ELEIÇÕES 2018: Flávio Dino dá sinais de que sabe que pode ser derrotado em outubro 52

É lógico que a quantidade de postagens em diferentes blogs que atuam a favor do projeto de poder de Flávio Dino mostra que eles, os governistas, não estão mais na condição de completo favoritismo. Sabem que vai ter jogo e jogo duro!

Um bom termômetro para saber o grau de confiança de Flávio Dino (PCdoB) na sua reeleição é o conteúdo que está sendo publicado na blogosfera alugada pelo Palácio dos Leões.

São ataques e mais ataques aos candidatos da oposição e mais uma indústria de fake news montada para tentar desconstruir a imagem dos adversários do comuna-mor no Maranhão.

Não apenas Roseana Sarney (MDB), considerada a principal adversária do comunista, mas também Roberto Rocha (PSDB) e Maura Jorge são alvos contínuos dos delírios da curriola comunista na blogosfera.

É lógico que a quantidade de postagens agressivas e desqualificadas publicadas em diferentes blogs que atuam a favor do projeto de poder de Flávio Dino mostra que eles, os governistas, não estão mais na condição de pleno favoritismo. Sabem que vai ter jogo e jogo duro!

Se antes era dado como certa uma vitória do “Bucho Grande” já no primeiro turno, agora está cada claro que o pleito para o Governo do Maranhão vai se dar em dois turnos.

E a continuar a tendência de queda em pesquisas que o Blog do Robert Lobato teve acesso, olha lá se Flávio Dino sequer irá para o segundo turno.

Vamos acompanhar até as eleições o comportamento dos blogs palacianos.

Eles, repito, são o termômetro para conhecer o grau de desespero de Flávio Dino, autointitulado “Euzinho”.

FAKE NEWS: Blogueiro comunista é preso em Imperatriz 2

Fabrício Oliveira é useiro e vezeiro da prática fakes news na redes sociais e sempre demonstrou ser uma pessoas de livre trânsito com figurões do PCdoB/MA, inclusive com o governador Flávio Dino

Fabrício Oliveira com o governador Flávio Dino com direto a selfie e tudo mais…

Um dos maiores produtores e compartilhadores de fake news do Maranhão, o blogueiro Fabrício Oliveira (PCdoB), foi preso na madrugada de ontem (24), em Imperatriz, em cumprimento a um mandado de reclusão em aberto, expedido pela Justiça de Goiás.

É verdade que blogueiro fake não foi preso pelos seus crimes cibernéticos, mas sua detenção causou estrago na nefasta política de comunicação do submundo comunista em mentir, agredir, vilipendiar e desconstruir reputações de adversários políticos.

Fabrício Oliveira é useiro e vezeiro da prática de fakes news na redes sociais e sempre demonstrou ser uma pessoas de livre trânsito com figurões do PCdoB/MA, inclusive com o governador Flávio Dino – há uma infinidades de fotos postadas pelo próprio “fake newszeiro”, agora um preso de Justiça.

Fabrício Oliveira com o secretário Clayton Noleto (Sinfra)

Prisão

Fabrício foi abordado por policiais do 3º Batalhão de Polícia Militar do Maranhão em uma rua de Imperatriz conhecida por ser acesso a bocas de fumo muito frequentada por usuários de drogas da cidade.

Fabrício Oliveira com Adonilson Lima (superintendente de Articulação Política na regional de Imperatriz).

Sobre o mandado de prisão, a PM descobriu, por meio de consulta ao Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), que o blogueiro era foragido da Justiça goiana, que o condenou por assalto a mão armada. Segundo dados do Banco Nacional de Mandados de Prisão, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), um segundo mandado de prisão em desfavor do blogueiro continua em aberto.

Polícia Federal

O blogueiro Fabrício Oliveira pode ter mais dor de cabeça, além da já prisão pela polícia maranhense.

Segundo apurou o Blog do Robert Lobato, há uma solicitação junto à Superintendência da Polícia Federal no Maranhão, para que seja apurada a prática de fake news do Fabrício com vasto material que comprovam a delinquência criminosa do blogueiro aconchegado pelo PCdoB.

