ELEIÇÕES 2018: Eduardo Braide quer ser prefeito e não governador (ainda) 12

Sem um partido forte e coligação que deem consistência a sua campanha ao governo, Braide deverá mesmo disputar uma vaga para a Câmara Federal e vir com tudo para prefeito de São Luis daqui a dois anos

Se tem um político que está, digamos, “numa boa”, chama-se Eduardo Braide (PMN).

O deputado se tornou uma estrela, uma espécie de “queridinho político” depois que saiu da eleição para prefeito de São Luis em 2016 na segunda colocação e por pouco não melou a reeleição do prefeito Edvaldo Júnior (PDT).

Atualmente Braide é cortejado por praticamente todas as forças políticas que o veem como a verdadeira renovação da política maranhense.

O Blog do Robert Lobato nunca duvidou do talento político de Eduardo Braide, tanto que já no primeiro turno das eleições municipais de 2016 publicou um post avaliando que o jovem parlamentar poderia surpreender durante a campanha eleitoral. E foi o que aconteceu!

Ocorre que uma coisa é eleição municipal de prefeito, outra completamente diferente é uma campanha de governador, que remete a uma estrutura política, partidária, financeira, material, humana e logística exponencialmente maior. E Braide sabe disso. Aliás, nas entrevistas que tem concedido ele admite que sua candidatura ao governo não depende somente do seu desejo pessoal.

Eduardo Braide tem uma eleição praticamente garantida para deputado federal. Correr o risco de ficar sem mandato até 2020 não razoável e muito menos inteligente.

Sem um partido e coligação que deem consistência a sua campanha ao governo, Braide deverá mesmo disputar uma vaga para a Câmara Federal e vir com tudo para prefeito de São Luis daqui a dois anos.

“Mas, Bob, por que você acha que ainda não é vez de Braide para o governo do Maranhão”?, perguntaria aquele leitor que está doido pra voltar em Braide governador – 33. Explico.

Eduardo Braide cometeu um erro fundamental no segundo turno das eleições de 2016 quando calculou que poderia ganhar sozinho aquele pleito, sem a ajuda ou apoio de quem quer que seja. Deu um show de esnobismo o que lhe custou a vitória.

Ora, se há pouco menos de dois anos o nosso bravo Eduardo Braide não quis o apoio de nenhuma força política, por que agora alguns dos pré-candidatos a governador iriam abrir mão dos seus projetos a favor dele? Não faz sentido algum e Braide tem consciência disso. No mais, ele precisa não apenas de um partido com maior musculatura, mas também de um palanque forte de presidente da República e uma boa coligação.

“Mas, Bob, esse partido poderia ser o PT, ora”, ponderaria novamente aquele leitor-eleitor de Braide.

Sim, poderia ser o PT e o Blog do Robert Lobato já tratou disso também.

Ocorre que o PT do maranhão sofre de uma síndrome que o impede de crescer e quem deseja crescer e podado na hora! Mas é uma possibilidade, ainda que, uma vez no PT, Braide possa correr o risco de, de repente, ter que disputar prévia para governador com um militante lá de Araguanã…

Nesse sentido, é pouco provável que Braide seja candidato a governador em 2018, devendo mesmo disputar para deputado federal e depois partir para aquilo que é o seu verdadeiro foco: a Prefeitura de São Luis.

Jovem, inteligente e talentoso, o projeto “Braide governador” pode esperar.

É aguardar e conferir.

VÍDEO: Cauteloso, Eduardo Braide evita afirmar que é pré-candidato a governador 8

O parlamentar também negou que tenha sido convidado por Roseana Sarney (MDB) para ser vice da ex-governadora, mas admitiu que tem conversado com vários partidos.

O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) concedeu entrevista ao programa Maranhão Acontece (TV Guará), apresentado pela jornalista Bianka Nogueira.

