ELEIÇÕES 2018: Na Cabana do Sol, Ciro Gomes é hostilizado por eleitores de Bolsonaro 12

Por passagem em São Luis, o candidato a presidente Ciro Gomes (PDT) foi hostilizado por eleitores do esfaqueado Jair Bolsonaro (PSL), também presidenciável.

Aos berros “Bolsonaro, Bolsonaro”, o pedetista fez de conta que não era com ele, mas não teve como esconder o “sorriso amarelo”.

Essa é a conjuntura de alto risco que o Brasil atravessa nestas eleições de 2018: dois presidenciáveis complicados, um desequilibrado emocionalmente e mentiroso contumaz, e outro autoritário simpatizante do fascismo.

Confira.

ELEIÇÕES 2018: Envolto à denúncias de corrupção, Ciro Gomes desembarca em São Luis no feriado de 7 de setembro

Ciro Gomes deve chegar a São Luis para, além de fazer a sua própria campanha para presidente, tentar vitaminar a candidatura de senador do seu correligionário Weverton Rocha, que anda de bem com as contas bancárias de campanha, mas de mal com as intenções de votos.

Uma semana depois da revista Veja publicar matéria sobre o que seria um sofisticado esquema de corrupção envolvendo o irmão e aliados de Ciro Gomes, o presidenciável pelo PDT desembarca amanhã, sexta-feira, 7, em São Luis, para cumprir agenda de campanha.

Intitulada “O esquema cearense”, Veja conta que Cid Gomes, irmão de Ciro, o marqueteiro de Ciro e o ex-chefe de Ciro estão enrolados na Lava-Jato.

“O candidato Ciro Gomes tem feito questão de lembrar ao eleitor que não é investigado pela La­va-Jato, mas a Lava-Jato está no seu encalço. A pedido da Procuradoria da República no Ceará, a polícia vem apurando a existência de um esquema de extorsão contra empresários no governo do Ceará. Entre os suspeitos de promover o achaque figuram um dos irmãos, o marqueteiro e um ex-empre­gador de Ciro Gomes — e, agora, apareceu uma testemunha afirmando que o próprio Ciro participava do esquema criminoso”, revelou a matéria.

A testemunha a qual se refere Veja seria Niomar Calazans, 48 anos, ex-primeiro-tesoureiro do Pros, partido ao qual Ciro Gomes e seu irmão Cid foram filiados entre 2013 e 2015.

Ciro Gomes deve chegar a São Luis para, além de fazer a sua própria campanha para presidente, tentar vitaminar a candidatura de senador do seu correligionário Weverton Rocha, que anda de bem com as contas bancárias de campanha, mas de mal com as intenções de votos.

Mas isso é assunto para outra postagem…

Leia a matéria completa de Veja.

O gesto de Brizola em 1989 que vale para 2018 2

O líder trabalhista teve a ousadia de pedir aos brasileiros que não quisessem votar nele, que votassem em Lula, Mário Covas, Ulisses Guimarães, Roberto Freire, “candidatos dignos que estão na disputa”.

Na primeira eleição para presidente da República pós-golpe de 64, no ano de 1989, Leonel Brizola, o velho e bom “Briza”, não fez campanha e muito menos pediu voto apenas para si.

Um dos maiores políticos que o Brasil já teve, Brizola sabia dos riscos que significava para o país a eleição de homens como Collor de Melo e Silvio Santos, que chegou a ensaiar uma candidatura presidencial mas acabou se perdendo pelo meio do caminho.

Foi então que o eterno líder trabalhista teve a ousadia de pedir aos brasileiros que não quisessem votar nele que votassem em Lula, Mário Covas, Ulisses Guimarães, Roberto Freire, “candidatos dignos que estão na disputa”. Algo mais ou menos assim.

Esse gesto de Brizola serve perfeitamente para 2018, na medida que há candidatos como Ciro Gomes (PDT), Jair Bolsonaro (PSL) e Cabo Daciolo (Patriotas), por exemplo.

Ciro é uma farsa política! Mente e mente bem com a cara mais dura do mundo, daí que é perigoso, pois convence com a sua retórica demagógica os eleitores menos atentos.

Bolsonaro e Cabo Daciolo, bom, esses dispensam comentários.

Nesse sentido, e lembrando o ensinamento de Brizola, há candidatos dignos nestas eleições de 2018 para presidente, tais como Fernando Haddad (PT) – caso o Lula seja impedido de disputar o pleito -, Marina Silva (Rede), João Amoêdo (Novo), Álvaro Dias (Pode), Geraldo Alckimin (PSDB), além dos outros candidatos situados na esquerda mais radical.