O fato é que o caso Fabrício Oliveira pode ser apenas o primeiro do que ainda pode aparecer aí de “fake newszeiros” ligados à máquina de propaganda do submundo comunista no Maranhão.

É aguardar e conferir.

Rompido com Flávio Dino, José Reinaldo deve mostrar que tem grupo para enfrentar a fúria do Palácio dos Leões 13

Zé Reinaldo que se cuide e parta para montar urgentemente o seu novo campo político com humildade, coragem e olhando para a frente ou será triturado pela máquina de propaganda comunista

Ao romper com o governador Flávio Dino (PCdoB), o deputado federal José Reinaldo Tavares (ainda sem partido) tem um desafio pela frente que não é dos mais fácies.

O ex-governador deverá mostrar que tem grupo político para manter o seu projeto de senador com viabilidade de sucesso. E mais do que isso: ter a habilidade para fazer a coisa certa e ampliar o leque de apoios a sua candidatura à Câmara Alto do Congresso Nacional.

Uma coisa era o pré-candidato José Reinaldo com apoio de prefeitos e entidades como a Famem, outra completamente diferente é partir agora para a luta rompido com o governo e ainda assim convencer os aliados a manterem-se leais a ele.

Numa outra ponta, Zé Reinaldo terá ainda que enfrentar é fúria do Palácio dos Leões que não vai poupar ataques e agressões abaixo da linha de cintura via mídia amilhada, que a essa altura já deve estar sendo orientada por narrativas que visam tratá-lo como alguém que não é de grupo e coisas do tipo. Aliás, já há sinais nesse sentido na blogosfera palaciana, por exemplo.

O fato é que mesmo jornalistas que até um dia desses amavam e respeitavam José Reinaldo, e a ele devem muito do que são hoje, tendem a obedecer cegamente as ordens da Secom governamental.

Com certeza as masmorras dos Leões devem estar a todo vapor na produção maldades, fake news e o escambau contra o ex-aliado.

Zé Reinaldo que se cuide e parta para montar urgentemente o seu novo campo político, com humildade, coragem e olhando para a frente ou será triturado pela máquina de propaganda comunista.

É aguardar e conferir.

A dívida política do PT e do PCdoB com Waldir Maranhão 8

Quando assumiu a presidência da Câmara em decorrência da cassação de Eduardo Cunha, Waldir Maranhão viria protagonizar uma dos mais controversos momentos da história política nacional ao anular o impeachment de Dilma com a orientação política e jurídica de Lula, José Eduardo Cardozo, Orlando Silva e Flávio Dino

Os dois dos principais partidos da esquerda brasileira têm uma dívida política com o deputado federal Waldir Maranhão (Avante).

O PT e PCdoB, através de suas maiores lideranças nacionais, incluindo pesos pesados como o ex-presidente Lula e o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, pelo lado do PT, e o deputado federal Orlando Silva e o governador Flávio Dino, pelo PCdoB, foram avalistas de um acordo histórico que precisa ser devidamente cumprido.

Trata-se de conceder a Waldir Maranhão uma das duas vagas da eleição para o Senado Federal pelo grupo do governador Flávio Dino com o deputado concorrendo ou não pelo PT.

Waldir Maranhão fez tudo o que foi combinado com os petistas e comunistas durante o enfrentamento do processo de impeachment na Câmara dos Deputados.

Para início de conversa, Waldir articulou, sozinho, por dentro do PP, partido a qual era filiado na época, nada menos do que 15 deputados de uma bancada então composta de cerca de 40 parlamentares, embora a maioria desses 15 tenham se acovardado na hora “H” da votação.

Em seguida, quando assumiu a presidência da Câmara em decorrência da cassação de Eduardo Cunha, Waldir Maranhão viria protagonizar um dos mais controversos momentos da história política nacional ao anular o impeachment de Dilma com a orientação política e jurídica exatamente de Lula, José Eduardo Cardozo, Orlando Silva e Flávio Dino.

