ELEIÇÕES 2018: Vem aí, um nome “Nobre” da cultura para a Assembleia Legislativa do MA 14

O petista Armando Nobre quer oferecer os seus 26 anos dedicados à causa da cultura como músico, professor, pesquisador, ao julgamento popular e assim concorrer a uma vaga de deputado estadual nas eleições de 2018.

As eleições de 2018 no Maranhão terá presença de uma opção para os amantes e militantes da cultura, principalmente da cultura popular.

Trata-se de Armando Nobre, que está colocando o seu nome como pré-candidato a deputado estadual pelo PT.

Ex-presidente do Conselho Estadual de Cultura e do Fórum Nacional de Conselhos de Cultura, Armando Nobre, 38 anos, é assíduo militante das causas da cultura do Maranhão. Um típico caso de quem carrega o DNA cultural nas veias!

Armando afirma que, a princípio, não tinha pretensões de entrar na política, mas a decisão de disputar uma vaga no Legislativo Maranhense nasceu pelo sentimento de que a sociedade anseia por mudança da cena política atual, e que todos os valores que aprendeu no movimento cultural, com a experiência como músico, professor, pesquisador, e de todos esses 26 anos dedicados à causa da cultura, devem ser convertidos em trabalhos na vida pública.

“Quero fazer política para contribuir, não para dilapidar. Quem milita na cultura o faz por paixão, porque acredita que a cultura é transformadora, pois ela mexe não apenas com a mente das pessoas, mas principalmente com o coração”, assegura.

Armando Nobre durante reunião com a equipe de coordenação da pre-campanha.

O pré-candidato petista diz ainda que a política atual precisa de novas práticas e que estaria forçando a algo positivo e pedagógico, caso eleito deputado estadual, já que não é filho de político e que não ostenta alto patrimônio financeiro.

“Não venho de uma família de políticos e nem sou rico. O que me move é a carência do povo por novas práticas e conceitos políticas, além da necessidade do movimento cultural precisar de um legítimo representante na Assembleia Legislativa do Maranhão”, afirma.

Projetos

Armando Nobre acredita na reeleição de Flávio Dino. O jovem petista diz que está preparado e cheio de energia para contribuir na base de sustentação do governo no parlamento a favor de projetos voltados para a valorização da cultura maranhense, dos projetos de transversalidade entre cultura e educação (que não podem ser dissociadas), da descentralização dos equipamentos culturais (a maioria estão na capital de São Luís), como Teatros, Espaços Multiculturais, Escolas de Música com ensino Técnico, e maior aporte financeiro para o fomento que alcance o maior número de municípios.

O petista aposta no diálogo com os movimentos sociais e culturais para conseguir os votos necessários para sua eleição ao parlamento maranhense.

Um dos projetos que o mesmo pretende defender é a criação das Superintendências Regionais de Cultura. Armando Nobre explica:

“Temos um estado de dimensões imensas, onde vários de nossos municípios estão bem distantes da nossa capital onde está fixada a nossa secretaria de cultura, com a criação das Superintendências Regionais de Cultura teremos uma aproximação maior com os fazedores de cultura, e dessa forma, deixá-los mais próximos e informados das políticas públicas desenvolvidas pelo Governo do Estado, e auxiliando-os em buscar e/ou apresentar projetos por meio de editais ou outros mecanismos que estão disponíveis como a lei de incentivo à cultura”.

Armando Nobre é formado em Administração Pública, Pós-Graduando em Gestão Cultural e também formando no curso de Música da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA.

Com certeza está credenciado a disputar uma das 42 cadeiras do parlamento maranhense.

Roberto Rocha defende maior presença da indústria cultural no Maranhão

O senador Roberto Rocha (PSDB) defendeu nesta terça-feira, 10, maior participação da produção cinematográfica no Maranhão. Durante a sabatina de indicação de Christian de Castro Oliveira para exercer o cargo de diretor da Agência Nacional de Cinema (Ancine), o parlamentar maranhense, que também foi o relator da indicação aprovada na Comissão de Educação, alertou que dos 142 títulos lançados nas salas de cinema em todo o Brasil, em 2016, apenas dois foram oriundos de produtoras do Maranhão.

“Entre 1995 e 2012, o Estado não teve nenhum longa-metragem produzido no Maranhão e estreados nas salas de cinema. E todo mundo sabe que as regiões Norte e Nordeste são celeiros de talentos artísticos, com cenários e belezas naturais de tirar o fôlego, ou seja, com enorme potencial de crescimento no mercado de áudio visual, mas, no caso do Maranhão, poderia ser muito mais bem explorado”, disse.

Para Christian de Castro, a região do Brasil com maior participação dos filmes brasileiros com relação ao público total foi o Nordeste, com quase 20% dos espectadores e 17% da renda.

“Infelizmente, isso não se traduz no campo da produção, ainda excessivamente concentrada no Sudeste”, observou.

Roberto Rocha lembrou que São Luís poderá se transformar, em breve, em uma zona de exportação também para produtos audiovisuais, o que poderá alavancar de vez esse tipo de mercado.

“Tramita no Senado o projeto de lei de minha autoria, que cria a Zona de Exportação do Maranhão (ZEMA), que vai fomentar incentivos fiscais, não apenas para a instalação de empresas áudio visuais voltadas para o mercado internacional, mas também de empresas de qualquer natureza que visem exportação de seus produtos provenientes do Maranhão. Esse novo modelo econômico vai trazer maior segurança jurídica, estímulos e, consequentemente, a imediata atração de novos investimentos com aumento significativo da oferta de postos de trabalho e renda para o nosso povo”, afirmou o senador.

Vantagens estratégicas do Itaqui

As condições consideradas ideais de São Luís para se transformar em uma zona de exportação animam empresários nacionais e internacionais. O Porto de Itaqui está no centro da Área de Livre Comércio das Américas, próxima ao canal do Panamá, e constitui a rota mais curta para destinos como Europa, Estados Unidos e Ásia.

“É uma região estratégica, que encurta fronteiras e reúne condições ideais”, frisou Roberto Rocha.