Na entrevista, o ex-candidato a prefeito de São Luis nas eleições de 2016, quando ficou em segundo lugar, Eduardo evitou afirmar categoricamente que irá disputar a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB) em 2018. O deputado preferiu usar da cautela, que de fato, neste momento de pré-campanha, é o mais recomendável.

“Ninguém é candidato de si mesmo. É claro que eu preciso de uma aliança partidária, da vontade do povo e isso as pesquisas já demonstrado, pois em todas elas o nosso nome tem aparecido em terceiro lugar. Mas uma candidatura ao governado do estado não depende só do candidato, mas admito que reunidas todas as condições tenho a disposição de concorrer a governador”, afirmou.

Eduardo Braide defendeu, porém, uma “inovação” da política maranhense, que o estado pode ser bem melhor e diferente do que é hoje. O parlamentar também negou que tenha sido convidado por Roseana Sarney (MDB) para ser vice da ex-governadora, mas admitiu que tem conversado com vários partidos.

Confira a íntegra da entrevista com Eduardo Braide.

VÍDEO: Eduardo Braide critica aumento de passagens em São Luis 4

O deputado fez duras críticas ao prefeito Edivaldo Júnior em relação ao aumento das passagens de ônibus e cobrou o cumprimento das promessas da campanha de 2016 

O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) usou a sua rede social do Facebook para postar um vídeo onde faz duras críticas ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) pelo aumento das tarifas dos ônibus na capital maranhense.

“Pessoal, as passagens de ônibus vão estar mais caras em São Luís a partir de segunda-feira (22). Mas antes de ter aumentado o preço das passagens, o prefeito deveria começar a cumprir com as suas promessas para o transporte público. Como está a qualidade dos ônibus? Cadê o WI-FI prometido?”, postou,

Correu especulações em grupo de WhatsApp sobre um suposto acordo entre Eduardo Braide e o governador Flávio Dino (PCdoB) para que o parlamentar deixasse de criticar o prefeito, desistisse em definitivo de concorrer ao Palácio dos Leões para disputar uma vaga de deputado federal e com isso teria a garantia de Dino que o apoiaria para prefeito em 2020.

As criticas de Braide ao prefeito em relação ao aumento das passagens joga por terra esse hipotético acordo. Confira o vídeo.

ELEIÇÕES 2018: Governo teme a ida de Eduardo Braide para o DEM 8

Caso consiga sucesso em obter o DEM como opção partidária e sair candidato ao governo, Flávio Dino que se segure, pois mesmo que não leve a eleição Braide será o ponto decisivo num eventual segundo turno e garantir a vitória para o lado que pender

O estratagema do Palácio dos Leões para filiar o secretário Felipe Camarão (Educação) no Democratas-DEM consiste, entre outras coisas, de evitar a ida do deputado estadual Eduardo Braide (PMN) para o partido.

Os governistas se pelam de medo da possibilidade de Braide encontrar abrigo em um legenda de grande porte e, dessa forma, disputar a eleição de governador com um tempo razoável no rádio e na tevê. Sabem que o deputado é articulado, tem bom discurso e pode de fato encarnar a figura do “candidato da renovação”. Isso sem falar na sua densidade eleitoral em São Luis por conta da ótima performance obtida no pleito de 2016, quando ficou em segundo lugar e, por pouco, não derrotou o prefeito Edivaldo (PDT).

Mesmo não possuindo grande capilaridade política no estado e ainda não tenha dito com todas as letras que irá disputar a eleição de governador, Eduardo Braide faz alguns movimentos de quem é, sim, pré-candidato a sucessão de Flávio Dino (PCdoB). Ou seja, tem viajado pelo interior, feito agendas com lideranças municipais e articulado com vários atores da nova geração de políticos que surge no Maranhão.

Caso consiga sucesso em obter o DEM como opção partidária e sair candidato ao governo, o governador Flávio Dino que se segure, pois mesmo que não se eleja, Braide será o ponto decisivo num eventual segundo turno e garantir a vitória para o lado que pender.