Tal atitude de Waldir Maranhão lhe custou um verdadeiro massacre pela mídia nacional. Amigos de antes da sua decisão passaram vê-lo pelas costas, perdeu a presidência estadual do PP, correlegionários o abandonaram à própria sorte, enfim, foi um linchamento público de grandes dimensões.

Todavia, nem por tudo isso que foi obrigado a passar, o bravo Waldir Maranhão deixou-se intimidar ou fugiu da raia. Pelo contrário, cumpriu 100% de tudo o que assumiu com os aliados e ainda enfrentou o assédio gigantesco do Palácio do Planalto para deixar o campo da oposição e se unir ao governo Temer.

O fato é que o PT e o PCdoB têm essa dívida política e mesmo moral com Waldir Maranhão.

Pelo que o Blog do Robert Lobato conseguiu apurar,o PT e Lula estão dispostos a cumprir o acordo e fazer de Waldir Maranhão candidato a senador pelo partido ou mesmo fora dele.

O maior óbice ao projeto seria justamente o PCdoB de Flávio Dino.

O mesmo Flávio Dino mentor intelectual da anulação do impeachment assinado pelo então presidente da Câmara dos Deputado, Waldir Maranhão, que pode não deixar barato caso venha a se confirmar o que parece estar se desenhando.

Pelo jeito, Flávio Dino ainda não se deu conta do arsenal bélico de Waldir Maranhão.

Quem avisa amigo é…

GOVERNO FLÁVIO DINO: A mudança que não veio 8

Flávio Dino revelou-se apenas mais um político como outro qualquer que o antecedeu, e, em alguns aspectos, até pior. Basta comparar!

Um governo mudancista a gente vê na prática, de forma real e concreta. Os resultados são percebidos a olhos nus sem precisar de muito tempo para que a cidadania sinta que realmente vive novos tempos.

O Ceará é um bom exemplo para entendermos isso.

Não precisou de décadas para que os cearenses percebessem que algo de novo estava acontecendo no estado lá pelos idos dos anos 90. Logo nos primeiros anos de governo Tasso Jereissati (PSDB) era possível perceber as mudanças socioeconômicas em curso, sem falar que o governador não perdia tempo culpando governos passados todo santo dia.

O próprio Maranhão de 1966, com o governo José Sarney, viveu talvez um dos seus melhores momentos em termos de execução de projetos e obras estruturantes tocados por diversas mentes brilhantes, inclusive algumas que estavam fora do estado e foram chamados pelo então governador para ajudar na construção de um “Maranhão Novo”.

No Brasil, mais recentemente, também viu-se os governos do PSDB e do PT implementarem mudança significativas e históricas que melhoraram a vida dos brasileiros em vários setores. Ou seja, os tucano fizeram uma espécie de “revolução burguesa” para em seguida, já o país com bases econômicas sólidas, os petistas fizessem o Brasil dar um grandioso salto na área social durante a era Lula/Dilma.

Já no governo Flávio Dino não é possível ver qualquer traço significativo de mudança, pelo contrário, trata-se de uma gestão tímida, nada de ousado, criativo ou empreendedor. Até mesmo a forma de atrair aliados políticos para a sua base é no do “jeito passado”, se não pior e menos republicano.

O fato é que não há qualquer projeto estratégico de longo prazo de governo, e muito menos de Estado, gerido pelos comunistas.

Nesse sentido, Flávio Dino mostrou-se apenas mais um político como outro qualquer que o antecedeu, e, repito, em alguns aspectos até pior. Basta comparar!

Enfim, o governador maranhense é do tipo de político que ao invés de pensar nas futuras gerações só pensa nas próximas eleições…

ELEIÇÕES 2018: O silêncio dos comunistas maranhenses sobre a pré-candidatura presidencial da “Manu”

O silêncio dos comunistas é muito suspeito, até porque não é do perfil deles manterem-se “mudos” em momentos como esse, afinal trata-se de um ato deliberativo do comando nacional do PCdoB

Uma busca pelas redes sociais e nenhum comentário de comunistas maranhenses notórios como o governador Flávio Dino e o seu “homem forte”, secretário Márcio Jerry (Comunicação e Articulação Política), sobre o badalado lançamento da pré-candidatura da deputada estadual Manuela D’Ávila, a “Manu”, para presidente de República pelo PCdoB, partido de Flávio e Márcio, este último presidente estadual da legenda.