Mas, na avaliação do Blog do Robert Lobato, é erro colossal votar em candidatos como Ciro Gomes, Cabo Daciolo ou Jair Bolsonaro.

Que os brasileiros mirem e sigam o exemplo de Leonel de Moura Brizola.

ELEIÇÕES 2018: TV de Weverton Rocha pode derrubar pré-candidatura de Ciro Gomes 8

No melhor estilo “morde e assopra”, o presidenciável pedetista primeiro falou que Lula é “ficha suja” e que não tem como ser candidato a presidente da República. Logo em seguida, no melhor estilo fanfarrão, disse que só ele pode tirar Lula da prisão.

Ciro Gomes discursa na convenção que o oficializou como candidato do PDT. (Foto: Ailton de Freitas/Agência O Globo).

A polêmica entrevista na qual o presidenciável Ciro Gomes (PDT) concedeu à TV Difusora, de propriedade do deputado federal Weverton Rocha, presidente do PDT local, pode ter comprometido o projeto Ciro “Bipolar” Gomes presidente-12.

No melhor estilo “morde e assopra”, o pré-candidato pedetista primeiro falou que Lula é “ficha suja” e que não tem como ser candidato a presidente da República.

Logo em seguida, agora no melhor estilo fanfarrão, Ciro Gomes lascou essa:

Lula tem alguma chance de sair da cadeia? Nenhuma. Só tem chance de sair da cadeia se a gente assumir o poder e organizar a carga. Botar juiz para voltar para a caixinha dele, botar o Ministério Público para voltar para a caixinha dele e restaurar a autoridade do poder político”.

Essa fala até faria algum sentido, claro.

Uma lástima que foi dita por um pré-candidato a presidente que vive à base de Gardenal.

Que loucura!

ELEIÇÕES 2018: Apoio do “centrão” fortalece Geraldo Alckmin e consequentemente Roberto Rocha 6

Isso porque o simples fato do fortalecimento político e eleitoral de Alckmin significa o fortalecimento de Roberto Rocha, pois Alckmin é Roberto e Roberto é Alckmin. Entendeu, né Manuela D’Ávila?

A se confirmar o acordo do chamado “centrão”, capitaneado por DEM e PP, além do já declarados aliados PTB e PSD, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) ganha musculatura na campanha rumo ao Palácio do Planalto.

Esse eventual acordo será um fato novo na campanha eleitoral, com potencial para mudar o jogo a favor do pré-candidato tucano.

As esquerdas já acusaram o golpe através da pré-candidata a presidente de mentirinha do PCdoB, Manuela D’Ávia, que pela rede social do Twitter declarou: : “Os partidos do centrão que apoiam Alckmin ocupam vários ministérios e são a espinha dorsal do governo Temer. Esse apoio demonstrou que o tucano é a continuação do governo mais odiado da história do país. Nessas eleições, Temer é Alckmin e Alckmin é Temer.”

O engraçado, não fosse ridículo, é que o PCdoB de Manu estava flertando até dias atrás com o também presidenciável Ciro Gomes (PDT), que por sua vez estava maluco atrás do mesmo centrão que agora a mesma Manu ridiculariza. É a tal “coerência” comunista de todo nosso santo dia.

Roberto Rocha fortalecido

Não há como desconhecer ou ignorar que uma vez selado o acordo centrão/Alckmin a pré-candidatura do senador Roberto Rocha (PSDB) ao Governo do Maranhão vai ser vitaminada ainda que não haja a verticalização, no Maranhão, do arco de alianças costurado pelo presidenciável tucano.

Isso porque o simples fato do fortalecimento político e eleitoral de Alckmin significa o fortalecimento de Roberto Rocha, pois Alckmin é Roberto e Roberto é Alckmin.

Entendeu, né Manuela D’àvila?

IMAGEM DO DIA: Fanfarrões, Ciro Gomes e Carlos Lupi mais próximos dos comunistas do PCdoB 2

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) usou a sua rede social do Twitter para comunicar que, junto com Carlos Lupi, presidente nacional do partido,  procurou a direção nacional do PCdoB na manhã desta terça-feira, 17, em Recife (PE). Na pauta um eventual apoio dos comunistas ao candidato pedetista. Ciro Gomes e Carlos Lupi são dois fanfarrões, como todo brasileiro sabe. Ciro quando esquece de tomar o seu Gardenal fica doidão e genioso, Já Lupi não tem remédio que dê jeito.

Para saber mais sobre o encontro comuno-trabalhista acesse AQUI.

