Adesão do MDB ao governo Flávio Dino pode provocar muitas baixas no partido 8

Um dos maiores entusiastas da “pcdobezação” do MDB é o deputado estadual Roberto Costa, que desde o primeiro mandato de Flávio Dino sempre se comportou como uma espécie de “comunista branco” na Assembleia Legislativa.

A ser confirmado o apoio politico do MDB ao governo Flávio Dino (PCdoB) uma coisa é certa: haverá muitas baixas no partido que ainda abriga personalidades do porte de Roseana Sarney, Lobão, Hildo Rocha e o próprio ex-presidente José Sarney, todos opositores ao governo comunista no Maranhão.

Não é possível, ainda, avaliar com precisão o estrago que pode ser feito no MDB maranhense com essa provável adesão ao Palácio dos Leões, mas, segundo apurou o Blog do Robert Lobato, deputados e prefeitos leais à trajetória do partido de ser oposição ao governo Flávio Dino não aceitarão ficar tutelados ao PCdoB, um partido considerado nanico em relação ao tamanho do MDB no estado e no país.

Um dos maiores entusiastas da “pcdobezação” do MDB é o deputado estadual Roberto Costa, que desde o primeiro mandato de Flávio Dino sempre se comportou como uma espécie de “comunista branco” na Assembleia Legislativa.

Com o possível apoio oficial do MDB ao governo Flávio Dino, o deputado Roberto Costa pode até se credenciar para ser líder da base governista no parlamento maranhense.

Mas o custo poderá ser muito alto e o MDB poderá definhar no estado.

É aguardar e conferir.

COMUNISMO: O mal-estar de Adelmo Soares 4

Se o deputado não encarar o fato do PCdoB exigir uma “cota” na sua assessoria parlamentar, pode enfrentar grandes problemas no partido a ponto de ser fritado no âmbito do Palácio dos Leões.

Não! Não se trata de mal-estar de saúde.

Segundo apurou o Blog do Robert Lobato, o mal-estar do deputado Adelmo Soares tem a ver com a descoberta de como o seu partido, o PCdoB, se intromete na formação do gabinete dos parlamentares eleitos pela legenda.

Segundo um “chegado” do deputado, Adelmo está incomodado com o fato de ser obrigado a nomear comunistas “estranhos” a sua relação política e pessoal só pelo fato de serem do PCdoB.

“O deputado Adelmo está muito incomodado com a situação. Sua campanha contou com muitos amigos de longas datas que deram o sangue para elegê-lo, mas que agora podem ficar de fora do mandato porque o PCdoB exige uns espaços no gabinete sob o argumento que isso é uma tradição que visa fortalecer o partido”, disse a fonte ligado a Adelmo Soares.

De fato, a uma de tradição no PCdoB, bem como de outros partidos de esquerda, que consiste em criar uma espécie de “cota partidária” quando da formação dos gabinetes parlamentares, seja de vereadores, deputados estaduais, deputados federais, senadores etc. Só que no PCdoB essa tradição é quase um princípio partidário!

Se o deputado Adelmo Soares não superar esse mal-estar e encarar o fato do PCdoB exigir uma “cota” na sua assessoria parlamentar, pode enfrentar grandes problemas no partido a ponto de ser fritado no âmbito do Palácio dos Leões.

Não é por acaso que o famoso seletivo criado pelo também deputado estadual Duarte Júnior para formar parte da sua assessoria, já pode ter tirado o ex-presidente do Procon-MA da corrida eleitoral de 2020 à prefeitura de São Luis.

Ao menos pelo PCdoB.

Mas isso é assunto para outra postagem.

Allan Garcês dá uma enquadrada em Flávio Dino: “Comunista demagogo”

Uma das principais lideranças da direita no Maranhão, Allan Garcês foi nomeado recentemente para o cargo de diretor de Articulação Interfederativa da Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde.

O médico e professor Allan Garcês deu uma enquadrada legal no governador Flávio Dino (PCdoB) via rede social do Twitter.

Ao comentar uma postagem do comunista sobre o programa Mais Médico “lamentando” o saída dos profissionais cubanos do Brasil após a vitória de Jair Bolsonaro (PSL), Allan Garcês lembrou que o governo do Maranhão não tem lá muito zelo pela saúde.