O silêncio dos comunistas é muito suspeito, até porque não é do perfil deles manterem-se “mudos” em momentos como esse, afinal trata-se de um ato deliberativo do comando nacional do PCdoB.

Das duas uma: Ou os comunistas maranhenses sabem que a pré-candidatura da “camarada Manu” é só “miguelagem” visando pressionar a direção nacional do PT e o ex-presidente Lula a apoiar a reeleição do governador Flávio Dino; ou realmente o projeto de candidatura própria comunista para presidente é pra valer e, nesse caso, não conta com apoio da fração do partido no Maranhão.

Nem mesmo na sessão desta tarde, na Assembleia Legislativa do Maranhão, os deputados do PCdoB fizeram um esforço para saudar a pré-candidatura da Manuela D’Ávila.

É estranho, não?

Facção do PCdoB lança Luciana Santos ao Senado e defende candidatura própria para Presidência da República

Ao decidir lançar a deputada Luciana Santos para concorrer ao Senado em 2018, e também defender a candidatura própria a presidente, a facção pernambucana do PCdoB acaba revelando um “racha” na legenda comunista quando o assunto é a sucessão do presidente Michel Temer

Luciana Santos presidente nacional do PCdoB

“O Partido Comunista do Brasil em Pernambuco torna pública a disposição da legenda de apresentar aos pernambucanos, ao Brasil e às forças políticas aliadas, com convicção e entusiasmo, uma candidatura própria à Presidência da República, e, no âmbito local, a pré-candidatura da deputada federal Luciana Santos à Senadora da República, nas eleições de outubro de 2018.”

Assim falou o ex-presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, que atualmente comanda a Fundação Maurício Grabois, órgão de estudos, formulação e formação política do partido, ao anunciar deliberação ocorrida durante 20ª Conferência Estadual do PCdoB realizada neste fim de semana, em Recife (PE).

Ao decidir lançar a deputada Luciana Santos para concorrer ao Senado em 2018, e também defender a candidatura própria a presidente, a facção pernambucana do PCdoB acaba revelando um “racha” na legenda comunista quando o assunto é a sucessão do presidente Michel Temer (PMDB) – decisão final será durante o congresso de novembro.

Já a facção do PCdoB no Maranhão, por exemplo, defende o apoio à candidatura do ex-presidente Lula (PT) ao Planalto.

Por “amor” ao líder petista ou porque os “comunas” maranhenses não veem outro nome viável para derrotar “a ofensiva da direita neoliberal”? Claro que não!

No caso maranhense é em virtude do governador Flávio Dino entender que só se agarrando nas barbas do ex-presidente Lula poderá evitar uma derrota fragorosa nas eleições do ano quem.

Só, e somente só, por isso…

Roberto Rocha não traiu ninguém (OU: Uma polêmica com o escriba dos ressentimentos) 4

O escriba ressentido, claro, não poderia deixar de lado a cantilena de que Roberto foi eleito senador “carregado nas costas de Flávio Dino”, narrativa cantada e decantada pelos comunistas mas que terá a hora certa para ser desmontada: nos debates da campanha eleitoral de 2018.

Chegou ao Blog do Robert Lobato, via grupos de WhatsApp, um texto cujo autor é um petista (ou ex-petista, sei lá) conhecido por guardar ressentimentos políticos de pessoas que, por algum motivo, o tenha contrariado nos seus interesses –  o ex-vice-governador Washington Oliveira, por exemplo, também é vítima de vários textos escritos com “sangue nos olhos” pelo jornalista.

No texto, o autor usa a ironia para afirmar que o senador Roberto Rocha (PSDB) “não traiu ninguém (…) é fiel às suas origens, coerente na posição política retrógrada e alinhado àqueles que desde sempre são seus bons companheiros”.

De fato, Roberto Rocha não traiu ninguém! Muito menos o governador que ajudou a eleger depois de uma engenharia política que viabilizou o arco de alianças partidárias sem o qual sequer existiria a candidatura do comunista.

