O circo dos horrores na BR-135 14

Não sei se o governador quando vai para esse tipo de evento toma umas “kriptonitas” antes para encarar a parada, mas, sem sacanagem, aquilo que o Maranhão viu ontem parece coisa de bêbado

Em qualquer estado da Federação com um mínimo de civilidade política, um ato oficial como o da inauguração do primeiro trecho da duplicação da BR-135 seria uma festa democrática e um ato de cidadania. Mas, no Maranhão, pra variar, não funciona assim!

Saiu tudo errado.

Na frente de ministros de Estado, políticos maranhense, incluindo o governador, deram de show de causar vergonha alheia ampla, geral e irrestrita.

E pelo ângulo que se olhar fica difícil saber quem foi o protagonista mais bizarro desse verdadeiro circo dos horrores promovido por parte da classe política local, incluindo o governador do estado.

Como anfitrião, Flávio Dino foi muito, mas muito mal-educado. Diria até grosseiro!

Não sei se o governador quando vai para esse tipo de evento toma umas “kriptonitas” antes para encarar a parada, mas, sem sacanagem, aquilo que o Maranhão viu ontem parece coisa de bêbado.

Como é que um chefe de Poder Executivo de um estado afronta autoridades locais e nacionais sem a menor constrangimento, debocha de adversários, tira sarro com a cara cerimonialistas do Executivo Federal e acha que é tudo normal, que tudo pode porque no Maranhão não tem mais dono etc, etc, etc?

Mais engraçado, não fosse ri-dí-cu-lo, foi a claque formada por secretários e gestores de governo, que para mostrar serviço ao chefe, partiram para cima deputados e senadores com xingamentos de tudo que é jeito mandando às favas o que se costuma chamar de “liturgia do cargo”.

Ora, se algum deputado ou senador adversário do governador fez alguma provocação, que o Excelentíssimo Senhor Flávio Dino respondesse à altura do cargo, fazendo ouvidos de mercador ou, com elegância digna dos estadistas, pedia desculpas aos presentes por eventuais ofensas que sofreu naquele momento.

Mas, não. Como se tivesse uma necessidade patológica para mostrar que quem manda é ele, Flávio Dino quebrou todos os protocolos, desafiou a todos e tudo, colocou deputados contra senadores, enfim, deu o seu show à parte.

O fato é que esse episódio já entrou para a galeria dos “causos” mais sinistros da história política do Maranhão de todos os tempos.

E graças, principalmente, mas exclusivamente, do governador Flávio Dino, o Narciso.