E tudo indica que não penderá para o lado dos comunistas…

ELEIÇÕES 2018: Conheça o perfil e as chances dos pré-candidatos que querem governar o MA 21

O ano de 2017 está chegando ao fim e os anjos anunciam a chegada de um novo ano.

Entre mortos e feridos, pode-se considerar sobrevivente que enfrentou e venceu as intempéries deste ano. E que ano!

Em 2018 teremos eleições para o governo do estado.

Nesse sentido, o Blog do Robert Lobato arrisca traçar o perfil de cada um dos pré-candidatos e pré-candidatas ao Governo do Maranhão, inclusive de Flávio Dino (PCdoB), e fazer uma análise sobre as chances dos mesmos frente ao projeto de reeleição do comunista. Vamos lá.

Flávio Dino 65 – O governador ainda goza do fato de ser o favorito na disputa de 2018. Eu disse “ainda”, pois há uma visível e perceptível queda de popularidade do comunista pelo Maranhão afora. Isso porque Flávio Dino faz um governo muito aquém das expectativas geradas a partir da sua eleição em 2014. Trata-se de um governo mediano, sem muitas novidades, sem criatividade, nenhum projeto estruturante de grande porte, cujas obras entregues até aqui são praticamente do governo anterior. Sem falar que o gestão comunista é uma tragédia na articulação política e medíocre na comunicação. Como estamos falando de uma eleição para governo que tende ser de dois turnos, Flávio Dino corre o sério risco de “rodar” em 2018 e, quiçá, nem mesmo ir para o segundo turno, o que é pouco provável, mas não deixa de ser uma possibilidade.

Roseana Sarney 15 – Com quatro mandatos de governadora no currículo, a pré-candidata do MDB ainda é um incógnita. O seu grupo jura de pés juntos que a “Guerreira” será candidata, ainda que ela mesma faça questão de deixar no ar o suspense se disputará ou não um quinto mandato. Roseana Sarney tem partido, grupo político consolidado, experiência e conhece cada liderança política dos 217 municípios deste estado. Conta a lenda que ela tem um “caderno” com o nome de todos as lideranças do interior do Maranhão. Ocorre que só o currículo, o carisma e esse tal “caderno de lideranças” não são suficientes para fazer a “mdebista” entrar de cabeça no processo eleitoral de 2018. Roseana quer garantias de que pelo menos terá presença num eventual segundo turno. O cientista Antônio Lavareda está fazendo uma pesquisa/estudo sobre a viabilidade do projeto “Roseana governadora-15”. Se pintar algo tragicamente parecido com 2014, a “Branca” tira pra fora e vai cuidar da vida lá pras bandas dos Estados Unidos e deixará todo o grupo Sarney a ver navios dali da casa do Calhau. Mas a maioria do MDB e dos seus aliados afirmam que Roseana será sim candidata a governadora. A conferir.

Roberto Rocha 45 – De volta ao ninho tucano, de onde muitos acham que nunca deveria ter saído, o senador Roberto Rocha é pré-candidato a governador e poderá ser o maior pesadelo do governador Flávio Dino. Eleito na mesma conjuntura de “mudança” do comunista, Roberto foi levado a romper com o seu ex-companheiro de chapa por pura inabilidade do governador que se acha sabido acima da média. Agora no comando de um grande partido, com um candidato competitivo a presidente de República e potencialmente candidato numa grande coligação partidária, Roberto Rocha tem tudo para crescer durante a campanha propriamente dita e surpreender no processo eleitoral. Além de conhecer cada palmo desse estado, saber interpretar o Maranhão em números e estatísticas, Roberto tem feito um excelente mandato de senador e tem muito o que mostrar durante o campanha. O tucano se consolida a cada dia para ser a candidato que irá aglutinar, numa terceira via, os desiludidos com o comunismo de Flávio Dino e desencantados com o sarneysismo de Roseana.