O escriba ressentido, claro, não poderia também deixar de lado a cantilena de que Roberto foi eleito senador “carregado nas costas de Flávio Dino”, narrativa cantada e decantada pelos comunistas mas que terá a hora certa para ser desmontada: nos debates da campanha eleitoral de 2018.

Roberto Rocha entre petistas

Conheci Roberto Rocha pelos idos de 2005 em uma roda de conversa, chope e churrasco na sua residência no bairro da Vila Fialho.

Lá estavam, animados mais do que pinto no lixo, petistas como Márcio Jardim, Augusto Lobato, Domingos Dutra, Haroldo Sabóia, entre outras lideranças do campo da oposição ao grupo Sarney. Cheguei lá na companhia do então presidente estadual do PT Washington Oliveira, que sempre manteve cordial relação com Roberto Rocha.

Nesse sentido, o jornalista autor do texto em que tenta desqualificar o senador afirmando que ele “é fiel às suas origens, coerente na posição política retrógrada e alinhado àqueles que desde sempre são seus bons companheiros”, mostra desconhecimento da história ou usa de pura má-fé mesmo. Ou então escolheu uma forma de bajular os atuais inquilinos do Palácio dos Leões sabe-se lá a troco de quê.

“Roberto Rocha não está interessado em Mais IDH nem Escola Digna, não tem qualquer afinidade com os programas de inclusão social nem qualquer que seja a iniciativa visando melhorar a qualidade de vida dos mais pobres”, escreve o cara surfando na mais vil demagogia e no populismo barato.

Ora, se tem um político interessado em melhorar as condições socioeconômicas do povo maranhense chama-se Roberto Rocha.

Ocorre que o senador tem o entendimento de que não se melhora as condições de vida do povo só com “gogó” ou às custas do orçamento público, apenas.

Roberto compreende que melhorias sociais chegam com investimentos privados, parcerias público-privadas, ou seja, com ajuda do capital privado!

O próprio governador Flávio Dino, a quem o detratador de Roberto Rocha parece querer agradar com um texto repleto e ranços políticos e ideológico, prometeu na campanha de 2014 fazer um “choque de capitalismo”, uma “revolução burguesa” no Maranhão, mas o discurso ficou pelo meio do caminho do populismo que agora serve de referência para alguns atacar o senador.

O fato é que a birra do escriba “dinopetista” com Roberto Rocha não é de agora. Sempre viveu falando mal do tucano para prestar serviço aos comunistas e o faz antes mesmo antes de Roberto tomar posse no Senado Federal.

Por fim, o que mais intriga qualquer pessoa de bom senso é: Se foi Flávio Dino quem ‘elegeu’ Roberto Rocha senador ‘debaixo do sovaco; e se ‘Roberto Rocha não tem voto’, por que tanta preocupação com o tucano? Seria Roberto Rocha e não Roseana Sarney o real responsável pelo sonho de reeleição de Flávio Dino estar se transformando em pesadelo?

Com a palavra o escriba dos ressentimentos…

PS: “Bob, por que não citou o nome do tal ‘escriba’?”, perguntaria um leitor. É que não vale a pena. Seria valorizar alguém que, ao menos para este blogueiro, só tem o valor de despertar comiseração.

ELEIÇÕES 2018: A expressão do desespero comunista 2

Como sabem que não terão vida fácil em 2018, que o sonho de disputar apenas contra Roseana Sarney (PMDB) foi por água abaixo, agora os comunistas resolveram colocar todos os seus adversários no mesmo cofo sarneysista.

O secretário de Estado da Articulação Política e da Comunicação, Márcio Jerry, amanheceu a sua segunda-feira de trabalho (?) compartilhando, em grupos de WhatsApp, esse material aqui:

Mais uma pesquisa “Tabajara”: o desespero comunista aumenta a cada dia.

A peça, produzida nas masmorras do Palácio dos Leões, visa, claro, confundir a população através da surrada narrativa de que qualquer candidatura que se meter no meio das pretensões de releição de Flávio Dino (PCdoB) é considerada “do Sarney”.