ELEIÇÕES 2018: Em ato de lançamento da pré-candidatura de Weverton Rocha ao Senado, Flávio Dino deve declarar apoio a Ciro Gomes 20

Essa prática do comunista é conhecida de todos: para cada situação um discurso, para cada palanque uma declaração de apoio para presidente. Vimos isso em 2014 quando apoiou de Dilma (PT) a Aécio Neves (PSDB). Às favas a fidelidade partidária e a concepção ideológica

Deputado federal Weverton Richa (PDT) fará ato político na próxima segunda-feira, 16, no Multicenter Sebrae, com a presença do pré-candidato a presidente pelo seu partido, o fanfarrão do Ciro Gomes.

O ato vai estar presente também o governador Flávio Dino, que deve declarar apoio a Ciro Gomes e banhar o presidenciável de loas, que defendeu apoio da esquerda ao pedetista.

Essa prática de Flávio Dino é conhecida de todos: para cada situação um discurso, para cada palanque uma declaração de apoio para presidente. Vimos isso em 2014 quando apoiou de Dilma (PT) a Aécio Neves (PSDB). Às favas a fidelidade partidária e a concepção ideológica.

Senado

Mas o ponto alto do evento, claro, será o lançamento da pre-candidatura de Weverton Rocha ao Senado Federal no auditório repleto de militantes espontâneos e participantes pagos para enfeitar a festança política.

Weverton Rocha faz uma das pré-campanhas mais caras dessa fase do processo eleitoral de 2018. Além de ter “adquirido” o sistema Difusora de Comunicação, o líder pedetista possui um estrutura que, se duvidar, é de fazer inveja até ao governador Flávio Dino. É dinheiro saindo pelo ladrão – sem querer fazer qualquer trocadilho.

Por terra ou pelo ar, já que Weverton Rocha rasga os céus maranhenses num potente helicóptero de propriedade do seu compadre Willer Tomaz, um ex-presidiário da Lava Jato, o pré-candidato aposta – e a palavra é essa mesmo – todos os recursos na sua eleição que mesmo com toda grana e estrutura não é dada como fácil, tanto que a sua companheira de chapa, a também deputada federal Eliziane Gama (PPS) sem um quinto da estrutura que Weverton detém, tem mil vezes mais chances de eleição do ele.

O fato é que a segunda-feira, 16, vai dar o que falar positiva e negativamente, sem dúvida alguma.

O Blog do Robert Lobato deseja sucesso ao ato político do deputado Weverton Rocha, nosso querido Maragato.

Pior do que perder uma Copa é o país perder o juízo 4

Tudo isso foi ignorado por uma elite arrogante, composta por “caboclos querendo ser ingleses”, pois é isso que aqueles que foram para a rua bater panela o são: “caboclos querendo ser ingleses”.

Tudo o que Brasil atravessa neste momento é fruto da insanidade política que foi o impeachment da presidente de Dilma.

Não tivesse prosperado o afastamento da petista, muito provavelmente o Brasil não estaria passando por essa esquizofrenia política e institucional generalizada. É possível que a própria oposição capitaneada por Aécio Neves estaria numa situação melhor e o tucano sequer correndo o risco de ser preso.

E não satisfeito com o impeachment, vêm os carrascos da Lava Jato e prendem o ex-presidente Lula a partir de um processo completamente questionável, sem provas contundentes e tudo com base na tal “convicção” e no PowerPoint do procurador Deltan Dallagnol.

Esqueceram que Lula tem partido e que seu partido não é qualquer um.

O PT é das maiores organizações de esquerda do mundo e por isso mesmo a prisão política de Lula repercutiu em todos os continentes do planeta. No Brasil, não há outro partido com a base social que o PT possui.

Tudo isso foi ignorado por uma elite arrogante, composta por “caboclos querendo ser ingleses”, pois é isso que aqueles que foram para a rua bater panela o são: “caboclos querendo ser ingleses”*.

O resultado é toda essa balbúrdia que estamos vendo agora, um país jogado na incertezas e nas inseguranças políticas, institucionais e jurídicas. Tudo muito ruim: executivo, legislativo, judiciário, imprensa, partidos etc.

De fato o país está de cabeça para baixo!

E se não bastasse tudo isso, ainda temos que nos preocupar com o risco do Brasil cair nas mãos de um maluco como Bolsonaro ou de um mentecapto como Ciro Gomes.

Pior do que perder uma Copa é um país perder o juízo.

E parece que juízo o Brasil já perdeu há muito tempo…

*“Caboclos querendo ser ingleses”: Trecho da música Burguesia, do saudoso Cazuza.