VILA NOVA DOS MARTÍRIOS: Prefeitura inaugura sistema de abastecimento de água do Bairro da Paz 2

A Prefeitura Municipal de Vila Nova dos Martírios inaugurou neste sábado, 25, o sistema de abastecimento de água do Bairro da Paz, o projeto foi realizado, pelo Município, através do CIM- Consórcio Intermunicipal Multimodal em parceria com a Empresa Vale S. A.

O sistema contém mais de 10 mil metros de rede, reservatório de 100 mil litros de água e poço com 250 metros, e foi um compromisso feito pela Prefeita Karla Batista com a comunidade daquele bairro, onde beneficiará mais de 2000 mil pessoas que até o momento não tinham água em suas casas.

Prestigiaram o evento de inauguração da obra, além da prefeita Karla Batista, a vice-prefeita Vanusa Cunha, os vereadores Dorisel Lopes, Badeba, Radiola e Denir, os representantes da Vale Sr João Coral, Sra. Giselle Pinto, Sr. Saulo e Sr Adriano, varias lideranças políticas e comunitárias, os Secretários e Secretárias municipais e a população em geral.

Em seu pronunciamento o representante da Vale Sr. João Coral parabenizou o trabalho da prefeita Karla Batista a frente do Município e do CIM e reafirmou que a empresa Vale é parceira do Consórcio e dos Municípios e que está sempre aberta ao diálogo. A prefeita, em sua fala, fez questão de agradecer primeiro a Deus pela importante obra ali inaugurada, agradeceu a todos os colaboradores do projeto e enfatizou a grande importância que tem a parceria realizada entre a Vale e os Municípios através do Consórcio, disse da sua alegria em presidir relevante instituição e que encara esta tarefa como muito desafiadora e com muita responsabilidade.

#otrabalhocontinua
#patrimoniopublicomerececuidadodetodos

Palácio do Leões ainda não assimilou a perda do PSDB para o Roberto Rocha 12

Vários textos produzidos nas masmorras dos Leões dão uma narrativa catastrófica para o presente e futuro do PSDB no estado. “Debandada de prefeitos”, “revoada de lideranças”, saída em massa de filiados” etc., são alguns dos prognósticos

Pelo que tem produzido em termos de releases e divulgado nos blogs de “aluguéis camaradas”, dá para concluir que o Palácio dos Leões ainda não assimilou a baixa do PSDB, que saiu da órbita do vice-governador Carlos Brandão, onde o partido servia tão somente enquanto “satélite” do PCdoB, e passou para o comando do senador Roberto Rocha que, agora, sim, passará a ser um partido digno da grandeza que o é, independente de gostar-se ou não da sigla.

Vários textos produzidos nas masmorras dos Leões dão uma narrativa catastrófica para o presente e futuro do PSDB no estado. “Debandada de prefeitos”, “revoada de lideranças” “saída em massa de filiados” etc., são alguns dos prognósticos dados ao partido sob o comando de Roberto Rocha. Aos blogs de “aluguéis camaradas”, lógico, cabem reproduzir a mentira na melhor tática nazista de que “uma mentira repetida mil vezes se torna verdade”.

Ocorre que os mesmos releases oficiais repassados aos tais “blogs camaradas” não conseguem citar quem são as dezenas, centenas, milhares, quem sabe milhões de tucanos que irão deixar o PSDB a partir da chegada de Roberto Rocha no partido.

Contrariando essas perspectivas, o que observar-se é o desejo de muitos continuarem no tucanato local e outros tantos filiarem à legenda a exemplo de quadros como ex-primeira-dama Clay Lago, o vice-prefeito Paulo Marinho Júnior, o ex-deputado Rubem Brito, o ex-prefeito Léo Costa, deputada Graça Paz, prefeito Hilton Gonçalo, vereador Estevão Aragão, entre outras filiações de quadros e lideranças do Sul do Maranhão que estão sendo coordenadas pelo ex-prefeito Sebastião Madeira.

O desespero do grupo governista é tamanho que tenta, por exemplo, associar a ação do senador Roberto Rocha em prol aos municípios cortados pela Ferrovia Carajás, e associados ao Consórcio Intermunicipal Multimodal (CIN), à filiação dos seus respectivos prefeitos ao PSDB e os mesmos teriam recusado. Coisa de maluco beleza!

Uma análise minimamente honesta seria suficiente para chegar à conclusão de que o senador Roberto Rocha ajuda vários municípios administrados por prefeito de diferentes partidos, inclusive muitos deles que têm compromisso de votar na reeleição de Flávio Dino (PCdoB).

Porém, pedir uma análise honesta para os “blogs camaradas” parece que é pedir muito!

Ainda mais quando algumas senhas ficam sob a posse de gente grande da Secom, segundo comenta-se…

Lá vai o trem com o minério

Roberto Rocha, senador da República

Foi um maranhense, o poeta Ferreira Gullar, quem nos brindou com a linda letra das Bachianas brasileiras, composição de outro gênio, o maestro Villa Lobos. Nessa letra Gullar conta que lembrava da infância e da magia do trem da sua meninice, que cortava o Maranhão, de São Luis a Teresina. “Lá vai o trem com o menino, lá vai a vida a rodar”….

Outro maranhense de gênio e também poeta, João do Vale, cantou o trajeto do trem no sentido inverso, de Teresina a São Luis. “O trem danou-se naquelas brenhas; soltando brasa, comendo lenha”.

Como se vê, o trem faz parte dos nossos afetos mais profundos. Mas a vida rodou e a passagem da velha Maria Fumaça foi substituída por outras máquinas que não soltam brasa nem derramam poesia por onde passam. O trem do minério, com suas dezenas de vagões, atravessa o Maranhão com a nobre missão de gerar riquezas, mas deixa por onde passa, além do apito, um rastro de impacto ambiental.

Vinte e três municípios do Maranhão emprestam seu território para essa riqueza passar por cima. São hospedeiros, que praticamente nada recebem em troca. Essa realidade se arrasta há 32 anos, com os municípios pleiteando uma fatia maior na Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais – CFEM, uma espécie de fundo compensatório, composto de um percentual obtido do aproveitamento econômico da exploração do recurso mineral, criado para auxiliar os municípios a mitigar os impactos ao meio ambiente.

Na semana que passou essa realidade começou a mudar. O Senado aprovou emenda de minha autoria que redistribui os recursos provenientes da CFEM, destinando 60% para os Municípios produtores, 15% para os Estados, 10% para a União e 15% para Municípios que são corredores de escoamento.

Essa a grande novidade, que irá beneficiar, por exemplo,  Açailândia, , Bom Jesus das Selvas, Buriticupu, Cidelândia, Itinga do Maranhão , São Francisco do Brejão,  São Pedro da Água Branca, Vila Nova dos Martírios, na região tocantina.  Mas não apenas elas. Todas as cidades afetadas por operações de embarque e desembarque, ou ainda, onde se localizem pilhas de estéril, barragem de rejeitos e instalações de beneficiamento de minérios, passarão a receber esses recursos, proporcionalmente à população e à extensão do território cortado pela ferrovia.

Para mim, é uma questão de justiça. Para os prefeitos e prefeitas do Consórcio Intermunicipal Multimodal (CIM), é uma questão de sobrevivência financeira. Por isso estivemos essa semana com o presidente Michel Temer, em comitiva, para assegurar que essa medida não seja sabotada por interesses menores.

Lá vai o trem, levando o minério. E lá vai o menino, das nossas pobres cidades do interior, que mais do que ninguém merece “ciranda e destino”, como cantou o poeta.