Logo, não será de surpreender quando o PSTU, PSOL, PCB, PCO etc lançaram seus nomes para governador em 2018, a lista dos “candidatos do Sarney” aumente consideravelmente. O nome disso é canalhice que, aliás, uma das marcas da comunicação desse governo.

Como sabem que não terão vida fácil em 2018, que o sonho de disputar a eleição apenas contra Roseana Sarney (PMDB) foi por água abaixo, agora os comunistas resolveram colocar todos os seus adversários no mesmo cofo sarneysista.

No que pode ser considerada a máxima expressão do desespero comunista.

Que só tende a aumentar até outubro de 2018…

ELEIÇÕES 2018: Nomeações do Lawrence Melo e Terezinha Fernandes são vistas como “golpe” por militantes do PT e do PCdoB

As mexidas do governador Flávio Dino causou insatisfação tanto no PT quanto no seu partido, o PCdoB. No caso do PT, não agregou absolutamente coisa alguma, já Terezinha Fernandes é da corrente “Articulação de Esquerda”, a mesma do secretário Chico Gonçalves (Direitos Humanos). Ou seja, mais do mesmo!

Fechou o tempo no território petista depois das nomeações para o governo de Flávio Dino (PCdoB) do delegado Lawrence Melo (Agência Estadual de Mobilidade Urbana) e Terezinha Fernandes (Secretaria da Mulher).

No caso do doutor delegado a reclamação é de que o homem “nunca havia passado sequer na calçada do PT e agora já chega sentando na janela”, conforme disse um dirigente petista ao Blog do Robert Lobato.

Lawrence Melo desembarca no PT pelas bênçãos e graças do advogado Sálvio Dino Júnior, irmão do governador Flávio Dino, que também se filou no PT quando da passagem de Lula pelo Maranhão.

O doutor delegado não conhece o PT e muito menos os assuntos da pasta que irá comandar. Aliás, dizem as más línguas que a nomeação de Lawrence Melo para o governo comunista também tem a ver com as peripécias do vereador Honorato Fernandes no âmbito da Câmara de Vereadores de São Luis. Ou seja, o vereador estaria querendo uma “blindagem”. A conferir.

Crise grande no setorial de Mulheres e movimento negro

Mas a crise não para por aí.

A nomeação de ex-deputada Terezinha Fernandes, por exemplo, foi recebida como um “golpe” dos comunistas nas pretensões do PT tê-la como candidata à deputada estadual na Região Tocantina e, dessa forma, melar os planos de reeleição do deputado Marco Aurélio.

Na avaliação de um alto dirigente petista, ligado aos movimentos sociais, “a nomeação da companheira Terezinha é uma sacanagem dos comunas, um golpe para tirá-la da disputa de 2018 visando não atrapalhar o deputado Marco Aurélio na reeleição dele, já que é nome do PCdoB para prefeito em 2022”.

Houve reação também entre os militantes do movimento negro que não engoliram a defenestração de Laurinda Pinto da Secretaria da Mulher.

Ontem, lá no Convento das Mercês, por exemplo, houve uma espécie de rebelião do “Unegro”, que é o coletivo de negros do PCdoB. As mulheres quilombolas, ligadas ao referido coletivo pensam em fazer um protesto em frente ao Palácio dos Leões como numa espécie de desagravo pela destituição de Laurinda Pinto. Fala-se até na mulherada ficar nua em frente a sede do governo estadual!

O fato é que as mexidas do governador Flávio Dino causou insatisfação tanto no PT quanto no seu partido, o PCdoB.

No caso do PT, não agregou absolutamente coisa alguma, já que Terezinha Fernandes é da corrente “Articulação de Esquerda”, a mesma do secretário Chico Gonçalves (Direitos Humanos). Ou seja, mais do mesmo!

Já no PCdoB, a nomeação da petista para a Secretaria da Mulher não agradou as camaradas que, como dito acima, pensam até em tirar a roupa em protesto pela exoneração da da Laurinda Pinto.

Enquanto isso, meu amigo Ribamar Praseres, “comunista da gema”, vai tomando a “gelada” dele no Mercado da Praia Grande.

Tá certinho!