“Engraçado o Governador do Maranhão fazer este post agora. Demonstra uma falsa preocupação para quem demite médicos, fecha maternidade, atrasa os salários dos funcionários da Saúde e ainda sucateou a saúde de todo Estado, típico de um comunista demagogo”, tuitou Allan.

Uma das principais lideranças da direita no Maranhão, Allan Garcês foi nomeado recentemente para o cargo de diretor de Articulação Interfederativa da Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde, cuja função principal é articular gestores municipais e estaduais do país inteiro em torno das políticas públicas para a saúde.

E, nas horas vagas, enquadra o governador comunista do Maranhão…

GOVERNO: Servidores públicos revoltados com Flávio Dino por corte em gratificação 2

Há uma revolta silenciosa, por assim dizer, no seio do servidores públicos estaduais. Ocorre o seguinte.

Por anos, os “banabés” têm direito a um abono de 20% sobre suas renumerações, que em média gira em torno de pouco mais de R$ 300,00.

Agora os servidores efetivos terão que procurar a Empresa Maranhense de Administração de Recursos Humanos e Negócios Públicos – EMARHP, caso não queiram que governo dê uma “garfada” no contracheque deles.

O curioso é que o governador Flávio Dino e o seu PCdoB criticam o valor do salário mínimo anunciado pelo governo Jair Bolsonaro, mas se acham no direito de “surrupiar” uma gratificação que dá um reforço no defasado ordenado do funcionalismo público estadual, conforme comentário de um servidor enviado, via WhatsApp, para o Blog do Robert Lobato:

“É meu caro Robert Lobato, contamos com divulgação do blog do amigo sobre a tentativa do Flávio Dino de tirar 20% dos nossos já míseros salários, se comparados com o dele e dos valores que ele surrupiou do FEPA” [Fundo Estadual de Pensão e Aposentadoria].

Vale ressaltar que o referido abono tem base numa decisão judicial, mas, como sabe-se, o governo comunista não gosta de cumprir decisões da Justiça e até decreto já foi publicado sobre a questão (veja aqui).

Pelo que o Blog do Robert Lobato apurou, a “maldade” sobre a gratificação dos servidores estaduais é obra do secretário Rodrigo Lago (Transparência e Controle).

E assim começa 2019 para o funcionalismo estadual.

O estado é o Maranhão, mas pode chamá-lo de “Impostolândia” 4

Enquanto o aumento de impostos é o caminho optado pelo governo maranhense, ‘nadica de nada’ sobre novos investimentos no estado. Pelo contrário, a notícia que se tem é sobre o fato do Maranhão ter deixado de ser o destino de empresas privadas que não confiam na conjuntura local sob Flávio Dino.

O Governo do Maranhão voltou a ser alvo de críticas por conta das novas “garfadas” no bolso dos contribuintes ao anunciar, novamente, aumentos de impostos.

Reportagem de O Estado publicada edição desta terça-feira, 4, aponta que o povo maranhense já pagou, só em 2018, R$ 6,2 bilhões em ICMS.

Agora o governo comunista de Flávio Dino (PCdoB) resolveu encaminhar à Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 239/2018 que aumenta, mais uma vez, o ICMS de uma série de produtos no Maranhão, entre os quais: gasolina, refrigerante, energéticos, isotônicos, embarcações de esporte e de recreação. Até rodas esportivas para automóveis e drones serão sobretaxados.

Ao optar por novos aumentos de impostos, o governo dá razão aos seus críticos sobre a grave crise fiscal e financeira que atravessa o estado do Maranhão. Tanto que vários setores do funcionalismo público estão com salários atrasados, outros com vencimentos defasados, fornecedores há meses sem receber pelos serviços prestados e por aí vai. Isso sem falar da questão previdenciária que caminha a passos largos para o abismo.

O fato é que o aumento de impostos é o caminho optado pelo governo maranhense, nadica de nada sobre novos investimentos no estado. Pelo contrário, a notícia que se tem é sobre o fato do Maranhão ter deixado de ser o destino de empresas privadas que não confiam na conjuntura local sob Flávio Dino.

E, assim, enquanto os investimentos privados não chegam, o Maranhão vai se tornando a terra dos impostos ou, simplesmente, a “Impostolândia”.

Uma lástima!

Se depender de Márcio Jerry quem é suplente continuará suplente 10

Márcio sabe o papel dele em Brasília. Com certeza será mais útil, para o governador Flávio Dino, no planalto do que na planície.

