislativa do Maranhão em homenagem à médica e militante comunista Maria Aragão, foi Helena Heluy sendo a concessão requerida exatamente pela deputada Eliziane Gama e quando a petista não estava mais no mandato.

Se é verdade que não muito fácil a pré-candidata convencer o PT em apoiá-la, até porque o partido tem vários pré-candidatos ao Senado, não é menos verdade que esse discurso de “golpista” contra a irmã não cola mais.

Até porque, fosse por isso, o PT já teria caído fora há muito tempo do governo Flávio.

Um governo repleto de golpistas.

SENADO 2018: Mesmo sem o apoio de partidos da base de Flávio Dino, Eliziane Gama lança pré-candidatura 6

Se não ocorrer um erro de percurso, ou ser enganada pelo seu campo político, Eliziane Gama caminha para uma campanha onde pode ter reais chances de vitória.

Apesar de ainda não contar com o apoio declarado de boa parte dos partidos da base do governador Flávio Dino (PCdoB), a  deputada federal Eliziane Gama (PPS) conseguiu reunir algumas das principais lideranças políticas nessa fase de pré-campanha em evento ocorrido, na manhã do último sábado, 16, no Rio Poty Hotel.

Recebida com carinho por centenas populares e lideranças políticas vindas de várias regiões do estado, Eliziane oficializou a sua pré-candidatura ao Senado Federal no ato politico que contou com a presença do governador Flávio Dino (PCdoB), do vice-governador Carlos Brandão (PRB) e do prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT).

Além das lideranças do seu grupo político, o ato reuniu cerca de 40 prefeitos, vários ex-prefeitos, a maioria dos secretários de Governo, deputados estaduais e federais.

Se não ocorrer um erro de percurso, ou ser enganada pelo seu campo político, Eliziane Gama caminha para uma campanha onde pode ter reais chances de vitória.

É aguardar e conferir.

SENADO 2018: Eliziane Gama e o eleitorado feminino 2

Além de ser evangélica, outro nicho eleitoral de alta relevância, a sua condição de mulher faz da deputada Eliziane Gama uma alternativa muito mais viável, por exemplo, do que o seu concorrente direto, o também deputado federal Weverton Rocha

As urnas do Maranhão mostram que mais da metade do eleitorado é composta por mulheres.

Dos 4.606.603 maranhenses aptos a votar em outubro deste ano, 51% são formados por eleitoras, daí que público feminino é uma espécie de filão eleitoral.

Entre os nomes postos ao Senado Federal nas eleições de 2018, a deputada federal é a única mulher na disputa, logo pode faturar nesse, digamos, nicho eleitoral.

Lógico que não é caso de afirmar-se que “mulher vota em mulher”, mas evidentemente a nossa irmã pode explorar de forma inteligente o fato de ser a única opção do sexo feminino a concorrer à Câmara Alta do Congresso Nacional.

Soma-se a isso o fato inquestionável de que Eliziane Gama sempre pautou a questão de gênero na sua trajetória política, principalmente nos mandatos que exerceu.

Portanto, a pré-candidata pelo PPS jamais poderá ser chamada de oportunista caso assuma a bandeira em defesa das mulheres, violência doméstica, igualdade de gênero etc. Pelo contrário, tem legitimidade política e ideológica para tanto.

Nesse sentido, além de ser evangélica, outro nicho eleitoral de alta relevância, a sua condição de mulher faz da deputada Eliziane Gama uma alternativa muito mais viável, por exemplo, do que o seu concorrente direto, o também deputado federal Weverton Rocha.

Repito: não se trata simplesmente de “mulher votar em mulher”, mas de quem reúne maior legitimidade para fazer da questão da mulher uma bandeira eleitoral.

E isso deve ficar claro já no próximo sábado, 16, durante o ato de lançamento da pré-candidatura de Eliziane Gama ao Senado Federal com a presença de várias entidades dos movimentos sociais.

É a opinião do Blog do Robert Lobato.