Maura Jorge 19 – Ex-prefeita de Lago da Pedra e ex-deputada estadual, Maura tem um característica fundamental para quem deseja encarar uma eleição majoritária: coragem. A loira dos “zói ingatinhado” quer jogo e está disposta ir mesmo para guerra eleitoral de 2018 pelo Podemos. A única duvida que paira sobre o projeto “Maura governadora-19” é saber se o deputado federal Aluísio Mendes irá mesmo dar a legenda para pré-candidata consolidar a sua candidatura, pois há quem diga que o parlamentar pode dar um “zignal” na mulher por achar que não tem chance de ser reeleger numa chapa liderada por ela. Contudo, se derem asas para Maura a mulher vai longe, pois sabe voar como uma águia.

Ricardo Murad 44 – O ex-secretário de Saúde saiu na frente. Foi o único pré-candidato que encerra o ano de 2017 não apenas com o nome certo para a disputa eleitoral do ano que vem como apresentou, para a sociedade, propostas que constarão no seu plano de governo. Ricardo Murad não pode de jeito nenhum ser subestimado. Inteligente, focado, articulado e experiente, o pré-candidato do PRP tem muito o que mostrar durante a campanha, principalmente o grandioso trabalho que fez quando esteve à frente da Secretaria de Estado da Saúde. Ricardo Mura tem o mérito de debater sobre qualquer assunto que seja provocado, além de não fugir de temas que possam lhe causar algum incômodo. O fato é que mesmo não tendo um partido com tempo no horário gratuito, Ricardo Murad deverá ocupar cada espaço que lhe for oferecido para poder apresentar suas propostas à população, além de fazer da redes sociais a sua grande trincheira de campanha.

Eduardo Braide 33 – Bom, ainda que apareça em todas as pesquisas de intenção de voto para governador, o deputado estadual Eduardo Braide ainda não disse com todas as letras que deseja ser candidato a governador em 2018. Na verdade o deputado vem “surfando” bem na onda do recaal das eleições municipais de 2016 quando surpreendeu meio mundo e por pouco não virou prefeito de São Luis. Ocorre que Braide é inteligente e sabe que a “zebra” de 2016 na capital não é fácil de acontecer em 2018 numa eleição estadualizada. Daí que tem dito que prefere disputar uma vaga de deputado federal e voltar “de com força” na próxima eleição de prefeito em 2020. Seja como for, caso consiga viabilizar um partido ou uma coligação que lhe proporcione um tempo no horário eleitoral, Braide pode dar trabalho para muita gente por aí.

Esta é opinião do Blog do Robert Lobato sobre as pré-candidaturas ao governo do Maranhão.

Na próxima será a dos pré-candidatos ao Senado Federal.

Até lá.

ELEIÇÕES 2018: Eduardo Braide está no jogo e pode disputar o governo filiado em partido “grande” 12

Os articuladores desse movimento são dois deputados maranhenses, um estadual e outro federal, e mais um senador de outro estado, mas do mesmo partido dos parlamentares do Maranhão.

Engana-se quem pensa que o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) já tenha desistido de disputar um cargo majoritário nas eleições de 2018.

Segundo apurou o Blog do Robert Lobato, a uma intensa movimentação de bastidores que visa convencer Eduardo a concorrer ao Governo do Estado. E não seria pelo PMN, mas por outro partido com mais tempo no horário eleitoral de rádio e tevê. Um partido “grande”.

Os articuladores desse movimento são dois deputados maranhenses e mais um senador por outro estado, mas do mesmo partido dos parlamentares do Maranhão.

Segundo um observador que acompanha de perto essas articulações, “a ideia é convidar o deputado Braide para o nosso partido para concorrer ao governo já que ele pode surpreender como ocorreu na disputa pela prefeitura de São Luis em 2016 e de repente ir para o segundo e ganhar a eleição. Além de ajudar o nosso partido eleger deputados estaduais e federais”.

O Blog do Robert Lobato procurou Eduardo Braide para tratar do assunto, mas não obteve um feedback do parlamentar.