“Assumirei dia 1/2/2019 o mandato de deputado federal que 134.223 maranhenses me concederam”.

Assim falou o deputado federal eleito Márcio Jerry ao Blog do Robert Lobato, e garantiu que não abre mão de exercer o seu mandato nem para um trem carregado de Suplício de Araújo e de Gastão Vieira.

Márcio sabe do papel dele em Brasília. Com certeza será mais útil, para o governador Flávio Dino (PCdoB), no planalto do que na planície.

O presidente estadual do PCdoB reclamou ainda no que entende por “vocês não gostarem de mim fecham os olhos para o curso da história nesta última década e meu papel nele.”.

Na verdade, Márcio Jerry é que não gosta de deixar que se goste dele.

Em tempo: O deputado federal reeleito Rubens Pereira Júnior, também do PCdoB, não tem planos de deixar o mandato para assumir secretaria de Estado.

ELEIÇÕES 2018: Fama de mentiroso de Flávio Dino viraliza nas redes sociais 22

A internet, esse território cruel que não perdoa ninguém, nem mesmo Flávio Dino, continuará com os mais engraçados e debochados memes tirando onda com as inverdades do comunista candidato à reeleição.

São centenas de imagens, vídeos, gifs, entre outros recursos usados pelos internautas fazendo referência à fama de mentiroso do governador Flávio Dino (PCdoB).

A maioria dos chamados memes surge com muita dose de humor e criatividade, mas há alguns ofensivos –  as redes sociais são uma terra de ninguém, e é muito difícil controlar o que é conteúdo inteligente de agressões pessoais diversas.

Seja como for, o fato é que a fama de ser mentiroso atribuída a Flávio Dino viralizou na internet, principalmente depois da entrevista que o comunista concedeu à TV Mirante, ontem, terça-feira, 11.

O Blog do Robert Lobato, por sua vez, sempre sustentou que o comunista-mor maranhense é dado a umas inverdades e as comete sem a menor cerimônia, na maior “cara dura”, como se diz.

Só que mentira tem pernas curtas, como ficou provado ontem na entrevista da TV Mirante quando o Flávio Dino foi confrontado com algumas das suas mentiras, ainda que tivesse tentado rebatê-las com… mais mentiras!

Se o governador conseguirá desfazer-se dessa fama de mentiroso até o dia da eleição, só o tempo vai dizer.

Até lá, a internet, esse território cruel que não perdoa ninguém, nem mesmo Flávio Dino, continuará com os mais engraçados e debochados memes tirando onda com as inverdades do comunista candidato à reeleição.

No mais, viva a democracia!

ABUSO DE PODER?: Flávio Dino judicializa a eleição e pode pagar caro no futuro 6

Os adversários do comunista não se deixam intimidar pela “juizite” aguda do governador e questionam quanto à temeridade de magistrados deferirem liminar em propaganda sem abrir prazo para que a outra parte se manifeste.

O governador e candidato à reeleição Flávio Dino (PCdoB) resolveu deixar a política de lado, o debate de ideias e simplesmente optar pela judicialização das eleições no Maranhão.

Não bastasse o recorde processos contra profissionais da imprensa que detém, o comunista tenta também calar adversário políticos, como faz com Roseana Sarney (MDB), Wellington do Curso (PSDB), Ricardo Murad (PRP) e outros.

Flávio Dino não gosta de ser confrontado com a verdade, daí que recorre às barras da Justiça que tem sido uma “mãe” para comunista quando o assunto é conceder liminares para o candidato do PCdoB.

Contudo, os adversários não se deixam intimidar pela “juizite” aguda do governador e questionam quanto à temeridade de magistrados deferirem liminar em propaganda sem abrir prazo para que a outra parte se manifeste.

A Comissão de Juízes Auxiliares, que decide sobre propaganda, precisa ficar mais atenta às jurisprudências e não cair na lábia dos advogados da coligação de Flávio Dino que, sob argumento de que o candidato comunista está sendo vítima de mentiras e calúnias, acaba censurando os programas e inserções dos adversários do governador e pior: alienando o eleitorado maranhense que tem o direito de saber das verdades dos fatos.

O fato é que judicializando estas eleições como tem feito, Flávio Dino pagar caro no futuro, caso consiga se reeleger (isola na madeira!).

ELEIÇÕES 2018: Afinal, Flávio Dino merece mais quatros anos de governo? 20

Para quem votou no comunista apostando numa profunda mudança nos conceitos e práticas políticas e de gestão é impossível não estar decepcionado com o balanço final do governo comunista.

Em 2014, nesta época da campanha, a vitória de Flavio Dino (65) era praticamente uma certeza. O comunista virou governador porque estava na hora certa e no momento histórico certo da vida política local.

Beneficiado, em primeiro lugar, pelo desgaste do grupo Sarney e depois pelas sucessivas barbeiragens políticas do grupo cinquentão que culminou na troca de Luis Fernando por Lobão Filho, a eleição de Flávio Dino foi um marco histórico sem qualquer dúvida.

Quatro anos depois, no que a esta altura da campanha era ser dada como uma reeleição fácil e tranquila, tal como foi a de Roseana Sarney (MDB) em 1998, Flávio Dino se apega a um vale tudo para não ser derrotado em outubro próximo.

O pior é que o governador se comporta como se ainda fosse a sua primeira eleição, prometendo mais do que prestar contas do que realmente foi feito pelo seu governo e não obras herdadas pela sua sucessora.

O deputado federal Waldir Maranhão (PSDB) costuma dizer que “Flávio é ladrão de sonhos”. Faz sentido!

Ora, para quem votou no comunista apostando numa profunda mudança nos conceitos e práticas políticas e de gestão é impossível não estar decepcionado com o balanço final do governo comunista.

Não vieram mudanças, muito menos transformações profundas no nosso estado, pelo contrário, houve um aumento da sensação do medo, perseguições, retrocessos em áreas sensíveis como a saúde, nenhuma uma obra estruturante nem mesmo na capital, enfim, Flávio Dino termina o seu mandato sem uma marca como aconteceu com outros governadores.

Amanhã, quinta-feira, 6, como anunciado, será publicada mais uma pesquisa de intenção de voto cujo instituto não está sob as patas do Leões.

Contudo, não são as pesquisas dos institutos contratados pelos comunistas e muito menos pela oposição que darão o veredito se Flávio Dino merecerá ou não mais quatro anos de mandato.

Isso será uma tarefa única e exclusiva do voto popular.

Que pode dar um fim na experiência de 2014…

ELEIÇÕES 2018: Sobre a suposta “misoginia” do PCdoB no Maranhão (OU: Rose Sales já passou por isso) 14

Em 2014, a então vereadora comunista Rose Sales era uma candidata a deputada federal competitiva se a ela fossem dadas as condições de igualdade em relação a Rubens Pereira Júnior, o queridinho de Flávio Dino e do PCdoB na época.

Leio no blog do amigo Diego Emir, post intitulado “Misoginia no PCdoB? Rubens Jr e Márcio Jerry recebem R$800 mil do partido, mulheres ficam sem nada” (aqui).

Ora, não é de hoje, caro Diego, ou melhor dizendo, não é desta eleição de 2018 que o PCdoB deixa de fora as suas candidatas para privilegiar a machadara comunista.

Em 2014, a então vereadora Rose Sales comeu o pão que Flávio Dino e Márcio Jerry amassaram para poder ser candidata a deputada federal e ter direito algum recurso financeiro do PCdoB.

O argumento cafajeste que usam para deixarem as candidatas comunistas de fora do bolo financeiro partidário, agora em 2018, é o mesmo que usaram com Rose Sales, por exemplo, quatro anos atrás: o dinheiro é destinado para os “candidatos mais competitivos”.

Só que em 2014 a vereadora comunista Rose Sales era, sim!, uma candidata competitiva se a ela fossem dadas as condições de igualdade em relação a Rubens Pereira Júnior, o queridinho de Flávio Dino e do PCdoB na época.

Mas, que nada! O “comunismoduto” foi todo direcionado para abastecer a campanha do rapaz que se elegeu, e  bem, com a ajuda dos repasses financeiros do PCdoB praticamente direcionados 100% para a sua campanha.

Ainda bem que a brava Rose Sales está aí vivinha da silva, e candidata novamente, só que por outro partido, para comprovar a história.

Márcio Jerry e Rubens Júnior já receberam a bagatela de R$ 800 mil do PCdoB, segundo atesta Diego Emir, enquanto as candidatas-camaradas do partido nem “tchum”.

Andrea Alves e Meire Madeira são as “Rose Sales” da vez.

Misoginia comunista?